xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 05/01/2016 - 06/01/2016 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

31 maio 2016

CRATO, CIDADE ENTREGUE ÀS BARATAS !


Vamos falar a verdade: O que já foi o Crato, e em que se tornou o Crato ! Contra fatos, não há argumentos.



Nesta foto de poucos anos atrás, tínhamos um time de futebol que alcançou a primeira divisão do campeonato Cearense, tínhamos uma torcida vibrante, um estádio que funcionava e uma administração que valorizava o esporte. Hoje, a cidade praticamente não tem time de futebol, estádio caindo aos pedaços, está entregue ao descaso, à bandalheira e às fartas denúncias de corrupção com trocentos processos e irregularidades. A cidade em 3 anos involuiu, caminhou para trás como caranguejo, quase nada foi feito, cidade praticamente intransitável dada à quantidade enorme de buracos, não viu uma gota de asfalto nesse tempo. Todos os serviços são deficientes, uma cidade entregue às baratas. QUEM VIU O QUE FOI O CRATO e EM QUE NOSSA CIDADE SE TORNOU...Abandono é a palavra que a define !

Por: Dihelson Mendonça




Realinhar sentimentos - Por: Emerson Monteiro

O desejo forte que impulsiona o coração de encontro aos momentos impõe cuidado extremo nos gestos qual quem busca equilíbrio no fio tênue dos abismos ali embaixo. As disposições do apego, intenso gosto de achar motivos de viver com alegria, exigem lucidez por vezes inatingível aos comuns mortais. Um leque de beleza rara, leves toques de brisa suave nas manhãs, respingos da água do mar numa praia clara de sol aberto, o riso da pessoa amada em nossos braços e sonhos de felicidade que escorrem das lembranças de noites agradáveis, isso tudo significa vontade determinante de amar com sofreguidão as ondas passageiras desta película incessante que denominaram existência.

Porém há que se cuidar demasiadamente de todo detalhe, nas cenas que compõem o fluxo permanente que transcorre pelos dentes das horas e nos alimentam da continuidade. Parar impossível. Conter os gestos da natureza, impossível, conquanto a determinação de obedecer aos passos das circunstâncias significa a única certeza inevitável.

O que resta de permissão ofertada aos microrganismos que somos nós, pequeninos seres diante da infinita misericórdia de Deus... Espaços a preencher de milhões de mimos à sagração da vida, dentro de coração solteiro, argonauta dos destinos.

Nesse momento, cabe, creio, reordenar os sentimentos, trazer ao território da liberdade o pomo da conformação e aproveitar os melhores insumos que a história disponibilizar, no ato da visão providencial. Gostar da festa de viver onde nos encontrarmos, e abraçar de bom grado o mínimo do que chegar ao teto dos apetites, selecionar fiapos e tecer a paz de que se alimenta dos impulsos que a gente exerce... Pisar o próprio corpo do desejo e amar intensamente o que os outros permitem que façamos.

Na pauta desses momentos, traçar rotas reais, invés de amarguras e ilusões transitórias. Firmar pés na rocha da condição humana, sem medo que se interponha o vilão da desonestidade para conosco mesmos, porquanto a exigência virá de plantar a semente fértil da tranquilidade, ainda que diante dos obstáculos circunstanciais. Amar e ser amado com firme sabedoria, no itinerário de saber que somos fruto de nossos únicos gestos.

Brasil real, Brasil verdadeiro: A morte de Dom Pedro II (por Armando Lopes Rafael)

Dom Pedro II na velhice
Dom Pedro II,  faleceu no dia  05 de dezembro de 1891, em  Paris, na França, onde vivia exilado desde que o golpe militar de 15 de novembro de 1889 lhe havia arrebatado o trono e o expulsado do Brasil, juntamente com toda a sua família.
Na hora da sua morte o  relógio marcava  00:35 horas, de uma madrugada fria. O quarto do imperador, no Hotel Bedford, era bem modesto,  pois o antigo Imperador do Brasil vivia quase como um pobre, após ter servido o Brasil por 58 anos, dos quais 10 através na Regência e 48 como um honrado e digno Chefe de Estado.
Este  homem que ainda hoje é considerado “O Maior dos Brasileiros” morreu acometido de grave doença pulmonar.  Dom Pedro II morreu ainda jovem para os padrões atuais. Contava com 66 anos, mas sua aparência era de um homem  muito mais velho. Suas responsabilidades, as preocupações, a vida pública o haviam transformado num homem de aparência muito mais velha do que era realmente.

Em um suspiro final Pedro II disse a todos:
“Deus que me conceda esses últimos desejos –
paz e prosperidade para o Brasil…”

Antes de morrer, Dom Pedro II escrevera um soneto com o título de “Terra do Brasil”. Confira abaixo o poema:

Espavorida agita-se a criança,
De noturnos fantasmas com receio,
Mas se abrigo lhe dá materno seio,
Fecha os doridos olhos e descansa.

Perdida é para mim toda a esperança
De volver ao Brasil; de lá me veio
Um pugilo de terra; e neste creio
Brando será meu sono e sem tardança...

Qual o infante a dormir em peito amigo,
Tristes sombras varrendo da memória,
ó doce Pátria, sonharei contigo!

E entre visões de paz, de luz, de glória,
Sereno aguardarei no meu jazigo
A justiça de Deus na voz da história!

o0o   o0o    o0o
Proféticas palavras! (texto e postagem: Armando Lopes Rafael






No tempo dos Coronéis‏ - Parte II - Por: Valdemir Correia de Sousa


Na semana passada escrevi um artigo sobre os coronéis Adauto e Humberto Bezerra. Como o assunto era extenso, dividi em dois, e falei mais sobre o coronel Adauto, e deixei para encerrar com assuntos  relativos mais ao coronel Humberto. Os dois são iguais, e quem não os conhece bem, muitas vezes fica em dúvida. Falei que os coronéis tanto cresceram politicamente, como também se dedicaram ao setor produtivo, comercial e financeiro. Como o leque era grande, fizeram uma divisão  de  atividades, ficando o setor comercial de algodão os quais eram líderes aqui na região com o Dr. Ivan, com o cunhado Aderson, e o sobrinho Rommel. Mesmo com o grande progresso causado pelo algodão, veio a praga do bicudo, e em todo o nordeste o cultivo do ouro branco foi extinto, encerrando a atividade algodoeira. Então, o Grupo Bezerra de Menezes, entrou no ramo financeiro, primeiro comprando o Banco do Juazeiro, depois o Banco do Cariri em Crato; e posteriormente, o Banco de Credito Comercial em Fortaleza, os quais juntos formaram o BIC, ou Banco Industrial e Comercial. Primeiro fortaleza, depois veio Recife, Manaus, Salvador, Rio, São Paulo, mais outras filiais, tendo a matriz passado para São Paulo. Como tinha uma razoável quantidade de ações advindas do banco de credito comercial, fui convidado para quase todas as inaugurações onde o banco era inaugurado. O Coronel Adauto ficou mais dedicado à política, e o coronel Humberto, mais ligado ao banco. Mesmo assim, o gabinete dos dois eram contíguos, na Rua Barão do Rio Branco, onde tratavam de negócios, e também de política. 


Acima: Coronéis Adauto e Humberto Bezerra ( Fonte: O Povo )

Cada inauguração era uma festa, e me lembro bem que em Salvador, quem foi inaugurar foi o celebre A.C.M, que era o governador da Bahia, o o whiskey correu solto até altas horas. depois fomos ainda para o bar do hotel da Bahia e encerramos a festa com champagne. Em Manaus, um empresário local ofereceu um iate para os coronéis conhecerem o rio amazonas. Fui convidado pelos mesmos para  acompanhá-los, e muito que fui. Lá pras tantas, no meio do rio, apareceu um garçom com uma bandeja de salgados e refrigerantes. Então eu perguntei se não tinha alguma bebida ao que o garçom respondeu negativamente. Como sou prevenido, levava na minha mochila, uma garrafa de Old Parr. pedi gelo, o garçom trouxe e fizemos a festa. Em São Paulo, o banco ficava na rua São Bento. Fomos até o largo, e o resto do caminho era a pé. 

