xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 22/04/2012 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

22 abril 2012

Como manter sua instalção elétrica segura

Quadro de luz 

É a peça chave inicial das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material não-combustível, tanto na sua parte interna ou externa. Se o quadro de luz for antigo ou de madeira, por exemplo, é aconselhável trocá-lo o quanto antes. O quadro de luz não pode ser colocado em áreas "molhadas", como banheiro ou próximo de tanques e pias. Ele também precisa ter livre acesso, não devendo estar escondido no interior de armários. Recomenda-se ainda a distância de lugares onde haja instalações a gás. Uma faísca qualquer pode resultar num desastre fatal. Os quadros de energia devem ser protegidos por uma barreira que evite o acesso aos barramentos ou fios da instalação elétrica, evitando assim o choque elétrico. 

Disjuntores 

Apesar de haver a permissão de uso de alguns tipos de fusíveis, é recomendável que se use disjuntores como dispositivo de segurança contra sobre-cargas. Ele funciona como um guarda costas da instalação elétrica e desliga toda vez que sua capacidade é ultrapassada. Neste caso, é necessário verificar o problema. Depois de sanado, basta religá-lo, diferente de um fusível, que necessita ser substituído. 

Na residência, loja ou escritório, os circuitos são divididos e devem ser protegidos por disjuntores de acordo com a capacidade de cada circuito. Vale lembrar que o disjuntor ou fusível serve para proteger os fios contra sobrecargas, não os equipamentos. Portanto não devemos substituir os disjuntores sem antes avaliar os fios dos circuitos. 

Fiação 

A escolha da bitola (tamanho) do fio ideal para cada circuito deve levar em conta as cargas associadas a cada circuito. As bitolas mínimas recomendadas são de 1,5mm² para iluminação e 2,5mm² para tomadas de força. Circuitos especiais, como do chuveiro ou da torneira elétrica devem ter a potencia do equipamento como parâmetro para a determinação da bitola do fio. Atenção com os fios que não ficam embutidos nas paredes. Eles precisam estar sempre com uma segunda capa plástica protetora, além da isolação. É recomendável instalálos dentro de canaletas aparentes. No caso dos aparelhos de ar condicionado, a bitola recomendada para o fio é de no mínimo 6 mm² (também para o fio terra). 

O chuveiro elétrico também requer tratamento especial, tanto na fiação quanto nos disjuntores no quadro de força. É necessário um disjuntor bipolar (ou dois unipolares). Do quadro de força sairão dois fios (bitola 6 mm²), direto para o chuveiro, além do fio terra (também de 6 mm²). 

Interruptores e tomadas 

A distribuição dos fios até esses pontos requer estudo minucioso das necessidades da casa para evitar que no futuro fiquem sobrecarregados e incentivem o uso de "extensões" e "benjamins". Uma dica é sempre disponibilizar mais tomadas que o mínimo obrigatório. Não se deve usar tomadas em equipamentos de grande potência, como é o caso de chuveiros e torneiras elétricas. Estes equipamentos devem ser interligados por conectores especiais. 

Cordões paralelos ou torcidos 

Embora proibidos pela norma, são muito comuns no Brasil e empregados nos rodapés com braçadeiras plásticas. Este segundo acessório, que leva dois preguinhos, é capaz de fazer um grande estrago caso um desses pregos atinja o fio. Dicas Sobre Instalações Elétricas Prediais • Nunca aumente o valor do disjuntor ou do fusível sem trocar a fiação. Deve haver uma correspondência entre eles. • A menor bitola permitida por norma para circuitos de lâmpadas é de 1,5mm² e para tomadas é de 2,5mm². • Devem ser previstos circuitos separados para iluminação e tomadas. • Nunca inutilize o fio terra dos aparelhos. Ao contrário, instale um bom sistema de aterramento na sua residência. • Nunca utilize o fio neutro (cor azul) como fio terra. • Mantenha o quadro de luz sempre limpo, ventilado e desimpedido, longe de botijões de gás. • Evite a utilização dos chamados “benjamins” ou “Ts”, pois o uso indevido dos mesmos pode causar sobrecargas nas instalações. Para resolver o problema, instale mais tomadas, respeitando o limite dos fios. • Recorra sempre aos serviços de um profissional qualificado e habilitado. 

Fonte: http://www.brumaxeletrica.com.br/noticias.php?url=dicas-de-seguranca-eletrica
Por: George Cruz

Filme cearense é exibido na Europa


Depois de ser lançado em Fortaleza e exibido em países de Língua Portuguesa, "O Auto da Camisinha" chega à Europa para mais uma exposição. O filme tem o apoio cultural do SESC Ceará e participações de Chico Anysio.

