xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 29/12/2015 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

29 dezembro 2015

Crato ganha novo Seminário católico e o Lar Sacerdotal Monsenhor Montenegro – por Patrícia Silva

As comemorações pelo aniversário de 70 anos de Dom Fernando Panico continuam. Na manhã de ontem, 29 de dezembro, a Diocese de Crato ganhou mais dois presentes, frutos da missão episcopal do quinto Bispo Diocesano: o novo Seminário Propedêutico Dom Fernando Panico, que acolherá jovens em preparação para ingressar no Seminário Menor, e o Lar Sacerdotal Monsenhor Montenegro, que receberá padres aposentados, ambos localizados no bairro Grangeiro, na cidade de Crato.
Concluída em cerca de 120 dias, a obra foi construída em um terreno, doado à Diocese de Crato, pelo Monsenhor Montenegro. A área construída do Seminário Propedêutico possui cerca de 700 m2 e, segundo o ecônomo da Diocese de Crato, Padre Joaquim Ivo Alves dos Santos, as despesas com a construção custaram R$ 451.800,00 e foram custeadas com recursos próprios da Cúria Diocesana.
Bispo, padres e leigos caminham em direção à entrada do Seminário Propedêutico, na Rua Chevalier de Aquino (Foto: Árysson Magalhães)
Seminário
Os seminaristas que se preparam para ingressar no Seminário Menor e Maior, onde cursarão Filosofia e Teologia, irão morar pelo período de um ano no Seminário Propedêutico Dom Fernando Panico. Antes os candidatos ao sacerdócio residiam na casa paroquial da Paróquia Santo Antônio, em Barbalha.
Demonstrando felicidade pelas contribuições positivas  que os novos  espaços trarão para a região do Cariri, Dom Fernando se mostrou grato, em especial, ao Monsenhor Montenegro e seus familiares. “Agradeço a Deus porque esta inauguração acontece no contexto da celebração dos meus 70 anos. Recebo com toda a Diocese este presente, que vem da misericórdia de Deus, graças ao Monsenhor Montenegro e os seus familiares”, disse. Com oração e aspersão de água benta, Dom Fernando abençoou todo o espaço, sendo acompanhado por padres e leigos da Diocese        
“Agora estamos em nossa casa própria”, afirmou o Reitor do Seminário Propedêutico, Padre Cícero Luciano Lima, que apontou as características do novo espaço como ambiente agradável, propicio para o estudo, oração e vida comunitária como elementos que contribuirão para formação dos futuros padres. O novo seminário dispõe de uma biblioteca, um refeitório, uma sala de estar, sala de informática, sete dormitórios, área de lazer e uma Capela dedicada a São João Paulo II, a primeira da Diocese a ter como patrono o Papa polonês. Na Capela está uma bela imagem e uma relíquia do Santo. Esta última, um fragmento do sangue que São João Paulo II derramou no atentado que sofreu na Praça de São Pedro, no Vaticano, na tarde do dia 13 de maio de 1981.
Com tantas motivações que incentivam a oração e recolhimento, e tendo como moldura o cenário e a vegetação da Chapada do Araripe, os primeiros seminaristas que irão morar neste espaço, aprovaram a obra. “Estou muito feliz. O espaço é muito acolhedor”, disse José Felício Borges, da cidade de Brejo Santo. “O sacerdócio é um caminho da graça de Deus, e nós nos sentimos felizes em ser acolhidos desta forma pela Diocese de Crato”, falou Paulo Raul dos Santos, de Moreilândia (PE), cidade pertencente a Diocese de Salgueiro. Os dez seminaristas que ingressarão no Propedêutico, em 5 de fevereiro de 2016, foram apresentados após a bênção da Capela. Nove deles pertencem a Diocese de Crato e um a Diocese de Salgueiro.
Os blocos do Seminário homenagearam o Bispo Emérito e sacerdotes importantes da Diocese de Crato. O bloco dos apartamentos recebeu o nome de Dom Newton Holanda Gurgel; para a biblioteca, foi dado o nome do Monsenhor Vitaliano Mattioli; e o bloco que compreende a cozinha e refeitório, foi denominado de Monsenhor Montenegro.
Lar Sacerdotal
O Lar Sacerdotal funcionará, neste primeiro momento,  na residência onde o Monsenhor Montenegro morava, uma ampla casa dotada de vários cômodos. Num segundo momento serão construídos chalés que abrigarão padres idosos aposentados de suas atividades pastorais, possibilitando a esses sacerdotes idosos morarem com algum parente ou outro acompanhante.Segundo Dom Fernando um dos sonhos do Monsenhor Montenegro era “construir o Lar Sacerdotal na casa dele para os padres, da Diocese de Crato e adjacências, que queiram passar por aqui e viver tranquilamente sua vida sacerdotal já um pouco cansados e aposentados, mas sempre sacerdotes, para os quais devemos muita estima pelos trabalhos realizados”. Inaugurado, o Lar Sacerdotal já está apto à acolher os presbíteros.