Estava caindo uma pequena garoa. Tinha uma turma trabalhando fazendo um conserto no calçamento. Paulo Maluf era o prefeito, e ia na frente da comitiva. Paramos. então e Maluf perguntou ao operário que estava no fundo do poço: "Amigo, de onde você é ?. O operário olhou para cima e sem conhecer, ninguém respondeu: "Sou do juazeiro do padre Cícero". Aí Paulo Maluf perguntou: "Em quem você vota lá no juazeiro?" E o operário respondeu de cara: "voto nos Bezerra e  não abro". Paulo Maluf então disse.."Moço veja quem está aqui". O operário levantou a vista, arregalou os olhos e disse: "Coronel Adauto é o senhor?" "sim" Eespondeu Adauto. Aí o operário disse:. "Coronel, me arranje um emprego que preste, pois este está me matando". ai Adauto disse.."Paulo resolva este problema aí". Paulo Maluf meteu a mão no bolso, tirou um cartão o disse.."Vá me procurar amanhã, que vou resolver seu caso". E assim foram muitas outras coisas que aconteceram nas inaugurações. Quando fui abrir minha loja em fortaleza passei pela Floriano Peixoto, e tinha um prédio com a placa "aluga-se". Liguei para o número, um senhor de  nome Alber atendeu. Perguntei quanto era o preço do aluguel, e ele disse que já tinha alugado. Meio chateado, fui la para o BIC, e tratei o caso ao coronel Humberto; Ele ouviu e disse... Lúcia ligue aí para o Alber. Ela ligou e passou o telefone para o  coronel. Alber, boa tarde. Aqui é o Humberto. Olha, eu estou mandando um amigo passar aí na sua casa pegar a chave daquele prédio da Floriano. O que? Já alugou? Bem o meu amigo está  passando aí para pegar a chave. 


Acima: Foto de cartaz de campanha política de Adauto Bezerra nos anos 70


Acima: Capa da revista O POVO Cariri, com reportagem sobre Adauto Bezerra


Cheguei na casa, o Sr. Alber, que estava brabo, jogou a chave na minha cara disse um bocado de desaforo. Então seu alber, acho que o Sr.deverá dizer isto ao coronel, pois eu estou apenas cumprindo ordens. "Não quero conversa, leve a chave e nunca mais me apareça". Tornou-se um grande amigo meu, e passei 25 anos sendo seu inquilino. Devo muito aos coronéis, dos quais ouvi muitos conselhos, sempre para o bem. Hoje com a idade já avançada, vejo nos mesmos  uma fortaleza, e uma jovialidade tão grande que a todos surpreende, e ao completarem 90 anos peço a Deus que os protejam,  e que ainda tenham muitos aniversários a comemorar.


Valdemir Correia de Sousa, e família
Crato-CE

www.blogdocrato.com
Desde 2005 registrando todo dia a história do Crato para a posteridade





Coisas da República: Com Dilma Roussef, Brasil tem “pior governo do mundo”, segundo relatório de competitividade

Fonte: Agência EFE/VEJA
País aparece em último lugar no mundo nos quesitos transparência, burocracia, corrupção e condições para a entrada de capitais, que compõem ranking do Centro Mundial da Competitividade
 O Palácio do Planalto, em Brasília, sede do governo brasileiro; segundo diretor do Centro Mundial de Competitividade, 'é possível crescer, mas se o governo não faz seu trabalho, que é ter uma boa regulação e ser transparente, o país fracassa'(VEJA.com/VEJA)
O relatório anual do Centro Mundial da competitividaede (CMC) divulgado nesta segunda-feira evidenciou as dificuldades que a América Latina enfrenta para avançar nesse tema. O documento expressou uma preocupação especial com o Brasil, que ocupa um dos últimos lugares no ranking de países mais competitivos. O levantamento divulgado nesta segunda considerou dados de 2015, quando o país ainda era comandado pela agora presidente afastada Dilma Rousseff.
Dos 61 países que estão na classificação, liderada por Hong Kong, o Chile é o único país latino-americano que está entre os primeiros 40 colocados, em 36º - uma posição abaixo da que havia conseguido no ano passado. Os outros seis países da região mencionados no documento estão nas últimas vinte posições.
O segundo país latino-americano mais bem colocado é o México, em 45º, seguido de Colômbia (51º), Peru (54º) e Argentina (55º). O Brasil, que perdeu um posto em relação ao ano passado, aparece em 57º, e a Venezuela fecha a lista, em 61º.
"O Brasil tem neste ano o pior governo do mundo, pior que o da Venezuela, que o da Mongólia ou da Ucrânia", afirmou à agência EFE o diretor do CMC, Arturo Bris, em referência à avaliação feita no relatório sobre a eficiência dos governos.
Nesse indicador, especificou Bris, o Brasil está no último lugar entre todos os países. O país apareceu no 58º posto em 2014, passou ao 60º em 2015 e agora está em 61º, que é o último.
"O Brasil está na lanterna em transparência, burocracia, corrupção, em barreiras à entrada de capitais, à criação de empresas, pelo número de dias para criar uma empresa. É um desastre institucional", criticou o responsável pelo CMC.
Bris afirmou que o caso do Brasil mostra que o crescimento econômico "não é condição suficiente para a competitividade". "É possível crescer, mas se o governo não faz seu trabalho, que é ter uma boa regulação e ser transparente, então o país fracassa", ressaltou.
Prejuízo de gerações - O Brasil levará "gerações" para se recuperar, previu Bris, ao detalhar que, além dos problemas relacionados com suas instituições, enfrenta um déficit de infraestruturas físicas e carências graves em educação e serviços de saúde.
De acordo com análise que acompanha o ranking, os setores públicos dos países latino-americanos em geral são um "empecilho" para suas economias. Ainda segundo o relatório, a América Latina é uma região onde há carência das qualidades dos países que estão nas primeiras vinte posições: uma legislação favorável para os negócios e os investimentos, infraestruturas físicas e intangíveis (educação e sistemas de saúde) e instituições inclusivas.
"Atualmente, nenhuma das economias latino-americanas está perto de possuir essas qualidades da maneira necessária para progredir no ranking", comentou Bris.
(Com EFE)
Postado por Armando Lopes Rafael

30 maio 2016

Tio Juca - Por: Emerson Monteiro

Um abnegado trabalhador da seara cristã, José Soares de Gouveia (Tio Juca), que morreu em 04 de março de 1965, em Salvador BA, havendo nascido em Fortaleza CE, a 28 de maio de 1898. Estudou no Colégio Militar do Ceará e depois se dedicou à carreira civil como fiscal do consumo, profissão que lhe custaria a perda de funções físicas em face ser brutalmente agredido no exercício profissional. Devido seu jeito austero, dotado de elevado senso de responsabilidade, lá adiante, já espírita kardecista, suportaria com paciência e resignação a vida que dedicaria ao serviço em prol de menores abandonados, criando em Salvador a Casa do Tio Juca, graças aos esforços dele, da família e dos amigos, marcando história no serviço ao próximo nas terras soteropolitanas.

Em Iguatu, no Ceará, viveria um irmão do Tio Juca, o conhecido médico Dr. Gouveia.

Tio Juca possuía dotes mediúnicos cujas evidências se acham consignados no livro O fenômeno Tio Juca, de autoria do escritor baiano Eusínio Lavigne, que traz várias ocorrências das qualidades espirituais do médium.

O gosto pela caridade, característica de Tio Juca, também constava dos afetos familiares. Numa dessas histórias pitorescas, conta o autor que, sempre aos sábados, a família do sogro dele distribuía esmolas a necessitados, dos quais um cego era assídua presença. Certa feita, tendo de viajar, os familiares esqueceram-se de deixar o donativo habitual daquele necessitado, que decerto viria à procura.

No primeiro sábado, o cego pediu a alguém da casa que escrevesse à sogra de Tio Juca pedindo autorização para fazer o pagamento rotineiro. No outro sábado, no entanto, ouviria resposta negativa quanto ao assunto. O pedinte voltaria no sábado seguinte, e faria a mesma pergunta (Veio o dinheiro? Ela respondeu?). – Ainda não –, lhe disseram. (Pois então ela que procure outro cego, que aqui não venho mais...)

E Tio Juca achou que o cego tinha razão... porque estava servindo de instrumento do exercício de uma caridade. Se D. Alexandrina fazia da caridade um dever moral, desse teria ficado privada, pela espontânea recusa do cego, conta Eusínio Lavigne na obra literária onde registrou inúmeros episódios da existência do ilustre cearense.

29 maio 2016

Valores imediatos - Por: Emerson Monteiro

Na ânsia de usufruir da existência, virou moda o instinto destrutivo do imediatismo no decorrer das histórias desse tempo. Vistos os desejos avassaladores do prazer, muitos largam de lado possíveis realizações a médios e longos prazos e mergulham de cabeça nos lances atuais, por vezes fatais. Vendem a alma nos varejos de ocasião, impacientes de curtir a vida, quais pecadores inveterados no mercado da carne coletiva. Saem nas noites à procura de nacos de satisfação, fora de quaisquer cogitações posteriores. Espécie de desespero quer tomar conta dos grupos sociais, cada um à sua maneira, sejam nos vícios, vaidades, alimentação, sexualidade e violência.

