xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 08/10/2015 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

08 outubro 2015

Para Você Refletir ! -Por Maria Otilia

Diariamente ouvimos de grande parte da população do Crato, em especial  dos funcionários públicos da rede municipal, lamentações, angustias, revolta,etc. Alguns casos pela falta de condições de trabalho, outros fatos relacionados  aos constantes atrasos no calendário de pagamento, etc. Portanto, todos estes fatores tem gerado grande insatisfação , ocasionando diversos diversos conflitos.desta Fabula das Abelhas, e reflita sobre a situação de caos em que se encontra muitos municípios da região do cariri.
Somos sabedores que nem sempre aqueles que são  eleitos por representatividade, dificilmente cumprem esta função. Podemos enfatizar toda esta problemática, a partir da leitura de uma fábula contida no livro A  Fabula das Abelhas, ou Vícios Privados, Benefícios Públicos  de Bernard de Mandeville. Para a grande maioria dos nossos políticos, o poder seja  legislativo,executivo ou judiciário, ao invés de ser compreendido como instrumento de gestão  democrática a serviço da população, passa a ser concebido como um bem pessoal.
             A Fábula das Abelhas 
A fábula pode ser assim resumida: era uma vez uma grande colmeia, onde todas as abelhas viviam em paz e se produzia de tudo. A colmeia era próspera e havia trabalho para todos, porém era uma sociedade dominada pelos vícios e pelas fraudes. E assim foi até que um grupo de abelhas moralistas resolveu pedir aos deuses que acabassem de vez com os vícios e os comportamentos fraudulentos, para que, assim, fosse criada uma sociedade virtuosa. O pedido foi atendido e, imediatamente, todos passaram a adotar um comportamento honrado e virtuoso.
A primeira consequência foi baixar o preço da carne, que andava pela hora da morte; e assim, todos passaram a comemorar esse novo tempo de virtudes. Entretanto, dentro de pouco tempo, as coisas começaram a desandar: os tribunais e os advogados ficaram sem serviço, pois ninguém mais cometia crimes e todos pagavam suas dívidas, inclusive aquelas esquecidas; não havia mais insegurança, e todos os policiais foram dispensados; bares e fábricas de bebidas logo fecharam, pois ninguém mais bebia; a colmeia foi obrigada a dispensar muitos funcionários públicos, já que todo mundo passou a trabalhar e não havia lugar para todos; bancos quebraram, pois ninguém mais tinha interesse em poupar ou tomar empréstimos.
E, como todos passaram a consumir somente o necessário, ou seja, quase nada, as fábricas paralisaram suas atividades e dispensaram muitos trabalhadores. O dinheiro não circulava mais na colmeia. Para quê, se não havia mais vícios ou diversões, e nem o consumismo para se gastar o dinheiro?
Moral da história: segundo Mandeville, o bem comum não seria produto da virtude das pessoas, e sim dos seus vícios individuais, como a luxúria, a ganância, a vaidade e a inveja. Para ele, aquilo que de pior existe em cada um de nós contribui com alguma coisa para alavancar o bem comum: o interesse próprio é que nos impulsiona para frente, para produzir e ganhar cada vez mais.
Daí concluiu Mandeville que, se para produzir uma sociedade próspera nós dependermos da bondade de cada um, nada funcionará. Em pleno início do século 18, e na transição do mercantilismo para o liberalismo, essas ideias receberam fortes ataques dos moralistas de plantão, mas acabaram por influenciar um dos maiores economistas que o mundo já conheceu, Adam Smith.
De certa forma, diz-se que Mandeville revelou as entranhas do capitalismo, ao afirmar que a política e a economia não dependiam do bem moral para um bom funcionamento. Mandeville, que não desejava irritar demais os moralistas da época, pregava também que, embora os vícios fossem importantes, aqueles que exagerassem, a ponto de cometer crimes, deveriam ser severamente punidos. Para ele, os vícios impulsionavam a economia, mas os excessos tinham de ser combatidos. Na época, imaginava-se que todos os homens eram naturalmente dotados de virtudes, contra o que Mandeville se insurgia.
Autor : João Francisco Neto
 Agente fiscal de rendas, mestre e doutor em Direito Financeiro


A verdade não televisiva - Por: Emerson Monteiro

Quando viram a multidão vagando de barco pelo Mar Mediterrâneo em corrida desesperada nas praias da Europa a busca dos meios de sobreviver, chegar à Inglaterra através da Hungria e de outras repúblicas próximas, receber asilo da Alemanha, da França, eles sentiram que o problema lhes diz respeito diretamente. Os fugitivos da guerra na Síria, pessoas tão civilizadas quanto qualquer um ocidental mediano, trajados nos talhes desta parte de mundo, que o domina nossos hábitos e praticam a propalada civilização, viram a profundidade dos acontecimentos. 

Daí, cuidaram em montar as conferências que resolvem ou amenizam o assunto das guerras. Superpotências esquadrinharam a história, consideraram a peleja que já matou dezenas de milhares e parece marchar a um impasse internacional, resolveram defrontar as contradições do governo de Bashar al-Assad, apoiado pelos russos e combatido por grupos assistidos pelos americanos.

Naquele fogo travado, surgira o Estado Islâmico, milícia armada que expande sucessivas zonas de influências e desorganiza a sociedade civil, gerando as levas de refugiados espelhadas pelos países europeus.

Diante desse quadro aterrador, as nações desenvolvidas do Ocidente estruturam represálias que reduzam a expansão do conflito. Em tese, combatem numa estratégia de bombardeiros localizados, sem o envio de tropas, alvos relativos aos rebeldes do Estado Islãmico. Esta semana, bombardeio equivocado destruíu hospital dos Médicos sem Fronteira, causando mortes também de civis. Na sequência, os russos questionam atacar o governo sírio e resolvem escolher alvos dos rebeldes que querem destituí-lo, os tais que recebem apoio dos norte-americanos. 

Na primeira semana de outubro de 2015, toneladas de bombas atingem os redutos da oposição ao governo e dos islâmicos, motivando descompasso das propostas iniciais da solução apresentada, num festim de ataques vistos à distância pela televisão, reprises dos tempos famigerados da Guerra Fria, de tão decantada superação, e as guerras da Coreia e do Vietnam.

Espécie de videogame do poder dos grandes, a sorte dos habitantes das zonas conflagradas depende só da destreza dos participantes, porquanto dessa diplomacia de eliminação em massa que Deus livre! 


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30