Dirigido pelo cearense Clébio Viriato, o filme conta ainda com Gero Camilo, Carri Costa e Nadia Aguiar, no elenco. A próxima exibição acontece no dia 27 de abril, em Genebra, na Suíça, com duas sessões, às 19h e 21h. Adaptado da obra de José Mapurunga, "O Auto da Camisinha" [L’ éloge de La capote] trata, de maneira divertida, a necessidade do uso do preservativo nas relações. A comédia de 45 minutos tem como cenário a pacata cidade Juatama, localizada no interior cearense.

No espaço, os personagens vivenciam a história da súbita paixão entre Quarto Besouro e Lionor, uma diretora de teatro que deseja ganhar o título de Patrimônio Folclórico da Humanidade. Quarto Besouro é quem decidirá se Juatama merece o título. A obra cinematográfica, lançada em dezembro de 2011, já foi exibida em Cabo Verde, Timor Leste, Guiné Bissau e Angola, através da Rádio Televisão Caboverdiana [RTC]. No Brasil, o UNICEF (escritório Ceará) distribuiu o filme em 440 municípios dos estados do Piauí, Maranhão e Ceará.

“O Auto da Camisinha” foi promovido pelo Governo do Estado do Ceará, por meio das secretarias estaduais da Cultura e da Saúde, além do Ministério da Saúde, com patrocínio da COELCE e do Banco do Nordeste.

SERVIÇO:

"O Auto da Camisinha"
Local: Genebra - Sala Marratina Gandhi, no prédio da Maison Internationale des Associations [Rue des Savoises 15, 1205]
Data: 27/4
Horários das sessões: 19h e 21h

* Com informações do SESC Ceará

Bandas alternativas buscam espaço na região do Cariri


Crato. Atualmente, existem mais de 100 bandas e grupos musicais alternativos na região do Cariri. Eles apresentam seus shows nos mais variados formatos, com performances que vão desde a tradição regional até o rock. Entretanto, todas as vertentes sofrem uma concorrência desleal com a música de massa, principalmente a produzida pelas bandas de forró eletrônico.

Para os grupos alternativos, os espaços para divulgação de seus trabalhos em emissoras de comunicação ainda é restrito, uma vez que a programação da maioria delas é voltada para o gênero do forró eletrônico. Para apresentar seus shows, os grupos musicais alternativos caririenses dispõem de espaços em instituições que trabalham a contracultura, como o Serviço Social do Comércio (Sesc), o Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB) ou as secretarias municipais de Cultura, em que os aspectos fogem do foco da cultura consumida pela grande massa e privilegiam as demais iniciativas artísticas e culturais. Considerando que, em Fortaleza, há uma rotatividade maior de público e mais espaço para shows, a frequência de bandas que fazem cover é maior, se comparada com outras regiões do Interior do Estado.

Trabalhos autorais
 
No Cariri, o número de bandas que produzem trabalhos autorais é predominante. Estima-se que apenas 30% delas fazem cover. As mais conhecidas são a Rei Bulldog, Dead Rose e Los The Os. Já para os artistas com trabalhos autorais, o destaque é para Abidoral Jamacaru, Dr. Raiz, Glory Fate, Nightlife, Dudê Casado, Al Capone, Tá é Bebo, Sabunbeiros Cariris e Cantigar.

Apesar do pouco espaço na mídia, na região existem cerca de dez produtoras musicais que trabalham com o cenário alternativo, como a Sertão Pop e a Mundo Cariri, que esporadicamente promovem eventos e produzem álbuns. Os trabalhos precisam, muitas vezes, ser pagos pelos próprios componentes das bandas. Os custos dos investimentos em instrumentos, em equipamentos, gravações e pessoal são altos e, por não ter muito espaço para tocar, a realidade dos músicos acaba ocultando o glamour das apresentações. Diante da falta de recursos e de um mercado consumidor que não oferece muitas possibilidades, a maioria deles não utiliza a música como forma de sobrevivência, e são quase que obrigados a trabalhar também em outros setores.

De acordo com o gestor técnico do Programa Cultura do Sesc, Antônio Queiroz, para a valorização dos trabalhos alternativos, autorais ou cover, falta iniciativas do poder público no que diz respeito à instalação de equipamentos que ofereçam espaços para que as apresentações aconteçam de uma forma digna.

"A gente vê que existem vários projetos legais que não são consolidados por falta de investimentos. Atualmente, as verbas para a cultura são insuficientes. É preciso que haja um pouco mais de interesse dos gestores públicos quanto ao reconhecimento da importância dos grupos culturais. A iniciativa privada também precisa dar sua contribuição", considera.

Falta de estrutura

Na região do Cariri há uma necessidade latente por espaços adequados para realização de apresentações culturais. Os locais que hoje são disponibilizados estão sem incrementos, adaptações e recursos técnicos satisfatórios e por isso permanecem sem qualquer utilidade. Além do Parque de Exposições Pedro Felício Cavalcante, em Crato, do Parque de Eventos Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, e do Parque da Cidade, em Barbalha, tomados pela iniciativa privada para a realização de eventos que agradam aos consumidores da cultura de massa, ainda não existe nenhum espaço público voltado especificamente para a realização de eventos culturais de grande porte.

