xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 17/02/2013 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

17 fevereiro 2013

Histórias e Estórias do Crato de Antigamente - 17 de Fevereiro de 2013 - Ivens Mourão


PROIBIDO FUMAR
Em agosto de 1951 os Diários Associados inauguraram a primeira rádio do interior cearense e uma das primeiras do Nordeste. O próprio Assis Charteaubriand foi para a inauguração. A casa do meu pai, na Rua Nelson de Alencar, era vizinha (parede com parede) com a Rádio Araripe. Lembro-me bem do Chateaubriand, num terno de linho branco, conversando com outras pessoas, em frente à minha casa.

Assis Chateaubriand inaugurou a Rádio Araripe do Crato

A Rádio Araripe tinha um bom auditório, que servia tanto para apresentação de filmes como para programas de rádio, com a presença de artistas famosos. O porteiro era, nada mais nada menos, do que o famoso “Zé Porrada”. Uma das suas características era integrar-se plenamente naquilo que estava fazendo. Era de vestir mesmo a camisa. Quando falava sobre a Rádio, era com tal entusiasmo que, se alguém não o conhecesse, pensaria que era sócio do Assis Chateaubriand.
Em certa ocasião, Orlando Silva estava na cidade para apresentação de um show, na rádio. Os artistas dos Diários Associados vinham do Rio de Janeiro de avião. A companhia era a Real Transportes Aéreos. Como os vôos não eram diários, ficavam aguardando alguns dias e se incorporavam ao cotidiano da cidade. Orlando Silva, então, decidiu assistir a um filme. Sentou-se na última fila. O cinema estava com pouca freqüência e ele resolveu acender um cigarro. Pra quê! O Zé Porrada chegou-se a ele e, autoritariamente, fazendo jus ao nome, disse:

- “Olha, aqui é proibido fumar. Pode apagar o cigarro!”
Orlando Silva, o “Cantor das Multidões”
NELSON GONÇALVES
A vizinhança com a Rádio Araripe me propiciava ver e, até mesmo encontrar mais à miúde, com Orlando Silva, Nelson Gonçalves, Vicente Celestino, Augusto Calheiros, Ademilde Fonseca, Emilinha Borba, Luiz Gonzaga, as irmãs Batista, Dóris Monteiro, Agnaldo Raiol (ainda criança) e a Orquestra Cassino de Sevilla. Como a Real não tinha vôos diários os artistas faziam as suas apresentações e ficavam na cidade, integrando-se à sua vida alegre e hospitaleira, esperando o vôo que os levaria a Fortaleza ou de volta ao Rio de Janeiro. Lembro-me, por exemplo, do meu tio Hermógenes Martins, que tinha uma extrema facilidade de se relacionar com qualquer pessoa, levando o Orlando Silva até o armazém onde o meu pai trabalhava, para saber do resultado de um jogo do Flamengo. Em outra ocasião, a Doris Monteiro, na calçada da minha casa, conversando com o Diretor da Rádio, Wilson Machado. Eu ouvia admirado, por não entender nada do que ela falava. O sotaque carioca, para mim, era como uma língua estrangeira.
Um dos artistas que mais se integrou à cidade foi o Nelson Gonçalves. Ele ficava na Sorveteria Glória cantando suas belas canções, acompanhado ao violão pelo meu tio Gervásio Martins, irmão do Luís. A bebida dele era especial. Ele mesmo preparava. Chegava ao balcão e pedia à Maria das Neves, funcionária da Sorveteria, para esquentar dois ovos. Enquanto isso, pedia ao Luís, uma Pitu. Falava bem rápido, para disfarçar a gagueira. Colocava a cachaça pela metade do copo. Quando os ovos estavam mornos, despejava no copo, colocava o sal e, com uma colher grande mexia aquilo tudo. De uma talagada só, bebia aquela gororoba.O Gervásio, que tocava com perfeição, embora tivesse só 5% da visão, o aguardava para novos momentos de boa música. Eram tempos tranqüilos e felizes... Ficou famosa a dança do mambo jambo, do Nelson Gonçalves com a Regina Helena, em uma festa no Crato Tênis Clube.
Gervásio, de inteligência privilegiada. Autodidata em tudo. Tocava violão divinamente bem. Acompanhou Nelson Gonçalves no seu show particular na Sorveteria Glória.
Nelson Gonçalves deixou saudades no Crato

