xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 29/09/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

29 setembro 2013

VÍDEO - Instalação do Semáforo na Av. Thomaz Ostherne, na Vilalta.


Parabéns ao povo da Vilalta, que foi às ruas, fez barricada, carregou cartazes e se movimentou para isso. Se tivessem feito há 10 anós...há 10 anos já teríamos o semáforo. Isto prova mais uma vez que o povo unido, organizado consegue tudo que os políticos geralmente negam à população. É preciso que esses movimentos continuem, com outras reivindicações para a cidade do Crato. Duas vitórias recentes: Este semáforo e a permanência da Expocrato no Parque Pedro Felício Cavalcante, que queriam remover para o palmeiral, mas o poder do povo foi maior.


Por: Dihelson Mendonça

Dulcéria e Fideralina - Por: Emerson Monteiro

Aos interessados na história do feudalismo nordestino é fato consumado o mandonismo de Fideralina Augusto Lima, no correr das léguas em volta de Lavras da Mangabeira, no Ceará. Entretanto a matriarca topou com adversidades no império, dentre as quais de pessoas da própria família. Nas suas irmãs mesmas, Dulcéria Augusto de Oliveira, de alcunha familiar Pombinha, esposa do autorense Simplício Carneiro de Oliveira, e seus filhos, lhe confrontariam a autoridade dentro do clã dos Augustos.

Segundo o escritor Dimas Macedo... Conduta oposicionista (essa) que a velha Pombinha soube muito bem transmitir aos seus descendentes, especialmente aos coronéis José Augusto de Oliveira e Antônio Augusto de Oliveira, o primeiro dos quais, em Lavras, por dilatados anos, liderou a militância oposicionista ali desencadeada contra o Coronel Gustavo Augusto e seus comandados.

Ferrenha antagonista da irmã mais velha, Dulcéria sustentaria distância entre si sobretudo depois das ocorrências trágicas de 09 de janeiro de 1922, quando, nas ruas de Lavras, numa pugna aberta, pereceram o major Eusébio Tomás de Aquino e dois netos de Dona Pombinha, os irmãos Simplício Augusto Leite e José Leite Filho, Zezinho, sendo este também genro de Fideralina, cuja facção pagaria o preço elevado, um ano depois, da perda do Coronel Gustavo Augusto, em Fortaleza, vítima de atentado perpetrado por filho do Major Eusébio. O custo dessas vidas causaria, pelo resto da existência, afundamento intransponível do fosso existente no seio das famílias envolvidas.

Seus inimigos políticos mais notáveis foram os filhos de Dulcéria Augusto de Oliveira, “a velha Pombinha”, irmã de Fideralina: os coronéis José Augusto de Oliveira e Antonio Augusto de Oliveira, o primeiro dos quais liderou, em Lavras, a militância oposicionista contra o coronel Raimundo Augusto Lima. Maria Gláudia Férrer Mamede

Já na idade provecta, Dindinha, sentindo o peso da idade, enviaria emissário até Pombinha, na intenção de merecer o perdão na forma uma visita de cortesia ao Tatu, onde vivia, e assim regressarem as boas relações.


Dulcéria, no entanto, apenas responderia que nada mais tinha contra a outra, porém que ambas permanecessem cada qual no seu lugar. E só. 

Juazeiro e Crato estão pegando fogo – por Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros (*)


  E na fogueira, claro, haverá sempre alguém sendo incinerado!  Depois de mais de cem anos de fogueira para o Padre Cícero, incólume às chamas da inveja e da calúnia, pela primeira vez um Bispo da Diocese do Crato vem ao Juazeiro, não para “tentar humilhar o Patriarca do Juazeiro”, mas para, unindo-se a seus romeiros, calar os ecos da “maldição eclesiástica”, clamando pela revisão histórica de um MÁRTIR – o Santo do povo sertanejo e de todos os “mal aventurados nordestinos”.
   Interessante é se refletir sobre o destino de Padres, desde Ibiapina, envolvidos em conflitos no Cariri, principalmente no Crato e no Juazeiro. Às vésperas da preparação de grandes eventos marcando efemérides do Juazeiro e do Crato, as primeiras cantando-se loas à vitória da Terra da Mãe de Deus na Invasão de Juazeiro em 1914 e homenagens à Beata Maria de Araujo em quem se consubstancia o milagre do “sangue de Jesus derramado nas hóstias oferecidas à pobre devota de Nossa Senhora das Dores e do Padrinho Cícero Romão Batista”.
   As outras demarcam a nunca perdoada invasão do Crato e a longa marcha dos romeiros do cratense Cícero com destino a Fortaleza, onde derrubaram pelas armas Franco Rabelo, enquanto se deslumbravam com “O MAR”!
   Notícias da campanha visando à desmoralização e o afastamento do Bispo Dom Fernando Panico, penso em tudo que moveu populações de todo o Nordeste para defender seu Santo no Juazeiro e me pergunto: o que existe por trás de uma noticiada (e não confirmada) lista de assinaturas de padres contra seu Bispo (Que procura legalmente junto à hierarquia da Igreja Católica a Revisão histórica da Questão Religiosa do Juazeiro), visando, no futuro a beatificação e santificação do Padre Cícero? Esse movimento de autoridades econômicas, religiosas e comunicacionais do Juazeiro e do Crato, tão distantes dos seguidores romeiros do Meu Padrinho, serve à causa do Patriarca? Que benefícios trazem ao povo do Padre Cícero essas violações da lei de reciprocidade de trato, com alguém que veio de tão longe, para ver o Juazeiro não como uma terra de bandidos e fanáticos, não para execrar, mas para louvar as virtudes do Nosso Padrinho e de seu povo?
   Será possível que velhos ódios sejam requentados até à efervescência, apagando os últimos anos, até que o atual personagem hostilizado se torne maior que a Primeira Autoridade Eclesiástica a acompanhar as romarias confessando e abençoando o povo do Meu Padrinho?
   Como o Padre Azarias Sobreira, outro santo do Juazeiro, se posicionaria nesta guerra movida pela ambição de lucros e medo de perdas materiais?
   O que se visa, exatamente, com o afastamento de Dom Fernando? Já existem alternativas - mais qualificadas e com maior proximidade em relação à causa religiosa do Juazeiro?
   Os romeiros são ouvidos ou serão ignorados como nas “Comemorações do Centenário”?
   Como dizia o Padre Mestre Ibiapina, “Não há justiça entre os homens”!
   Que Nossa Senhora das Candeias nos guie no meio desta escuridão, e nos livre de ser APEDREJADOR!

