xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 16/11/2015 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

16 novembro 2015

Conhecimento

A luz da verdade bem dentro do coração da gente, que realiza o tanto que a vontade da transformação há séculos buscava nas ondas constantes deste mar de sombra e claridade. Portas do edifício monumental, ali oferecem lautos banquetes de água pura, meios de lavar a alma e renovar as tradições de todo tempo, frutas e peixes nesse mercado de viver e ser feliz. Luzes e a luz da conformação em face de chegar ao tanto de todas as infinitas aspirações do ser que nos somos e pede mais. 

Desse conhecimento, a fonte de milhões brota assim de leveza golfadas de prazer autêntico que lavam areias brancas de virtudes eternas, paz e honestidade ao encarar a força da pele e das oportunidades. Quem saberá transita fácil nas trilhas do sentimento e elabora consistentes os pensamentos. Olha em volta e define a que o mundo se destinou, independente dos obstáculos naturais que interpõem o desejo da realidade fértil. 

Uma luz poderosa, pois, o conhecimento. Estuda as chances de aprender e tocar adiante o mérito de saber sempre. Conduzir a si, depois aos demais. Pisar maneiro as pedras e o caminho. Sorrir aos olhos acesos das oportunidades de conhecer. Usufruir do instrumento e abrir as portas resistentes da memória, com isso então preencher os claros existentes no panorama das cores da paisagem sideral.

De saber, a quanta lei reorganiza o sistema da existência. Trabalho de relojoeiro, palavras nascem dos mistérios e limpam o campo das vibrações, elementos ativos da constituição definitiva da exatidão, o gosto de usufruir do metal dos ímãs que agregam a criação num bloco indivisível. Somar as peças do tabuleiro imenso dos quebra-cabeças do destino sob a autoridade de si mesmo. 

Juízos dos segredos divinos, a sabedoria descobre, via natural, o caminho das Índias com extrema propriedade, nas normas do bem viver. Conhecer antes de tudo os meandros das formações universais do Sol nas vidas passeando rádio nas linhas do firmamento. Acordar e refletir nas revelações da perfeição. 

Balada para uma abalada Paris


Por Carlos Rafael Dias


Paris é uma festa (Scott Fitzgerald dixit). E bela, muito bela. Contudo, o que mais me impressionou,  maravilhando-me,  foi à "meia-noite em Paris" poder andar sem medo pelas ruas ao lado de velhos, jovens e crianças; comprar um vinho em uma quitanda com suas prateleiras inclinadas expostas nas calçadas, repletas de frutas e verduras reluzentes; conhecer um simpático migrante muçulmano em um típico restaurante turco. Tudo em plena madrugada.

Paris nem precisaria de Champs-Élysées, da Torre Eiffel, do Arco do Triunfo, do Louvre, de Notre-Dame. Bastaria suas ruas tranquilas com suas quitandas e seus cafés, o Sena e Montmartre. Bastaria que sob a Cidade da Luz jamais caísse treva alguma, e não corresse sangue pelas suas charmosas calçadas e suas ruas calçadas de pedra.

Fiquei triste e abalado com mais esse atentado em Paris. No momento, lembrei, imediatamente, uma canção que compus recentemente. A letra é um poema de Geraldo Urano, que consta do seu livro Vaga-Lumes. No original, Geraldo não fala em Paris, apesar de Paris ser recorrente em sua poética. Ele cita Detroit. Mas intuitivamente troquei Detroit por Paris. A canção agora é, para mim, emblemática. Por isso acrescentei um subtítulo - Balada para uma abalada Paris. Um trocadilho bobo. Um clichê. Um pastiche. Mas é, para o momento, por demais sintomático, e, pelo menos agora, necessário.

Precisamos, pois, cantar a paz. O mundo não precisa mais de Vietnãs, dos mil Vietnãs pretendidos por Che, mas de mil Ilhas de Wight, mil Nashvilles, mil Monterreys Pop, mil Woodstocks.

A LETRA

Me procure em seu coração
Este é o endereço mais próximo
Onde você pode me encontrar

Na sua cidade eu apenas nasci
E o mundo tem muitas cidades
Como o céu tem muitas estrelas

E como o vento estou sempre em movimento
Posso estar agora no planalto central
E logo mais em Paris

Por isso me procure em seu coração
Onde você pode me encontrar


A CANÇÃO

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30