xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 13/06/2011 | Blog do Crato
.

VÍDEO - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - Prefeito do Crato é escolhido um dos melhores prefeitos do Ceará pela PPE Eventos, em Fortaleza. ( 09-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

13 junho 2011

Por quê não existem mais salas de cinema ? - Cinema é um negócio, como outro qualquer !


CINEMA É UM NEGÓCIO EXPLORADO PELA INICATIVA PRIVADA. Não existem salas de cinema ( de lucro ) bancadas pelo poder público, desde que mundo é mundo.

Olá, gente, Bom Dia!

Fico irritado quando vejo comentários de gente reclamando certas coisas absurdas, por exemplo, de que no Crato existiam 5 salas de cinema e hoje não existe mais. Agora...porquê que não existe mais ? Você sabe ? É preciso que as pessoas compreendam que não existe nenhuma sala de cinema ( de lucro ) bancada pelo poder Público. NUNCA HOUVE! Você não vê sala de cinema de prefeitura, nem do Estado nem da União, que apresente filmes como Avatar, Robocop, e a cambada hollywoodiana. Podem existir cinemas de Arte ( como o do BNB ), que tem patrocínio, mas não das mega-produções de Hollywood, porque Hollywood vive de dinheiro.



SALAS DE CINEMA SÃO DA INICIATIVA PRIVADA, GENTE!


Ponham isso na cabeça. Cinema é um negócio que sempre foi explorado pela iniciativa privada. Todos os cinemas que o Crato já teve foram bancados pela iniciativa privada. Se o Crato ou qualquer outra cidade do Brasil não possui mais salas de cinema, não é culpa nem do município, nem do Estado e nem da União. Culpem a inicativa privada, que deixou de ter interesse em explorar o negócio do cinema.

É bom que algumas pessoas entendam as coisas, leiam mais pra não ficar repetindo jargões que ouviram pelos calçadões do Crato, dizendo que aqui não tem mais salas de cinema. Não tem, porque nenhum empresário quis mais explorar o ramo.

O COMODISMO DOS CRATENSES

A cidade precisa também caminhar com as próprias pernas e parar de culpar os "deuses" pelos seus fracassos. Quem for progressista, porque não dá o primeiro passo? porque não param de jogar lixo nas ruas ? porque não pára de queimar o lixo em praça pública ? porque não param de colocar entulho de construção e reforma na rua? porque não procuram as autoridades para relatar os problemas da sua cidade ao invés de ficar apenas falando mal e se lamentando ?

Nas Artes: porque não começam a telefonar para as estações de rádio e pedem pra mudar aquele repertório de merda onde só tocam forró eletrônico ?

Para mudar o mundo, primeiro é preciso mudar primeiro a nós mesmos. Só tô vendo um bando de gente acomodada, que na hora de ir paras as ruas lutar pelo que é nosso, como naquele tempo em que se organizou uma passeata para protestar contra a ida do SESI para Juazeiro, não foi ninguém. Os Cratenses preferem ficar em casa com a bunda colada nas cadeiras vendo Televisão e votando em políticos do juazeiro, que NUNCA irão trazer coisa alguma para nossa cidade. Vamos nos movimentar, se quisermos que algo de bom aconteça, e não ficar só esperando cair do Céu !

Por: Dihelson Mendonça

Tantos assuntos e coisa nenhuma - Por: Emerson Monteiro




Ontem quase meio dia, numa dessas quintas-feiras. Visitava o meu amigo Zé Roberto, José Roberto França de Sá, que mora no finalzinho da Rua Pedro II, em Crato. José Roberto, raro exemplar da juventude que viveu com intensidade os anos 60, Glauber Rocha, João Gilberto, Gilberto Gil, Caetano Veloso, caminhando contra o vento, sem lenço, sem documento, no sol de quase dezembro.


A própria irreverência da intelectualidade perdida no emaranhado das contradições nacionais das cucas maravilhosas, numa época tardia, desfeita nos valores psicodélicos espalhados pelo mundo de filmes, livros, discos e revistas. O interior desconhecia o furor medíocre da televisão brasileira. Os sonhos viajavam nos campos da política qual instrumento de transformação coletiva, diferente no tanto certo do que hoje confunde as populações alienadas.


