xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 06/01/2016 - 07/01/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

30 junho 2016

Obrigado Dom Fernando por 15 anos de pastoreio (Por Paulo Evandro Araújo de Freitas)

Hoje, 29 de junho, a Diocese de Crato festeja os 15 anos de Dom Fernando Panico à frente da administração diocesana. Para ressaltar a importância desta data, o professor Paulo Evandro Araújo de Freitas fez um poema homenageando-o. Confira:


Dom Fernando

Quinze anos se passaram
De um grande pastoreio
Da Itália ao Cariri
Com amor foi que ele veio
Conduzir esse rebanho
Dom Fernando obrigado
Pelo Cristo professado
E por ser de nosso meio.

Homem forte e de coragem
Sacerdote do Senhor
Para nossa diocese
Se empenha com fervor
Nos ensina missão e ascese
É um bispo inovador.

Panico é o bom pastor
Que dá a vida pra’s ovelhas
Lutador de causas nobres
Um defensor dos mais pobres
Com ele não tem parelha.

Vários padres e diáconos
Dom Fernando ordenou
Dando à Igreja de Cristo
Ministros de fé e ardor
Tornando o clero do Crato
Todo evangelizador.

É romeiro, minha gente!
Bispo de grande devoção
Conseguiu junto ao Papa
A sonhada reconciliação
Da nossa Igreja Católica
Com o “padim Ciço” Romão.

Obrigado, Dom Fernando,
Pela sua dedicação
Que Deus no seu amor infinito
Lhe cubra de muita bênção
Muitos anos de vida para o Senhor
Poder lutar pela canonização.

O Padre Ciço agradece
E a Diocese jamais e esquece
Do Bispo do nosso coração.
Obrigado Dom Fernando!



15 anos depois da chegada de Dom Fernando – por Tiago Gomes Landim

Estava, hoje, a me perguntar o que teria significado este período debutante do quinto bispo de Crato para a Diocese. Alguns elementos pululam-me à mente, levando-me a uma certeza: foi um divisor de águas. Antes e depois de Fernando, bispo! Um estilo distinto de todos os que passaram por aqui ou que daqui mesmo assumiram o comando deste barco de Pedro.
Faço-me simplesmente porta-voz da constatação desta perceptível diferença. O estilo de ser bispo parece-me rebaixar tanto a pompa do episcopado que permite que qualquer pessoa, por mais simples que seja, sinta-se à vontade para até aconselhar, abraçar, acarinhar o bispo ou mesmo discordar e protestar contra suas ações e decisões. Este aspecto já seria, por si só, capaz de dar sentido ao ponto fundamental deste período – a Igreja de Crato aproximando-se do mais simples, falando a linguagem do povo.
O episcopado deste italiano também inova na visão cosmopolita, fazendo a Diocese perceber-se missionariamente comprometida com povos de outras terras. Enviando e recebendo pés missionários, vozes diferentes, linguagens diferentes – assumiu-se como um lugar de onde se pensaria a liturgia do nordeste, a evangelização do povo a partir de sua realidade.
Pensar este período é também lembrar projetos que, de tão arrojados, precisaram ser deixados para o futuro: como foi o caso da Faculdade Católica – um passo maior do que a Diocese teria possibilidade de bancar e levar a êxito.
Nestes quinze anos, entretanto, o maior de todos os legados nem mesmo foi a reconciliação da Igreja com o Pe. Cícero, mas o que isto representa: mostrar aos pequenos que eles são capazes de enfrentar a tirania arrogante do grande. O coração da Igreja mudou de cidade, transferiu-se para o Juazeiro do Padre Cícero, fez surgir uma lógica invertida à luz do mais fundamental na mensagem de Jesus – pedra rejeitada que se tornou angular.
Eu que aprendi no seminário, à luz de um intelectualismo anti-romeiro, a ver com suspeição a crença na santidade do Padre Cícero, percebi-me instigado a voltar ao Santo do Nordeste com uma visão menos superficial, menos arrogante, com um olhar, inclusive, mais intelectualmente sério, posto que motivado pelas vozes e leituras dos grandes estudiosos que, sob a batuta de Panico, sentiram-se mais encorajados a mostrar que não é provinciano crer no Padre Cícero.
Bem sei que a boda de cristal que ora se celebra não é uma comemoração unânime nesta Igreja Particular, haverá um sem número de vozes a questionar a existência de elementos a serem celebrados, ou mesmo a dizer há mais a se lamentar, mas pressuponho que não há como avaliar sem dar vazão a todos os olhares, desde que apresentados com o devido equilíbrio entre o “pathos” e o “logos”.
Inovação, ousadia, enfrentamento do que já estava cristalizado não se instauram em um mesmo projeto sem os olhares se lancem em sua direção e se mostrem muito minuciosamente críticos. O que não pode haver é a perda do bom senso ao não reconhecer: muito mais para o bem do que para o mal, esta Diocese nunca mais será a mesma após o episcopado de Dom Fernando que, ao menos em tese, ainda tem cinco anos à frente desta jangada de Pedro.
Ora como Simão – cheio de medos, inseguranças e incertezas – ora como Pedro – capaz de falar e ser entendido por todos os povos e línguas, ora como Saulo – com equívocos, quedas e cegueiras – ora como Paulo – que atualiza a linguagem, levando ao mundo civilizado a linguagem dos que pareciam só uma seita de índios Cariri a venerar um padre teimoso e desobediente e uma negra pobre de boca sangrenta. Obrigado, Dom Fernando, pelas vezes que você foi “Pedro & Paulo” para nós, por nós e conosco!
Extra pauperes nulla Salus, Ad Maiorem Dei Gloriam!

29 junho 2016

Estamos no Instagram ! - Adicione-me, e vamos conversar sobre o Crato, o Brasil e o Mundo !


Olá, amigos,



Após um longo tempo afastado da internet ( Mas não de acompanhar o que acontece no Crato e no mundo ), trabalhando em meus projetos musicais, resolvi reabrir a minha antiga conta no INSTAGRAM. O Instagram é uma das grandes redes sociais da atualidade, juntamente com o Facebook, Twitter e Whatsapp. Estou em todas elas, e é um prazer adicionar os Cratenses de boa fé ( Como diria o grande Alexandre Arraes. Aguardo vocês por lá, a fim de batermos um papo em qualquer uma das redes:

No Instagram:

https://www.instagram.com/dihelson/

No Twitter:

https://twitter.com/Dihelson

No Facebook:

www.facebook.com/dihelson

No Youtube:

www.youtube.com/dihelson



O tucano Samuel Araripe terá o PMDB apoiando seu nome no Crato



Samuel Araripe será candidato de Tasso Jereissati e Eunício Oliveira no Crato. Filiado ao PSDB há mais de 20 anos, Samuel Araripe vai tentar o terceiro mandato de prefeito do Crato, cidade que governou por oito anos. O prefeito Ronaldo da cerâmica perdeu a legenda do PMDB após a eleição, quando foi taxado de traidor pelo comando do partido. Ronaldo da cerâmica vai para a reeleição com poucos aliados, mesmo assim é um nome forte por conta das divisões partidárias. O candidato do governador será o deputado Zé Ailton Brasil, filiado ao PP.

