xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 16/03/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

16 março 2013

De feitiços e feiticeiros - Por Dora Kramer



Usada e abusada nas duas últimas campanhas presidenciais, carregada para cima e para baixo nos dois primeiros governos do PT a fim de que o então presidente Luiz Inácio da Silva se apresentasse como uma espécie de Getúlio Vargas revivido aos olhos da História em retrospectiva, a Petrobrás vai assumindo lugar de destaque no antecipado embate de 2014.

Dessa vez, porém, com sinal trocado: é a oposição que carrega a empresa para o centro da cena. Sem os mesmos instrumentos porque não tem o governo nas mãos para anunciar grandes feitos (em geral ao molde de mercado futuro), o provável candidato do PSDB, senador Aécio Neves, igualmente exagera ao comprometer-se a entrar numa guerra para "salvar o País" por meio da recuperação da Petrobrás.

Diocese de Crato abriu o Processo de Beatificação da Serva de Deus Benigna Cardoso da Silva

No último sábado, dia 16, tendo como local o Auditório Monsenhor Rubens Gondim Lóssio, anexo à Catedral de Crato, ocorreu a solenidade de abertura da fase diocesana do Processo de Beatificação da Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva. Trata-se do primeiro processo de beatificação de uma Serva de Deus, no Estado do Ceará.

A solenidade foi presidida pelo bispo diocesano de Crato, Dom Fernando Panico e contou com a presença dos membros do Tribunal que conduzirá o processo de beatificação: Monsenhor Vitaliano Mattioli (Postulador Geral), Monsenhor João Bosco Cartaxo Esmeraldo (Juiz Delegado), Pe. José Vicente Pinto de Alencar da Silva (Promotor de Justiça) e a senhora Terezinha Fernandes Costa (Atuária Notária). Também participaram da mesa, os membros da Comissão Histórica, professores Armando Lopes Rafael, Raimundo Sandro Cidrão e Ypsilon Rodrigues Felix.

Todos eles fizeram o juramento prescrito para os que participam de um Processo de Beatificação, proferindo as palavras com a mão direita sobre os Evangelhos. Na solenidade foi usada uma Bíblia que pertenceu aos quatro últimos bispos de Crato: Dom Francisco, Dom Vicente, Dom Newton e Dom Fernando.

Solenidade Prestigiada

O Auditório Monsenhor Rubens Gondim Lóssio ficou lotado com a presença de sacerdotes, seminaristas, parentes da Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva, de fiéis e algumas autoridades, a exemplo da Prefeita de Santana do Cariri, senhora Daniele Machado; do deputado Sineval Roque; ex-reitor da Urca, Plácido Cidade Nuvens e da ex-deputada Fabíola Alencar. Uma numerosa comitiva de Santana do Cariri também estava na solenidade.

Palavra do Bispo de Crato

Dom Fernando Panico discorreu sobre a importância da Diocese de Crato contar, às vésperas do seu centenário de criação, com uma jovem mártir, nascida em Santana do Cariri, e que caminha para a sua beatificação, primeira etapa da canonização. Lembrou o gesto heroico da menina Benigna que viveu apenas 13 anos e findou sua existência terrena, ferida mortalmente, vítima de uma tentativa de violência sexual, à qual resistiu bravamente, para preservar sua castidade. “Foi uma vida breve, permeada pela amizade com Jesus, vivida em meio à pobreza, orfandade, trabalhos domésticos, gestos simples e solidários. Uma verdadeira santidade leiga, na qual realizou fielmente o projeto e a Palavra do Deus Pai”, disse Dom Fernando.

O bispo de Crato equiparou a coragem da menina Benigna aos atos de heroicidade de outras mulheres que têm seus nomes inscritos na história do Cariri, a exemplo de Bárbara de Alencar primeira mulher a aderir à independência do Brasil, na época da colônia.

