xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 25/12/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

25 dezembro 2013

Os papagaios de pirata de Políticos ( Ou Rolando Leros ) - Por: Ed Alencar


Deu-me uma vontade de saber a definição ou a origem do “Puxa Saco", mais para não ficar tão esdrúxulo, vamos chamá-los de “Os Rolando Leros”, personagem da escolinha do prof. Raimundo (Chico Anísio).  

Pesquisando, dizem que surgiu de uma gíria militar, quando os ordenanças, que de modo submisso, carregavam “sacos” de roupas dos oficiais. E como diz a musica, "o cordão dos puxa-sacos cada vez aumenta mais”, é aqui no Crato, e pelo mundo afora é como praga, nunca acaba. Os piores Rolando Leros da vida, são os de políticos, vai de vereador a presidente da república, especialmente os de prefeitos!  

Nem todo prefeito gosta de andar com um “Rolando Lero” como papagaio de orelha em suas visitas. Muitas vezes, ao visitar uma comunidade adversária, tentando neutralizar, conquistar o campo minado, ao invés de ganhar aplausos, ganha vaia por interferência do "Babão", que nunca fica calado, e se derem um microfone na mão... É de fazer nojo.  Tem babão que quando o prefeito passa em comunidades e se uma mulher disser pra outra que não gosta do prefeito mais o acha lindo, se o babão ouvir, não perde tempo e diz: "Obrigado pela parte que me toca!” Tem Rolando Lero, que adota comportamento diferente, conheci um em São Paulo, que ganhava para gritar palavra de ordem quando seu político discursava. Outros saem com uma câmera na mão, fazendo o papel de imprensa ou de assessoria, fotografando obras e publicando sem nada ganhar, ou, que almeja!  Outros se agarram às sáias das primeiras damas, para servir de ponte junto ao prefeito. Nas minhas andanças, já vi prefeitos pedirem "menos" aos seus “Rolando Leros”, aqui no cariri também, não tem "menos" que dê jeito, a psicose predomina. 

ALGUMAS FRASES ”O PENSADOR” -  / Aquele que gosta de ser adulado é digno do adulador. William Shakespeare / 

Nenhum puxa-saco suporta uma auditoria. (Joval)

O bajulador em tudo procura agradar, mas o coração é fingido e os lábios são mentirosos.
Michael Caceres 

A risada do bajulador é tão falsa que entristece o ser que as escuta!
Nicanor Bessa da Silva         

Mais afronta a mesura de um adulador, que uma bofetada de um inimigo.
António Vieira

É TRISTE, MUITO TRISTE, AMADO MESTRE !

Por: Ed Alencar
Repórter/Membro do Blog do Crato


"Flash"(s) rápidos da noite de Natal (por Armando Rafael)

Passada a noite do Natal, inicio o dia lendo as notícias deste 25 de dezembro e algumas chamam minha atenção. A conferir.

Réquiem para o Natal


O verdadeiro espírito do Natal escafedeu-se. A festa do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo virou apenas mais uma festa consumista.  O presépio e a lapinha são coisas do passado. Natal hoje se resume, simplesmente, aos presentes do Papai Noel, à ceia com panetone, peru da Sadia e bebidas alcóolicas. Tudo ao som de músicas de forró, ou, quando muito, vendo o especial de Roberto Carlos na telinha da Globo.


A República da Alagoas

Na segunda-feira, a assessoria de Renan Calheiros anunciou que o senador vai devolver as despesas com a viagem particular – feita a Recife – em avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Viagem essa financiada com gasolina paga pelos contribuintes, e inscrita como "a serviço do Senado da República", cuja real finalidade era fazer um implante de cabelo na reluzente careca de Renan... Cinco minutos depois, aparece Renan em rede nacional de TV para desejar feliz Natal à população brasileira (ô bando de abestados!) e mostrar os “feitos” do Senado da República em 2013. Entre eles, leis que punem a improbidade administrativa. É muita cara de pau! E pensar que em junho a população se revoltou e foi às ruas contra os 20 centavos (R$ 0,20) no aumento das passagens de ônibus.