Por: Roberto Moreira






Justiça mantém afastamento do prefeito de Nova Olinda


Prefeito Ronaldo em entrevista a Tv Assaré Online por ocasião de seu afastamento (Foto: Reprodução) 

O juiz titular da Comarca de Nova Olinda, Dr. Herick Bezerra Tavares negou na tarde de ontem (28/06) pedido de Liminar em mandado de segurança impetrado pelo prefeito Ronaldo Sampaio, que pretendia anular decisão da Câmara Municipal que o afastou do cargo pelo prazo de 120 dias. 
 O prefeito afastado alegou que não foi intimado para participar da Sessão, que o afastamento se deu com desvio de finalidade, motivado por vingança e que o afastamento não se fundamentou na necessidade da medida e por consequência a nulidade do decreto aprovado pelo Legislativo Municipal. Na decisão de 13 laudas o Juiz indeferiu todos os pontos levantados pela defesa do prefeito afastado não encontrando nenhuma ilegalidade ou nulidade na Sessão ou no processo de afastamento do prefeito. O Magistrado cita todas as legislações relacionadas ao tema, colaciona farta doutrina aplicável ao caso e jurisprudências, inclusive do STF para fundamentar a sua decisão. “Portanto, não se mostra possível, neste momento, a concessão da Liminar perseguida para o sobrestamento da votação da Câmara do pedido de afastamento cautelar do impetrante do exercício do mandato do prefeito pelo prazo de 120 dias, por tratar-se de questão interna corporis do Poder legislativo municipal.” escreveu o Juiz. O prefeito afastado e o prefeito em exercício não comentaram a decisão do Magistrado. Cabeludo viajou a Capital para assinar mais um Convênio de transferência de recursos para o Município. 

O presidente da Câmara, vereador José Vieira, disse que a decisão do Magistrado é um atestado de que os trabalhos dos vereadores estão dentro da legalidade e que não prospera essa ideia de perseguição política, trata-se de zelo pela “coisa pública”. A comissão processante já se reuniu e elegeu o vereador Francisco Vande para presidente e José Humberto para Relator. O vereador José Humberto disse que pretende concluir seu relatório pela cassação do mandato do prefeito, antes do término do prazo de 120 dias. 

Via Blog de Altaneira




Tecnologia australiana de despoluição de águas pode ser aplicada no Brasil


Tecnologia pode ser utilizada, inclusive, para a despoluição da Baía de GuanabaraArquivo Agência Brasil

Testes feitos em parceria com pesquisadores da Universidade Santa Úrsula, do Rio de Janeiro, com o apoio da Universidade Curtin, da Austrália, mostraram que a tecnologia australiana The Water Cleanser pode despoluir águas de rios, lagoas, bacias e até da Baía de Guanabara. A tecnologia está aprovada em 15 países, tem 11 anos de mercado e patente mundial há cinco anos. Ela começou a ser aplicada em fazendas de ostras na Austrália, que são muito sensíveis à poluição, e demonstrou ser eficaz tanto no tratamento de água doce quanto de salgada.

O representante da tecnologia no Brasil, Joel de Oliveira, disse que os testes iniciais na Universidade Santa Úrsula conseguiram eliminar 75% das bactérias de tanques que reproduziam ambientes similares aos de rios e lagoas poluídas. Nessa pesquisa, foram usadas amostras de água da Lagoa Rodrigo de Freitas, onde vão ocorrer provas de remo durante os Jogos Olímpicos Rio 2016. Nos tanques, os níveis de coliformes foram reduzidos próximo de zero. “Os resultados têm sido 100% positivos e nos provam que podemos deixar lagoas, rios e baías limpas em um curto espaço de tempo”, afirmou o coordenador do projeto na Universidade Santa Úrsula, Bruno Meurer.

A tecnologia australiana para despoluição de águas está sendo lançada no país pela empresa Greenpolis, criada por três empreendedores brasileiros com o objetivo de desenvolver soluções para a prevenção e recuperação de danos ao meio ambiente. Joel de Oliveira informou que o mesmo experimento será feito com amostras da Lagoa da Conceição, em Florianópolis (SC), em conjunto com uma universidade da região. Estão em curso também negociações com outras universidades do país, com o mesmo objetivo de comprovar cientificamente a tecnologia australiana, que já resolveu problemas de águas poluídas nos Estados Unidos, no México, na Nova Zelândia, em Myanmar e na Tailândia, além da própria Austrália, onde a lei ambiental é bem rígida. Oliveira disse que a tecnologia elimina qualquer possibilidade de surgimento de organismo estranho ao ecossistema daquele ambiente. “Em quatro semanas, já estava limpa a água nos tanques, na [Universidade] Santa Úrsula”, acrescentou. A tecnologia usa oligoelementos, ou microminerais essenciais para os seres vivos, que facilitam para que as bactérias boas que já estejam no meio ambiente se reproduzam de maneira exponencialmente maior e mais rápido, limpando a água poluída. “Se tem uma lagoa, por exemplo, que está poluída, e se você parar de jogar esgoto ou qualquer outro tipo de poluição nela, ela vai ficar limpa, porque a natureza já tem as bactérias que vão comer hidrocarbonetos, gorduras, o esgoto propriamente dito. Só que isso pode demorar muito tempo”, comentou Oliveira. A patente australiana agiliza o processo porque usa oligoelementos, como zinco e cobre, que ajudam as bactérias boas a se reproduzir e diluir mais rapidamente o dejeto nas águas. “Você não coloca bactérias na água, mas utiliza as bactérias que já estão ali. Você não traz nada criado em laboratório. Utiliza a natureza para limpar a natureza”. Joel de Oliveira confirmou que a tecnologia pode ser utilizada, inclusive, para a despoluição da Baía de Guanabara. Observou, entretanto, que “não adianta a gente tratar e a água continuar sendo poluída. A gente consegue mostrar para a população que a água vai ser tratada, mas é preciso que haja um projeto que estanque a entrada de esgoto na água”.

A intenção dos empreendedores brasileiros é oferecer a tecnologia a governos estaduais e a indústrias que usam muita água, como a cervejeira e a de papel. “A gente pode tratar a água antes e depois, de uma maneira natural, rápida e com melhor custo/benefício que existe”. Oliveira disse que empresas de saneamento básico, como a Sabesp, em São Paulo, a Pró-Lagos e a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), no Rio de Janeiro, que fazem tratamento de esgotos, podem reduzir acima de 30% seu custo operacional com a adoção da tecnologia australiana.

Agência Brasil




Municípios: dívida não será negociada


A demanda de municípios, que também desejam renegociar suas dívidas com a União, não deverá ser atendida, segundo a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi. Segundo Vescovi, o governo federal não possui mais espaço fiscal para atender o pleito das prefeituras endividadas.

Vescovi afirmou que o governo não fará mais nenhuma renegociação neste ano. "Os riscos fiscais já foram ponderados e adicionados à meta fiscal. São os espaços para a renegociação dos Estados e para a frustração de receitas. Não há mais espaço adicional para que avancemos em qualquer linha de negociação", disse a secretária.

Receitas extraordinárias

De acordo com o Tesouro, para que o governo possa iniciar uma nova negociação, receitas extraordinárias precisariam ter performance acima do que foi previsto inicialmente. Seria o caso das receitas com a repatriação de recursos, as quais o governo da presidente afastada, Dilma Rousseff, chegou a estimar em cerca de R$ 35 bilhões. Caso esses recursos para o governo se concretizem, a Fazenda poderia utilizá-los na mesa de negociações ou para fazer um resultado fiscal melhor do que o déficit aprovado de até R$ 170 bilhões. "Estamos trabalhando para que o processo de regularização financeira dos ativos no exterior seja o mais bem-sucedido possível. Mas essa receita está sujeita à adesão dos detentores desses recursos", afirma Vescovi.