Um dos roteiros turísticos imperdíveis do Crato, era a Nascente. Tanto pelo bucolismo da região, quanto pelo famoso “banho da Nascente”, fonte de onde foi canalizada a água para acionar uma turbina inglesa, que gerou energia para a cidade durante muitos anos. O banho era na saída da água da turbina ou na captação, na encosta da Serra. Era o programa de fim de semana das famílias cratenses. À noite, quando não havia freqüência das famílias, constituía-se em cenário de encontros amorosos de casais, em contato direto com a natureza. E o Nelson Gonçalves, como não podia deixar de ser, quis experimentar o banho da Nascente, com tudo a que tinha direito. E foram buscar, na Glorinha, as profissionais. A Glorinha não quis liberar. Só o fez quando alguém falou:
- “Deixe de ser besta! O que é que você está pensando? É pra Nelson Gonçalves, Glorinha!!!”
A CORTINA
A função de porteiro do Zé Porrada na Rádio Araripe não foi das mais fáceis. Dois meninos atazanaram a vida dele. O meu irmão Marcelo, cinco anos mais novo do que eu, e um colega dele, o Antônio Querginaldo, que morava quatro ou cinco casas depois da nossa.
O Zé Porrada estava tranqüilamente no seu posto de porteiro do cinema da Rádio Araripe, se preparando para começar os seus famosos cochilos, quando começou a ouvir assobios e reclamações da platéia, em altos brados. Rapidamente entrou no auditório para saber o que estava acontecendo. Percebeu que a cortina que cobria a tela não tinha sido aberta. Já estava passando o Jornal Atlântida e ninguém conseguia ver nada, com a cortina fechada.
Acontece que o Marcelo e o Querginaldo, de tanto insistirem com o Wilson Machado, Gerente da Rádio, tinham recebido a “tarefa” de abrir a cortina, um a cada vez. O Zé Porrada correu para a cortina e, chegando lá, encontrou atrás da tela os dois meninos embolados no chão, na maior briga. Cada um achava que aquele era o seu dia de abrir a cortina...

FILME IMPRÓPRIO
O Marcelo, o Querginaldo, o Paivinha, e outros meninos da rua costumavam usar de dois artifícios para ver os filmes impróprios. Sentavam-se todos no muro do jardim da casa do Sr. Araújo (representante da Sousa Cruz), na frente da Radio Araripe. Esperavam o Zé Porrada dormir, debruçado sobre a urna onde eram colocados os ingressos. Não demorava muito e o Zé dormia. Então todos eles, um a um, pé ante pé, passavam pelo Zé e sob o único obstáculo que os separavam do cinema: uma corrente cromada de mais ou menos metro e meio. Os meninos costumavam ir para a primeira fila e se acomodavam embaixo das cadeiras, para não serem vistos. Quando o filme terminava, o Zé se surpreendia com os meninos saindo e perguntava surpreso:
- “Como é que vocês entraram?”
- “O xente, você dormiu...”.

O outro artifício se limitava a um deles entrar e abrir a cortina que bloqueava a porta secundária de saída do auditório do cinema. Esta porta tinha umas aberturas na sua parte superior. Sentado no muro do jardim do Sr. Araújo, que era meio alto, tinha-se a perfeita visão da tela da Radio Araripe. Quando o Zé, alguma vez acordava e percebia aquele amontoado de meninos, inclusive eu, não tinha dúvidas: ia fechar a cortina, para o desagrado geral.

Por: Ivens Mourão
Todos os Direitos Reservados

Horário de verão terminou à 0h deste domingo, 17


Terminou à 0h deste domingo (17) o horário de verão. Com isso, no início da madrugada de sábado (16) para domingo, moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país, além de Distrito Federal e de Tocantins, terão de atrasar em uma hora os seus relógios.

Segundo o Observatório Nacional, o horário de verão, que começou em 21 de outubro de 2012,  teve 88 dias. De acordo com o decreto 7.826, os estados que o adotaram foram Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e  Distrito Federal.