O impulso dos valores materiais caracteriza de sintomas os horrores desse tempo de prazer a qualquer custo, e sob pena de morrer de tédio, bichos de monturo, indivíduos atiram ao léu projetos de realizações sem deixar margem a demorar um tanto mais no esforço de concretizar os sonhos de uma geração inteira.

Essa cultura do gozo parece querer dominar os dias, afastando a tradição humana rica da imaginada tranquilidade e os sonhos, o que valia de razão às eras próximas quando jovens cultivavam bons instintos, estudos e
o objetivo de melhores momentos.

E nunca antes a importância do autoconhecimento exigiu demasiado das criaturas. O vazio de valores plenos da dignidade ora impõe esforços inauditos na busca da paz pessoal, na educação dos filhos e preservação da ordem social. A vida reclama respeito, a segurança claudica, o futuro quase significa tão só ficção, espécie de artigo de luxo, raro e de difícil obtenção por vias regulares.

Eis o retrato desta fase escura dos países e populações, quando egoísmo crônico chegou ao poder nas raias da sociedade e os credos religiosos se tornaram pontos de fuga das multidões.

Nem sempre houve extremos de tamanha gravidade, porém os desafios representam lições de todas as épocas, a fim de reencontrar o caminho da Salvação.

Crescendo igual a rabo de cavalo: Em apenas um ano número de famílias que empobreceu chega a 1 milhão

Foi a primeira vez que houve um movimento inverso ao da ascensão socioeconômica que vinha ocorrendo desde 2008, segundo estudo da Abep
Fonte: Estadão
Apesar de benefícios como o Bolsa Família, número de pobres do país aumentou(CLEMILSON CAMPOS/JC IMAGEM/Estadão Conteúdo)
Faz três meses que o pedreiro Maurício Paes de Souza tenta pagar a última prestação do Uno 2007, comprado há quatro anos. A parcela é de R$ 630, mas, sem emprego desde janeiro, com a mulher também desempregada e dois filhos para sustentar, ele corre o risco de perder o automóvel - assim como já perdeu tantas outras pequenas conquistas de consumo dos últimos anos. Aos poucos, Souza se dá conta de que não pertence mais à mesma classe social da qual chegou a fazer parte, como outros milhares de brasileiros. Só no último ano, quase um milhão de famílias desceram um degrau na escala social.
Foi a primeira vez que houve um movimento inverso ao da ascensão socioeconômica que vinha ocorrendo desde 2008. O estudo, da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (Abep), mostra que, de 2015 para 2016, a classe que abrange famílias com renda média de R$ 4,9 mil (chamada de B2) perdeu 533,9 mil domicílios. A categoria dos que ganham R$ 2,7 mil (C1) encolheu em 456,6 mil famílias. Ao mesmo tempo, as classes mais pobres ganharam um reforço. Na categoria em que as famílias têm renda média de R$ 1,6 mil (C2), o incremento foi de 653,6 mil domicílios. Outras 260 mil famílias passaram a fazer parte das classes D e E, com renda média de apenas R$ 768.
"Porcentualmente, esse movimento é pequeno. Mas, em termos absolutos, estamos falando em um acréscimo de mais de 910 mil famílias nas classes pobres em apenas um ano. É um número expressivo", afirma Luis Pilli, da Abep. Um resultado que chamou a atenção é que a classe A, a mais rica e que conta com reservas financeiras e de patrimônio para se defender da alta da inflação e do desemprego, cresceu em 109,5 mil famílias no período. Com isso, ao todo, 1,023 milhão de domicílios, ou cerca de 4 milhões de pessoas, se movimentaram de alguma forma na escala social por causa da crise - a maioria, porém, perdendo o status anterior.
O que impressiona nessa crise, segundo Pilli, é a rapidez com que as famílias estão abrindo mão de itens como o segundo carro ou uma casa maior. "São decisões que geralmente demoram algum tempo para serem tomadas."
Baque - Para Maurício de Almeida Prado, sócio-diretor da Plano CDE, consultoria especializada na baixa renda, os números da Abep indicam que quem está sentindo o baque da crise é principalmente a classe média. "Os estratos sociais que dependem do emprego formal foram os mais afetados", explica. Os mais pobres, segundo ele, estão acostumados com a informalidade. "Eles se viram muito, fazem coisas em casa, vendem cosméticos, por exemplo. A classe média mais alta é dependente do emprego formal e tem dificuldade de gerar renda extra."
Renda
Já Adriano Pitoli, sócio da Tendências Consultoria Integrada, traça um cenário pior do que o da Abep. Ele estuda as mudanças na pirâmide social olhando apenas a renda monetária recebida pelos trabalhadores - e não a permanente, como fazem os institutos de pesquisa. Em estudo feito no final do ano passado, o economista da Tendências apontava, com base em projeções, que 3 milhões de famílias desceriam um degrau na escala social em três anos, entre 2015 e 2017.
De lá para cá, com o agravamento da crise, Pitoli refez as contas e projetou que 4,2 milhões de famílias seriam devolvidas à base da pirâmide. Só no último ano, a baixa teria sido de 1,8 milhão de famílias.
             

28 maio 2016

A crônica do fim-de-semana (por Armando Lopes Rafael)

A entrevista do príncipe  Dom Bertrand a Mariana Godoy

   Sexta-feira, 27 de maio, à noite, a apresentadora Mariana Godoy – da Rede TV – entrevistou durante uma hora o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança. O tempo passou e ninguém sentiu! Parecia até que não estávamos neste Brasil caótico dos dias atuais. Com a TV noticiando os despreparados políticos, que utilizam palavreado chulo; alguns cuspindo nos adversários em sessões do Congresso; muitos envolvidos em falcatruas...
   O príncipe Dom Bertrand falou com sinceridade e serenidade! Usou, o tempo todo, termos elegantes e elevados! E educadamente, com segurança e conhecimento de causa respondeu a todas as perguntas da entrevistadora, sem se alterar e com bom humor...
    Com papel e lápis na mão, anotei algumas frases ditas pelo ilustre membro da Família Imperial Brasileira. A conferir.

– As pessoas estão cansadas da República! A aceitação da monarquia pela população, brasileira, principalmente pelos mais jovens, é a cada dia maior. Em todas as manifestações que houve recentemente nas ruas, de norte a sul do Brasil, vieram pessoas com a bandeira da monarquia. E essas bandeiras foram aceitas com a maior naturalidade e vistas com muita simpatia!  Se aparecesse, naquelas manifestações, uma bandeira vermelha do PT seria enxotada. Até na frente do Congresso Nacional, em uma das manifestações em Brasília, foi hasteada uma bandeira da monarquia e a polícia só percebeu isso algumas horas depois. A Bandeira do Brasil Império ficou hasteada por quatro horas tremulando em frente à esplanada dos ministérios.

–O objetivo de Lula era fazer o Brasil um país socialista. O povo foi às ruas para protestar contra os governos petistas e dizer "Nossa bandeira é verde e amarela e jamais será vermelha".

– O que aconteceu nos últimos tempos foi o protesto do povo nas ruas. O povo estava cansado de um governo esquerdista. O impeachment representou um BASTA da população!  Agora se o governo Temer vai dar certo é muito cedo para nós julgarmos. Afinal, o governo do presidente Temer só tem 11 dias.

– Por que o Brasil está nessa crise econômica? Ora, o Brasil tomou uma série de empréstimos que não eram proporcionais às nossas necessidades. Empréstimos para sustentar um governo que não funciona. Nós temos um governo hipertrofiado (gigante) que custa excessivamente caro ao conjunto da nação. O resultado é que a dívida externa e interna vão aumentando dia a dia. Isso eu acho uma injustiça para o povo brasileiro".

– É mais barato sustentar uma família real do que um Estado gigante e ineficiente. O palácio de Buckingham, da rainha Elizabeth, com todo o seu esplendor, custa dois terços do que custa o Palácio do Planalto.

– A desculpa de que o governo Dilma teve 54 milhões de votos não é argumento. O Brasil tem 202 milhões de pessoas. Hitler foi eleito na Alemanha com 80% dos votos dos alemães. E Hitler não serve de exemplo só porque a esmagadora maioria votou nele.

– Um paralelo entre a Monarquia e a República? A grande diferença da República com a monarquia é que as repúblicas estão continuamente pensando nas futuras eleições e na monarquia os reis pensam nas futuras gerações. A monarquia tem por inspiração o modelo da família, pois uma nação é, antes de tudo, uma grande família, com um destino em comum a realizar. Com um chefe de Estado que não é filiado a nenhum partido. Uma nação não é uma empresa, uma nação, sobretudo, não é uma disputa contínua de partidos políticos, onde um está se digladiando com o outro e o que interessa são as futuras eleições e não as futuras gerações. Deus fez o mundo monárquico. É por isso que os países que continuaram com a monarquia são os que melhor tratam suas populações.