Acordo com estados

Logo após o acordo entre União e estados, o qual deve custar R$ 20 bilhões aos cofres do governo federal apenas este ano, a Frente Nacional de Prefeitos encaminhou um documento ao presidente interino, Michel Temer, no qual pedia a renegociação da dívida com os municípios.

Solicitação

O ofício, recebido ontem, pedia que o mesmo tratamento dado aos estados fosse aplicado aos cerca de 180 municípios que possuem dívidas com a União. Na última sexta-feira (24), o presidente interino Michel Temer afirmou que o governo federal iria analisar a situação dos municípios, mas não fez promessas sobre um possível acordo nos moldes do feito com os Estados.

Última Hora - Brasília





Confiança na Indústria sobre 83,4 pontos


O Índice de Confiança da Indústria (ICI) registrou alta de 4,2 pontos no mês de junho, na comparação com maio, chegando aos 83,4 pontos. O índice, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu em 14 dos 19 segmentos pesquisados.

Para o superintendente Adjunto para Ciclos Econômicos da FGV, Aloisio Campelo Jr., o resultado indica uma melhora das expectativas dos empresários, o que vem ocorrendo desde abril. "Um movimento que pode ser definido como de redução do pessimismo. O retorno da confiança aos níveis médios históricos dependerá, de agora em diante, de uma efetiva recuperação da demanda interna e da redução das incertezas originadas no ambiente político", analisou. O Índice de Expectativas teve alta de 7,5 pontos e ficou com 85,7 pontos em junho. A variação mensal foi a maior desde janeiro de 2002. A alta foi puxada pela diminuição do percentual de empresas que acreditam que devem reduzir a produção nos próximos meses, de 28,7% em maio, para 16% em junho. O Índice de Situação Atual teve alta de 2,7 pontos em junho, ficando com 80,1 pontos.

Capacidade instalada

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada ficou praticamente estável em junho, crescendo 0,1 ponto percentual em junho sobre maio, ficando em 73,9%. Este foi o primeiro avanço desde o terceiro trimestre de 2013, de acordo com a FGV.

Com dados da FGV




Instaurado processo contra Jair Bolsonaro


O Conselho de Ética da Câmara instaurou, ontem, processo por quebra de decoro contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por apologia à tortura. O parlamentar pode perder o mandato.

A representação do PV acusa o deputado por ter dedicado seu voto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar. A instauração do processo foi possível porque, com o fim da ação disciplinar contra o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a pauta do colegiado foi destrancada. Na manhã de ontem, foi realizado o sorteio dos três dos seis deputados do PT e PR aptos a relatar a ação disciplinar. Foram sorteados os deputados Zé Geraldo (PT-PA), Wellington Roberto (PR-PB) e Valmir Prascidelli (PT-SP), que não são do mesmo Estado, nem do mesmo partido ou do bloco parlamentar. O presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), conversará com os deputados e escolherá um dos três sorteados. A partir de agora, o processo terá 90 dias úteis para tramitar. Na semana passada, a segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu tornar Bolsonaro réu. Na ação em questão, o parlamentar é acusado de injúria e incitação pública ao estupro quando, em 2014, afirmou na tribuna da Câmara dos Deputados que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) "porque ela não merece". O mesmo episódio rendeu processo disciplinar em dezembro de 2014 contra Bolsonaro no Conselho de Ética da Casa, mas a representação foi arquivada porque o mandato parlamentar havia se encerrado.

Em 2013, Bolsonaro se livrou de um processo disciplinar no conselho. Na época, o colegiado arquivou por unanimidade a abertura de processo no qual Bolsonaro era acusado pelo PSOL de ter dado um soco no senador Randolfe Rodrigues (hoje Rede-AP) durante uma visita de integrantes das comissões da verdade da Câmara e do Senado à sede do extinto DOI-Codi, no Rio de Janeiro. Bolsonaro foi impedido de entrar com os parlamentares, mas insistiu em acompanhar o grupo. Durante uma discussão com o senador, teria ocorrido a agressão.

Outro lado

O deputado Jair Bolsonaro divulgou nota sobre a instauração de processo contra ele no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados e disse que não deverá sofrer sanção. Na nota, Bolsonaro cita a imunidade parlamentar, prevista na Constituição Federal. "O assunto, por demais conhecido, foi a referência que fiz ao coronel Brilhante Ustra ao proferir meu voto na sessão de impeachment da presidente Dilma e que, certamente, não deverá motivar qualquer sanção, já que se trata de opinião de parlamentar, proferida em plenário na Câmara", diz a nota. Bolsonaro critica ainda o PV que, segundo ele, é um partido que apresenta com frequência denúncias contra "parlamentares que os incomodam".

Última Hora




Eleições no Crato - Partidos de esquerda voltam a falar em marchar unidos no Crato


Os partidos de esquerda no Crato, PT e PCdoB admitem a possibilidade de marchar unidos nas eleições de outubro próximo no Crato. 



Reunidos nesta terça-feira (28), os presidente dos diretórios municipal do PT, Pedro Lobo e Cacá Araújo, do PCdoB; discutiram juntamente com representantes dos dois partidos, projetos e ideias e, principalmente, a sucessão municipal. Entre eles há o entendimento da esquerda permanecer unida, caso PT  e PCdoB não façam parte da chapa majoritária apoiada pelo Governo do Estado, que vai disputar a sucessão do prefeito Ronaldo Gomes de Mattos, no Crato. O PCdoB está convocando todos os integrantes do Pleno do Comitê Municipal do partido, os pré-candidatos(as) a prefeito e vereador(a) a participar de reunião extraordinária, dia 02 de julho de 2016 (sábado), às 9h, no auditório do Sindicato dos Comerciários do Crato, localizado na Rua da Penha, 33, Centro.

Na ocasião será abordada a seguinte pauta:

1. Resolução do PCdoB diante da nova conjuntura política local, observando as deliberações da última Conferência Municipal;

2. Composição da chapa que concorrerá às eleições proporcionais.
Já o PT deve decidir no domingo (3), o ruma s ser tomado nas eleições municipais.

Via jornalista Flávio Pinto





28 junho 2016

Frase da semana: Palavras atuais

“A falta de zelo, a falta de sentimento do dever é o nosso primeiro defeito moral. É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política que é as mais das vezes guerra entre interesses individuais".
 
