xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 10/09/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

10 setembro 2013

A Rádio Chapada do Araripe está de volta ! - E em breve, NOVIDADES !


Após 15 dias fora do ar para a troca e escolha de novos servidores, finalmente a Web Rádio Chapada do Araripe está de volta, com toda a sua programação normal. E em breve, mais uma novidade: Na nossa parceria com a Rádio Educadora do Cariri, estaremos retransmitindo o Jornal do Meio-dia, com Heron Aquino, Fábio Lemos, Wilson Rodrigues e outros repórteres. Com o novo servidor, estamos ainda em caráter experimental, em fase de testes, e testando novos recursos, portanto, pode ser que hava alguma intermitência no áudio da estação, além do fato de que ela apenas está no ar em 3 sites ( dos mais de 50 ): no Blog do Crato, no Portal Chapada do Araripe, Blog do Sanharol, e no próprio site da rádio. 

Aqui estão alguns links para quem deseja escutar com seus próprios programas de computador:

www.radiochapadadoararipe.com
www.radiochapada.com  ( Link direto, para abrir no Windows Media Player )

Ou ouça através do seu programa preferido, clicando nos ícones abaixo:




www.blogdocrato.com

Desde 2005 registrando todo dia a história do Crato para a posteridade


Acerto de contas - Por: Emerson Monteiro

Logo cedo, de espingarda em punho, o caboclo entrou na mata à busca da mistura do dia para as refeições da família. Andou muito e nada achou que atendesse o objetivo. De mãos abanando, desanimado, retornava ao casebre, quando avistou bela cabra a lhe cruzar o caminho. Sabia ser de um dos vizinhos, seu compadre, dono de muito bicho, que os vinha aumentando com facilidade. Coçou a cabeça, mediu as consequências e viu justiça no ato que planejava em nome dos filhos que precisavam urgentemente sobreviver.
Auscultou as imediações, se viu distante, solitário: a ocasião faz o ladrão, o povo diz, enquanto o isolamento propiciou a impunidade. Armou o gatilho e derrubou a marrã de criação. Arrastou-a para o mato; tirou o couro; partiu os ossos e a carne; desfez as possíveis pistas. Quando chegou em casa, vinha consigo, às costas suadas, o alimento de duas semanas, ou mais.
Dias transcorreram sem ser descoberto. O caçador parecia, no entanto, pouco confortável dentro dele próprio, dado o ato que praticara.  Vivia sério, sem graça, pelos cantos; de honesto, acordava no meio da noite empapado de suor frio, amargando pesadelos. A coisa tendia ao agravamento. Perdera-se sob as tenazes do remorso; sumira o patrimônio das velhas alegrias de viver.
De alma presa, bela manhã, resolveu se confessar. Procurou o vigário da freguesia e contou em todos os detalhes a história do delito de haver morto a cabra do compadre. Atencioso, o sacerdote ouviu a história, refletiu durante alguns minutos e disse:
- O senhor agiu de uma forma vergonhosa. Fez o que nunca deveria ter feito, querendo se beneficiar com aquilo. Desse jeito, para limpar o erro que cometeu, irá procurar seu vizinho e esclarecer o assunto, dizendo a ele que pagará o animal morto quando possuir recurso.
- Mas, padre, trabalhando desse modo, vou passar por desonesto - explicou contrariado o sertanejo. - Isso fica muito ruim para quem criou fama de homem sério como eu sou no meu lugar. Deve haver outra maneira de resolver – acrescentou o matuto.
- Meu filho, não vejo nada mais simples do que pagar a penitência – avisou o sacerdote. - Pois não cuidando agora, quando chegar o Dia do Juízo, lá vão comparecer, na presença dos santos, o senhor, seu compadre e a cabra que matou, o que ficará ainda mais constrangedor.
Nesse momento, ecoou no interior da igreja sonora gargalhada do caboclo, que em seguida foi dizendo:
- Ah, padre, agora compreendi suas palavras e o que devo fazer. Visto o que falou, reverendo, quando a cabra reaparecer inteirinha, viva, no Juízo Final, nessa hora, então, eu pego ela e devolvo ao dono, meu vizinho, ficando tudo resolvido sem maiores prejuízos. - E nisso se retirou cheio de felicidade pela solução do seu drama de consciência.      


Obs.: História que ouvi de Benvindo Melo.       

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30