(*) Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros, Antropóloga, Doutorado e Mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997 e 1980); Pós-doutorado em Ciência da Literatura pela UFRJ (2008); Pós-doutorado em Antropologia pela UNICAMP (1999); Cidadã Juazeirense, antropóloga de profissão, romeira por devoção.

   

A Verdade demora, mas sempre aparece – por Padre Aureliano Gondim



 É impressionante como calúnias e deturpações chamam a atenção muito mais do que a verdade. Diante desta situação, apego-me ao que diz Jesus, nosso Senhor: "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará".

Sou sacerdote católico e faço parte do Clero da amada e querida Diocese de Crato. Também estive presente ao último encontro do Clero, ocorrido entre os dias 18 e 19 de setembro, em Crato. Foi sim, um encontro tenso e preocupante. É assim como se encontra a nossa Diocese nesse momento. Sinal de que a cruz nos acompanha a todo instante. Foi assim com Jesus! Que seja assim em nossa vida. Não nos esquivamos de buscar a verdade, de sanar todas estas dificuldades.

Apresento aqui o meu repúdio e descontentamento quanto a esta mentira de que 52 padres se colocaram contra o nosso Pastor Diocesano. A Igreja sofre com isso! Sofre o nosso povo que é Igreja, povo de Deus. Não nos calemos e busquemos com solicitude e caridade o exercício da verdade em nós. A mídia é um instrumento sempre bem vindo. Ela nos alerta, nos questiona, nos faz pensar. Mas essa "mídia" que nos apresentam é altamente nociva. Corrói a nossa dignidade. Como exemplo, olhem a foto do nosso bispo na matéria veiculada pelo Site Miséria. Ele estava rezando, num momento celebrativo e contemplativo. A fim de distorcer ainda mais as coisas, colocam-no como se estivesse numa postura de coitadinho...

Assim como o povo de nossa diocese, queremos clareza nas informações. A Diocese de Crato enfrenta sim um momento delicado. Mas não é assim que estaremos resolvendo as coisas. Certa vez disse Santo Inácio de Antioquia: "Ouçam a voz do Bispo como Cristo ouve a voz do Pai".

Não esqueçamos também o que disse um dia o nosso amado e querido Padre Cícero Romão Batista: "Sou padecente e resignado com toda ingratidão. Propagaram contra mim tanta calúnia e inverdades que nem sequer pensei que fossem capazes de produzir tantas. Estamos certos de que só a Providência Divina nos dará remédio". Como percebemos, novamente a cena de calúnias em nossa história se repete. Há sim culpados! Que sejam realmente punidos. Valho-me da assertiva de São Paulo que diz: "Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus!".

Não tenho dúvidas de que Dom Fernando ama a Deus e o ama vendo-o na pessoa do irmão, do pobre e do necessitado. É tanto que ele é sacerdote missionário do Sagrado Coração de Jesus. Lembro agora as palavras de Dom Fernando, por ocasião do encontro do Clero, dirigindo-se a nós padres: "Neste instante, sinto-me como o Cristo carregando a cruz ao calvário. que vocês sejam os meus Cirineus a me ajudarem a levar a cruz ou como Verônica a enxugar o sangue que escorre pelo meu rosto".

Sou o Padre Aureliano Gondim, exerço o meu ministério sacerdotal como Vigário Paroquial na Paróquia de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro. Sou filho desta querida cidade de Juazeiro do Norte. Sou devoto do Padre Cícero. Trago em meu sangue esta história bonita de fé. Em minhas veias, corre sangue de romeiro. Sou neto de seu Aureliano Pereira da Silva, romeiro alagoano e amigo do Padre Cícero. Fui ordenado sacerdote pelo querido Bispo Dom Fernando, nosso amado pai e pastor.

Aguardemos no tempo de Deus, a verdade sobre toda esta situação! Dom Fernando, estamos com o senhor. Conte conosco para carregar esta cruz que é o veículo primoroso e verdadeiro para se alcançar a salvação! Tenho dito!”

Observação: Comentário que postei no Site Miséria, na manhã do dia 25 de setembro de 2013, por ocasião de mentiras e calúnias a respeito da participação de padres da diocese quanto ao pedido de um possível afastamento do nosso bispo diocesano, Dom Fernando.
Pe. Aureliano Gondim

Edições Anteriores:

Dezembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 30