Imperador Dom Pedro II do Brasil (1825-1891)

Apesar da crise política e da falta de apoio do governo, a economia informal volta a crescer e se aproxima de R$ 1 trilhão

Ainda que tenha sido pequeno, de 16,1% para 16,2% do PIB, aumento interrompeu série de 11 anos consecutivos de redução; crise explica o declínio
Fonte: Site VEJA
 Economia informal representa 16,2% do PIB brasileiro(Fernando Cavalcanti/VEJA)
A crise econômica fez a participação da economia informal no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro voltar a crescer em 2015, depois de onze anos de quedas consecutivas. No ano passado, a informalidade correspondeu a 16,2% de toda a riqueza nacional, segundo o Índice de Economia Subterrânea (IES), apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em parceria com o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO). Em número absolutos, 956,8 bilhões de reais de riqueza foram gerados na informalidade no ano passado.
Em 2003, quando o indicador começou a ser apurado, a economia informal respondia por 21% do PIB. De lá para cá, o IES caiu ano a ano e atingiu 16,1% em 2014. No ano passado, por causa da crise, houve uma reversão da queda: a informalidade avançou levemente, 0,1 ponto porcentual, na comparação com 2014.
"O vigor da crise atingiu toda a economia, inclusive a economia subterrânea, que registrou crescimento", afirma Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Ibre/FGV e responsável pelo indicador.
O economista diz que esperava uma alta maior do índice, que, segundo ele, foi atenuada por uma certa resistência no mercado de trabalho. O IES é calculado a partir de dois grupos de indicadores. Um deles é a demanda da população por dinheiro vivo, que normalmente cresce quando a informalidade aumenta, já que essa é uma forma de burlar o fisco. O outro grupo é o indicador do trabalho informal. De acordo com a FGV, a economia informal inclui a produção de bens e serviços não declarada ao governo para sonegar impostos e contribuições.
Barbosa Filho explica que a demanda por dinheiro vivo cresceu de 2014 para 2015, mas a informalidade do trabalho ficou praticamente estabilizada. "Como demorou para o mercado de trabalho piorar, o aumento da participação da economia informal no PIB foi de apenas 0,1 ponto porcentual", afirma o economista.

"Coisas da República": Se ocorrer o impeachment de Dilma moeda brasileira poderá passar por nova onda de valorização


Incrível: economistas veem possibilidade de forte apreciação da moeda brasileira a partir de agosto, caso a saída definitiva da presidente afastada Dilma Rousseff se confirme
 Fonte: Site VEJA
Para um conjunto de economistas, caso o Senado confirme a saída da presidente afastada, a confiança de investidores externos tende a crescer - e a confiança no quadro político é o elemento que falta para a injeção de recursos no país, que já tem títulos e ações com rentabilidade bastante atrativa(Ueslei Marcelino/Reuters)
Um segmento de economistas avalia que o real pode passar por uma nova rodada de valorização a partir de agosto, caso o Senado confirme a saída definitiva da presidente Dilma Rousseff. Os analistas observam que o ingresso de recursos externos na economia brasileira tende a aumentar com o avanço da confiança de investidores externos no país.
Se sacramentado o impeachment, o otimismo seria alimentado por mudanças estruturais na área fiscal, como a aprovação pelo Congresso do teto de gastos públicos vinculados à inflação e o lançamento de uma proposta de reforma da Previdência Social. A confiança tende a elevar a demanda por títulos nacionais, especialmente de renda fixa, mas também por ações. Os investidores já têm como atrativo a elevada rentabilidade oferecida por papéis brasileiros - o alto juro básico, de 14,25% ao ano, sustenta esse rendimento -, mas a demanda está represada pela incerteza no quadro político.
Para Alberto Ramos, diretor de pesquisas para a América Latina do banco Goldman Sachs, "o câmbio pode ir para 3 reais ou abaixo dessa marca em poucos meses", após definido o impeachment de Dilma Rousseff, com sinais firmes da evolução das propostas do governo de correção da gestão das contas públicas. Entre os destaques das propostas, afirma, está a aceitação pelos parlamentares da emenda constitucional que determina que as despesas do Poder Executivo não mais terão aumento real.

25 junho 2016

Morre o empresário Ivens Dias Branco

Fontes: Estadão e “O Povo”
Líder na fabricação e venda de biscoitos no Brasil, empresário transformou negócio do pai no Ceará e entrou no ranking de bilionários brasileiros Causa da morte do empresário foi por complicações cardíacas. Ele era presidente do Conselho de Administração do Grupo M. Dias Branco

O empresário ficou internado no Hospital Monte Klinikun, em Fortaleza, e foi levado às pressas, sábado, para o Hospital Albert Einstein, onde, se submeteu ontem a uma cirurgia no coração e não resistiu. Ivens foi casado com Maria Consoelo Leon Scott Dias Branco, com quem teve cinco filhos. O empresário Ivens Dias Branco morreu aos 81 anos nesta sexta-feira, 24, às 18 horas, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. A causa da morte foi complicações cardíacas durante uma cirurgia. Ivens era presidente do Conselho de Administração do Grupo M. Dias Branco.
O velório, restrito à família, ocorrerá no sábado, 25, em São Paulo, onde o corpo será cremado. Durante todo o dia haverá missa de corpo presente. A ceromônia de sétimo dia será em Fortaleza.
Na última atualização do ranking dos maiores bilionários brasileiros da Forbes, Ivens ocupava a 17ª posição, com fortuna avaliada em R$ 8,2 bilhões. Hoje, a M. Dias Branco mantém a liderança no setor nacional de massas, com participação de 28,7% de mercado, e biscoitos, com participação de 27,9%, tendo sido eleita a maior empresa do Ceará em faturamento por quatro anos consecutivos (2011 a 2015), segundo o Prêmio Delmiro Gouveia.