G1



Mais da metade dos açudes cearenses tem menos de 30% de acúmulo de água


Barragem Dr. Tibúrcio Valeriano Diniz de Acopiara

Já são 70 reservatórios no Ceará com menos de 30% de seus volumes totais, segundo boletim divulgado pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), órgão ligado à Secretaria dos Recursos Hídricos do Estado (SRH). Esse número de açudes equivale a mais da metade das 139 represas monitoradas pela Cogerh. Os 20 reservatórios em pior situação – com menos de 10% de capacidade, o que é considerado crítico pela Companhia – encontram-se em sete das 12 regiões hidrográficas em que está dividido o Ceará.

A maior preocupação está voltada para o açude Madeiro, em Pereiro, no Médio Jaguaribe. Apenas 2,54% de seu volume ainda continua represada – no fim de fevereiro de 2012, eram 15,59% de seu volume. O segundo em pior condição é o Pirabubu, em Quixeramobim, cidade a 206,1 km de Fortaleza. Do dia 22 de fevereiro de 2012 até ontem, 15, seu volume saiu de 19,65% para 3,72%.

O terceiro reservatório com menor volume fica em Mauriti, no sul do Estado. Restam apenas 3,86% de água no Quixabinha. Antes, em fevereiro do ano passado, seu volume era de 14,8%. No final da estação chuvosa de 2012, em maio, os reservatórios do Estado estavam com 66,21% de sua capacidade preenchida. Atualmente, são 45,64% de seu total. De acordo com o assistente da Diretoria de Operações da Cogerh e membro do Comitê Integrado de Combate à Seca, Gianni Lima, há grande variabilidade temporal e espacial das chuvas no Ceará de modo que, mesmo diante de quadra chuvosa com precipitações generosas, alguns açudes podem continuar com volumes críticos.

As simulações realizadas pela Companhia, prevendo cenários onde não haja recarga através de chuvas ou de outros veios d’água, indicam que esses 70 reservatórios podem atingir, até o final do ano, o chamado volume morto, quando a pouca quantidade de água está em qualidade não aproveitável. O Ceará tem um déficit histórico entre a média anual de 700 mm de precipitações e os 2.000 mm de evaporação durante o mesmo período. Ao evaporar, resíduos vão se sedimentando no fundo dos reservatórios caso não sejam liberadas pelas galerias dos açudes.”

Milhã, Quiterianópolis, Itapajé e Tamboril são exemplos de municípios cujos reservatórios chegaram a níveis mínimos. Há ainda a possibilidade de que outras cidades do Interior, como Tauá, Crateús e Acopiara entrem em colapso caso os níveis de seus açudes não se restabeleçam. Lima afirma ainda que, com exceção das áreas no leste do Estado abastecidos pelo ainda inconcluso Eixão das Águas e reservatórios perenizados como o Orós e o Castanhão, todas as regiões são dependentes das chuvas para abastecimento.
 
Lindomar Rodrigues - O Povo
Colaborador do Blog do Crato e Portal Chapada do Araripe




A COMÉDIA DA MALDIÇÃO Texto e Direção de Cacá Araújo


A fantástica e misteriosa história de uma bela jovem que se amancebou com um padre e foi condenada a uma terrível maldição: virar mula-sem-cabeça! Uma das mais tradicionais lendas brasileiras recontada num grande espetáculo de rua para todas as idades...

Elenco:
Jonyzia Fernandes – Ana Expedita
Márcio Silvestre – Vigário Felizberto
Cacá Araújo – Tandô
Orleyna Moura – Viúva Fantina
Joênio Alves – Mãe Luzia e Zulmira
Joseany Oliveira – Beata Carmélia e Leide Zefa
Samara Neres – Irmã Francilina e Ladra
Michelle Lima – Cibita
Henrique Macêdo – Fotógrafo Jorjão
Paulo Fernandes – Dono da Bodega
Emerson Rodrigues – Padre Sebastião
Josernany Oliveira – Brincante da Mula

Músicos:
Lifanco – viola
Jean Alex – rabeca e percussão
Jéssika Bezerra – percussão
Elenco – percussão