Testemunha ocular dos altos e baixos desses tempos dissonantes, segue na mesma viagem das ideias, colagem pop dos autores do cinema e das frases de efeito, e apresenta, ali na nossa frente, o quanto caminhamos nas estradas poeirentas desde os primeiros acordes da bossa nova, esgotos de madrugadas amarelecidas e filosóficas. Quantos passos em vão no imenso corredor vazio de resultados daquilo que, juntos, imaginávamos para as manhãs tropicais.


A arte pela arte, nos painéis abandonados entre páginas impressas e lançadas aos abismos das tantas apreensões, numa única e nossa, emblemática, a postos na ordem do dia do que restou de tudo isso, projetos imaginários desaparecidos nas sarjetas.


Conversar diante das dores desconfortáveis que restaram quando o fogo da caverna iluminou em definitivo a noite da Latino-América, nos poemas que ainda existem guardados no tronco das bananeiras, com palmeiras e precipício de luzes. Agora apenas clamores de desconfortos e achaques de um corpo em crise de artrose.


As histórias da longa juventude dourada e impaciente, adormecida no voo de garças e pavões, a percorrer quadrantes de festivais da canção, naqueles idos quando dizer feria a calma poderosa de quem, mais do que nunca, enterraria até o pescoço o trono dourado da ilusão nos palácios oficiais ora loteados.


Rever amigos, essa prática de quem aguenta tocar ponta de dedos nas feridas vivas e nos fios descobertos de árvores inúteis.


E os tantos assuntos viraram isso de quase nada, embrulho de jornais antigos. Barracas de peixes elétricos que sacodem os delírios em possibilidades geniais. Versos de palavras que circulam músicas dessa vivência do movimento de uma década cheia das melhores esperanças.


Depois, notícias e marasmo das ações. Tanto barulho e nada. Enquanto perguntas cruzam os ares: - Sim, José, diga só onde foram parar aqueles projetos dos ideais de mudança, patrimônio da geração do sonho? Diga só!

FHC merece os parabéns - - por Carlos Alberto Sardenberg (*) postado por Armando Rafael –




Fernando Henrique Cardoso completa 80 anos no próximo dia 18. Eis aqui minha opinião sobre como ele mudou o Brasil. Pode-se dizer que ele caiu de paraquedas no Ministério da Fazenda do governo Itamar Franco, em 19 de maio de 1993. FHC era chanceler desde 1992, estava satisfeito no cargo e foi surpreendido pela decisão de Itamar, que acabava de perder seu terceiro ministro da Fazenda. FHC não é economista nem era especialmente entusiasmado pelo tema. Meio de brincadeira, meio a sério, sempre deixava escapar aqui e ali suas ironias a respeito do, digamos, excesso de confiança dos economistas. E foi assim que liderou talvez a maior virada econômica da história brasileira.

Nada foi por acaso. Ao contrário, foi um caso exemplar em que um líder político enxerga um caminho, reúne colaboradores para apoiá-lo tecnicamente e constrói a sustentação política para tocar o projeto. FHC definiu o objetivo central: eliminar a inflação, devolver ao País uma moeda confiável. Cercou-se de economistas que ainda não tinham a fórmula pronta, mas eram acadêmicos que trabalhavam numa determinada linha de pensamento - o pessoal da PUC-Rio, mais ortodoxo. Deixou de lado, assim, uma turma paulista que sempre o acompanhara, mas que, na visão (acertada) de FHC, não tinha propostas firmes para enfrentar a inflação brasileira.

Muitos economistas convidados por FHC já tinham passado pelo governo. Haviam trabalhado no fracassado Plano Cruzado (1986-1987) e traziam dessa experiência uma impressão negativa do ambiente político brasileiro. Achavam difícil viabilizar um plano de estabilização, dadas as enormes mudanças que seriam necessárias em praticamente todos os setores da vida econômica. Por exemplo: na ocasião, até como herança do regime militar, era tudo estatal (mineração, siderúrgicas, telecomunicações, bancos estaduais) e tudo ineficiente. Os políticos da democracia haviam gostado muito desse monte de vagas a ocupar. Como dizer a eles que seria preciso um amplo programa de privatização?