    Que bom se as emissoras de televisão procurassem sempre pessoas preparadas e sinceras para serem entrevistadas...

             

27 maio 2016

Para Você Refletir ! - Por Maria Otilia

Nestes últimos dias estamos sendo surpreendidos pela avalanche de manchetes estarrecedoras. Por um lado notícias que bombardeiam o cenário político do país. Por outro, o inúmero de casos de violência contra a mulher, seja doméstico ou o abuso sexual de crianças  adolescentes. No caso da jovem recentemente abusada por “estupro coletivo” é simplesmente abominável. Infelizmente a justiça fraca e tardia, mesmo com nomes dos acusados, demora na prisão dos mesmos. 
Aqui na cidade do Crato, vivemos uma indagação sobre o desparecimento  da jovem Rayane, ainda sem nenhuma explicação plausível para a família  desta jovem. Está se tornando uma  rotina diária  as   notícias veiculadas  nas emissoras de rádio, os inúmeros casos de violência doméstica, a maioria com  desfecho de assassinato das mulheres, por homens machistas, sem escrúpulos que ainda insistem em querer ser “donos” de suas companheiras. O cariri, infelizmente tem  record alarmante  desta violência. 
O mais gritante para nós mulheres é a falta de políticas públicas efetivas para a redução da violência contra a mulher. Infelizmente, nesta transição de governo, um ministério criado a partir de lutas constantes promovidas  pelos movimentos feministas, foi extinto. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos seria um instrumento para a redução desta estatística cruel de casos de violência contra a mulher, preconceito e discriminação racial. Como vivemos numa sociedade machista, nada mais oportuno do que acabar com este Ministério, pelo governo Temer. E como a maioria dos políticos tanto do legislativo como do executivo são homens, que se acham “donos” do poder muito pouco importou esta extinção. 
O caso de Rayane desaparecida, aqui no município do Crato e da adolescente do Rio de Janeiro, que sofreu estupro coletivo, infelizmente cai no esquecimento a partir da não veiculação  nas redes sociais e de televisão. E infelizmente novos casos surgem e começa tudo de novo. A impunidade impera e faz com que as mulheres, principalmente pobres e negras, se quer tenham um a atendimento adequado nas tão sonhadas “ delegacias femininas”. Apoio psicológico, jurídico e médico realmente também são muito capengas. Além da humilhação de ter que denunciar o abuso sexual, a violência física, a violência psicológica diante de um ou uma delegada passa também a ser constrangedor. Somos sabedoras de que muitas mulheres ao chegarem às delegacias, passam a ser hostilizadas por policiais através de “risos, piadinhas, perguntas inoportunas”, etc.
Como educadores, precisamos rever nossa postura dentro da sala de aula, no tocante a construção de novos valores, de respeito a igualdade de gênero, e questões  relacionadas ao preconceito e discriminação racial. Precisamos realmente focar na função social da escola de construção da cidadania voltada para a formação de nossos estudantes como seres humanos mais sensíveis e que  saibam viver em comunidade, respeitando seu  semelhante.
Para uma reflexão, posto  abaixo um texto de   Marina Colasanti . Boa leitura.

                                                            Eu sei, mas não devia
Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão. A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia. A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto. A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra. 
A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos. A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.
A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado. A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Acostuma-se para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.






Como era linda minha cidade: o Rio Grangeiro na década de 30 do século passado (por Amilton Silva)

Rio Granjeiro: transformação das belezas naturais em ambiente poluído. É uma pena...

Um rio da Amazônia ou do Pantanal?
Não. Esta foto mostra o Rio Grangeiro, cortando a cidade de Crato, na década 30 do século passado. O local da foto é mais ou menos onde hoje fica a confluência da Rua Santos Dumont com Rua Almirante Alexandrino, nas proximidades do Posto Antônio Almino de Lima.
A destruição feita pelos homens transformou a bela paisagem acima num esgoto fétido a céu aberto (o atual canal do Grangeiro). Até onde vai a insanidade humana...

Abaixo uma poesia de José Alves de Figueiredo sobre o Rio Grangeiro, quando existia o Rio Grangeiro...

Rio Grangeiro
Este Rio que passa aqui gemendo
E vem da serra envolto a mil cipós,
Anda a gemer desde que me entendo,
Desde que se entenderam os meus avós.

É um rio de amor que vem trazendo
O cristal que regala a todos nós,
Seu gemido, é segredo que eu desvendo,
Pois nele fala o Crato em terna voz.

Cantem outros o encanto de outros rios,
Como fez com o Tejo vate luso,
Que eu cantarei em doces murmurios.

Do Grangeiro esta voz que eu sempre acuso
Como um lamento, um canto de amavios,
Uma harmonia de deuses que eu traduzo!

J. Alves de Figueiredo
(publicado no jornal "Folha da Semana" 17.10.1953)

Matéria enviada por: Amilton Silva
Nota:
É difícil acreditar que essa foto tenha sido tirada perto de onde seria o encontro da Almirante Alexandrino com a Santos Dumont...em todo caso...



Coisas da República: Bolsa Família perdeu R$ 2 bilhões e 600 milhões com fraudes

Fonte: VEJA
Levantamento inédito mostra o volume de recursos desviado do programa. Funcionários públicos, mortos e até doadores de campanha estão entre os beneficiados.
 NA FILA - Sem fiscalização eficiente, o dinheiro do contribuinte deixa de ir para quem precisa: é o “bolsa fraude”(ALEXANDRO AULER/VEJA)
Daria para fazer quase 30 000 casas pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Somente entre 2013 e 2014, pelo menos 2,6 bilhões de reais do total da verba reservada ao Bolsa Família foram parar no bolso de quem não precisava. A informação é resultado do maior pente-fino já realizado desde o início do programa do governo federal, em 2003. Feito pelo Ministério Público Federal a partir do cruzamento de dados do antigo Ministério do Desenvolvimento Social com informações de órgãos como Receita Federal, Tribunais de Contas e Tribunal Superior Eleitoral, o exame detectou mais de 1 milhão de casos de fraude em todos os estados brasileiros. O Bolsa Família, um valor mensal a partir de 77 reais por pessoa, é destinado exclusivamente a brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza. A varredura mostrou, no entanto, que entre os que receberam indevidamente o auxílio no período estão funcionários públicos, mortos e até doadores de campanha (veja o quadro na pág. ao lado).
Só de funcionários públicos foram 585 000 os beneficiários ilegais. Em todos os casos, os contemplados ganhavam ao menos um salário mínimo (piso da categoria) e, segundo apurou o estudo, pertenciam a famílias com renda per capita acima de 154 reais - situação que os impediria de receber o benefício. O fato de esses funcionários serem majoritariamente servidores municipais reforça a tese do Ministério Público de que esse tipo de fraude não dispõe de um comando centralizado. "Nasce daquele microcosmo do município em que o cadastrador conhece quem está sendo habilitado e não tem interesse em realizar uma fiscalização correta sobre suas condições de pobreza", afirma a procuradora Renata Ribeiro Baptista, que coordenou a pesquisa.
Os doadores de campanha ocupam lugar de destaque no ranking das categorias de fraudadores identificadas no estudo. O Ministério Público encontrou 90 000 beneficiários do programa que, em 2014, doaram a políticos ou partidos valores iguais ou superiores aos recebidos do programa naquele ano e casos de grupos de dez ou mais beneficiários que transferiram verbas para um mesmo candidato.
O levantamento achou ainda beneficiários sem CPF ou com mais de um CPF, além de 318 000 beneficiários que eram donos de empresas. Abrir uma empresa não significa necessariamente que alguém seja um sujeito de posses (o processo para constituir uma firma pode custar pouco mais de 200 reais), mas o Ministério Público acredita que poucos dos contemplados nessa situação conseguirão provar que vivem abaixo da linha da pobreza.
Os 2,6 bilhões desviados correspondem a 4,5% do total investido no programa no período e estão abaixo da média internacional, apontada pelo Banco Mundial, de 10% de desvios em programas sociais. Para a procuradora Renata Baptista, porém, a estimativa do MPF é "conservadora". Segundo ela, muitas fraudes ficaram de fora do levantamento. "Apenas servidores com quatro ou menos familiares entraram no estudo." O prejuízo ainda vai aumentar.