Técnica:
Texto e Direção Geral: Cacá Araújo
Assistência de Direção: Orleyna Moura
Cenografia, Sonoplastia e Iluminação: Cacá Araújo
Maquiagem e Figurino: Joênio Alves
Guarda-Roupa: Luciana Ferreira
Operação de Som e Luz: Emerson Rodrigues
Música: Lifanco e Cacá Araújo
Cenotécnica, Fotografia e Vídeo: Wideny Toyota
Produção Executiva: Joseany Oliveira
Produção Geral: Sociedade Cariri das Artes
Realização: Cia. Brasileira de Teatro Brincante

A COMÉDIA DA MALDIÇÃO
Texto e Direção de Cacá Araújo
Música de Lifanco


Escolha do novo papa pode acontecer antes do previsto


Vaticano anunciou que o conclave pode começar antes de 15 de março, se houver quórum de cardeais suficiente em Roma

[Acontecimentos podem ocorrer mais rapidamente, já que a Igreja está lidando com uma renúncia anunciada previamente, e não com uma súbita morte do pontífice] AP Photo/Gregorio Borgia Acontecimentos podem ocorrer mais rapidamente, já que a Igreja está lidando com uma renúncia anunciada previamente, e não com uma súbita morte do pontífice

O Vaticano disse neste sábado (16) que o conclave que escolherá o sucessor do papa Bento 16 começará antes de 15 de março se houver quórum de cardeais suficiente em Roma. O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, afirmou que as regras da Igreja definem que a data dos conclaves pode ser "interpretada" diferentemente desta vez, já que se trata de uma circunstância extraordinária, após a histórica renúncia de Bento 16.

Ele afirmou anteriormente que o conclave começaria entre 15 e 20 de março, de acordo com as regras existentes. Mas, neste sábado, ele disse que os acontecimentos podem ocorrer mais rapidamente, já que a Igreja está lidando com uma renúncia anunciada previamente, e não com uma súbita morte do pontífice. O conclave que escolherá o sucessor de Bento 16 terá a participação de cinco cardeais brasileiros com direito a voto e que podem ser eleitos pontífices.

Legado de Bento 16 será marcado por sua renúncia

Veja os desafios que aguardam o novo papa. Papa vai ter segurança e imunidade ao ficar no Vaticano

O arcebispo emérito de São Paulo, dom Claudio Hummes, terá 78 anos quando começar o processo de escolha do novo papa, marcado para a segunda metade de março. Ele será acompanhado do atual presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno, que completa (completou) 76 anos em 15 de fevereiro e também é arcebispo de Aparecida. Os outros três brasileiros no conclave são o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, no Vaticano, dom João Braz de Aviz, 65; o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, 63; e o arcebispo de Salvador e ex-presidente da CNBB, dom Geraldo Majella Agnelo, que completará 80 anos em outubro.

Reuters
 

Milionário da Mega Sena perdeu a eleição em Senador Pompeu e mais R$ 3 milhões


Chico de Jeová ganhou R$ 26 milhões na Mega sena em 2009. O dinheiro passou quase dois anos na poupança se multiplicando. Ele era um homem simples em Senador Pompeu. Quando ele começou a movimentar o dinheiro, comprando tudo que olhava e pagando bebida para o povão, seu segredo estava revelado: Chico de Jeová era o milionário da Mega sena. A notícia se espalhou. Rico, poderoso e sem votos, ele trocou o PT pelo PTB, na verdade comprou o PTB da terra dele.

Se lançou candidato numa chapa com Maurício Pinheiro, o Maurição, na sua vice. O adversário era Valires, irmão do Luizinho do Inharé, o prefeito que passou oito meses na cadeia. A campanha iniciou e Chico de Jeová gastando. Ele gastava com ele e a irmã dele, Dalvinha do Jeová, candidata a veradora. Faltando 28 dias para a eleição enquanto Chico de Jeová se espreguiçava numa rede, contando votos e dinheiro, a justiça libertava Luizinho de Inharé, irmão do seu adversário e o Teixeira, prefeito de Senador Pompeu. Os dois estavam há 10 meses na cadeia, por roubo, assalto aos cofres da prefeitura de Senador Pompeu. Chico de Jeová não se

preocupou, parou de gastar. O prefeito Teixeira e Luizinho do Inharé sairam comprando votos. No dia da eleição o milionário Chico de Jeová queria quebrar todas as urnas eletrônicas. Perdeu a eleição por uma diferença de 400 votos, na verdade recebeu 7.600  votos, o mesmo número que Maurição já tinha conquistado sozinho em 2008. A irmã de Chico também foi derrotada na eleição para vereadora. Senador Pompeu é o retrato da política do Ceará.

