xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 28/04/2017 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

28 abril 2017

Um coração de amar - Por: Emerson Monteiro

Quisessem reunir todos os filósofos e lhes pedir a resposta definitiva quanto aos universos paralelos e todos os mistérios que circulam nestes ares, e eles quedariam incólumes nas suas elucubrações. Baixariam cabeças tão fustigadas de interrogações, exangues e submissos aos segredos naturais. Parariam defronte aos portais do Infinito e renderiam graças à pequenez da função mental, cientes da ausência pronta das contradições que buscaram desfazer, no afã de acalmar os ânimos da Humanidade.

Quantas vezes o gosto do desconhecido alimentou a vontade extrema no desejo de concretizar o sonho das novas realidades, confirmando o propósito de vencer as limitações da matéria. Firmar em bases sólidas o ímpeto de viver a coerência das espécies. Cruzar as barreiras dos impossíveis e tranquilizar as almas, na febre terçã de solucionar os limites da morte. Vencer, sobretudo vencer as fragilidades do Chão. Erguer os olhos à imensidão dos céus.

E no valor maior das existências, pousar nos planos abençoados da Eternidade, sem sofrer mais os percalços das contradições. Quanto de solicitação elevamos ao cérebro, que nem de longe responderá a tantos pedidos... Baixamos os olhos, só então, depois de reconhecer a fragilidade daqui; dobramos o cenho e aguardamos fiéis as normas justas da Verdade. Lá de dentro do coração, o laboratório da Salvação, virá a magnífica escritura da Paz.

Lá seremos reis de nós mesmos, pois a isto aqui chegamos, fruto do plano divino da felicidade maior. Receberemos da química do Amor essa luminosidade das maravilhas. Ser-nos-á depositado, no equilíbrio absoluto dos nossos seres, o alimento definitivo e prudente da elevação ao páramos superiores. Bem nessa hora tudo nos animará o senso. As situações ver-se-ão resumidas ao foco da plenitude, religião das religiões, único objetivo de tudo quanto há. Assim, o poder inesgotável da harmonia abraçará de suavidade e união os valores de que um dia seremos os herdeiros e autores desde as origens.

Coisas desta República: Em 128 anos de república, apenas 12 presidentes foram eleitos por voto direto e conseguiram terminaram o mandato


Fonte: Folha de S.Paulo

Uma doença interrompeu a gestão do presidente Affonso Penna em 1909. A Revolução de 1930 derrubou Washington Luís. Getúlio Vargas suicidou-se em 1954. Em 1961, Jânio Quadros renunciou. João Goulart foi deposto em 1964. Fernando Collor sofreu impeachment em 1992, o mesmo acontecendo com Dilma Rousseff em 2016.

 Nos 128 anos de República brasileira, só 12 pessoas foram eleitas pelo voto direto, tomaram posse e governaram até o final, incluindo Dilma no primeiro mandato. Sete vices já assumiram a Presidência. Michel Temer é o oitavo.
Por que o Poder Executivo brasileiro e a democracia no país são tão instáveis?
Para o professor da USP Marcos Napolitano, especialista em história social, há três obstáculos à estabilidade política: a estrutura socioeconômica desigual no país, herdada da escravidão, um deficit democrático em nossa tradição liberal, "presa a valores oligárquicos e excludentes", e a falta de compromisso com a "coisa pública" do cidadão, "que se reflete nos políticos".
"A maior parte dos países que hoje são democracias estáveis já passou por períodos muito turbulentos em sua história até aprenderem a lidar com as demandas e os conflitos sociais. As elites brasileiras criaram a imagem de um país passivo e pacífico, com o povo cordial etc., mas um exame mais profundo na nossa história revela o quanto a sociedade brasileira sempre foi violenta e conflituosa."
Etsa instabilidade, porém, não é exceção, na visão de Maria Hermínia Tavares de Almeida, pesquisadora do Cebrap e professora aposentada do departamento de ciência política da USP. "Não somos muito diferentes dos vizinhos latino-americanos, com exceção do México, que conheceu muitas décadas de estabilidade autoritária, e da Costa Rica, que é uma democracia estável desde os anos 1940."
"Talvez não sejamos tão especiais assim", afirma Maria Hermínia. "A democracia é um sistema difícil de construir e de manter, sobretudo em sociedades com muita pobreza e desigualdade."