Ao fim da cerimônia que foi breve, simples e emocionou a todos os presentes o coral da Paróquia Senhora Santana, de Santana do Cariri, entoou o “Hino à Mártir Benigna”, e a cerimônia foi finalizada com a bênção de Dom Fernando Panico, a todos os presentes.

(Postado por Armando Rafael)



Pesquisa mostra cura funcional de 14 pessoas com HIV


Cura-aids-franceses-450
Pesquisadores franceses divulgaram esta semana um estudo que relata a cura funcional de 14 pacientes com HIV. Por cura funcional, entende-se que eles permaneceram sem os sintomas da doença mesmo depois de terem parado de tomar o coquetel. No grupo de pacientes, que foram diagnosticados no final dos anos 1990 ou começo dos anos 2000, o vírus não apresentou sinais de reaparição sete anos após a interrupção dos medicamentos. A pesquisa foi publicada anteontem na revista PLoS Pathogens.
O estudo, feito pelo Instituto Pasteur, de Paris, surge no mesmo mês em que médicos do Mississippi, nos Estados Unidos, anunciaram a cura de uma menina norte-americana que nasceu de mãe soropositiva e foi tratada logo após o parto, alcançando a cura funcional. Os pacientes foram tratados durante três anos antes de interromperem a medicação.
Um dos autores do estudo o pesquisador sênior do Instituto Pasteur Asier Saez-Cirion, disse que provavelmente será impossível controlar o vírus na maioria dos pacientes já contaminados, mas que os resultados sugerem que pelo menos alguns podem se curar se receberem os medicamentos com rapidez suficiente.
"(A nova pesquisa) e o estudo do Mississippi apoiam fortemente a iniciação precoce do tratamento, e podem conter pistas importantes para o desenvolvimento de uma estratégia para curar o HIV ou pelo menos induzir a um controle de longo prazo sem a necessidade de tratamento antirretroviral." Ele acrescenta que os resultados são uma prova de conceito que poderia ser bem sucedida em outros indivíduos.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
AE - Agência Estado

Família de Herzog recebe nova certidão de óbito


A morte do jornalista é rodiada por polêmicas até os dias de hoje
VladimirherzogA família de Vladimir Herzog recebeu nesta sexta-feira (15), durante ato público da 68 ª Caravana da Anistia, organizada pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, o novo atestado de óbito do jornalista, torturado e morto nas dependências do DOI-Codi, em 1975, durante a ditadura militar. O novo atestado aponta como causa da morte lesões e maus-tratos sofridos por Herzog durante interrogatório no DOI-Codi. Na versão anterior, sustentada pelo Exército na época, a causa apontada foi asfixia mecânica por enforcamento, indicando que o jornalista teria cometido suicídio.
Jornalista foi torturado e morto no período da ditadura militar (Foto: Divulgação)
O filho do jornalista, Ivo Herzog, disse que a primeira verdade oficial sobre a morte de seu pai foi o enterro, porque, de acordo com a tradição judaica, quando a pessoa se suicida, deve ser enterrada junto ao muro do cemitério, o que não aconteceu devido à coragem do rabino Henry Sobel, que foi contra a versão de suicídio. "Hoje, tendo um documento oficial do Estado que relata como meu pai morreu, mostrando que ele foi assassinado, desmontamos a versão criada na ditadura e temos um documento expedido por um juiz, dizendo que aquilo é mentira."
No entanto, ressaltou Ivo Herzog, "há mais coisas que precisam aparecer, como quem foram os mandantes, os agentes". É preciso investigar o crime em si, destacou.
Durante a cerimônia, no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP), foi dada a declaração de anistia política post mortem ao estudante Alexandre Vannucchi Leme. Além de estudar na USP, Vannucchi militava na Ação Libertadora Nacional (ALN). Ele foi morto em 17 de março de 1973, aos 22 anos, após ser preso na cidade universitária. O estudante também foi torturado e assassinado nas dependências do DOI-Codi e teve o corpo enterrado na Vala de Perus, em um buraco forrado de cal para acelerar a decomposição.
O coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Paulo Sérgio Pinheiro, destacou a importância de os diretos de Vannucchi serem reconhecidos na própria universidade onde ele estudou e foi capturado. Pinheiro também considerou decisiva a mudança da causa da morte de Herzog em um documento oficial. "É a restauração da verdade. Não é possível que, em plena consolidação da democracia, continuemos a viver com atestados absolutamente falsos."
Para o presidente da Comissão Nacional da Anistia, Paulo Abrão, declarando a anistia de Vannucchi, o Estado pede desculpas oficiais à família e reconhece o legítimo direito de resistência à opressão. O Estado admite também seus erros, para que eles não se repitam mais e para que país possa exercer de fato sua democracia, disse ele. "O Estado já reconheceu sua responsabilidade em torno da morte de Vannucchi. Hoje vamos reconhecer a responsabilidade com relação às perseguições políticas que ele sofreu e que levaram a esse desfecho trágico, que foi sua morte."
A secretária de Direitos Humanos da Presidência da República, ministra Maria do Rosário, destacou que reconhecimentos como a nova certidão de óbito de Herzog e a anistia de Vannucchi refletem a luta de cada membro da família dos torturados e mortos na ditadura, que nunca permitiram que essas pessoas fossem esquecidas. "Eles trouxeram até os nossos dias de democracia, o brilho dos olhos dessas pessoas que foram roubadas do nosso convívio. Vladimir Herzog e Alexandre Vannucchi poderiam estar conosco, contribuindo ainda muito mais do que já contribuíram com o Brasil", disse Maria do Rosário.
Agência Brasil 