Lindomar Rodrigues - Blog do Roberto Moreira


Moradores de Santana do Cariri aguardam beatificação


Moradores de Santana do Cariri estão contentes com a possibilidade de a órfã virar santa reconhecida

Santana do Cariri. Era um fim de tarde, do dia 24 de outubro de 1941. Benigna Cardoso da Silva perdia a vida ao defender sua castidade. Tornou-se a mártir da pureza na pequena vila, hoje conhecida como distrito de Inhumas, a 2 quilômetros da sede de Santana do Cariri. Aos 13 anos, a menina órfã teve o destino selado pelos golpes do facão do seu algoz, Raul Alves Ribeiro. Hoje, mais de 71 anos depois, a menina Benigna, como é chamada pela maioria dos moradores de Santana, tornou-se "Serva de Deus", uma designação da Igreja Católica. A recente autorização para abertura do processo de beatificação da adolescente martirizada é motivo de comemoração na cidade, onde a maioria das pessoas, pelas centenas de graças alcançadas e milagres, a consideram uma santa.

Os restos mortais de Benigna Cardoso da Silva foram sepultados na Igreja Matriz de Santana do Cariri no mês de maio do ano passado. Milhares de pessoas participaram do ato. Muitas delas já louvam a menina santa fotos: Elizângela Santos

No próximo dia 16 de março, segundo o postulante da causa de Benigna, o monsenhor italiano, Vitaliano Matiolli, deverá ser iniciada a abertura oficial do processo, numa cerimônia simples, no Crato, para análise de todos os procedimentos, inclusive jurídicos. O encaminhamento dos documentos deve acontecer até o mês de dezembro deste ano, para o Vaticano. Possivelmente, até o Natal, conforme o monsenhor. Ele é responsável pela tradução do processo para o latim, designado pelo bispo diocesano do Crato, dom Fernando Panico.

De acordo com o postulante, monsenhor Matiolli, os documentos devem estar perfeitos, em todos os aspectos exigidos pela Congregação dos Santos. Foram apenas oito meses para a resposta, após o encaminhamento da primeira parte da documentação do pedido de abertura do processo. A Diocese iniciou as pesquisas em 2011, 70 anos depois da morte da mártir.

A primeira parte da documentação foi enviada, então, para análise. Até outubro, mês da Romaria de Benigna, em Santana do Cariri, a expectativa é que a maior parte dos levantamentos históricos e testemunhais esteja finalizada. Vários aspectos são analisados nos processos, desde questões econômicas, sociais, culturais, históricas e propriamente religiosas, que envolvem os fatos relacionados ao primeiro caso de processo de beatificação no Estado.

São 13 depoimentos de contemporâneos da menina Benigna. Para preencher os critérios exigidos, faltam apenas três deles, que deverão acontecer nos próximos dias. São 42 perguntas a serem respondidas. Isso quer dizer que a Diocese, com uma comissão diocesana pela causa de Benigna, trabalhou bem. São cerca de 100 depoimentos com testemunhas de graças alcançadas e milagres. E no pequeno povoado de Inhumas, de pouco mais de 500 pessoas, os moradores não se cansam de expressar a alegria e continuar rezando pela causa de Benigna o seu reconhecimento oficial.

O monsenhor destaca a rapidez da resposta para a abertura dos processos, o que normalmente, segundo ele, pode demorar até três anos. E são dezenas de pedidos no Brasil, segundo o chanceler da cúria diocesana e integrante da comissão, Armando Rafael. Para monsenhor Matiolli, a esperança é que a análise do processo seja breve. Ele afirma que será feito um trabalho com carinho e responsabilidade.

Quanto à mudança do papa Bento XVI, nem o monsenhor ou mesmo o pároco da matriz de Nossa Senhora Santana, Paulo Lemos, acreditam que haverá mudanças que possam atrasar ou impedir o processo, até porque não deverá ter alterações na Congregação dos Santos.

Os fogos de artifícios ecoam pela cidade, desde o último dia 6 de fevereiro, quando foi feito o anúncio pela Diocese. Agora, segundo o pároco local, é importante que a população compreenda o que está acontecendo. "Muitas pessoas ainda não estão entendendo e a Igreja cumpre o papel de levar essas informações", diz ele.