             

Luvas de cristal - Por: Emerson Monteiro

Nas ruas e suas esquinas tortuosas há sempre quem nos queira enquadrar nos dramas, independente de saber nossa opinião própria enquanto seres libertos, no entanto por vezes perdidos nas ilusões das matas de ferro e cimento. Arrastam daqui, arrastam dali, e as manadas seguem cursos por vezes agoniados diante do tanto de interesses em jogo. Querem que queiramos, e empurram de goela abaixo pastos das sobras do banquete de mendigos que eles separaram dos salões e festins entediantes da velha burguesia.

Cai nisso não, meu irmão. Aprume essa cabeça rumo às estrelas e evolua, porquanto no comando um Ser existe maior e superior a tudo que impuserem a título de explicação. Lidere seu processo de existência e verá crescer nos pés, quais raízes, o direito universal da felicidade. Apronte seu caminho de maravilhas nas pedras dos caminhos ainda que adversos.

Foi do tempo quando oráculos pertenciam aos impérios. Sejamos tais criaturas reveladoras de princípios e verbos, descobridores dos segredos do Universo infinito no aqui e no agora, durante o prazo de estabelecer as bases dos futuros brilhantes que tantos aguardam e precisam bem plantar no solo da História.

Trabalhar as formas do depois nos mistérios do presente. Deixar de lado as limitações impostas por quem ou a que troço apenas por se ser acomodado e largar a melhor parte no chão do disfarce. Agora, sim, chegamos ao que importa nos quadrantes do eterno.

Tantos chefes insuficientes e nós seres suficientes de fazer e encaminhar as cartas do destino! Por que não? Porque sim, e pronto. Bem pertinho de conhecer os trilhos do sucesso, e a gente só ali sentada nos cantos escuros da solidão em nuvens ausentes da realidade.

Vamos, pois, construir esta possibilidade do que a imaginação permitir... Silenciar lamentos e crer no que seja o mais importante aos nossos passos firmes, nas sequencias da epopeia. Os autores da cena por isso carecem de exercer o papel de responsáveis pela renovação e zelar os resultados da criação desta coletividade imensa que somos nós.

Escrita automática - Por: Emerson Monteiro

As primeiras pisadas no chão de massapê, no outro dia do inverno, contam bem a história daquela gente, na faina de viver inscrita pelos ideogramas de um alfabeto mágico, passos inquietos dos homens em círculo; e lá na distância, o coro plástico das garças friorentas, feixe de talos secos do capim, salpicava de branco o barro melado, notas visíveis na forma de sinfonia matinal, diante da represa quase inútil.

No ímpeto de resolver as dificuldades surgidas com a fome do gado no pasto seco, todas as gamelas viram-se, de uma hora para a outra, transferidas à vazante do açude esgotado, onde o chão abria raras luas d´água, suficientes tão só dois meses, ou menos, de alimento indispensável.

Como nunca imaginar o futuro, a não ser quando Deus assim resolve, que não foi o caso, tiveram de chegar, entre pingos e lufadas de vento, escorregando aflitos no escuro, as primeiras e abençoadas chuvas do verão sertanejo daquele ano.