Sete municípios cearenses terão que fazer recadastramento biométrico


Recadastramanto(1)
Eleitores de Aquiraz, Juazeiro do Norte, Sobral, Alcântaras, Forquilha, Crateús e Ipaporanga têm até dezembro para agendar recadastramento.
Os eleitores dos municípios de Aquiraz, Juazeiro do Norte, Sobral, Alcântaras, Forquilha, Crateús e Ipaporanga terão que fazer recadastramento biométrico até o fim de 2013, juntando-se aos eleitores do Eusébio, na Região Metropolitana de Fortaleza. Sendo assim, 7% dos eleitores cearenses já estarão recadastrados nas eleições de 2014.
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE )lançou neste sábado (16), em Sobral, a campanha pelo recadastramento destes eleitores. O recadastramento se dará por meio de agendamento prévio, que pode ser realizado pelo site do TRE, onde o eleitor destes municípios poderá escolher data, horário e local de atendimento. Quem não fizer o procedimento corre o risco de ter o título eleitoral cancelado.
O diretor geral do TRE, José Humberto Mota, destaca que este é mais um passo que a Justiça Eleitoral dá em todo o País para aumentar a segurança do processo eleitoral. “Hoje a totalização dos votos é absolutamente segura, automática. O sigilo do voto também é garantido pela urna eletrônica. Mas a identificação do eleitor é um procedimento que ainda é feito de forma manual, depende da fiscalização dos partidos, do mesário. Com a identificação biométrica, a Justiça Eleitoral elimina de vez qualquer possibilidade de fraude do sistema eleitoral”, explica.
Ceará Agora

DECON divulga ranking de empresas mais reclamadas em 2012 no CE


Codigo-de-defesa-do-consumidor
A empresa de telefonia OI foi a campeã de reclamações no Ceará no ano passado, segundo o Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (DECON/CE). A lista de empresas com mais reclamações foi divulgada, nesta sexta-feira (15), pela secretária executiva do órgão, Ann Celly Sampaio.
No ano passado, o órgão realizou 21.814 atendimentos, que resultaram em um total de 8.280 processos administrativos. Mais de 80% dos casos foram resolvidos, o que faz o órgão ter uma estatística acima da média nacional e bastante satisfatória, segundo a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).
Veja as 10 primeiras do ranking de mais reclamadas no DECON, no Ceará, em 2012:
1. OI
2. Rabelo
3. Claro
4. Banco Itaú
5. CCE
6. Banco Bradesco
7. TIM
8. LG
9. Insinuante
10. Lojas Americanas
Ceará Agora