Em VEJA desta semana: O PT assaltou até funcionários públicos endividados

A prisão de um ex-ministro de Lula e Dilma mostra que nada estava imune à mão invisível da corrupção nos governos do partido
BUSCAS - A Polícia Federal cercou a sede do PT em São Paulo: nos cofres, os agentes só encontraram papéis(Zabone Fraissat/VEJA)
A cena acima resume a realidade de um partido político que surgiu como esperança de renovação, apresentou-se como baluarte da ética e terminou como uma organização criminosa, cercado pela polícia. Ainda estava escuro na quinta-¬feira passada quando homens do Grupo de Pronta Intervenção, a Swat da Polícia Federal, isolaram a rua onde funciona o Diretório Nacional do PT, no centro de São Paulo. Os agentes estavam cumprindo um mandado judicial, em busca de provas contra uma quadrilha que, durante cinco anos, embolsou 100 milhões de reais em mais um esquema de corrupção. Nada a ver com os intrincados desfalques contra a Petrobras, a Eletrobras, os Correios, a Infraero, os fundos de pensão das estatais e sabe-se lá o que mais. Dessa vez foi, pode-se dizer, um assalto direto: o Partido dos Trabalhadores tomou o dinheiro de milhares de servidores públicos ativos e inativos - e, luxo de sadismo, justamente os mais endividados.
A presença de policiais armados de fuzil e metralhadora vigiando a entrada da sede do PT pareceu exagerada, mas era apenas precaução considerada necessária pelo serviço de inteligência da PF. Era ali, na sede nacional, que despachava o notório Delúbio Soares, o tesoureiro do mensalão. Dali, mais tarde, saíram as primeiras ordens do igualmente notório João Vaccari Neto, preso e condenado por gerenciar o caixa do dinheiro arrecadado das empreiteiras em troca de contratos na Petrobras. Na sede do PT, como demonstram as investigações até aqui, política e corrupção conviveram em simbiose.
Ao ingressarem no prédio, os agentes estavam orientados a buscar cofres ou compartimentos secretos que pudessem ser usados para esconder documentos e guardar dinheiro. Explica-se o procedimento: em depoimento à Justiça, um dos empreiteiros confessou ter entregado pessoalmente no diretório várias malas com dinheiro - sugerindo que poderia haver cofres ocultos no prédio. Para garantirem o sigilo e evitarem surpresas, corruptos e corruptores usavam senhas e contrassenhas. Há relatos também de entregas de dinheiro em envelopes, mochilas e carros blindados. Um lobista contou ter levado à sede do PT 500.000 reais no porta-malas do carro em 2012. Na busca da semana passada, os cofres do partido estavam abarrotados apenas de papel e nenhum compartimento secreto foi achado.
Na operação, batizada de Custo Brasil, a Polícia Federal, o Ministério Público e a Receita Federal se debruçaram sobre um esquema de corrupção montado no interior do Ministério do Planejamento. O alvo da rapina eram funcionários públicos, pensionistas e aposentados endividados que recorriam a empréstimos consignados, cujas prestações são descontadas automaticamente em folha de pagamento. A cada parcela paga, os funcionários desembolsavam em torno de 1 real a título de taxa de administração da operadora, uma empresa chamada Consist, cuja sede fica em São Paulo. Como o custo da taxa de administração não passava de 30 centavos, segundo esti¬mativa dos investigadores, os 70 centavos de superfaturamento irrigaram os cofres do PT.
O esquema começou em 2010 e durou até 2015, quando a polícia prendeu os primeiros envolvidos. Nesse tempo, de 70 em 70 centavos, o PT afanou cerca de 100 milhões de reais pagos pelos funcionários públicos. Uma parcela do dinheiro era destinada diretamente ao caixa dois do partido, gerido por João Vaccari. A outra era dividida entre os petistas que executaram a tramoia.
O personagem mais ilustre da operação foi o ex-¬ministro Paulo Bernardo, preso em Brasília no apartamento funcional em que mora com a mulher, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-¬PR). Petista histórico, Bernardo chefiou o Ministério do Planejamento no governo Lula. No governo Dilma, foi o titular do Ministério das Comunicações. Tinha uma participação expressiva no rateio da propina. Segundo os investigadores, dos 100 milhões arrecadados pelo esquema, ele recebeu pelo menos 7 milhões. A lista de beneficiários inclui mais figurões. Carlos Gabas, ex-ministro da Previdência de Dilma, é outro envolvido. Paulo Ferreira, ex-tesoureiro nacional do PT, também recebia uma parte dos dividendos. Ele é o terceiro tesoureiro petista que cai na malha da polícia.
A propina, resultante dos 70 centavos de cada funcionário, era distribuída por meio de contratos fictícios com empresas de consultoria e escritórios de advocacia. Os investigadores suspeitam que o mesmo esquema, de subtrair dinheiro de servidores em empréstimos consignados, exista em outros governos. O caso do PT começou a ser tateado pelos investigadores da Lava-¬Jato, mas, como não tinha relação direta com o esquema da Petrobras, o caso foi remetido para a Justiça Federal em São Paulo. Preso, o ex-vereador petista Alexandre Romano, também conhecido por Chambinho, confessou que era o encarregado de gerenciar o golpe e entregou o nome de todos os envolvidos. Uma parte relevante do caso está em Brasília, no Supremo Tribunal Federal, por envolver parlamentares - entre eles a senadora Gleisi Hoffmann e o ex-¬líder do PT José Guimarães.
Há documentos comprovando que a senadora, que também foi ministra da Casa Civil de Dilma e está sob investigação da Lava-Jato, aproveitou-se do dinheiro junto com seu marido. Os investigadores descobriram que o dinheiro afanado no esquema servia para pagar o motorista particular da senadora, o aluguel de um loft em Curitiba, além do salário de funcionários e até multas eleitorais. Outro que está encrencado é o deputado Marco Maia (PT-¬RS), ex-presidente da Câmara. Como VEJA revelou no ano passado, o parlamentar foi contemplado pela quadrilha com um belo apartamento em Miami. O imóvel, registrado até recentemente em nome de uma offshore aberta por Chambinho, foi revendido no mês passado. O esquema dos empréstimos consignados mostra que a Lava-Jato está criando filhotes pelo país afora, o que certamente assusta os envolvidos em corrupção, mas serve de alento para a população que torce por uma faxina geral.
             

24 junho 2016

Agora vamos agir - Por: Emerson Monteiro

Aliás, praticar o tanto que já aprendemos de tudo fazer o que seja bom nesta vida. Todos de barriga cheia de conselhos e trabalhar o lado positivo dos movimentos de neste viver... E o que mais resta senão praticar intensamente tais caminhos... Largar de lado os hábitos nocivos de preguiça, fuxico, fofoca, acomodação, pessimismo, revolta, e contribuir na solução dos problemas em volta, desde os menores ao dispor dos pequenos atos, de mais perto, até chegar às macroestruturas universais da Salvação.

E nisso buscar o centro das respostas de que falam e a gente espera por vezes vir de fora, dos demais, enquanto esquecidos, ou indiferentes, à participação pessoal do exercício da cidadania, da reverência ao sagrado. Exercitar os músculos da decisão, dos propósitos guardados lá no fundo das gavetas do desejo, porém que precisam de atitude, botar decisão no peito e lançar no mercado as próprias ações.

Saber que ninguém fica isento de responsabilidade quando foge das pelejas; saber e nada exercitar que mude isto também representa compromisso. Há um todo em movimento no tempo, no espaço, nas células do corpo, na energia que utilizamos, na história, investimentos da natureza que mostram as condições sob as quais essa função da existência impõe deveres inestimáveis.

Seja onde seja, desde na política, à família, ao trabalho, ao estudo, os pés representam exercício a que cumprir, sem o mínimo de independência de que sonhávamos séculos atrás. A ausência de iniciativa, sentar nas praças horas e horas só pensando, imaginando, gastando a vida perante o tempo, guarda responsabilidade infinita com relação ao todo em andamento.

Bem tal avaliação, de noticiar, neste comentário, as tramas do destino de ter de sair do chão e agir. Trabalhar, se trabalhar dentro do panorama dos dias. Ser, existir, persistir, transformar a matéria em essência principal no indivíduo consciente a que viemos neste lugar e neste momento. Aparentemente sem propósito, leve e suave, outras vezes denso e difícil, o acaso não existe. Quem existe somos nós, e precisamos dizer dentro de si o segredo da visão disso reconhecer. Agir, praticar a força viva através do querer, do compasso eterno da vontade e da virtude que recebemos em forma de pessoa que ora somos. Vamos sacudir o mundo!

"Busto" de Bárbara de Alencar colocado em Crato contém grave erro histórico --por Armando Lopes Rafael



Não vou falar aqui da feiura do “busto” de Bárbara de Alencar, colocado em frente à Coletoria Estadual, na Praça da Sé, em Crato. O autor da ideia (ou autores? Ninguém sabe) colocou na estátua quase anã, que fica rente ao chão (dona Bárbara deve estar se remexendo no túmulo) com a homenageada segurando uma bandeira da “Confederação do Equador”. Santa ignorância!

Dona Bárbara não participou desse movimento autodenominado Confederação do Equador, iniciado em 1824. Ele teve participação sim, na Revolução Pernambucana, no ano de 1817, quando o mentor deste movimento, em Crato,  foi seu filho, o seminarista José Martiniano de Alencar. Por conta dessa participação Bárbara de Alencar foi presa em 1817 e só foi libertada em 1821, quando regressou a Crato para lutar pela recuperação dos seus bens ilegalmente usurpados por um sacerdote inimigo dela.