Na edição de VEJA deste fim-de-semana: Pedro Corrêa faz relato contundente de envolvimento de Lula no petrolão

Revelações do ex-deputado ao MP compõem documento de 132 páginas. Depoimento aguarda homologação pelo Supremo Tribunal Federal
 Pedro Corrêa: ele embolsa propina desde a década de 1970(Vagner Rosario/VEJA)
Entre todos os corruptos presos na Operação Lava-Jato, o ex-deputado Pedro Corrêa é de longe o que mais aproveitou o tempo ocioso para fazer amigos atrás das grades. Político à moda antiga, expoente de uma família rica e tradicional do Nordeste, Corrêa é conhecido pelo jeito bonachão. Conseguiu o impressionante feito de arrancar gargalhadas do sempre sisudo juiz Sergio Moro quando, em uma audiência, se disse um especialista na arte de comprar votos. Falou de maneira tão espontânea que ninguém resistiu. Confessar crimes é algo que o ex-deputado vem fazendo desde que começou a negociar um acordo de delação premiada com a Justiça, há quase um ano. Corrêa foi o primeiro político a se apresentar ao Ministério Público para contar o que sabe em troca de redução de pena. Durante esse tempo, ele prestou centenas de depoimentos. Deu detalhes da primeira vez que embolsou propina por contratos no extinto Inamps, na década de 70, até ser preso e condenado a vinte anos e sete meses de cadeia por envolvimento no petrolão, em 2015. Corrêa admitiu ter recebido dinheiro desviado de quase vinte órgãos do governo. De bancos a ministérios, de estatais a agências reguladoras - um inventário de quase quarenta anos de corrupção.
VEJA teve acesso aos 72 anexos de sua delação, que resultam num calhamaço de 132 páginas. Ali está resumido o relato do médico pernambucano que usou a política para construir fama e fortuna. Com sete mandatos de deputado federal, Corrêa detalha esquemas de corrupção que remontam aos governos militares, à breve gestão de Fernando Collor, passando por Fernando Henrique Cardoso, até chegar ao nirvana - a era petista. Ele aponta como beneficiários de propina senadores, deputados, governadores, ex-governadores, ministros e ex-ministros dos mais variados partidos e até integrantes do Tribunal de Contas da União.
Além de novos personagens, Corrêa revela os métodos. Conta como era discutida a partilha de cargos no governo do ex-¬presidente Lula e, com a mesma simplicidade com que confessa ter comprado votos, narra episódios, conversas e combinações sobre pagamentos de propina dentro do Palácio do Planalto. O ex-presidente Lula, segundo ele, gerenciou pessoalmente o esquema de corrupção da Petrobras - da indicação dos diretores corruptos da estatal à divisão do dinheiro desviado entre os políticos e os partidos. Corrêa descreve situações em que Lula tratou com os caciques do PP sobre a farra nos contratos da Diretoria de Abastecimento da Petrobras, comandada por Paulo Roberto Costa, o Paulinho.
Uma das passagens mais emblemáticas, segundo o delator, se deu quando parlamentares do PP se rebelaram contra o avanço do PMDB nos contratos da diretoria de Paulinho. Um grupo foi ao Palácio do Planalto reclamar com Lula da "invasão". Lula, de acordo com Corrêa, passou uma descompostura nos deputados dizendo que eles "estavam com as burras cheias de dinheiro" e que a diretoria era "muito grande" e tinha de "atender os outros aliados, pois o orçamento" era "muito grande" e a diretoria era "capaz de atender todo mundo". Os caciques pepistas se conformaram quando Lula garantiu que "a maior parte das comissões seria do PP, dono da indicação do Paulinho". Se Corrêa estiver dizendo a verdade, é o testemunho mais contundente até aqui sobre a participação direta de Lula no esquema da Petrobras.

26 maio 2016

Festa de Santo Antônio será iniciada neste sábado,28 – por Elizângela Santos

Este ano, a festa tem como o seu principal lema Fé, Cultura e Tradição, que se entrelaçam numa grande apoteose em louvor ao Santo Padroeiro de Barbalha
Estará sendo concluída nesta 6ª feira em Barbalha a ornamentação da cidade para o início da Festa de Santo Antônio, que acontece no próximo domingo, com abertura oficial e cortejo do Pau da Bandeira e segue até 13 de junho. A expectativa de público para o evento é de mais de 300 mil pessoas, em virtude de, neste ano, a festa ser realizada com o reconhecimento de Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira, ocorrido após a votação do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em setembro do ano passado.
Neste sábado, às 20h30, acontece a solenidade pública sobre o reconhecimento, além do lançamento da Escola de Artes e Saberes Contemporâneos de Barbalha. Na ocasião, será assinado o termo de comodato, por 10 anos, do Palácio 3 de Outubro, prédio tomado pelo Patrimônio Histórico do Estado do Ceará, onde estará funcionando a escola, que irá fortalecer ainda mais a cultura e a tradição local. A solenidade contará com a presença do governador do Estado, Camilo Santana, o prefeito local, José Leite, o secretário de Cultura, Antônio Luna, e representantes da Superintendência Estadual do Iphan.
Ainda no sábado, que acontece a Noite das Solteironas, com um casamento coletivo após a missa na Matriz de Santo Antônio, às 20 horas. Todo um esquema de segurança vem sendo fortalecido para a festa, com mais 200 homens da Polícia Militar e equipe contratada.
O Cortejo do Pau da Bandeira acontece no domingo, a partir do meio-dia, percorrendo 6km até a cidade. Este ano, haverá um cordão de isolamento, para proporcionar mais segurança aos carregadores e o público que acompanha o grupo. A previsão de chegada do Pau da Bandeira, uma rama branca de 25 metros e cerca de duas toneladas, será no final da tarde, quando será erguido o mastro da bandeira do Santo, que sinaliza o começo da festa, que acontece até o dia 13 de junho, Dia de Santo Antônio.
Cortejo dos Grupos de Tradição
O som dos pífanos e tambores começam logo cedo no domingo. Os grupos de tradição de reúnem em volta da igreja a partir das 6 horas para louvar o santo padroeiro, Antônio de Pádua. São mais de 60, que após a missa de abertura da festa, que acontece às 9 horas, saem em cotejo pelas ruas do Centro até o Largo do Rosário.  Além dos grupos tradicionais, seguem os parafolclóricos, com a participação de centena de brincantes.
             

Campanha contra o bispo não tem trégua


Nota da Assessoria Jurídica da Diocese de Crato

       Nem mesmo a grave enfermidade que se abateu sobre Dom Fernando Panico, que desde algumas semanas se encontra na Europa buscando a recuperação de sua combalida saúde, permitiu uma trégua da parte de seus conhecidos algozes, os quais prosseguem divulgando matérias caluniosas, injuriosas e difamatórias contra o Bispo de Crato. 
         No início da semana um tabloide da imprensa marrom, editado em Juazeiro do Norte, jornaleco que é distribuído gratuitamente aos transeuntes da conurbação Crajubar, voltou a assacar, em forma de deboche, novas mentiras contra o ilustre prelado. Hoje foi a vez do Sr. Francisco Pereira da Silva – um dos maiores desafetos de Dom Fernando – divulgar novas invencionices, falsidades e mentiras contra a maior autoridade religiosa do Cariri, através do site Miséria.
          O Sr. Francisco Pereira da Silva e seus conhecidos cúmplices já estão sendo investigados após denúncia formal apresentada por Dom Fernando Panico junto ao GAECO – Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – pelos crimes de Fraude, Falsificação e Adulteração de procuração e escritura pública, Estelionato, Ameaças de Morte, Formação de Quadrilha, dentre outros.
    Tal investigação, no entanto, não os inibiu de tentar enganar a opinião pública caririense, através da difamação e calúnia contra Dom Fernando, acusando o Senhor Bispo de ter incentivado populares a invadir parte do terreno usurpado da Diocese de Crato pelo Sr. Francisco Pereira da Silva e seus cúmplices, através de procuração e escritura pública elaboradas à margem da Lei. Nunca é demais acrescentar que esse imóvel é alvo de uma ação promovida pela Diocese de Crato junto à Justiça brasileira, buscando a anulação da escritura fraudulenta e a recuperação de sua propriedade.
    Repudiamos de forma veemente essas aleivosias covardemente assacadas contra o Bispo de Crato, aproveitando, inclusive, a ausência deste da Diocese, na busca da recuperação de sua saúde, bastante abalada, motivada também pelas sucessivas campanhas pusilânimes e dissimuladas que vêm sendo feita há tempos e que é de domínio público em todo o Brasil.
    O advogado de Dom Fernando Panico, Dr. Hiarles Macedo, disse que serão propostas ações judiciais contra o acusador, Sr. Francisco Pereira da Silva, pelos crimes de calúnia, difamação, injúria e, ainda, danos morais.
    Apesar da forma solerte como vêm sendo feitos esses ataques mentirosos à pessoa de Dom Fernando Panico, a Diocese de Crato continua confiando plenamente na Justiça de Deus e dos homens, certa de que ao final deste túnel escuro das ameaças e também das perpetradas calúnias e injúrias, a verdade surgirá clara e transparente com a luz do sol.
             