STF pode decidir sobre ações dos royalties em até 24 horas, diz Fux


Estados acionaram a Corte nesta manhã apontando ilegalidades

Stf-3



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, disse nesta sexta-feira (15) que as ações de estados produtores contra a nova Lei dos Royalties do Petróleo devem ser julgadas em conjunto e que pode haver decisão em até 24 horas. Rio de Janeiro e Espírito Santo acionaram a Corte nesta manhã apontando ilegalidades na lei promulgada pela presidenta Dilma Rousseff.

Durante seminário no Rio, Fux disse que a importância do assunto pode motivar o relator a decidir provisoriamente no prazo de um dia, caso considere que haja grave lesão que não possa ser reparada. "O ideal é que a liminar tenha também participação do plenário", disse.

Embora seja relator dos mandados de segurança contra a tramitação legislativa do novo regime dos royalties no Congresso Nacional, Fux não ficou com as ações dos estados produtores. Elas foram distribuídas para a ministra Cármen Lúcia. São Paulo ainda não ingressou com a ação, mas promete adotar a mesma medida em breve.
Agência Brasil

Dá para fazer muito mais que Dilma, diz governador de Pernambuco,Eduardo Campos


Mais candidato, impossível. Diante de 60 empresários, o governador pernambucano Eduardo Campos, do PSB, disse que é possível fazer muito mais do que o governo Dilma vem fazendo, sinalizou confiança numa eventual vitória, criticou a Petrobras, ao afirma que o Brasil "que diz que tem o petróleo do pré-sal importa gasolina" e deu o tom do que será seu discurso, em 2014: "continuidade, mas com liderança renovada".

Os bastidores do encontro de Campos com representantes do PIB nacional, reunidos na casa de Flávio Rocha, dono da Riachuelo, foram narrados pela jornalista Monica Bergamo, na Folha de S. Paulo. Leia abaixo

"Dá para fazer muito mais" que a presidente Dilma Rousseff. Com esse, digamos, slogan, o governador Eduardo Campos (PSB-PE), de Pernambuco, passou seu recado a um grupo de 60 empresários que se reuniram na quinta-feira (14) em SP, num jantar, para conhecê-lo melhor --e descobrir se ele é, mesmo, candidato à presidência. Boa parte saiu de lá com a certeza de que Campos vai, sim, se lançar contra Dilma em 2014.

Campos diz que a presidente Dilma conhece suas críticas. E mais: sabe também que seu partido, o PSB, o pressiona para se lançar candidato à presidência. "Quem disse a ela não foram terceiros, fui eu mesmo", afirma. "Ela sabe o que o meu partido pensa e sabe os sonhos que meu partido tem. Se esses sonhos vão ser realizados ou não, é outra coisa."

Começou dizendo que o Brasil teve grandes conquistas nas últimas décadas --e logo engatou crítica que a oposição sempre fez a Lula, a Dilma e ao PT: "O Brasil não começou ontem. Não começou com o partido A, B ou C".

Na sequência, engrossou o coro dos que dizem que as coisas no país vão bem --mas podem piorar. "Não há grande incômodo nas grandes massas. Não há na classe média esse sentimento, nem de forma generalizada no empresariado. Mas há, nesse instante, nas elites, grande preocupação com o futuro. Há o sentimento de que as coisas podem piorar."
(Postado por Armando Rafael)
                                                                                                                

A inflação volta...o Banco Central espera...