Depois disso ela se recolheu a sua fazenda Touro, no limite do Ceará com o Piauí, onde faleceu em 28 de agosto de 1833, sendo enterrada na capela de Itaguá, distrito de Campos Sales. Em 1824, quando ocorreu a “Confederação do Equador”, Bárbara de Alencar residia na fazenda Touro e não teve qualquer participação no novo episódio republicano Quem participou da Confederação do Equador  foi seu filho Tristão Gonçalves, barbaramente assassinado em 30 de outubro de 1825, na localidade Santa Rosa, hoje alagada pelo açude Castanhão. Na Confederação do Equador, Bárbara estava recolhida na sua fazenda Touro...

No mais, Dona Bárbara merece sim um busto, mas um busto  de bronze, à altura do porte da cidade de Crato e não aquele arremedo de busto colocado na Praça da Sé.

Coisas (desta) República: Fundo de pensão da Petrobras registra "rombo" de R$ 22 bilhões e 600 milhões de reais

E quem vai pagar a conta são os funcionários e aposentados da Petrobras
Fonte: Folha de S.Paulo
 

O principal plano do fundo de pensão do Brasil, o  Petros, dos empregados da Petrobras, fechou 2015 com deficit de R$ 22,6 bilhões. A companhia e os aposentados terão que pagar contribuição adicional para cobrir o rombo. Conselheiros independentes da fundação ameaçam ir à Justiça contestar a gestão da empresa por não cobrar da Petrobras dívidas que amenizariam o rombo.  As últimas gestões são acusadas, sob influência política, aprovar investimentos em empresas que estão hoje em dificuldades, como a Sete Brasil e a fabricante de equipamentos Lupatech.

No último dia 11, a “Folha deS.Paulo”revelou que auditoria da Ernst & Young apontou falhas na análise de 70 investimentos em dívida de empresas privadas. Parte significativa foi feita em operações coordenadas pelo banco BVA, citado em delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.  O resultado de 2015 foi entregue nesta quinta (23) ao conselho fiscal da fundação.  O rombo de R$ 22,6 bilhões é do Plano Petros do Sistema Petrobras (PPSP), o mais antigo, com 76.000 participantes. Outros dois planos administrados pela entidade também tiveram deficit: Plano Petros Lanxess (R$ 120 milhões) e o Plano Petros Ultrafértil (R$ 435 milhões).
Na semana passada, a fundação confirmou aos participantes do PPSP que eles terão que contribuir para cobrir o rombo, em processo conhecido como equacionamento. A contribuição é feita como desconto de benefícios, no caso dos aposentados, ou cobrança de taxa extra, para empregados na ativa. Os percentuais serão definidos em acordo entre a fundação, os participantes e a Petrobras, após a aprovação das contas. Segundo a Petrobras, eles terão que arrecadar R$ 16,1 bilhões. A empresa e os trabalhadores dividem o valor meio a meio.
Em nota, a estatal informou que sua contribuição já está prevista em seu balanço. Há 12 anos, o conselho fiscal da Petros rejeita as contas, alegando que os gestores não vêm cobrando dívidas da Petrobras. Segundo contas do conselheiro Paulo Brandão, metade do deficit seria resultado de decisões da estatal e não da evolução dos investimentos da fundação.  Os valores se referem ao impacto, nas contas do fundo, de medidas adotadas pela área de recursos humanos da estatal em benefício dos empregados da ativa e de contingenciamento para ações judiciais, entre outros.

Por isso, representantes da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) defende o recurso à Justiça para questionar a gestão do fundo. No caso da Funcef, o fundo dos empregados da Caixa, a cobrança adicional foi interrompida dois meses após o início da cobrança por liminar judicial, sob o argumento de que parte do rombo resulta de gestão fraudulenta.

23 junho 2016

"Busto" de Bárbara de Alencar é colocado na Praça da Sé – por Armando Lopes Rafael (*)

Na noite da última terça-feira, 21 de junho,  foi colocado no calçadão da Praça da Sé, um “busto” de Bárbara de Alencar, uma figura emblemática no episódio que se convencionou chamar de “desdobramento da Revolução Pernambucana de 1817 na cidade de Crato”. Sinceramente, dona Bárbara merecia ser homenageada com um monumento à altura da sua memória.
Sobre esse “busto” assim foi noticiado no Blog Plim-plim do Cariri, mantido pelo Sr. André Lacerda. (http://plimplimcariri.blogspot.com.br:
     “Inaugurado o busto da heroína Bárbara de Alencar no município do Crato, parece brincadeira, ou alguma criança brincando de argila, me desculpe o artista, mas até agora eu fico imaginando de quem foi a brilhante ideia, se a guerreira estivesse viva, era capaz dela ter um infarte fulminante, já não bastasse a cara torta e mal feita da santa”.(SIC)
Aliás, a memória de Bárbara começou a ser divulgada tardiamente, pois somente ocorreu depois do golpe militar que instaurou o regime republicano no Brasil. Mesmo assim considero que um simples busto não é uma homenagem à altura para lembrar aos pósteros a memória da primeira mulher republicana do Brasil.  Crato continua devendo um monumento à altura daqueles que se envolveram no movimento republicano de 1817, na cidade de Crato.
(fotos do busto: Blog Plim Plim do Cariri)