Saudades do Paraíso - Por: Emerson Monteiro

Às vezes me perguntam o porquê dessa mania de só querer ver o lado bom dos acontecimentos, evitando notícias torpes dos jogos de guerra e costumes em que buscam encher de lixo o dia-a-dia das informações que circulam, e paro avaliando o quanto de tempo já se perdeu a remoer as frações negativas desse quadro amargo daqui do chão, vendido ao preço módico de tremendas ilusões. Assim, insisto comigo mesmo de limpar o pensamento daquilo que mete medo, gera apreensão, preocupação, sobretudo que gera mágoa e revolta, reações que, no passado, mexeram comigo e fizeram de mim alguém que bem poderia ter sido diferente e melhor se houvesse plantado sentimentos leves desde então no horizonte de viver.

As razões de amargurar os desânimos de tantos atos falhos da nossa humanidade quero, pois, atribuir à paixão que avassala os dias de armadilhas e tensões. Nisso procuro sobreviver em algum lugar de dentro da alma a saudade do universo perfeito que por certo ainda não conheço, porém que desejo sobremodo conhecer, vivenciar, insistir com a vontade das pequenas esperanças de paz, prosperidade, alegria, solidariedade entre os povos, mais justiça social, organização coletiva em favor dos viventes, longe dos apegos excessivos de grupos presos a motivos fúteis e riquezas adquiridas à força das armas, da imprudência.

Produzir novos instrumentos de satisfação e bem-estar que signifiquem distanciamento da solidão e do egoísmo, vitória da boa vontade em prol das multidões esquecidas nos guetos e bares. Permitir sonhar longe das drogas, dos vícios nefastos, da violência e do desespero; fora das depressões e dos impulsos de crueldade característicos de milênios desta raça. Somente desse modo veremos a Deus, construiremos mundo de ricos virtudes e valores, acalmaremos a consciência no travesseiro do dever cumprido, restabeleceremos a luz da Natureza e seremos, sim, irmãos entre irmãos, aos moldes do Paraíso original de que falam as religiões, lá de antes da queda no mar de contradição onde ainda arrastamos as patas doloridas. Senhores de si, então, reveremos os tratados da civilização e conquistaremos o maior prêmio, a certeza, sempre, de um amanhã pleno de Amor no coração das existências.

Como surgiu o Seminário São José de Crato -- por Armando Lopes Rafael


   O Seminário São José de Crato foi fruto de um desejo de Dom Luís Antônio dos Santos, primeiro bispo do Ceará, com o objetivo de ampliar a divulgação da Boa Nova de Cristo e salvar almas, no território da sua vasta diocese, a qual, à época, compreendia todo o nosso Estado. 
    Para concretizar esse anelo, e depois de ter recebido sugestão nesse sentido, em 1871, do recém-ordenado Padre Cícero Romão Batista, Dom Luís encaminhou – em 1872 – dois padres lazaristas, – padres Guilherme Van den Sandt (alemão) e José Joaquim de Sena Freitas (português nascido no arquipélago dos Açores) – para realizarem uma missão religiosa, em terras do Cariri cearense. Os dois missionários lazaristas ficaram encantados com o progresso da cidade e com o entusiasmo com que a população acolheu as missões.
     Os dois padres receberam orientação para angariar doações visando à construção de um Seminário Diocesano, na cidade de Crato. Depois disso Dom Luís Antônio enviou para Crato o padre italiano Lourenço Vicente Enrile, para acompanhar a construção do vasto prédio, que seria erguido em grande terreno doado pelo coronel Antônio Luís Alves Pequeno, no aprazível subúrbio, à época conhecido como Grangeiro, hoje denominado bairro do Seminário. Logo faltaram os recursos para dar continuidade à construção. Então Dom Luís Antônio resolveu deslocar-se de Fortaleza para Crato, ficando ele próprio à frente dos trabalhos. Aqui chegou no dia 31 de dezembro de 1874.
       Durante sua estada em Crato, foi-lhe preparada uma residência episcopal pelo seu grande amigo e compadre, coronel Antônio Luís Alves Pequeno, que arcou também com as despesas de cama e mesa de Dom Luís Antônio e sua comitiva. A residência ficava num sobrado localizado na esquina da atual Rua João Pessoa com Praça Juarez Távora. Como sempre, a população de Crato acolheu com festas, respeito e muita alegria o primeiro Bispo do Ceará. Era diferente a mentalidade da população cratense no século 19!
        Pôs-se Dom Luiz à frente da construção, mas, dada a grandiosidade da obra, o Seminário São José foi inaugurado, em 07 de março de 1875, em barracões provisórios, feitos de taipa e cobertos de palha, enquanto a construção dos blocos de alvenaria tinha prosseguimento. O povo cratense apelidou os barracões de taipa de “seminarinho”. Este funcionou com salas-de-aulas, dormitório, refeitório, cozinha e uma pequena capela até o mês julho, quando foi concluído o lado sul do atual prédio do Seminário São José.
         Estava realizado o grande sonho de Dom Luís, dotar Crato do seu Seminário, que vem funcionado, com algumas interrupções nos primeiros anos, até os dias atuais. Nos início de agosto, Dom Luís Antônio retornou a Fortaleza para nunca mais voltar às terras caririenses. Em 1881, Dom Luís foi transferido para Salvador, como Arcebispo da Bahia e Primaz do Brasil, e lá permaneceu até 11 de março de 1891, data do seu falecimento. Foi sepultado na capela do Santíssimo Sacramento da Catedral de Salvador.
Uma curiosidade: A fama de que Crato é uma cidade ingrata para com seus bispos vem de longe! Não é de agora, quando até desclassificados "coroinhas" usam as redes sociais para criticar (e até caluniar) essa autoridade religiosa.  Dom Luís Antônio dos Santos fez muito pelo Crato. Mas, sequer, existe uma rua em Crato com o nome dele. Já em Aracati, onde Dom Luís esteve apenas em visita pastoral, existe um grande monumento comemorativo da sua viagem àquela cidade jaguaribana. Erigido em comemoração à primeira visita pastoral de Dom Luís Antônio dos Santos, primeiro bispo do Ceará, situa-se à entrada norte da rua Coronel Alexanzito. Consta de uma pirâmide de alvenaria, com altura de aproximadamente 10 metros. Numa das faces do monumento encontra-se a seguinte inscrição: “Esse monumento da primeira visita pastoral que aos 30 dias de julho de 1863 se dignou fazer a esta cidade o Exmº. e Revmº. Sr. Dom Luiz Antonio dos Santos, primeiro Bispo desta diocese do Ceará e em testemunho de inteira veneração à pessoa de seu primeiro prelado, fez construir esta pirâmide a cidade de Santa Cruz do Aracati”. O local onde se encontra o referido monumento chama-se "Praça Dom Luiz".
E o Crato? O memorialista Huberto Cabral vem tentando, pelo menos, que a omissa Câmara de Vereadores desta cidade denomine de Dom Luís, a minúscula pracinha recém-construída pelo Governo do Ceará e localizada em frente ao Seminário São José.
(Texto e postagem de Armando Lopes Rafael)

25 maio 2016

Boa-fé - Por:Emerson Monteiro

Ela nasce da autenticidade, de quando a gente resolve encarar viver de jeito limpo com a nossa consciência, independente de ideologias interesseiras que fervem nesse chão de almas em crescimento. Olhar de frente as possibilidades que a existência fornece a que cumpramos os ditames das circunstâncias, invés de correr atrás dos chamamentos ilusórios daqueles que querem aliciar o mundo inteiro na intenção de dominar e escravizar as pessoas.

São muitos os interesses em jogo agora mesmo nos barrancos da estrada que percorremos. Porém há ao nosso inteiro dispor a verdade, que está além de todos os falsos donos que a pretendam manipular de má-fé.  Resta aos seres humanos reagir diante dos contextos amargos, sob pena de perder a oportunidade essencial e criar da liberdade a finalidade primeira que nos traz até aqui. Significa por isso inalienável o senso limpo dos nossos propósitos em jamais depositar em mãos alheias os elementos que formam a vida coletiva.

Políticos todos somos, responsáveis pelas decisões desse universo estreito que controla as pequenas fatias de mercado e impõe deveres aos cidadãos. E receber de bom grado os meios de trabalhar as próprias experiências representa sobremodo o direito da democracia dos povos. Sinceridade exige compromisso constante diante das ações que praticamos em todo momento. Só falar, agredir, duvidar, acusar, é pouco perante o enorme poder das escolhas que se façam. Assim, o que obtivermos virá das atitudes individuais, em primeiro lugar. Depois disso virão as consequências, remotas ou imediatas. Ninguém que transfira, pois, aos tempos, aos costumes, aos homens, a prudência dos seus atos, das suas escolhas. Nisso elaboramos merecimentos individual e coletivo. O que fazemos da liberdade que os outros nos permitem impera exclusivamente das nossas mãos. Chega de repassar aos demais a omissão ou comissão da história, porquanto viveremos sempre o resultado do que plantarmos todo tempo, fruto dos nossos comprometimentos com a Verdade perene.

