xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 08/10/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

08 outubro 2016

A santidade da menina Benigna – por Armando Lopes Rafael

No próxima dia 24 de outubro acontecerá, em Santana do Cariri,  nova romaria à Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva. Desta vez a solenidade será presidida pelo Bispo coadjutor de Crato, Dom Gilberto Pastana de Oliveira.

   Analisando a fama de santidade de Benigna Cardoso da Silva, de início o que chama a atenção, sobre este fato, é a perseverança da população de Santana do Cariri em manter viva essa aura de virtude que cerca a história da Heroína da Castidade. Benigna foi martirizada há 75 anos – em 1941 – e de lá para cá sua fama de santidade só fez crescer. Até que o próprio Bispo de Crato, Dom Fernando Panico, ouvindo o clamor do seu povo, resolveu nomear uma comissão para estudar as virtudes desta menina. Recorde-se que quando Benigna foi assassinada, o pároco de Santana do Cariri, Padre Cristiano Coelho, procurou o Livro de Batismos nº B-08, e, na página 36, onde estava escrito o Registro de nº 470 – referente ao batismo de Benigna – e anotou, ao lado, Ipsis litteris: “Morreu martirizada, às 4 horas da tarde, no dia 24 de outubro de 1941, no Sítio Oiti. Heroína da Castidade, que sua santa alma converta a freguesia e sirva de proteção às crianças e às famílias da Paróquia. São os votos que faço à nossa santinha. Pe. Cristiano Coelho”.
     Vox Populi, Vox Dei. A voz do povo é a voz de Deus!

O que é a santidade?
Em 05 de julho de 2007, o Papa Bento XVI definiu, de uma maneira muito feliz, o que é a santidade: “Ser santo significa parecer-se com Jesus Cristo em tudo: pensamentos, sentimentos, palavras e ações. O traço mais característico da santidade é a caridade (amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo), que dá forma a todas as virtudes: humildade, justiça, laboriosidade, castidade, obediência, alegria... É uma meta a que todos os batizados são chamados, e que só é alcançada no Céu, depois de lutar a vida inteira, contando com a ajuda de Deus”.

Uma vida vivida em meio à pobreza
Considere-se ademais, que além de piedosa, humilde e dotada de uma vida pura, Benigna experimentou a pobreza durante toda a sua existência terrena. Pobríssima, e de origem humilde, era a família de Benigna. Seu pai, José Cardoso da Silva, ganhava o sustento como trabalhador rural, ocupando-se no Sítio Oiti dos Cireneus, imóvel pertencente ao Sr. Cireneu Sisnando Leite. A mãe da menina, Tereza Maria da Silva, executava as tarefas domésticas da casa e cuidava dos quatro filhos menores. Com o falecimento dos seus pais, Benigna e seus irmãos foram adotados pelas irmãs Rosa e Honorina Sisnando Leite, estas filhas do proprietário do Sítio Oiti dos Cireneus, àquela altura já falecido. A pequena propriedade foi herdada por essas duas senhoras, as quais – apesar da herança recebida – também viviam modestamente, como era o padrão econômico-financeiro-social dos pequenos proprietários rurais no município de Santana do Cariri, nas primeiras décadas do século XX.

   Numa coisa, as famílias do município de Santana do Cariri – naquele recuado tempo – se igualavam, tanto as paupérrimas, como as que dispunham do mínimo necessário à subsistência.   As famílias respiravam um ambiente de piedade cristã, vivido de maneira simples, é verdade, mas voltado para o amor a Deus, à devoção a Nossa Senhora, à Senhora Santana – padroeira da cidade – a São José e ao Anjo da Guarda. Os filhos tinham o costume de pedir a bênção aos pais, tanto ao acordarem como à hora de se recolherem para dormir. As famílias rezavam antes das refeições. Ao entardecer era comum pais e filhos rezarem juntos o terço do Rosário. Os tempos litúrgicos – Advento, Quaresma, Páscoa – eram celebrados com respeito por todos.

   Outra forte tradição religiosa no município de Santana do Cariri – e, por extensão, em todo o Sul do Estado do Ceará – era (e ainda permanece nos dias atuais) o costume de as famílias realizarem sua consagração ao Sagrado Coração de Jesus. A primeira solenidade dessa consagração ocorria quando a família entronizava – ou seja, colocava “no trono” – no lugar de honra de suas residenciais, dois quadros com gravuras do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria.  Isso ocorria num ato religioso, independente da presença de um sacerdote, para simbolizar o compromisso de a família viver o Evangelho e seguir a Deus pela obediência às suas leis na fé, esperança e caridade. Anualmente, no aniversário da “entronização”, as familiares faziam a “renovação” desse compromisso. A tradicional Renovação da Consagração da família ao Sagrado Coração de Jesus, tão comum naquele tempo (e que persiste nos dias atuais) em vasta parte do Sul do Estado do Ceará.

    Na sua curta existência a menina Benigna participou de muitas dessas “renovações”, pois a quase totalidade das famílias da sua comunidade conservavam essa bonita tradição católica.
    Estas algumas considerações sobre a santidade de Benigna. Voltaremos ainda a este assunto.


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30