xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 17/03/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

17 março 2016

Barack Obama se curva ante à ditadura cubana – Armando Lopes Rafael

Entre os dias 21 e 22 deste mês, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama visitará a ilha de Cuba. A última vez que um presidente norte-americano, em exercício, esteve em Cuba foi durante o governo de Calvin Coolidge, em janeiro de 1928. Naquela época Cuba era uma nação democrática. Hoje é a mais antiga, longa e sanguinária ditadura do continente americano. Mesmo assim, Barack Obama não tem pejo de apertar as mãos ensanguentadas dos irmãos Castro.

    Nós, brasileiros, apesar do caos em que hoje se encontra a administração federal, ainda somos privilegiados! Continuamos a ler, na mídia, notícias e opiniões contrárias (e até favoráveis) à ditadura da família Castro. Já em Cuba, o regime comunista de partido único controla toda a comunicação social. Televisões, rádios e imprensa são propriedade do estado. Acesso à Internet só com autorização do governo. O e-mail não é utilizado porque, segundo afirmam, é controlado pelas autoridades oficiais.
   As estimativas variam, mas os números mais sensatos mostram que mais de 17.000 pessoas foram fuziladas por Fidel Castro e seus seguidores no “paredón”,  desde o início da ditadura dos Castro, há 57 anos.  Quem pôde, fugiu do “paraíso” cubano. Há 2 milhões de exilados – um em cada seis cubanos vive no exterior, uma proporção de exilados maior que a existente hoje em face dos conflitos na Síria, devastada pela ditadura de Bashar al-Assad e pela tirania do Estado Islâmico, que domina vasta área daquele destruída nação. Considere-se que, em cálculos reais, 178.000 cubanos morreram em alto mar tentando fugir para os Estados Unidos.

     Os que permaneceram na ilha-cárcere sobrevivem com alimentos racionados. E não se fale nas “conquistas” na educação e saúde. A Costa Rica desfruta uma posição melhor que a de Cuba no IDH, sem ter necessitado de abolir eleições livres, fuzilado seus filhos, prendido opositores ou impedido seus cidadãos de viajar para o exterior.

      A Comissão dos Direitos Humanos aprovou, diversas vezes, resoluções onde condena Cuba pela limitação de direitos como a liberdade de expressão, associação, reunião ou de movimento. A ONU pediu, reiteradamente, a Cuba a libertação de pessoas detidas com base nesse tipo de acusações. As Nações Unidas pressionam o governo cubano para que leve a cabo reformas legais que coloquem as leis em conformidade com as normas internacionais dos direitos humanos. Tudo inútil!
O governo cubano nega sistematicamente aos seus cidadãos direitos básicos de liberdade de expressão, associação, reunião ou de movimento. Restringe quase qualquer tipo de discordância política, e usam avisos policiais, vigilância, detenções, prisão domiciliária e demissões por motivos políticos como métodos para reforçar a conformidade política. A defesa dos direitos humanos é reconhecida como uma atividade legítima, mas a ditadura dos Castro interpreta-na como uma “traição” à soberania cubana.
     Uma das características mais marcantes da personalidade de Fidel Castro é a de um mentiroso. Sua irmã Juanita Castro – que também fugiu para Miami, escapando da ditadura do irmão – afirmou: “Nunca faltará el actor que hay en el” (Nunca vai desaparecer o ator que existe dentro dele). Abaixo, três declarações de Fidel:
    “O poder não me interessa. Depois da vitória, quero regressar à minha cidade e retomar minha profissão de advogado” (Fidel Castro, em entrevista ao jornalista Herbert Matthews, do NYT, 1957).
     “Jamais poderemos nos tornar ditadores. (…) Eu sou um homem que sabe quando é preciso ir embora” (Fidel Castro, em 8/1/1959, no 1º discurso após sua entrada triunfal em Havana – Cit. in “A Ilha do doutor Castro”, pg. 21).
    “Cá entre nós, Cuba é muito pequena para mim. Por isso, mesmo se de fato sou um comandante como chefe da revolução, nem sempre quis aceitar a responsabilidade pelo governo. Minha aspiração suprema é sentar-me a uma mesa para governar o mundo inteiro junto com o norte-americano, o russo e o chinês. Eu, como representante do bloco das nações latino-americanas” (confidência de Fidel Castro ao padre jesuíta Alberto de Castro y Rojas – Cit. in “A Ilha do doutor Castro”, pg. 26).
     É esta a Cuba que o presidente Barack Obama vai encontrar neste fim de semana, quando colocar os pés na ilha-prisão...

