xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 09/07/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

09 julho 2016

Vice-Prefeito do Crato, Raimundo Filho revela os bastidores do poder - Programa FATOS EM FOCO, com Dihelson Mendonça.


Vice-Prefeito do Crato, Raimundo Filho revela os bastidores do poder e colabora com o Ministério Público desde 2013. Programa FATOS EM FOCO, com Dihelson Mendonça. - TV Chapada do Araripe.

Ao vento frio de julho - Por: Emerson Monteiro

Enquanto sobre a serra voaram as primeiras andorinhas nas brincadeiras festivas de princípio de estio, ele andaria passo antepasso por meio das árvores do pomar.  São mais diversas as qualidades: pinhas, maçãs, mangas, cajus, tangerinas, laranjas, bananas, seriguelas; de olhos bem abertos, contempla o céu azul na silhueta da folhagem, vendo percorrer apressadas as nuvens do firmamento, afeitas à jornada constante do movimento das folhas no intenso calor do verão prematuro.

Houvesse testemunhas, e havia, logo notariam, notaram, a sua presença de peregrino pelos olhos no futuro dadivoso das frutas, quase querendo antecipar o depois diante da imensidão sem fim do tempo eterno. Algumas delas, das meras testemunhas, na maioria de acusações incriminadoras, apontavam  dedos remelentos na direção donde vinha o vulto. Algo que significaria mera condenação prévia e execução sumária, que inundava o ar da manhã, contudo ausente de realidade pura, vista a velocidade com que exibiam os juízos alienados.

E ele andou alguns momentos, até quando teve coragem de estirar os braços aonde os dedos pudessem adquirir os primeiros exemplares das belas frutas, porém quiçá ainda verdes; já maiores, no entanto verdes, longe do sabor típico da estação. Experimentou calcar dentes na pele dadivosa de uma manga, ou de uma maçã, o que deixaria de lado na intenção doutras mais. Estas próximas, entretanto, puxadas a maduro, a saborosas, vicejantes vivas em mãos ansiosas de novidades.

Só ali, então, sentiu de verdade a certeza do futuro maior de cada ser envolvido, das mangas doces que lhe esperaram todo o ano em ardente frutificação. Dentes ansiosos penetram com força os tecidos amarelo fogo da nova visão.

Alguns dos circunstantes, testemunhas e seus compromissos de justiça alvoroçada, logo quiseram impedir, recriminar, julgar em rápida velocidade, o ato do visitante do pomar. No que foram de pronto contidas sob a autoridade do feitor:

- É Jesus quem quer. Quem quer é Jesus - soaram leves as palavras do guardião do lugar. – O que Ele quer torna em ato contínuo.

Segredos e revelações da história do Brasil: Porque o dia 9 de julho é feriado no Estado de São Paulo – por Antônio Carlos Soares (*)

 Neste sábado, dia 9 de julho, é feriado no Estado de São Paulo por força da Lei nº 9.497, de 5 de março de 1997, que instituiu o feriado civil em memórias dos veteranos que lutaram em 1932. Para entendermos sua importância, temos de voltar na história, relembrando a década de 30, época em que, no Brasil,  eclodia a Revolução Constitucionalista de 1932.
   A Revolução Constitucionalista de 32 aconteceu um pouco antes, no ano de 1930. Chamada de “Revolução de 30”, ela foi liderada por políticos e militares que tiraram o então presidente constitucional  Washington Luís do poder e colocaram Getúlio Vargas em seu lugar. Essa revolução marcou o fim da República Velha, quando o País era governado por políticos de Minas Gerais e São Paulo, e deu início à “Era Vargas”, mais uma ditadura republicana no Brasil,  que durou 15 anos. Nesses 15 anos de Vargas, houve também um período dos “anos de chumbo”, denominado oficialmente  “Estado Novo” (1937-1945). Foi mais o período mais violento da ditadura Vargas quando muitos brasileiros foram assassinados por motivos políticos.
   Tão logo sentou na cadeira de presidente, Getúlio Vargas fez uma coisa que desagradou a muitos brasileiros: ele deu amplos poderes para si e aboliu o Congresso e as Câmaras Municipais. Ele também demitiu os governadores dos Estados e colocou “interventores” em seus lugares. O pior é que, antes disso, Getúlio Vargas havia declarado que o País precisava de uma nova Constituição. Mas, dois anos depois de assumir o poder, Vargas não havia tomado nenhuma providência neste sentido.
 As atitudes do presidente geraram grande insatisfação. Em maio de 1932 foi realizado um comício reivindicando uma nova Constituição para o Brasil. A manifestação foi reprimida pela polícia e terminou em conflito armado. Quatro jovens morreram: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. Em homenagem a eles, o movimento constitucionalista passou a se chamar MMDC, sigla formada pelas iniciais de seus nomes. Dois meses mais tarde, justamente no dia 9 de julho de 1932, explodiu a revolta dos grupos constitucionalistas. Lideradas por Isidoro Dias Lopes, as tropas dos rebeldes ocuparam as ruas de São Paulo.
   A população saiu às ruas para apoiar a revolução. Mas o governo federal tinha armas melhores e mais soldados. Até aviões eles usaram para bombardear cidades do interior paulista. Campinas foi bombardeada por aviões federais e, em um desses bombardeios, o menino Aldo Chioratto de 9 anos de idade, escoteiro e mensageiro do exército constitucionalista, foi atingido por 13 estilhaços de granada que explodiu próximo a ele ferindo-o mortalmente. A revolução continuava por várias cidades.
    O movimento MMDC mobilizou cerca de 100 mil homens, sendo a maioria representante da classe média. Organizaram-se em frentes de combate e se posicionaram nas divisas de São Paulo com Minas Gerais, com o Paraná e no Vale do Paraíba. Os paulistas aguardaram o apoio de outros Estados, o que não aconteceu. O levante se estendeu até o dia 2 de outubro de 1932, quando os revolucionários perderam para as tropas do governo, tendo que se render. Este foi o maior confronto militar que aconteceu no Brasil no século 20. Apesar da grandeza da revolução, somente dois anos depois, em 1934, o povo conseguiu eleger uma assembleia para promulgar uma nova Constituição do País, dando início a um processo de democratização.
   Sinal de que o sangue paulista não foi derramado em vão. O povo paulista em reconhecimento ao heroísmo dos soldados e também aos quatro jovens construiu um monumento em homenagem a esses bravos guerreiros. Para perpetuar aquela data criou-se obelisco do Ibirapuera, que serve de mausoléu para seus corpos, e simboliza uma espada fincada, ferindo o coração do Estado de São Paulo. Ainda hoje varias honrarias são entregues a pessoas físicas ou jurídicas nacionais ou estrangeiras que cultuam o nome e os feitos dos soldados que lutaram por uma nova Constituição. Essas homenagens são uma forma definitiva de perpetuará a gratidão e o reconhecimento, para todo o sempre, dos que cumpriram esta jornada cívica para com aqueles que, hoje e no futuro, continuarem abraçando os mesmos ideais de democracia, liberdade e amor à legalidade pelos quais se bateram os heróis e veteranos de 32.
 