O historiador Ypsilon Félix faz parte da comissão diocesana. Tem a responsabilidade de um dos capítulos do processo, relacionado à "Fama de Santidade de Benigna". Tem reunido todos os documentos, depoimentos e divulgações relacionados à propagação do milagre. E esses fatos não param de ocorrer. Um santuário foi construído pelos próprios moradores, na entrada do distrito, próximo do local onde a menina foi assassinada, no Sítio Oitis. "Agora vamos iniciar a preparação de um filme contando a vida de Benigna. Todas as informações sobre os fatos estão sendo levantadas, para dar segmento do projeto", ressalta.

Para o padre, o sinal verde nada impede que o processo de beatificação da "Heroína da Castidade" seja iniciado. O sacerdote traz a experiência das grandes romarias de Juazeiro, como administrador da Basílica de Nossa Senhora das Dores por vários anos. Ano passado, mais de 10 mil pessoas estiveram na cidade para participar da romaria pelos 71 anos de morte da "Serva de Deus", pelo reconhecimento do Vaticano. No período em que houve o sepultamento dos restos mortais, na igreja matriz, mais outra leva de milhares de pessoas. Na pequena Inhumas as pessoas apontam a escola onde a menina estudou, falam das pedras negras, com as marcas do sangue de Benigna. O místico envolve a comunidade de senhores e senhoras.

Celebração

72 anos de morte de Benigna serão lembrados no dia 24 de outubro deste ano, durante celebração. Neste período acontece a maior romaria do ano em seu louvor

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaboradora do Blog do Crato e Portal de Notícias Chapada do Araripe


Aumenta número de doadores de órgãos no Ceará


O Ceará melhorou os indicadores de transplantes em 2012 e manteve posições conquistadas no ano de 2011 no Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), publicação oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). Com 21,4 doadores efetivos por milhão da população, o Estado permanece em terceiro lugar do país, atrás de Santa Catarina (26,4) e do Distrito Federal (21,8). O número de doadores efetivos no Ceará passou de 148 em 2011 para 181 no ano passado. Por milhão da população, o número o número de doadores efetivos foi de 17,5 em 2011. Na efetivação das doações, o Ceará teve no ano passado 171 doadores com órgãos transplantados (140 em 2011), índice de 20,2 doadores por milhão da população, também o terceiro melhor do país. Em todo o Brasil, o número de doadores efetivos e de doadores que tiveram órgãos transplantados por milhão da população foi de 12,6 e 12,0, respectivamente.

Campeão em fígado

A exemplo do ano anterior, o Ceará figura no RBT como o maior transplantador de fígado do país em 2012, em número proporcional. Foram realizados no Estado 18,9 transplantes de fígado por milhão da população em 2012, mais que Santa Catarina (17,9), Pernambuco (15,2) e Distrito Federal (15,2). Em números absolutos, o Ceará foi o segundo em transplantes de fígado, com 160 procedimentos, atrás apenas de São Paulo, que realizou no ano 586 cirurgias. Outra posição mantida pelo Ceará foi a de segundo lugar em transplantes de coração. Por milhão da população, o número de transplantes desse órgão passou de 3,0 em 2011 para 3,3 em 2012, superado pelo Distrito Federal, com fez 7,0 transplantes de coração por milhão da população em 2011. Por estado, o número total de transplantes de coração foi de 78 em São Paulo, 30 em minas Gerais e 28 no Ceará.

Transplantes de pulmão são realizados em apenas quatro estados – Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Ceará, que começou a realizar esse tipo de procedimento em 2011. Já no primeiro ano, o Estado ficou com a segunda melhor taxa de transplantes de pulmão por milhão da população. No ano passado, o Ceará realizou quatro transplantes de pulmão (0,5 pmp/ano). Esses números foram mantidos em 2012 e deram ao Estado a terceira colocação em número de transplantes e em transplantes por milhão da população.
 