Grossas gotas pingaram das touceiras lavadas do mato retorcido e pássaros sacudiram as penas, nos ramos mais erguidos aos céus, telas benditas em forma de paz, aonde cercas valiam nada para reter a brisa e o sereno, que unem os tons claros da natureza, como flores grudadas nos cachos esquecidos à beira do riacho vazio.

Ouvi pela segunda vez a música esquecida, trazendo o sonho rico da memória a tardes bonitas da cidade, há três décadas, quando buscava o cinema, nos sábados, para a sessão das quatro e seus filmes raros. As ruas desertas e a chuva miúda escorriam de leve pelas calhas de tetos pintados no lodo e na cal envelhecida. Tarde solitária, de poucas almas vivas nas calçadas e pombos a voar no meio de festivas andorinhas a animarem o teto azul intenso do firmamento.

As abas da serra altiva cobriam o tom sisudo com uma paisagem pálida de mata verde escuro orvalhada de nuvens esfiapadas.

- Névoa na serra, chuva na terra. Névoa na baixa, sol que racha – lembravam os habitantes do lugar, na sabedoria temporã.

O cabelo das vovozinhas que rumavam à missa da cinco, na Igreja de São Vicente, parecia com a alvura das asas que deslizavam céleres sobre as carnaubeiras da praça em volta do Cristo Redentor, vida mormacenta, imortal, de espíritos prenhes de eternidade, após o momento único da feliz salvação.

Quando escoa o tempo, primo-irmão da matéria, também se dissolve a energia, fonte eterna do depois. O gesto espontâneo de escrever supre as atitudes funcionais para atender aos compromissos do instante presente. Vem a sede, busca-se a água. No frio, o cobertor. Na fome, o alimento. Jeito que tem jeito, como resposta de perguntas nos impulsos da necessidade. Livre de coração, erguer os olhos dos afazeres e circunscrever o fugidio, formular instantâneos abertos daquilo que contorna, qual bolha infinita, cercando de eterno as correntes alternadas e contínuas do movimento que esfarela o objeto. Daí, recolher, que nem frutos de ideias, palavras, tópicos transferidos ao papel, por vezes lidos por outros seres humanos.

As tradições populares do Cariri (por Patrícia Silva)


" Renovação do Sagrado Coração de Jesus" também é realizada na casa do bispo de Crato

Como já se tornou costume, há 11 anos, na noite do último dia 27 de dezembro, Dom Fernando Panico realizou em sua residência, a tradicional Renovação da Entronização do Sagrado Coração de Jesus, naquele lar. A cerimônia foi conduzida pela leiga Maria Brito – conhecida “tiradeira de renovação” da cidade de Juazeiro do Norte e contou com a presença de padres, religiosas e amigos de Dom Fernando.
A tradição da Entronização e a Renovação do Sagrado Coração de Jesus, nos lares católicos, foi muito incentivada – no Cariri – pelo Padre Cícero Romão Batista. Nascido na Europa, onde os costumes são bem diferentes dos praticados no Sul do Ceará, dom Fernando participar dessa popular, realizando, desde 2004, a Renovação em sua própria casa. Dom Fernando não convida ninguém, pois qualquer pessoa é convidada a tomar parte na cerimônia. Este ano o público que participou foi bem maior do que o dos anos anteriores.
Como em todas as casas que realizam a Renovação, na residência episcopal não é diferente. A “rezadeira” reza o Ato de Consagração da Família ao Sagrado Coração de Jesus, em comunhão com os presentes, faz a Oração pela Família, reza a Salve- Rainha, Pai- Nosso e Ave-Maria, tudo em meio aos tradicionais cânticos populares em louvor ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria. Um momento de oração pelos falecidos também é realizado e, neste ano, Dom Fernando recordou de forma especial amigos deles que já partiram para o Céu, como monsenhores Francisco Holanda Montenegro, Vitaliano Mattioli e a Irmã Ana Tereza Guimarães.
As músicas ou benditos como também são conhecidos, foram conduzidos por um coral formado de jovens da Comunidade Ponta da Serra e professores da Sociedade Lírica do Belmonte (SOLIBEL), coordenado pelo maestro Cícero Galdino. Segundo a tradição, a escolha do dia para a Renovação é feita a partir de uma data especial para a família, por isso na casa episcopal o momento é realizado no dia do aniversário natalício de Dom Fernando. Ontem o Bispo completou 70 anos de vida.
Demonstrando alegria pela presença de todos, Dom Fernando agradeceu pela amizade de cada um. “Obrigado por terem mostrado empatia para comigo e a Diocese de Crato. Que sejamos sempre uma família, pois Igreja é família. Que o coração de Jesus nos atraia ao amor do Pai”, disse. Nos momentos finais da Renovação, o Coral presenteou Dom Fernando com a canção “Tu Scendi Dalle Stelle”, característica do Natal na Itália. “Na minha infância quantas vezes chorei diante do presépio do Menino Jesus cantando Tu Scendi Dalle Stelle”, recordou emocionado o Bispo.
             