PERÍODOS
Na República Velha (1889-1930) reinou certa estabilidade do poder presidencial, embora os líderes governassem em estado de sítio por longos períodos e com conflitos sociais. Mas as restrições à participação popular –mulheres e analfabetos não votavam– e a política dominada por elites regionais sustentavam uma democracia precária.
À Primeira República seguiram-se o governo Vargas (1930-37) e o Estado Novo (1937-45), período de instabilidade e autoritarismo, em que eleições foram suspensas.A primeira experiência com a democracia de fato –ainda que limitada novamente– se deu entre 1946 e 1964, intervalo extremamente instável, com o suicídio de Vargas, a renúncia de Jânio e o golpe militar que depôs João Goulart. Cientistas políticos explicam essa fragilidade a partir dos poderes limitados do presidente, sem controle sobre o Orçamento, por exemplo, e, portanto, sem moeda de troca para oferecer ao Legislativo.

COALIZÃO
Na redemocratização, a configuração foi a contrária: delegou-se uma série de poderes ao presidente, que hoje inicia o Orçamento e pode editar medidas provisórias. A ideia é que a combinação entre o multipartidarismo e o presidencialismo com o Executivo forte permita que o presidente alcance a governabilidade formando uma coalizão depois da eleição.Esse modelo de presidencialismo de coalizão –termo criado pelo cientista político Sergio Abranches em 1988– foi criticado no passado por brasilianistas americanos, que apontavam baixa fidelidade partidária, mas defendido por brasileiros justamente como a fórmula para atingir a estabilidade política.

No Ceará: Comércio, indústria, bares e hotéis mantêm atividades nesta 6ª feira, 28 de abril

Fonte: Diário do Nordeste, 00:00 • 28.04.2017 

Alguns segmentos vão paralisar atividades hoje em protesto contra as reformas trabalhista e previdenciária
 Por meio de nota, a Fiec disse considerar que "não é cruzando os braços que conseguiremos alcançar os objetivos que almejamos"
A Fecomércio-CE disse que já entrou em contato com as autoridades competentes para garantir a ordem no comércio durante esta sexta-feira 

O comércio funcionará normalmente hoje (28), dia no qual categorias optaram por interromper suas atividades em protesto contra a reforma trabalhista, aprovada na quarta-feira no plenário a Câmara e que segue agora para o Senado, e a reforma da Previdência, cuja votação do parecer na comissão especial que discute o assunto na Câmara foi adiada para a quarta-feira (3).
O posicionamento da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza acompanha o estabelecido pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Por meio de nota, a Federação do Comércio do Estado do Ceará (Fecomércio-CE) também disse que o comércio manterá suas atividades e manifestou apoio aos empresários do Estado. A entidade destacou que já entrou em contato com as autoridades competentes para que a ordem seja garantida hoje.
A Fecomércio-CE também ressaltou que desde maio de 2016 está em vigência liminar de ação civil pública que proíbe entidades sindicais de forçar o fechamento ou coibir empresários, funcionários e clientes, cabendo pena de R$ 10 mil por estabelecimento afetado. A nota é assinada por 37 entidades do setor no Ceará, incluindo o Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas).
Entretanto, o Sindicato dos Comerciários publicou em seu site vídeo no qual o presidente, Gonçalves Monteiro, convoca a categoria para aderir à greve. "Ou você luta pela sua aposentadoria, pelo seu direito ao décimo terceiro salário, pelas suas férias, ou isso tudo vai se acabar", diz durante a gravação.
Setores
Por meio de nota, a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) "reafirma o seu posicionamento acerca das reformas em pauta no Congresso Nacional, as quais considera fundamentais para que o Brasil entre no caminho da modernidade e retome a rota do desenvolvimento". A entidade disse ainda que, nesse sentido, "considera que não é cruzando os braços que conseguiremos juntos alcançar os objetivos que almejamos".
Portanto, o Sistema Fiec funcionará normalmente hoje. "A indústria cearense confia no bom senso e na capacidade de diálogo da sociedade como instrumento a nos fortalecer no enfrentamento do complexo cenário em que vivemos".
Os bares, restaurantes e similares não devem aderir à paralisação desta sexta, segundo o presidente do sindicato que abrange o setor, Moraes Neto. Ele avalia que, com a paralisação do transporte público coletivo, deve haver uma baixa hoje, mas acredita que "não vai ser um abalo tão significativo". "Faltando transporte naturalmente o setor é abalado de um modo geral. Tem também o feriado, mas creio que são será nada significativo e nós iremos funcionar normalmente nesta sexta-feira", explicou o presidente do Sindicato dos Bares, Restaurantes, Barracas de Praia, Buffets e Similares do Estado do Ceará (Sindirest-CE), Moraes Neto.
Para o setor hoteleiro, o dia também deve ser de desenvolvimento normal das atividades, de acordo com o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (ABIH-CE), Darlan Leite. "O nosso setor está totalmente livre dessa paralisação de amanhã (hoje)".

Edições Anteriores:

Dezembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 30