xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 28/03/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

28 março 2016

Agência confirma que recebeu R$ 6 mi ilegalmente da campanha de Dilma


A publicitária Danielle Fonteles, dona da agência de comunicação Pepper Interativa, confirmou em acordo de delação premiada que recebeu R$ 6,1 milhões de forma ilegal referentes a serviços prestados à campanha de Dilma Rousseff (PT) em 2010. O valor, segundo ela informou às autoridades, foi pago pela empreiteira Andrade Gutierrez por meio de um contrato celebrado em janeiro de 2010. A versão corrobora pela primeira vez de maneira oficial o teor do depoimento de Otávio Azevedo, ex-presidente da empreiteira, que contou, também em delação, ter pago à Pepper essa quantia a pedido da campanha de Dilma. A presidente tem negado qualquer ilegalidade. Segundo a publicitária, sua empresa bancou despesas da campanha de Dilma em 2010, como pagamento de funcionários do comitê da petista, com recursos repassados à Pepper pela construtora Andrade Gutierrez. Além desses R$ 6,1 milhões pagos por fora, a Pepper recebeu R$ 6,4 milhões oficialmente da campanha da petista. A publicitária afirmou às autoridades que os serviços ligados ao contrato paralelo com a empreiteira foram prestados. A expectativa é que esse trecho da delação seja enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal), em razão de Dilma ter foro privilegiado. Daniele Fonteles já prestou alguns depoimentos e o termo de colaboração com as investigações está em fase final de ajustes entre ela, o Ministério Público Federal e o STJ (Superior Tribunal de Justiça). O tesoureiro da campanha presidencial de 2010, José de Filippi Júnior, nega irregularidades. Segundo sua defesa, "tudo foi feito de maneira legal, legítima e não houve fraude" na relação com a Andrade Gutierrez. Segundo a Folha apurou, em um dos capítulos da delação, a dona da Pepper confirma que recebeu R$ 717 mil da empreiteira OAS em 2014, mas diz que o dinheiro foi pago por serviços ligados à campanha do petista Rui Costa ao governo da Bahia, sem ter relação com Dilma. Na campanha daquele ano, a Pepper cuidou da página da presidente no Facebook.

A publicitária disse, em sua colaboração com a Justiça, que foi orientada pelo petista Fernando Pimentel a firmar o contrato de R$ 6,1 milhões com a Andrade Gutierrez para a campanha de 2010. Hoje governador de Minas, Pimentel foi um dos principais coordenadores da primeira fase da campanha presidencial de Dilma naquele ano. Depois, as ordenações de despesas ficaram a cargo da equipe de Antonio Palocci, um dos principais coordenadores da campanha de Dilma na época. Tanto Palocci como Pimentel negam irregularidades nas contas da campanha de Dilma em sua primeira disputa presidencial. A delação premiada da dona da Pepper foi fechada com a Procuradoria-Geral da República em torno da Operação Acrônimo, que apura suspeita de um esquema de desvio de dinheiro público para campanhas políticas do PT. Caberá ao ministro Herman Benjamin, relator da Acrônimo, homologar o acordo com a publicitária. Na negociação com as autoridades, Danielle Fonteles comprometeu-se ainda a entregar informações sobre a atuação de Benedito Rodrigues Oliveira Neto, o Bené, espécie de operador de partidos políticos, sobretudo do PT, na Esplanada. A Operação Acrônimo foi deflagrada em 2015 e apura irregularidades no financiamento e na prestação de contas da campanha de Pimentel ao ao Palácio da Liberdade, em 2014, e eventual favorecimento a empresas com empréstimos do BNDES, subordinado ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, pasta que foi comandada pelo governador. 

Fonte: Folha Online



EXCLUSIVO - Bispo do Crato não renunciou, afirma chanceler da diocese.



Em consulta exclusiva do Blog do Crato ao Chanceler da Diocese, Armando Lopes Rafael sobre notícias veiculadas na mídia caririense de que o bispo D. Fernando Panico teria renunciado, assim nos respondeu:

Caro Dihelson:
Nenhuma das versões é verdade.

O que aconteceu é que o Bispo solicitou ao Papa Francisco a nomeação de um bispo-coadjutor para a Diocese de Crato e o Papa aceitou o pedido. Este auxiliar deve ser nomeado nos próximos dias. O bispo coadjutor terá direito à sucessão de Dom Fernando quando este deixar a Diocese de Crato, o que não se sabe quando acontecerá. Dom Fernando está com problemas de saúde, mas a perspectiva é que continue à frente da Diocese até o fim do ano, sendo auxiliado pelo novo bispo-coadjutor...
Aliás ele vai ter de se ausentar por 60 dias para tratamento em Fortaleza. Aguardemos as versões que serão apresentadas (pelos inimigos deles) para esta ausência momentânea....

Armando Lopes Rafael
Chanceler da Diocese de Crato
Foto: Dihelson Mendonça

www.blogdocrato.com - Desde 2005 registrando todo dia a história do Crato para a posteridade



Palavras e apetites - Por: Emerson Monteiro

O domínio das palavras bem vale arte e sabedoria, a sabedoria clássica, sem ser essa dos conversadores inveterados que levam outros na conversa, demagogos interesseiros da política vulgar dos dias humanos. Controlar o instinto de falar para aproveitar o fôlego, preguiça de agir na coerência abandona o valor das palavras de uso certo na hora própria. Enquanto isto, o silêncio acalma e fortalece. Mas quão difícil preservar a compostura e dizer o verbo justo e crescer com ele.

Nos inícios, a humanidade vivia de imagens e sons guturais, espécie de animais aprendizes do que se seguiria. Imagens visuais, desenhos das presenças do contexto das matas, e repetições dos desejos através de gestos sonoros. Palavras, que é bom, nem de longe, nas quebradas e montanhas.

Depois, esse animal virou gente e passou a utilizar as fragrâncias nos livros e discursos, então nascia o ser sofisticado de projetos, negócios e calendários eleitorais.

Perpassados corredores, vieram de brinde os apetites gozosos da matéria falando mais alto no íntimo bloco do desejo. Instrumento de apego ao chão, o apetite fornece as justificativas de permanecer ligado ao corpo de matéria e requentar o real instante da separação definitiva de tudo que conhece através nas imagens e sons iniciais.

Fanáticos ainda dos afagos da carne viva que transportam, os antropóides deslizam pela pista do tempo esquecidos de levar em conta o que de essencial existe durante a história que constrói.  O tão sonhado princípio da felicidade larga¬, pois, fora do processo de existir, porquanto o tempo não passa, e nós é que passamos. Até criamos o relógio, o calendário, os almanaques, a fim de enganar a nós mesmos.

Diante, destarte, da velocidade do ar que preenche pulmões e do sangue que alimenta o coração, palavras e apetites dominam a teatro das operações, roendo feito lixas amoladas o intervalo estreito de viver entre os dois mundos, o de dentro e de fora, o de fora e de dentro.


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30