(*) Antonio Carlos Soares – e-mail  soaresantoniocarlos32@gmail.com

Em VEJA desta semana: A piora na vida dos mais pobres

VEJA revisitou brasileiros cuja realidade havia melhorado em 2010 e constatou na vida real o que as estatísticas registram no papel: a fome voltou a rondar as mesas, e os sonhos, como o de fazer faculdade, deram lugar ao medo do desemprego
(Antonio Milena/VEJA)
A previsão constava de um estudo do Ipea feito em 2010: em 2016, dizia, a miséria daria traço no Brasil - a pobreza extrema estaria "praticamente superada" e se transformaria em uma insignificância estatística. Havia razão para tanto otimismo. Naquele ano, o último do segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, o crescimento do PIB havia fechado em 7,5%, o maior desde 1986. Mais de 13 milhões de brasileiros já tinham desembarcado da extrema pobreza, e o poder de compra do salário mínimo havia aumentado quase 10% ao ano, no período compreendido entre 1995 e 2008. Passados seis anos, no entanto, o Brasil anda de marcha a ré. Novos estudos, estes coordenados por Marcelo Neri, do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV), indicam que os miseráveis - aqueles que não deveriam mais existir em 2016 - estão, na verdade, prestes a aumentar.
Um dos dados que mostram a iminência desse fenômeno é a queda inédita e simultânea de dois índices importantes no último trimestre de 2015: o da renda da população e o da "taxa de equidade", que mede quanto o país está mais igual - e, portanto, menos desigual. Ambos compõem o índice de bem-estar social da FGV. As duas quedas, da renda e da equidade, decorrem dos mesmos fatores, afirma Neri: "A inflação leva dois terços da culpa e a falta de emprego, incluindo o informal, é responsável pelo outro terço".
Até o fim de 2016, a renda per capita dos brasileiros deve recuar quase 10% em relação a 2014, aponta outro estudo da FGV. Será a segunda maior queda em 116 anos. Pior que esse tombo, apenas o do triênio 1981-1983, também marcado por uma crise econômica grave. Segundo um estudo da consultoria Tendências, a derrocada vai levar 7,8 milhões de brasileiros de volta à pobreza e seu entorno. Se o país não voltar a crescer até 2018, haverá mais pessoas nessa situação do que em 2005, ainda nos primeiros anos do governo Lula, prevê a consultoria.
No mês passado, VEJA percorreu cidades do Ceará, Bahia e Minas Gerais para revisitar brasileiros que em 2010 falaram à revista sobre seus planos e esperanças. O título da reportagem era "A vida melhorou". Nesta apuração, no entanto, o que se viu foi a confirmação, na vida real, daquilo que registram os indicadores econômicos. Para todos os entrevistados, a vida piorou.

Excelente notícia: Com medo de protestos, Lula desiste de ir a Crato receber título honoris causa

A cerimônia estava prevista para ocorrer na terça-feira (12)
Fonte : jornal “Folha de S.Paulo”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cancelou a viagem ao Crato (CE), onde receberia o título honoris causa concedido pela Universidade Regional do Cariri. A homenagem fora aprovada em 2002, logo após o primeiro turno da eleição presidencial. Apesar de passado tanto tempo, Lula não foi ao local receber o título. Ele havia se programado para ir à universidade na próxima semana, mas, alegando outros compromissos, desistiu da viagem.
Há nas redes sociais manifestações contrárias à entrega do título a Lula. Algumas pessoas, inclusive, dizem que fariam manifestações contrárias à homenagem.
______
COMENTÁRIO:
Estava tudo organizado para uma grande manifestação de protesto contra a presença de Lula em Crato.Tudo aconteceria em frente a URCA, 3ª feira próxima,  com faixas, carro de som e comitivas vindas de Barbalha, Juazeiro do Norte, além de muitos cratenses.
Moral da Opereta Buffa: O povo quando quer é mais forte! A URCA sai ainda mais desgastada neste episódio...

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30