Em 2012 foram realizados 284 transplantes de rim (28 a mais que no ano anterior), 10 de rim/pâncreas, 28 de coração (três a mais que em 2011), 158 de fígado (quatro a mais), quatro de pulmão, 26 de medula óssea (nove a mais), 15 de válvula cardíaca, 718 de córnea, um de pâncreas isolado, dois de pâncreas pós-rim e 20 de esclera (três a mais que em 2011). O total de 1.268 transplantes de 2012 é superior aos realizados anualmente até 2010. Desde 2007 o Ceará bate recordes sucessivos de transplantes. Naquele ano, foram realizadas 654 cirurgias, contra as 446 do ano anterior. Em 2008, novo recorde, com 742 transplantes realizados. Em 2009, foram 760 transplantes, e em 2010, o total ficou em 872. Em 2011, a marca dos mil procedimentos foi ultrapassada com a realização de 1.297 transplantes.

Assessoria de Comunicação da Sesa



Mais uma noite de chuva no Crato - Domingo, 17 de Fevereiro de 2013


Bom dia, Crato!



Mais uma noite de chuva em Crato e a previsão é de mais chuva neste Domingo, 17. Os órgãos de meteorologia indicam que a quadra invernosa ( de chuvas ) já começou oficialmente. Um ótimo dia para ler um bom livro.

Dihelson Mendonça
Com informações do Goes12, Climatempo e INPE


R E F L E X Ã O - Por: Wilson Rodrigues


Certa vez um Rei tinha quatro esposas. Dava a cada uma um tratamento diferente, de acordo com seus sentimentos. Para a quarta esposa o Rei dava os melhores presentes, os melhores perfumes, as melhores vestes e a levava a presença de outros Reis. Mas era pela terceira esposa que o vaidoso Rei tinha o maior zelo e nela depositava todo seu ciúme. Pela segunda esposa seu sentimento era de apreço, estima e consideração. Era a quem ele falava de seus negócios e confidencias. Já pela primeira esposa o Rei não dava tanta importância, por ser ela raquítica e inexpressiva aos seus olhos. Certa vez o Rei adoeceu e nos seus últimos momentos chamou a quarta esposa e disse: “querida mulher, você sempre recebeu de mim a minha melhor atenção e preocupação. Dei-te os melhores presentes e tudo que me pedistes. Agora minha vida está no fim, você quer morrer comigo?” A esposa respondeu: “Que proposta mais absurda, meu Rei. Você deve morrer sozinho, me deixe fora disto”. O Rei chamou a terceira esposa e disse: “querido amor, por você sempre te dei o melhor trato. Cuidei de você a vida inteira e nunca deixei te faltar nada. Estou morrendo, queres morrer comigo”? Ela respondeu: “Querido Rei, não morrerei contigo, foi bom enquanto durou e logo que você morrer casarei com outro”. Então o Rei chamou a segunda esposa e disse: “mulher, por você dei todo o meu carinho, esforço e admiração. Estou morrendo, queres morrer comigo? A esposa disse: “Não morrerei contigo meu Rei. Logo que você se for, eu estarei na posse de outro, morra sozinho”. Logo entrou no quarto a primeira esposa, aquela que foi a vida inteira ignorada e disse: “meu Rei, meu amor, morrerei com você e irei onde você for”.

A moral da historia é que este Rei pode ser eu ou você. A quarta esposa é representada em nossas vidas pelo nosso corpo, a quem oferecemos todos os nossos esforços para mantê-lo em bom estado de conservação e sempre bonito para os outros admirá-lo. Gastamos uma fabula nas academias, lojas e boutiques, dando a ele o que há de melhor. A nossa terceira esposa significa as nossas posses, nossos bens materiais, pelos quais somos apegados e ciumentos ao ponto de não querermos dividi-los com ninguém. A segunda esposa é representada pela nossa família a quem depositamos nossas confidencias e problemas. Por ela temos o respeito, preocupação e cuidado extremo. A primeira esposa é a nossa alma, que pouco zelamos e nem sequer lembramos-nos dela ao ponto de pensar que ela nem existe. Porem a alma representa as partes material e imaterial do homem. Em seu mais básico significado ela significa VIDA e se refere a pessoa como um todo “Viva ou Morte”. A alma é diferente do espírito. O espírito se refere somente a faceta imaterial humana, porem interligado a ALMA.

Wilson Rodrigues
Radialista/Membro do Blog do Crato e Portal de Notícias Chapada do Araripe


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30