Coisas da República

Algumas notícias da mídia neste 29 de dezembro de 2015

Nem os políticos acreditam mais na forma de governo “republicana-presidencialista”
O Parlamentarismo ganha adeptos no Congresso. Com a dificuldade de governar da presidente Dilma Rousseff, os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) decidiram retomar a discussão em torno da mudança do sistema de governo para o parlamentarismo. Renan encomendou estudo à consultoria legislativa sobre o tema e Cunha afirma que, se houver consenso, vai pautar proposta em 2016. A área técnica do Senado avaliou os sistemas na Alemanha, na Austrália, na Áustria, na Bélgica e no Canadá. A pessoas próximas, Renan justificou que tomou a medida em resposta a vários pedidos que recebeu para dar andamento a essa discussão na Casa, caso a crise no governo Dilma se agravasse. Uma das alternativas, nesse cenário, seria convencer a presidente a passar o poder ao Parlamento e ficar como chefe de Estado.
(Fonte: Estado de S.Paulo)
Em 2015, o Governo da República tem o maior “rombo” da história
Deficit acumulado do ano soma R$ 54,3 bilhões e supera a meta fiscal negativa para o ano para o governo central, de R$ 51,8 bilhões. O governo federal não cansa de registrar rombo nas contas púbicas porque continua gastando mais do que arrecada. O resultado combinado do Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social em novembro ficou negativo em R$ 21,3 bilhões, o pior já registrado na série histórica para todos os meses, iniciada em 1997. A receita líquida no penúltimo mês do ano despencou 11,1% em relação ao mesmo intervalo de 2014, em termos nominais, enquanto a despesa cresceu 5,9%, na mesma base de comparação, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (28/12). No acumulado do ano, o rombo foi de R$ 54,3 bilhões, o equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse dado é superior ao deficit somado em 12 meses, de R$ 53,3 bilhões, ou 0,9% do PIB. Nunca antes na história desse país um governo teve um resultado tão ruim desde 1997, quando houve a estabilização da economia com o Plano Real e se instituiu um regime mais responsável no controle dos gastos públicos.
(Fonte: Estado de Minas)   
Destruição das empresas estatais: Na bolsa, Petrobras vale menos da metade de seu patrimônio
Alvo da operação Lava-Jato e em meio ao tombo nos preços internacionais do petróleo, a Petrobras termina 2015 valendo menos da metade de seu patrimônio na bolsa. Nas contas da consultoria Economática, a relação entre o valor de mercado da estatal e seu valor contábil é de 0,32 – o sexto menor de uma lista de 57 empresas que fazem parte do índice de referência da Bovespa. Também controlado pelo governo federal, o Banco do Brasil é outro que figura na lista das 19 empresas que valem menos em bolsa do que no balanço: o valor de mercado corresponde a apenas 52% do patrimônio.
(Fonte:VEJA)
             

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30