Além dos cabelos de Renan

No apagar das luzes de 2013 a mesa diretora da Câmara concedeu um aumento de 7,7% na verba de gabinete dos seus esforçados deputados. Isso é o dinheiro que cada parlamentar recebe mensalmente para passagens aéreas, telefone, divulgação do mandato e outros gastos. Agora, variando em cada estado que compõe a ré-pública, esses valores passarão de R$ 26 mil a 38 mil e de R$ 27 mil a 41 mil para cada parlamentar. Fora o salário, é claro. Em tempo: o salário mínimo subiu para 724 reais...

Dá Nojo

Enquanto isso, às vésperas do Natal, o Congresso Nacional reduziu as verbas da Defensoria Pública da União – que presta assistência jurídica aos brasileiros que não têm condições de pagar um advogado – e direcionou essa verba subtraída para financiar tratamento médico-odontológico dos nababos do Superior Tribunal de Justiça.

Brasil: vice-campeão

Uma das razões porque a economia brasileira anda ruim das pernas (e vai piorar em 2014, apesar de o povo só se preocupar com a Copa do Mundo e as eleições presidenciais) é que o juro real da taxa Selic (descontada a inflação) é o segundo mais alto do mundo, com 2,75 pontos.  E com este triste índice (que denigre a imagem do Brasil) só não estamos em primeiro lugar no mundo porque a Gâmbia (um miserável país da África) têm 6 (seis) pontos de juro real!
   

As primeiras mulheres que governaram o Brasil


Dilma Vana Rousseff foi a primeira mulher a governar o Brasil, certo? Errado.
Quando Dom Pedro I, o príncipe-regente, viajou a São Paulo, para apaziguar uma crise política, entregou o poder a sua esposa, a Princesa Leopoldina, em 13 de agosto de 1822, nomeando-a chefe do Conselho de Estado e Princesa Regente Interina do Brasil, com poderes legais para governar o país durante a sua ausência.
A viagem de Dom Pedro I a São Paulo culminaria na declaração da independência do Brasil em 7 de setembro daquele ano. Foi decisiva a influência da futura Imperatriz Leopoldina no processo de independência da nossa pátria, pois os brasileiros já estavam cientes de que Portugal pretendia chamar Dom Pedro de volta, rebaixando o Brasil outra vez ao estatuto de simples colônia, em vez do então “Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves”. Deste modo a Imperatriz Leopoldina foi a primeira mulher a governar o Brasil.
Já durante o reinado do Imperador Dom Pedro II sua filha – a Princesa Isabel Cristina – assumiu por três vezes a regência do Império do Brasil, durante as viagens do Pai ao exterior. Nesses três períodos que foi Princesa-Regente do Império, a Princesa Isabel sancionou diversas leis, dentre elas a relativa ao primeiro recenseamento do Império; a que permitiu a naturalização de estrangeiros; a que previa o desenvolvimento da viação férrea; a que determinava a solução de questões de limites territoriais e relações comerciais com países vizinhos, e, a mais importante, a assinada em 13 de maio de 1888, um domingo, decretando a extinção da escravidão do elemento servil no Brasil. Esta passou à história como a “Lei Aurea”.

(Postado por Armando Lopes Rafael)
   

Ídolos de barro - Por: Emerson Monteiro

Quero falar um pouco dos tempos atuais da civilização, avaliar o grau de envolvimento dos costumes em face dos tantos apelos que dominaram as pessoas em suas paixões desenfreadas. Considerar o porto em que aportaram os fanatismos, limitações e dependências na relação da fome de emoções e as armadilhas do cotidiano, prisões dos detalhes e do esquecimento do todo.