Se a Monarquia é um sonho, a República é um pesadelo...

 Pois é, a crise que abala os alicerces da República trouxe pelo menos uma consequência boa: A opinião pública brasileira voltou a se interessar pela assunto Monarquia. 
Sua Alteza, o Príncipe Imperial do Brasil,  Dom Bertrand de Orleans e Bragança estará sendo entrevistado pela jornalista Mariana Godoy em seu programa na RedeTV, na próxima sexta-feira dia 27 de maio, às 22h45. 
Para os que possuem antena parabólica é só sintonizar a Rede TV, às 10:45 da noite na próxima 6ª feira.
(Postado por Armando Lopes Rafael)

“Morro, mas não me entrego”: Guimarães radicaliza e quer candidaturas próprias do PT em Crato e Juazeiro

Com um discurso radical, voltado, teoricamente, para o fortalecimento do PT no Cariri, o deputado federal José Guimarães, disse que não abre mão de ter candidaturas próprias em Crato e Juazeiro. O discurso aconteceu na Plenária do Campo Democrático, corrente do partido, em Crato, no último sábado (21).
Guimarães defendeu os nomes do deputado estadual Manoel Santana para a disputa em Juazeiro e do articulador social Pedro Lobo no Crato. Durante o discurso Guimarães disse que, neste momento de crise, pensa na unificação da sigla, para depois pensar no fortalecimento de uma base aliada. Ele ressaltou que o PT não fará aliança com deputados que votaram a favor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff.
(Postagem original: Madson Wagner)


Padre que viveu sua infância em Crato pode ser proclamado santo da Igreja Católica

Fonte: Diocese de Guarabira (PB)
Exumação dos restos mortais do Padre Ibiapina
Integrantes da Congregação para a Causa dos Santos, da Santa Sé, estão na cidade de Guarabira, no Estado da Paraíba, para investigações do processo de beatificação do Padre Ibiapina, que já é considerado um Servo de Deus pela Igreja Católica, título concedido quando o processo de canonização é iniciado. Os enviados do Vaticano chegaram na cidade no último domingo (22) e vão permanecer na Paraíba por dez dias.
A exumação do corpo foi feita na tarde deste domingo (22), em cerimônia fechada, administrada pelo bispo diocesano dom Francisco de Assis Dantas de Lucena, ao lado do postulador Paolo Vilotta e do padre Paollo Lombardo. Os integrantes da Congregação estão recolhendo mais informações para serem enviadas ao Vaticano, para dar andamento a beatificação do sacerdote.
Nesta segunda-feira, 23 de maio, o Tribunal Eclesiástico e a Comissão Notária para o processo de beatificação do Padre José Antônio Maria Ibiapina iniciaram os trabalhos de escuta e coleta de provas. Este é considerado um dos passos mais importantes no processo de beatificação. Caberá ao Tribunal Eclesiástico, constituído em comissão pelos padres Joanderson Lira (juiz), Gaspar Rafael (promotor) e Alípio Morais (notário), interrogar pessoas que darão depoimentos sobre a vida e a religiosidade do padre Ibiapina.
Com base nestes depoimentos será redigida uma documentação histórica do candidato a beatificação que será enviada a Roma e que dará maior embasamento ao processo. O processo de beatificação e canonização seguem algumas etapas: o processo diocesano que visa recolher a documentação e depoimentos que serão enviados a Roma e posteriormente, a decisão do Vaticano que comprovará a prática heroica da vida, virtudes e fama de santidade Servo de Deus, padre Ibiapina.
No próximo domingo (29), às15h30, vai ser celebrada uma missa para reposição dos restos mortais do Padre Ibiapina em uma nova urna, no distrito de Santa Fé.

Não há motivos para prender Lula – por Hélio Bicudo (*)



 Prender Lula só porque lavou dinheiro ocultando duas propriedades?
 Só porque aumentou nossa dívida pública para quase três trilhões de reais, tornando-a impagável?
 Só porque fez o BNDES emprestar 8 bilhões para Odebrecht fazer obras sem concorrência em países bolivarianos?
Só porque comandou uma organização criminosa que quebrou a Petrobrás?
Só porque recebeu propina fingindo que fez palestras que nunca deu?
Só porque contratou sondas superfaturadas da Schahim para receber comissões e dinheiro sujo para a campanha?
 Só porque mandou acobertar o assassinato do prefeito Celso Daniel pagando com dinheiro da comissão das sondas?
 Só porque fez a Petrobras fornecer nafta à Braskem abaixo do valor de mercado por vários anos, causando prejuízo superior a 5 bilhões segundo o TCU?
 Só porque saqueou os palácios ao ir embora, levando não só presentes de Estado como até a prataria da casa?
 Só porque escolheu e elegeu uma presidente incompetente, despreparada, desequilibrada e burra, propositadamente, esperando com isso sucede-la 4 anos depois?
 Só porque a elegeu tapeando o povo numa campanha criminosamente mentirosa, irrigada com dinheiro roubado da Petrobras?
 Só porque permitiu que sua quadrilha saqueasse os fundos de pensão de quase todas as Estatais, prejudicando as aposentadorias de centenas de milhares de petroleiros, carteiros, bancários?
 Só porque permitiu que a Bancoop lesasse milhares de bancários para favorecer a OAS e ganhar um triplex no Guaruja?
 Só porque deu aval político e dinheiro para que organizações criminosas como o MST invadissem e depredassem impunemente fazendas, centros de pesquisa e prédios públicos?
 Só porque sistematicamente comprou apoio político através do Mensalão e Petrolão?
Só porque ganhou imóveis e reformas de empreiteiras às quais tinha favorecido?
Só porque colocou um cupincha no Sesi Nacional, que transformou a instituição num cabide de empregos para os companheiros e parentes vagabundos?
 Só porque ajudou o enriquecimento ilícito de seus filhos em troca do favorecimento de empresas de telefonia e outras?
 Só porque vendeu medidas provisórias isentando montadoras de impostos em troca de comissões?
 Só porque inchou o governo e as estatais com centenas de milhares de funcionários supérfluos, quebrando o Estado e provocando déficit público Record?
 Só porque loteou mais de 30 mil cargos de confiança com seus apaniguados, dando o comando das estatais e autarquias para petistas incompetentes que mal sabem administrar suas vidas?
Só porque elegeu outro poste como prefeito da maior cidade do país, também com dinheiro roubado das estatais?
 Só porque comprou milhões de votos com programas de esmola como o Bolsa Família?
 Só porque criou o Bolsa Pescador, e deixou 3 milhões de falsos pescadores se inscreverem para receber a sua esmola compradora de votos?
 Só porque aumentou nossa carga tributária de 33 para 40% do PIB?
 Só porque favoreceu o sistema financeiro com taxas exorbitantes de juros, transferindo renda dos pobres para os ricos?
 Só porque conseguiu fazer o Brasil torrar toda a bonança da maior onda de alta das commodities na década passada?
 Só porque loteou todas as agências reguladoras fazendo-as inúteis na proteção dos cidadãos?
 Só porque tentou aparelhar até o STF nomeando ministros comprometidos com a proteção à sua ORCRIM?
 Só porque deixou a Bolívia expropriar a refinaria da Petrobras sem fazer nada?
 Só porque humilhou nossas Forças Armadas nomeando ministros da Defesa comunistas e incompetentes?
 Só porque favoreceu comercialmente ditaduras como as de Angola, Venezuela e outras?
 Só porque esfriou relações e esnobou as maiores economias do mundo, direcionando nossas relações exteriores para países inexpressivos comercialmente, apenas no afã de ganhar prestígio e votos na ONU?
 Só porque humilhou o Itamaraty orientando a política externa através de consiglieri mafiosos como Marco Aurélio Garcia?
 Só porque nos envergonhou deixando nossas embaixadas e consulados sem dinheiro para pagar aluguéis?
 Só porque comprou um aerolula da Airbus pelo triplo do que poderia ter comprado um Embraer e promovido nossa indústria aeronáutica?
 Só porque descuidou dos programas de saúde pública através de ministros incompetentes e desvio de verbas, permitindo a volta de doenças como a dengue e o zika?
 Só porque fez o Brasil ser motivo de chacota no mundo inteiro?
 Só porque aparelhou todas as universidades federais com reitores de esquerda, obtusos e incompetentes?
 Só porque nos tirou o orgulho de sermos brasileiros?
 Só por estes motivos?
 Ora, isso não é justo...
 NÃO, NÃO HÁ MOTIVOS PARA PRENDER LULA...
(*)Hélio Bicudo é um dos  fundadores do Partido dos Trabalhadores–PT.