Sobre a  Revolução Pernambucana de 1817 em Crato:  mito e realidade
     A participação de Crato na Revolução Pernambucana de 1817 tem sido o episódio histórico desta cidade mais exaltado, nos últimos pós–proclamação da República. Costuma-se dizer que a história é sempre escrita pelos vencedores. Os revolucionários republicanos de 1817 – derrotados pela contrarrevolução do monarquista cratense Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro – passaram a ser exaltados como heróis, após o golpe militar que impôs a forma de governo republicana no Brasil, em 15 de novembro de 1889. Os feitos desses republicanos de 1817, no Cariri cearense, são divulgados em proporções maiores que os reais, tanto nos meios de comunicação, como por parte de alguns historiadores. Do Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro pouco se fala. Quando se escreve sobre o efêmero movimento que foi a Revolução Pernambucana de 1817, em terras do Cariri cearense, omite-se a decisiva participação do Brigadeiro Leandro, ao debelar aquela revolta. Omite-se, também, a coragem pessoal e cívica de Leandro Bezerra Monteiro naquele episódio.
   Aliás, o historiador cratense J. de Figueiredo Filho, apesar de simpático às ideias republicanas foi veraz ao escrever: “Muito se tem discutido em torno da Revolução de 1817, na Vila Real do Crato. Foi movimento efêmero, que durou apenas oito dias. Ocorreu a 3 de maio de 1817, em consonância com a revolução que eclodiu em Pernambuco. Foi abafada, quase ingloriamente, a 11 do mesmo mês. É verdade que a vila bisonha de então não estava suficientemente preparada para a rebelião que, para rebentar, em Recife, necessitara da assimilação de muitas páginas de literatura revolucionária, da luta entre brasileiros e portugueses, em gestação desde a guerra holandesa e do preparo meticuloso, em dezenas de sociedades secretas, além de fatores econômicos múltiplos”. (01)
   Passados quase 199 anos daquele episódio (no próximo ano será lembrado seu bi-centenário), e analisando de forma objetiva vários escritos e opiniões dos pesquisadores regionais chegamos à conclusão de que o que ocorreu no Cariri, em 1817, não foi uma simples disputa entre clãs familiares, como alguns historiadores escreveram no passado. Tratou-se, na verdade, de um confronto de ideias. De um lado, o proselitismo e ações concretas em favor dos ideais revolucionários e republicanos, feitos por membros da ilustre família Alencar, um dos clãs mais importantes do Sul do Ceará. O povo não apoiou os Alencares, que lutaram para impor uma ideologia estranha à mentalidade da sociedade caririense de então. Do outro lado, opondo-se a essas ideias republicanas, esteve Leandro Bezerra Monteiro, um homem dotado de profundas e arraigadas convicções católicas e monarquistas. 
   Relembre-se, por oportuno, que a fidelidade à Monarquia, por parte de Leandro Bezerra Monteiro e seu clã, motivou a concessão – partida do Imperador Dom Pedro I – da honraria ao ilustre cratense do primeiro generalato honorário do Exército brasileiro. Àquela época, embora em desuso, o posto de brigadeiro correspondia – na escala hierárquica do Exército Imperial – à patente de general.
    No mais, outro historiador cratense, José Denizard Macedo de Alcântara fez interessante análise sobre a mentalidade vigente na população do Cariri, à época da Revolução Pernambucana de 1817.  A conferir:
    “Um bom entendimento dos fatos exige que se considere a realidade histórica, sem paixões nem preconceitos. Ora, dentre os dados da evolução histórica brasileira há que se ter em conta o seguinte:
a)    a sociedade brasileira plasmou-se, em mais de três séculos, à sombra da monarquia absoluta, com todo o seu cortejo de princípios, hábitos, usos e costumes, não sendo fácil remover das populações esta herança cultural, tão profundamente enraizada no tempo;
b)    daí o apego aos Soberanos, a aversão às manobras revolucionárias que violentavam suas tradições éticas e políticas, os reiterados apelos de manutenção da monarquia absoluta, que aparecem, partidos de Câmaras Municipais – os órgãos públicos mais aproximados das populações – mesmo depois que Pedro I pôs em funcionamento o sistema constitucional de 1826;
c)    o centro de gravidade desta sociedade eminentemente rural era sua aristocracia territorial, única força social de peso na estrutura nacional, repartida em clãs familiares, e profundamente adita ao Rei, de quem recebia posições públicas e milicianas, além de outras benesses, sentimento este que mais se avolumara com a transmigração da Família Real, em 1808, pelo contato mais imediato com a Coroa, bem como pelos benefícios prestados ao Brasil, no Governo do Príncipe Regente;
d)    sendo insignificante a sociedade urbana, era mínima a capacidade de proselitismo da vaga liberal que varria o mundo ocidental, na época, restringindo-se a uma minoria escassa, embora ativa e diligente. (02)
    Donde se conclui que não houve simpatia, nem apoio da sociedade caririense às ideias republicanas da Revolução Pernambucana de 1817, difundidas no Sul do Ceará pelo seminarista José Martiniano de Alencar.

Referências bibliográficas:
(01) FIGUEIREDO FILHO, J. História do Cariri. Vol. I. Edição da Faculdade de Filosofia do Crato, 1964.  p.61 
(02) ALCÂNTARA, José Denizard Macedo de. Notas preliminares in Vida do Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro. Secretaria da Cultura, Desporto e Promoção Social do Ceará, Fortaleza, 1978. p.26

 (*) Armando Lopes Rafael é historiador. Sócio do Instituto Cultural do Cariri e Membro–Correspondente da Academia de Letras e Artes Mater Salvatoris, de Salvador (BA).


22 junho 2016

Seu Bem Bem - Por: Emerson Monteiro

Bem Bem era o jeito com que chamavam Benebien, um ancestral da família Linhares, de cuja descendência procedem  João Gomes de Matos, o Dr. Ribamar Cortez, que foi promotor em Crato, e Dr. José Ulisses, filho de uma trineta dele; e tantos outros da região do Cariri.

Foi estudar medicina no Recife, e lá também estudou música e aprendeu a tocar piano muito bem. Na capital de Pernambuco, uma filha de família nobre, sua colega, quis que lhe desse aulas de música. Nisso, surgiu relacionamento mais estreito, e tiveram um caso amoroso.

Quando o pai descobriu o relacionamento, Bem Bem teve que fugir às pressas do Recife no rumo de Exu, indo viver na Fazenda Maniçoba.

Ficou recluso nos matos; deixou crescer a barba, o cabelo; e ficou morando com um grande proprietário amigo do pai de Bárbara de Alencar, Luiz Pereira de Alencar.

Lá, certa vez, chegou um pessoal de fora na residência procurando o Seu Bem Bem, e ele começou a indagar desses estranhos qual o sentido daquela viagem. Os homens terminaram confessando que tinham ido à procura de Bem Bem, para matar, porque bulira com a filha de uma família importante e tinha que pagar por isso.

Então, ele chamou o pessoal a conversar. Assunto vai, assunto vem, terminou pagando o dobro do que eles iam receber, e podiam dizer que Bem Bem morrera, que nunca iria mais a Recife, e ninguém nunca ia saber disso. Assim Bem Bem continuou vivo no interior, onde constituiu numerosa família.

Naquela hora, ele argumentou demoradamente com os pretensos vingadores: Esse homem é uma pessoa tão boa... Auxilia os humildes. É amigo de todos. Que, inclusive, era amigo dele. Etc e tal. Era o pai da pobreza do sertão. Era quem resolvia tudo nas épocas de seca, dando de comer ao povo necessitado.

Com isso, os viajantes também ficaram impressionados com a fama de Bem Bem, e resolveram receber o dinheiro mais fácil e voltar a Recife, e dizer que Bem Bem fora, sim, eliminado conforme previsto.

Obs.: História que ouvi de Enrile Pinheiro, em Crato.

21 junho 2016

Crato chega aos 252 anos sem nada a comemorar ! - O CAOS REINA NA CIDADE, QUE FALTA ATÉ ÁGUA



Acima: Prédio do CRAS Alto da Penha, entregue funcionando, virou escombros nessa administração. O edifício foi saqueado, incendiado e ninguém viu !


Buracos enormes tomam conta do Crato, sucateado e semi-destruído.


Prof. Samuel Siebra mostrando a marca registrada do Crato.

Vamos falar a verdade, sem hipocrisia ?