(Jornal "O Estado de S.Paulo")

A inflação aumentou, espalhou-se, ficou mais resistente, chegou a 6,31% nos 12 meses terminados em fevereiro, quase bateu no limite de tolerância e as previsões mais otimistas do Banco Central (BC) foram pelo ralo. Tudo isso - e muito mais - é reconhecido na ata da última reunião do Copom, mas a taxa básica de juros, principal instrumento de combate à alta geral de preços, vai continuar em 7,25% pelo menos até 17 de abril. 

Até lá, o comitê deverá acompanhar a evolução do cenário econômico para definir seus próximos passos. A resistência a um novo aumento de juros seria menos surpreendente se a ata fosse menos detalhada na descrição dos problemas. Nesse caso, seria possível acusar o BC de irrealismo ou, pior, de tentar esconder os dados mais preocupantes. Mas a história é outra. Os detalhes mais negativos estão lá, bem explicados e bem avaliados nos 76 parágrafos do relatório. Todos os pontos relevantes foram examinados. Só faltaram as conclusões práticas. Teimosia? Nervos de aço? Ou terá faltado a autorização do Planalto para a mexida nos juros?

A última hipótese é bastante plausível, já que o governo insiste em apresentar a redução dos juros, iniciada em 31 de agosto de 2011, como importante conquista política. Desse ponto de vista, a elevação da taxa seria um retrocesso, mas retrocesso maior, e muito mais perigoso, é tratar a política monetária como parte da retórica eleitoral. De toda forma, podem argumentar os economistas do BC, deverá ser possível conter a inflação com juros bem menores que aqueles observados até há dois anos. Com a maior integração financeira, a política monetária tornou-se mais eficiente. Com isso, a taxa neutra - aquela suficiente para estabilizar os preços - deve ser hoje mais baixa do que foi recentemente. O argumento é plausível, mas a taxa necessária, neste momento, é decerto maior que os 7,25% em vigor.

A ata fornece razões mais que suficientes a favor desse ponto de vista. Para começar, o texto contém pelo menos 11 referências à piora da inflação, com expressões como "mais alta", "mais elevada", "aumento", "resistente" e "dispersão". Em várias passagens, o documento reproduz comentários há muito tempo repetidos por analistas e em geral desprezados em relatórios oficiais.

Merece atenção especial a referência ao índice de difusão, usado por economistas para medir a contaminação dos preços. Esse indicador mostra a porcentagem de itens com elevação de preços em um dado período. Há muito tempo esse número tem oscilado entre 65% e 70% e recentemente passou de 70%. Em outras palavras, os aumentos são espalhados e isso contraria a tese, teimosamente sustentada no discurso oficial, de uma inflação quase restrita ao mercado de alimentos. A referência à dispersão dos aumentos é especialmente importante, porque envolve, apesar de alguma ressalva, o reconhecimento da inflação como um problema bem mais amplo do que em geral se admitia. Além disso, a dispersão, somada a pressões sazonais, contribui para tornar a inflação resistente. Essa "dinâmica desfavorável", segundo a ata, pode ser, mais que um fenômeno temporário, uma "acomodação da inflação em patamar mais elevado". Apesar disso, o comitê recomenda uma política administrada com cautela.

A ata repete velhas advertências sobre a "estreita margem de ociosidade no mercado de trabalho" e sobre o risco de aumentos salariais incompatíveis com o crescimento da produtividade. O texto menciona a política fiscal expansionista, repetindo um alerta já incluído em análise anterior. Ainda assim o Copom reafirma a sua crença em um resultado fiscal de acordo com a meta. A austeridade foi uma da condições apontadas em 2011 para o êxito da redução de juros. Essa expectativa jamais foi confirmada na prática. Mas o Copom insiste em demonstrar sua fé, embora se permita, há algum tempo, citar o expansionismo das contas públicas.

Enfim, a ata menciona o baixo crescimento da produção. Mas isso, ressalva o Copom, é um problema de oferta, fora do alcance da política monetária. Isso têm dito, há muito tempo, os críticos da política econômica.

                                                                                                       

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30