Agarrados a fantoches coloridos, os seres inteligentes, numa quantidade estúpida, permaneceram agarrados à ilusão, feitos escravos dos próprios interesses e equívocos. Náufragos da ausência de sentido, amarraram as angústias nos primeiros botes que apareceram na escuridão. E vagam sozinhos nas ondas violentas do egoísmo de grupos.

Dos tais apelos ilusórios cabem, sim, alguns exemplos. O desespero das posses materiais, matriz da maior elaboração predominante, que parece sucumbir toda raça num mar de lama podre onde os valores não existem mais. Quaisquer sabores de poder financeiro superam honra e bons sentimentos, atitude dominante nas guerras, na ânsia dos governos, feras agressivas à procura de ganhar esse mundo e perder a eternidade.

No diapasão do instinto das armas, outros impulsos avassalam o horizonte da dependência dos bichos humanos: álcool, droga, pornografia, jogos, fama, os interesses escusos da ausência de propósitos justos, sede das vaidades, perdidas noites das farras e bacanais de todos os vícios.

Quantos alimentam os deuses de barro no tropel de enganos, estatística nunca avaliada nos programas de televisão. Ídolos da fancaria, preenchem o vazio das criaturas com pragas fatais. Inúteis montarias de uma secreta conspiração medíocre, se submetem a comandos até então desconhecidos, joguetes de sorte nebulosa.

Catedrais da escravidão cheias de marionetes agressivas, os estádios imensos significam só adoração as entregas aos falsos líderes. Mostram caras atraentes, porém destituídas de personalidade ou conteúdo verdadeiro.

Bom, apenas em rápidas pinceladas, quis descrever, num quadro resumido, o solo da superficialidade a que chegou esforço de milênios de história perante a fragilidade e o pouco caso. Ainda assim, jamais se deverá perder esperança nos dias a vir no seio da natureza essencial.

Renan Calheiros -- por Elio Gaspari


 Renan Calheiros é um grão-mestre da costura política. Foi líder do governo de Fernando Collor de Mello e ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso. Desde 2003 é um pilar da coligação petista no Congresso. Pertence a uma categoria imune à vontade popular. Ela pode ir para onde quiser, mas ele continuará no poder, à sua maneira. Como ministro da Justiça do tucanato, tendo seu nome exposto na Pasta Rosa dos amigos do falecido banco Econômico, defendeu o uso do Exército para reprimir saques de famintos durante a seca de 1998. Politico da Zona da Mata alagoana, estava careca de saber que tropa não é remédio para esse tipo de situação. Nessa época, dois de seus irmãos foram acusados de terem mandado chicotear um lavrador acusado de roubar um aparelho de TV numa fazenda. Um desses irmãos elegeu-se deputado federal. Entre 1998 e 2006 teve uma variação patrimonial de 4.260%, amealhando R$ 4 milhões.

Renan teve uma filha fora do matrimônio quando ganhava R$ 12.720. A mãe da criança era ajudada por uma empreiteira amiga que lhe dava uma mesada de R$ 16,5 mil. Por causa desse escândalo por pouco não foi cassado, mas renunciou à presidência do Senado. Reelegeu-se e voltou à cadeira que já foi de Rui Barbosa prometendo uma agenda ética, de "transparência absoluta". Contudo, como diz o senador Edison Lobão Filho, filho e suplente do senador Edison Lobão, ministro de Minas e Energia, "a ética é uma coisa muito subjetiva, muito abstrata". Nesse mundo de abstrações, Renan, vendo a despensa de sua casa concretamente desabastecida, mandou abrir um pregão de R$ 98 mil para a compra de salmão, queijos, filé-mignon, bacalhau e frutas. Apanhado, cancelou a compra.

Renan não é um ponto fora da curva. Ele é a própria curva. Em 2005, como presidente da Casa, deu sete cargos de R$ 10 mil a cada colega. Seu mordomo ganha R$ 18 mil. Em julho, quando ainda havia povo na rua, usou um jatinho da FAB para ir a um casamento em Trancoso. Apanhado, devolveu o dinheiro. Passados cinco meses fez o voo do implante.

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30