“Quero realmente ser um coadjutor do Dom Fernando, ajudá-lo na condução da Diocese de Crato”, afirma Dom Gilberto Pastana

Fonte: Assessoria de Comunicação da Diocese de Crato
 Dom Gilberto Pastana participando do 13º Intereclesial de CEBs realizado em janeiro de 2014, na Diocese de Crato. (Foto: Reprodução)
Em entrevista exclusiva a assessoria de comunicação da Diocese de Crato, após ser nomeado Bispo Coadjutor, Dom Gilberto Pastana falou sobre a expectativa de sua chegada e o pastoreio no auxílio a Dom Fernando Panico. “Quero realmente ser um coadjutor do Dom Fernando, ajudá-lo na condução da Diocese de Crato”, afirmou.
Dom Gilberto sairá de ônibus de Imperatriz- MA dia 15 de julho e chegará a Crato no dia seguinte, 16. Ele virá acompanhado de uma caravana da Diocese de Imperatriz, onde estava como Bispo. “Toda transferência causa em nós expectativa para onde iremos. Deixamos algo da gente e levamos a experiência do povo de Deus. Sei que vou para uma Diocese estruturada, com o povo acolhedor. Vou na certeza de que estarei em casa”, disse.
O bispo coadjutor ainda falou que está tomando conhecimento do Plano Diocesano de Pastoral e que é importante que ele seja concretizado.  “Quero dizer ao povo que estou muito feliz e que teremos um longo caminho a percorrermos juntos”, finalizou.
A celebração de apresentação de Dom Gilberto Pastana como Bispo Coadjutor da Diocese de Crato acontecerá dia 17 de julho às 9h, na Catedral Nossa Senhora da Penha, em Crato.

24 maio 2016

O Crato de luto - Faleceu o grande Nezim Patrício - ( Velho Crato Heróico )





Manoel Patrício de Aquino - Nezim Patrício


Na foto acima: Com Armando Rafael

Há notícias que a gente pensa que jamais iria divulgar. Chego a não querer acreditar no que minhas próprias mãos escrevem neste momento, ao relatar a morte do grande Cratense, e nosso querido amigo Manoel Patrício de Aquino, mais conhecido como Nezim Patrício, que foi enterrado hoje ( terça-feira, 24-05-2016 ) no cemitério N.S da Piedade nesta. Nós precisaríamos escrever todo um livro somente para contar as histórias de Nezim, que são muitas e boas. O Crato perdeu um filho ilustre, e eu perdi mais um grande amigo. Nossa amizade vem do tempo do radio-amadorismo, onde ele tinha o prefixo PT7VCH ( que ele chamava carinhosamente de Velho Crato Heróico ), pois nutria um amor incondicional por nossa cidade. Era um homem letrado, e por muitos anos esteve à frente do Instituto Cultural do Cariri - ICC, e foi ele que construiu a duras penas, a nova sede do instituto. Lembro-me das grandes dificuldades, uma vida dedicada a uma causa, sempre atrás de coleções de livros para o acervo do ICC, que contagiou muitas outras pessoas.  O Crato nunca deverá esquecer os relevantes serviços prestados por Nezinho Patrício. Seu legado será eterno para a história desta cidade. Felizmente, como forma de recordação, tive a honra de gravar vários vídeos de entrevistas com ele, que irão ao ar em breve, numa homenagem que certamente farei a este grande homem. Meu querido amigo, descanse em paz ! A sua partida antecipada, deixou-nos órfãos nesta data, mas o seu entusiasmo por todos os grandes projetos em benefício do Crato, permanecerá conosco. A minha solidariedade à família enlutada, principalmente aos meus amigos Yuri, Ítrio, e à sua esposa Graça.


Na foco acima, com Glauco Vieira

Dihelson Mendonça


A Reencarnação - Por: Emerson Monteiro

Demorou a vir ao Ocidente o conceito da Reencarnação, já clássico no oriental. Desde o hinduísmo, religião da Índia de antes da existência de Sidarta Gautama (Buda), que a humanidade aceitava esta vida qual apenas uma transição no mundo material, com a expectativa de regressar depois da morte e receber novo corpo físico. Só mediante o esclarecimento definitivo das lições que esta vida daqui oferecer, face à purificação, é que o espírito transcende a matéria e desperta em definitivo no Plano Superior (- Meu Reino não é deste mundo – nas palavras de Jesus, no Evangelho).

Porém tanto tempo (por volta de cinco mil anos) demorou circular do lado de cá da Terra o conhecimento dessas possibilidades espirituais após o desaparecimento do corpo. Quanto à imortalidade, circulava mais probabilidades nas aceitações ocidentais, contudo longe dos compêndios da ciência oficial, que estanca naquilo que ainda não pode provar pelo método científico. No que tangem os princípios das religiões, no entanto, circula mais fácil as percepções de viver uma além da vida atual.

A lógica religiosa alimenta, pois, as percepções do mundo invisível, sobremodo ao estudar os livros psicografados pelos médiuns espíritas, dos quais Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier), no Brasil, representa figura exemplar, por meio de quem os espíritos produziram quatro centenas de obras hoje achadas com facilidade em bancas e livrarias.

Desta forma, nas considerações reencarnatórias, desde algumas horas a milênios eis o tempo que aguarda para o espírito merecer uma nova existência física, dando seguimento aos seus aprendizados da evolução necessária à libertação absoluta do plano carnal. Vai e vem quantas vezes necessárias sejam a fim de concluir o aprendizado da evolução, forma justa e essencial de desvendar os mistérios da Criação e adquirir o conhecimento necessário a chegar aos níveis superiores da Eternidade.

Allan Kardec, em O livro dos Espíritos, transcreve sob o nome de Lei da Reencarnação tais oportunidades que dispomos de vencer a morte e revelar nossa verdadeira natureza imortal. E, assim como aos homens está ordenado morrer uma só vez, vindo, depois disso o Juízo (Hebreus 9, 27).

Que pedir voto, traga primeiro o seu currículo – por Pedro Esmeraldo

Antes queremos relatar uma frase pronunciada por um funcionário público do DNOCS, dizendo: quer pedir voto? Traga primeiro seu currículo. Isto é um exemplo que temos para o povo prosseguir o bom comportamento ético, isto é, o homem deve votar de acordo com a qualidade comportamental do candidato.
    O que mais nos entristece é a carência de movimentação político-econômica, já que estamos numa fase difícil e prolongada devido a falta de interesses que honra o cidadão com prosseguimento da prática do bom desempenho.
    Infelizmente, alguns desses senhores que conduzem a politica são incompetentes, incoerentes no trato de realizações contínuas que poderiam criar normas com o interesse de reeducar o povo que se encontra no desvio na educação solidária.
    O que se aproxima, de todos os políticos, que dão apoio a pessoa de péssimas qualidades, principalmente aquelas que querem contribuir para educação e que veem se alojar no poder legislativo, somente para tumultuar o processo do crescimento deste município, deveremos evita-las a fim de melhorar o nosso sistema educativo.
    A maioria deles possui comportamento obtuso. Não sabe dar condições educativas para encontrar alcance favorável a posição de deslocamento que venha prestar serviço com o desejo de conseguir eliminar os desníveis tecnológicos. Isto equivale à tomada de posição do bom cidadão para que não possa elevar o desenvolvimento educativo.
    Hoje mesmo, observamos com certa revolta que atinge a prática desse descaso relacionado com o conjunto de comportamento ético dos algozes que ora assolam o município do Crato.
    Ocorre porem; há péssimas pessoas de má índole, desqualificadas que exercem por grupos estabelecendo com péssima execução em suas tarefas temporárias. Por isso, há perigo de perder grandes melhoramentos que veem para aqui, mas os ignóbeis políticos não dão apoio e desprezam esses melhoramentos. Todavia, há sempre, de vez em quando, melhoramentos recusados por certos políticos que até agora, não fomos favorecidos por grandes desempenhos e mostramos a população que deixamos de obter melhorias de qualidades técnicas educativas. Esses acontecimentos sombrios que surgiram em décadas passadas, aceleraram o arrefecimento da população cratense. Formavam pessoas despreparadas que não souberam manejar o barco no campo da ação que tiveram influencia no poder sobre o comando desses fracos administradores.
    Acontece que o povo brasileiro está viciado, não sabe votar, anda em caminhos à toa, sem direção. Alguns deles não possuem qualidades técnicas administrativas e sem saber planejar os programas administrativos.
    Certa vez, antes de a atual administração assumir, após parabeniza-lo pela vitória contundente tivemos a coragem de admoesta: faça favor para o povo e não para grupos políticos. Não vá se esparramar junto a esses políticos viciados, pois se assim fizer

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30