xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 04/08/2014 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

04 agosto 2014

CRATO - Hospital Manuel de Abreu fecha as portas


Já não é mais boato...


A diretoria do Hospital Regional Manuel de Abreu, localizado na cidade do Crato, confirmou na manhã de hoje que o mesmo fechou as portas. Desde sábado o Hospital não recebia mais pacientes e nesta segunda-feira nenhum enfermo se encontrava internado naquela unidade.

Hoje pela manhã estivemos na unidade hospitalar para confirmar a informação e o que foi constatado era que apenas a equipe da tesouraria estava trabalhando, devido está preparando documentos para realizar a demissão dos poucos funcionários que ali trabalhavam.

Em conseqüência da falta de verbas, a unidade já havia reduzido o numero de atendimentos e vinha sendo mantido graças ao esforço dos sócios mantedores. 

O hospital disponibilizava de 43 leitos, sendo 23 deles destinados a pacientes do sexo feminino e 20 na ala masculina. Mas, a capacidade de atendimento era bem maior, chegando a ultrapassar os 100 leitos. A estrutura física do hospital era composta de quatro enfermarias, duas salas de cirurgias, cinco consultórios, ambulatórios e Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas já se encontravam desativados.

A localização do Manuel de Abreu é próxima ao bairro mais populoso do Crato, o Seminário. Além da demanda da localidade, a unidade atendia aos pacientes dos bairros Gisélia Pinheiro, Independência, Recreio, Vila Alta e também moradores da região do Cariri Oeste e outros Estados vizinhos, como Pernambuco.

Moisés Rolim - Radialista



Mês dos pais - Por: Emerson Monteiro

Conceituam-se as coisas para atender necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no duvidoso, conquanto sirva de base ao andamento dos barcos, neste mundo de balcões e portos em que a vida se converteu num tempo de muita galinha e pouco ovo.

Maio foi eleito o mês das mães, desde as noivas, futuras mamães, a Maria, mãe de Jesus. Isso enquanto as flores perfumam os jardins e tudo parece corresponder, em termos de felicidade e harmonia.

Já o mês de agosto se tornou o mês dos pais, nos turnos comerciais, tempo de presentes a quem paga os presentes o ano todo.

Fase boa de fazer reflexões do que sejam os pais dessa era de tanta mudança, quando criar filhos virou ginástica de muitas posições, a perguntar quais caminhos trilhar no futuro da família dos maiores desafios morais.

Outros momentos prometiam melhores esperanças do que hoje. Ser pai agora envolve compromisso de mostrar resultados em forma de sucesso profissional e geração de emprego e renda, salvadas aparências e destinos, manterem os filhos longe das drogas, da prostituição, da linha de pobreza.

Nunca tantos moraram na Terra e os valores foram tão mutáveis. E os pais saem em busca do pão de cada dia nos formatos dos tempos comerciais, automáticos, industriais, digitais.

Aos homens, o mérito de cumprir a missão de criar e conduzir os filhos, e indicar alternativas do futuro; cabe-nos olhar com bons olhos e vê-los quais cidadãos comuns, porém cobertos das cinzas da incerteza, nos vagões de segunda, dados fatores que lhes restringem os passos, fardos familiares de outras exigências.

Na roda viva desses meios, as correias dentadas do coração reclamam contrato, sejam no peito de pai, ou de mãe, ou de filho. A humana sociedade pouco corresponde àquilo prometido nos manuais. Iniciativas pedem coragem e criatividade, sem permitir falhas por conta do que virá depois, nas folhas de pagamento e prontuários oficiais.

Querer aos pais, venha de onde vier, de comerciantes, ou pirralhos, significa respeito a entes valiosos na condução desses trilhos de malhas do sem-fim.

(Foto: Jackson Bola Bantim).

Famílias celebraram seu Jubileu, dentro das comemorações pelo centenário de criação da Diocese de Crato

Textos e fotos: Patrícia Silva
Como parte das atividades realizadas em comemoração ao centenário da Diocese de Crato, aconteceu no dia 3 de agosto, em Crato- CE, o Jubileu das Famílias que contou com uma programação iniciada no Santuário Eucarístico Diocesano e concluída na Catedral Nossa Senhora da Penha, com a celebração da Santa Missa presidida por Dom Fernando Panico e concelebrada por vários padres. Participaram deste momento centenas de pessoas, dentre eles membros da Pastoral da Família e do Encontro de Casais com Cristo (ECC).
Segundo o Pe. José Claúdio da Silva, coordenador Diocesano da Pastoral Familiar, celebrar o Jubileu das Famílias é priorizar a família, santuário de vida, como parte fundamental da igreja. “Nossas casas devem ser igrejas domesticas. Temos que rezar para que nossas famílias estejam cada vez mais unidas, participar da Santa Missa juntos, incentivar práticas de pastorais orgânicas e não isoladas, para que assim estejamos preparados para enfrentar os desafios que as famílias enfrentam hoje”.
Durante a missa de encerramento, na Sé Catedral, Dom Fernando falou sobre a importância do matrimônio em toda história, ressaltando a necessidade do testemunho de casais cristãos que sirvam de exemplo àqueles que estão em crise, provocadas pelas ideologias pregadas pelo mundo. “A família é bombardeada constantemente pela lei da busca, do interesse pessoal. Já não se vê a liberdade de um amor que é compassivo. Vê apenas um amor carnal e quando já não se sente mais a atração provocada pela paixão, o amor vira descartável. Não é esta a vontade de Deus. Ele quer que nos espelhemos na família de Nazaré, na unidade que eles tinham. O amor deve ser vivenciado não só nos momentos felizes, mas também nos momentos adversos da vida”.
O bispo continuou mostrando a família como vocação que não esgota e pedindo que todos acreditem na graça do matrimônio entre o homem e a mulher, como fonte da bênção de Deus. Pediu também que neste jubileu, renovassem a graça que receberam no sacramento do matrimonio não deixando que ninguém perturbe a alegria de ser família.
O Jubileu da Família abriu o calendário das comemorações do ano jubilar da Diocese de Crato no mês de agosto. O próximo será o Jubileu do Clero que acontece nos dias 4 e 5 de agosto, com programação nas cidades de Crato e Santana no Cariri.

                                                              

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30