Muita gente me pergunta como vai o Crato. Vocês realmente querem saber como está a nossa cidade ? Pois vamos lá:

Há 4 anos a cidade do Crato vive o maior pesadelo da sua história. Uma cidade que ao invés de crescer, parou e regrediu no tempo. Se até bem pouco tempo achávamos que a administração anterior não havia feito muito pelo Crato, o que dizer da atual ? Em toda a sua história, por pior que tenham sido os prefeitos e suas equipes, todos eles fizeram alguma coisa ou muita coisa pela nossa cidade, mesmo aqueles considerados os piores. Nenhum deles também deixou de prestigiar as datas comemorativas do município, nenhum deles deixou de inaugurar obras no dia do município, e nenhum deles deixou de frequentar as comemorações alusivas do dia da pátria. Enquanto cidadão, acompanhei várias administrações que já passaram por nossa cidade, desde os anos 70,  e mais precisamente, no final dos anos 70, com Ariovaldo Carvalho, o homem que asfaltou as ruas do Crato, com Pedro Felício Cavalcanti, um dos melhores prefeitos que o Crato já teve, autor de inúmeras obras na nossa cidade. Mesmo aqueles prefeitos menos lembrados, como o "Joinha", como Antonio Primo de Brito, como Zé Adega, que segundo o jornalista Huberto Cabral, lhe entregou as chaves da prefeitura, fizeram algumas obras importantes pelo Crato. Mas, meus amigos, em toda a nossa história, nunca vimos uma situação tão caótica, tão trágica como a que estamos vivendo aqui no Crato. Pra começo de conversa, neste exato momento em que escrevo estas linhas, falta água no bairro Vilalta após 20 anos de pleno abastecimento. É raro hoje em dia ter água na Vilalta, que já era de péssima qualidade, uma lama preta que saía das torneiras e finalmente foi considerada pela justiça como IMPRÓPRIA PARA O CONSUMO HUMANO. De lá para cá, ao invés de se resolver o problema, temos a escassez da água. Todos os dias agora, a população vive a esperar as horas em que o precioso líquido sai das torneiras, que não tem hora certa. Isso é um absurdo, você precisar tomar um banho e descobrir que faltou água, ou só chega de madrugada. Você tem que acordar de madrugada pra poder tomar um banho. Ao longo de 4 anos, Crato viu o maior desfile de denúncias de corrupção, sendo o prefeito e sua administração alvos de investigação que continua até hoje, e até a polícia Federal invadiu a prefeitura, quando os promotores consideraram evidentes crimes de Formação de Quadrilha. Há 4 anos, faltam remédios essenciais nos postos de saúde para as pessoas necessitadas, há 4 anos o Crato não vê asfalto. As ruas dos bairros como o Mirandão, Vilalta e outros, onde já existia asfalto, voltaram à era da pedra lascada, com crateras imensas que engolem os pneus dos veículos, ruas quase intransitáveis, e os problemas deixados por outras administrações, não só continuaram, como se agigantaram. Vemos aí o problema da Rua da Vala, que já tem mais de 50 anos, entra prefeito, sai prefeito e não se resolve nada. Crato não tem uma política de desenvolvimento, a cidade regrediu em todos os aspectos. Até o Teatro Municipal está com a luz cortada, pra vocês terem uma idéia do caos que reina aqui. E até onde vai a boa fé e a má fé ? O prédio da prefeitura há 4 anos está numa reforma interminável, que transformou um edifício tradicional da gestão de Pedro Felício, numa verdadeira caixa de sapatos horrivelmente quente, como a blindar o prédio para impedir o acesso da população, fechando as únicas áreas arejadas que ainda possuía. Aí se um dia houver um incêndio, ninguém escapa ! 

No Canal do Rio Grangeiro, o matagal "come de esmola", sem piedade, sem uma política periódica de limpeza quando necessária, e somente a exemplo de alguns meses, quando a imprensa denuncia, é que se enviam pessoas para cortarem o mato. Mas o que acontece dentro do canal, é como diria o jargão do Antonio Vicelmo, "A notícia sem sofisma nem fantasia, o retrato fiel da realidade" de um Crato abandonado que mais uma vez entrou pelo cano, por acreditar nas falsas promessas megalomaníacas de incompetentes, que sem o menor preparo e experiência em administração pública, arrastou a cidade para o caos. Quem transita todo dia pelas ruas da nossa cidade e cai nos milhões de buracos, que destróem seus veículos, quem vê os montes de lixo se acumularem nas esquinas, quem é da cidade e vê a administração pintar o meio-fio de cal na época da exposição para tentar disfarçar a realidade nua e crua de uma cidade que chegou ao fundo do poço, sabe do que eu estou falando. Sem contar na falta de apoio à Cultura, ao esporte, um Crato que já teve o seu time na primeira divisão do futebol Cearense, hoje praticamente não existe.

NÃO DEVERIA SER ASSIM

O atual prefeito, eleito com uma maioria esmagadora, "O Fenômeno", como era chamado, tinha tudo, absolutamente tudo para fazer uma boa administração. Tinha o apoio popular, entrou ainda jovem, com energia, pensou-se até que fosse realizar as inúmeras promessas de campanha. Mas parece que prefeitura é mesmo um local estranho, pois algumas pessoas depois das eleições se transformam. Das milhares de promessas de campanha, nada ou quase nada foi cumprido. Isto se chama INCOMPETÊNCIA, a pessoa não ter a devida capacidade intelectual e administrativa para assumir um posto que pleiteia. Não está devidamente qualificado para a função que pretendeu exercer. 

E O QUE SERÁ DO CRATO ?


Acima: O desmatamento desenfreado acontece em plena Chapada do Araripe. Tá certo isso aí ?

Agora que o Crato está mergulhado no abandono e no fundo do poço, vários "salvadores da pátria" já despontam como candidatos a substituir aquele que veio para destruir o Crato. mas quem são eles ? Os Cratenses precisam ficar atentos, porque desta vez, além dos destruidores locais, é preciso tomar cuidado com os paraquedistas que podem vir de outras terras, aventureiros que podem vir para completar o desserviço fenomenal.  É preciso ter cuidado com esses aventureiros, pois o Crato não suportará mais 4 anos de descaso. Vivemos naquele período importante que antecede a escolha daqueles que guiarão os destinos da nossa cidade. Que a população analise com muita cautela, à luz da razão, o passado e o trabalho das pessoas que se colocarem como candidatos a prefeito do Crato. Que analisem muito bem, pois o preço que pagarão pela omissão, pelo desconhecimento, será altíssimo.

Enquanto isso, vamos orar, torcer, fazer figa, para que entre ao paço municipal, desta vez, alguém comprometido com a cidade, que tenha não só pensamentos, propostas de desenvolvimento, mas experiência, bons propósitos, que abra essa prefeitura ao povo, que arregace as suas portas, porque o poder na democracia, é do povo, não é de um grupo, não é de uma família, e certamente, não é de aventureiros. 


Cidade se desmnancha em buracos, ruas quase intransitáveis.


Agora, diante desse caos, onde não existe responsável pela cidade, que virou baderna, vocês me dão licença, que eu vou ter que ir a outro bairro da cidade para tentar conseguir água, porque aqui na Vilalta, nem água temos mais direito a ter permanentemente. 


Acima: Cidade abandonada: Animais soltos nas ruas do Crato

Meus amigos, que desastre ! Em que o Crato foi se meter ! Salve o grande prefeito Alexandre Arraes, que a esta altura, deve estar se revirando no túmulo ante essa grande PALHAÇADA que acontece hoje na querida, sucateada, combalida, vitimada, mas ainda Querida cidade do Crato, que certamente, ainda terá dias melhores, no dia em que a população escolher pessoa de bem, que querem o bem desta cidade.

P.S - Ah e da próxima vez, escolham pelo menos um prefeito que vá às festas comemorativas da cidade e do dia da pátria...




 E para completar, o que era ruim, ficou pior: Não só temos água ruim, como agora, quase não temos água na Vilalta.


 Os problemas nunca foram resolvidos...





De desrespeito aos bons profissionais.


Por: Dihelson Mendonça
Fotos: Wilson Bernardo, Site Folha Cratense.



Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30