A esquerda perdeu a partida da popularidade – por José Carlos Sepulveda da Fonseca

Estive na Av. Paulista neste Domingo 13 de Março. E posso garantir, pelo que me foi dado observar, que a esquerda perdeu, mesmo, a partida da popularidade. Ali estava uma amostra gigantesca do Brasil (mais de um milhão e 400 mil pessoas, segundo a Polícia Militar – foto). Era a reprodução do que se deu neste dia em centenas de cidades de Norte a Sul do Brasil e com números muito impressionantes! A começar pelo Rio de Janeiro, em que a orla de Copacabana foi literalmente tomada pela multidão estimada em um milhão de pessoas. O que dizer de Fortaleza, de Salvador, de Belém, de Curitiba, de Porto Alegre, de Natal, de Maceió, de Brasília, de Vitória, de Goiânia, de Campo Grande, de Recife, de Florianópolis e de tantas outras cidades com números igualmente impressionantes?
Cordialidade e distensão
Pessoas de todas as idades, das mais diversas condições e classes sociais, dos mais variados graus de cultura, de todas as origens raciais, irmanadas num imenso NÃO ao PT, a seus personagens principais Lula e Dilma e a tudo o que estes e a sigla representam. “Nossa bandeira jamais será vermelha” era o brado de muitos e a certeza de todos. O ambiente era distendido e familiar; a cordialidade estava presente em todos; os cumprimentos efusivos entre amigos que se encontravam eram reveladores; os protestos eram firmes, convictos mas não raivosos; as forças policiais eram saudadas com afeto e admiração; não havia distúrbios nem agitação; tudo transcorria num ambiente ordeiro e civilizado.
A cegueira da esquerda
A esquerda, aprisionada nos labirintos mentais de suas utopias, tem uma dificuldade fundamental: entender a realidade! Em sua delirante perspectiva de luta de classes, ali estão nas ruas milhões de “coxinhas” (coCHinhas, segundo a literacia de Rui Falcão), injustos detentores de privilégios, contra os defensores dos pobres (os petistas?!). A esquerda não entende que ali está o Brasil autêntico, ordeiro e pacato, o Brasil honesto e familiar, que trabalha e almeja por um sadio progresso dentro de uma harmonia de classes.O Brasil que não se deixou convencer nem enredar pela ideologia de esquerda.
Durante algum tempo, é verdade, esse Brasil, um tanto otimista e desavisado, deixou-se embair ou intimidar pelas peças publicitárias de um marketing político falacioso e pelas benesses passageiras de uma bonança econômica e concedeu ao PT alguns êxitos eleitorais. E a esquerda confundiu resultados das urnas com a conquista de mentes e corações. Mas, à medida que o PT se foi assanhando em dominar o Estado, corromper as instituições, deturpar os processos políticos e eleitorais (coadjuvado por uma oposição fraca), implantar políticas autoritárias e imorais, o Brasil de profundidade começou a afastar-se da esquerda. Foi silenciando. E muitos – inclusive do centro e da direita – confundiram este silêncio com a indiferença e o desinteresse pela vida pública. Não entenderam que, no fundo das mentalidades, germinava um enorme descontentamento.






VÍDEO - Lula sabia que estava sendo gravado - Em suas palavras: "O importante é que a polícia federal esteja gravando".




Partes mais comprometedoras do grampo de Lula 

Porque o Lula reclama do Janot dizendo que "Essa é a gratidão dele por ele ser procurador". GRATIDÃO ? Então, Janot entrou por favor ? Com uma finalidade ???????? Lula diz que estava esperando a Busca e Apreensão em sua casa na segunda-feira. Lula diz que a Polícia Federal está gravando. "O importante é que a polícia federal esteja gravando", diz Lula. Existe uma coisa chamada "DESVIO DE FINALIDADE" e certamente que o Lula irá responder por isso.

70 mil manifestantes fizeram protesto contra Lula e Dilma e bloquearam a Av. Paulista na noite desta quarta-feira






Manifestantes fizeram na noite desta quarta-feira (16) um protesto contra a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil. O protesto bloqueou a avenida nos dois sentidos. Segundo a Polícia Militar, a manifestação teve início às 18h15. Às 20h45, a PM estimou no início em 5 mil pessoas participando do protesto na Paulista. Às 19h20, os manifestantes bloqueavam todo o sentido Consolação da Avenida Paulista, na altura da Rua Professor Otávio Mendes, na região central da capital. Os manifestantes gritaram frases de ordem contra a nomeação de Lula e pediram a renúncia de Dilma. Quatro quarteirões da Paulista foram tomados pelos manifestantes.

A manifestação começou sem liderança, mas ao longo da noite movimentos contrários ao governo apareceram na Avenida Paulista. Eles ergueram o boneco Pixuleco, com a imagem de Lula como presidiário, e um pato gigante amarelo, presente em outros protestos. Segundo a assessoria de imprensa do movimento Vem Pra Rua, ao final da noite o protesto reunia 70 mil pessoas na Paulista.

Fonte: G1




Edições Anteriores:

Dezembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 30