O Governo do Estado iniciou a construção de um Centro de Convenções no Cariri, mas, desde 2009, a obra está em andamento e sem previsão para término. O equipamento está orçado em R$ 9,6 milhões e, quando estiver pronto, terá capacidade para acolher, além de grandes eventos culturais, como apresentações de música, teatro e dança, seminários e fóruns de negócios. Na cidade do Crato, no Centro Cultural do Araripe, raramente acontecem ações. O espaço está sendo mal utilizado. A frequência de shows alternativos de bandas autorais nos Municípios caririenses é pequena, chegando a ser de apenas duas apresentações por mês. Alguns grupos fazem apenas uma a cada seis meses. A remuneração dos artistas também é baixa. Os cachês são bem mais inferiores do que os pagos a bandas conceituadas pelas emissoras de rádio. A desvalorização artística está diretamente atrelada à demanda de mercado. 
 
Programação
Toda a programação pretende trabalhar a formação e melhoramento do senso crítico dos participantes e músicos. As oficinas serão de técnica vocal, de bateria, que terá como facilitador o baterista internacionalmente conhecido por fazer parte da banda Almah e Burning in Hell, Marcelo Moreira. A de contrabaixo elétrico será ministrada por Marcelo Randermarck, baixista, compositor e arranjador e de guitarra, que terá como instrutor Artur Menezes.

As inscrições para o seminário são gratuitas e acontecem no mesmo período da Mostra de Bandas. Já o projeto Som das Tribos, que será promovido nos intervalos entre as bandas, trará exibições de clipes e shows, respeitando o gênero do dia. Ao todo, estão sendo esperadas mais de cinco mil pessoas durante o evento. O grande diferencial do Armazém do Som é que a programação dá oportunidade para as bandas de garagens da região se apresentarem. Atualmente, ainda não há espaço para que elas tenham uma boa visibilidade na dinâmica de apresentações. Sem espaço nas emissoras de rádio, os grupos ficam limitados apenas aos ensaios. A mostra já se configura como a porta de entrada no cenário musical. Por meio das apresentações, as bandas adquirem público e experiência com a troca de informações com outros músicos. Os grupos que se destacam durante a mostra acabam entrando em outros projetos promovidos pelo Sesc e também por outras instituições.

Diversidade

Pela sua duração, quantidade de apresentação e público diversificado, a Mostra de Bandas Armazém do Som representa um dos maiores eventos de música da região do Cariri. Na edição anterior, mais de seis mil pessoas puderam conferir 30 bandas, desde as que estavam em sua primeira apresentação até aquelas mais experientes e com carreira já consagrada, como Simone Soul e a banda Almah. Neste ano, as apresentações mais aguardadas são as dos grupos que vão fazer tributos a bandas internacionais. A banda Prowler, por exemplo, está sendo uma das mais aguardadas pelo público que curte rock. A programação que é inteiramente gratuita acontecerá através da distribuição de senhas para os shows de cada noite

Mais informações
Serviço Social do Comércio (Sesc)
Rua da Matriz, 227, Bairro Centro - CratoRegião do Cariri
Telefone: (88) 3581.1065

YAÇANÃ NEPONUCENA
Repórter do Diário do Nordeste

Domingo - Crato amanhece debaixo de chuva

Bom dia, Crato !
Hoje, 22 de Abril de 2012. Há exatos 512 anos, o Brasil era descoberto por Cabral. Há muito o que se falar sobre este evento, e ao longo do dia, trataremos do assunto em diversas crônicas. Mas indo ao ponto que realmente interessa, abri este pequeno espaço agora apenas para dizer que hoje, como nos últimos 3 dias, tem amanhecido chovendo no Crato. Temos tido dias de sol com muitas núvens, e madrugadas chuvosas. Hoje foi a maior delas. Mesmo no momento em que escrevo estas linhas ( às 06:00 ) cai o maior "toró" sobre a cidade. Mas a previsão e a foto do satélite indicam dia de sol. Vamos conferir ?


PREVISÃO DO TEMPO:

Domingo, 22/04
Nascer do sol: 05h39
Pôr-do-sol: 17h33
Temperatura - Max 33º - Min 22º
Possibilidade de chuvas:  * 2mm  80% -
Ventos:  * E - 12km/h
Umidade Relativa do Ar: 95% 50%

Sol com aumento de nuvens ao longo do dia. À noite ocorrem pancadas de chuva.
Outros Dados:
horário     06h     09h     12h     15h     18h     21h
direção do vento     E     ESE     ESE     ESE     E     E
velocidade do vento (km/h)     8     9     16     17     14     9
pressão (hPa)     1012     1013     1014     1013     1012     1012
Umidade relativa (%)     94     94     72     57     50     59

Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31