Só o prestígio pessoal e a liderança de FHC poderiam reunir, num fraco governo Itamar, os talentosos economistas chamados para a enorme tarefa de refazer a moeda brasileira. A história da URV/real já é bastante conhecida. Menos conhecida é a arquitetura política desenhada por FHC para conseguir que o plano fosse aprovado dentro do governo, no Congresso e na sociedade. Mesmo o sucesso imediato do real não tornou fácil aprovar as complementações, especialmente a reforma da Previdência, a Lei de Responsabilidade Fiscal, as privatizações, a quebra do monopólio da Petrobrás. Já como presidente, FHC certamente tinha mais poder, mas ainda assim precisou gastar muito capital político na votação das reformas constitucionais.

A oposição a essas medidas não vinha apenas do PT, mas dos próprios aliados de FHC, de seus amigos da academia e de amplos setores da sociedade, todos ainda com a cabeça antes da queda do Muro de Berlim. FHC foi um dos raros políticos de seu tempo a entender o novo mundo. E soube como realizar essa agenda que mudou o Brasil de forma duradoura. Certamente houve equívocos e acidentes de percurso. Mas eis o que importa: ficamos com uma moeda de verdade e todo um arcabouço institucional que preserva a estabilidade macroeconômica. Um outro país.
(*)Carlos Alberto Sardenberg é jornalista

Asfalto do Crato recebe recapeamento


O prefeito do Crato, Samuel Araripe, vem ultimando preparativos para a Semana do Município, que acontece de 18 a 21 de junho, e também a grande festa do interior cearense, a Expocrato. Para isso, está promovendo os serviços de asfaltamento de várias ruas da cidade, incluindo a Avenida Maildes de Siqueira, Coronel Antônio Luiz, entrada da cidade, na Avenida Padre Cícero, entre outras vias, que passam por recuperação, após a quadra invernosa. O trabalho vem sendo feito com acompanhamento da Secretaria de Infraestrutura da cidade e recursos próprios do município. Outros serviços serão executados no intuito de tornar a cidade mais atrativa e bonita para os visitantes e todos os cratenses.

Fonte: PMC

Sargento Marcos Antonio Bratz envia um abraço para o Crato, do Rio grande do Sul


O nosso querido amigo Sto. Marcos Antonio Bratz, ex-instrutor do TG 10-004, encontra-se agora em Santa Maria, no Rio grande do Sul. Muitos amigos ele deixou aqui, além de saudades. Marcos nos enviou uma mensagem, que faço questão de compartilhar com todos os seus amigos e afinal, com todos os Cratenses, pois ele ama a nossa cidade. Marcos, receba o nosso caloroso abraço. Ansiamos o dia em que você voltará à nossa ( sua e minha ) cidade, nem que seja em visita. Prezado Sto. Bratz, separei algumas fotos daquele evento em que nos vimos pela última vez lá no TG-004, no link abaixo. basta clicar na foto e salvar em jpg no seu computador:


Olá amigo Dihelson Mendonça!

Ontem completou 05 meses que sai do Crato com destino a minha nova morada (Santa Maria-RS) e mesmo estando longe, não me desliguei dessa cidade que me acolheu tão bem durante os 03 anos que por aí passei. E é principalmente por meio do Blog do Crato e do programa do meu querido amigo Huberto Cabral na Rádio Educadora(que sempre que possívelacompanho via internet) que me mantenho atualizado das novidades. Então, quero agradecer por manter tantas pessoas iguais a mim, que se encontram distante do nosso querido Cratinho, informadas de todos os assuntos da cidade.

Um grande abraço!
Sargento MARCOS ANTÔNIO BRATZ (Ex-Instrutor do TG 10-004)

PRODUTORES RURAIS DO CARIRI PERDERAM O INTERESSE PELO CULTIVO DO GERGELIM


A situação do gergelim no Brasil há 14 anos atrás era de treze mil toneladas em vinte mil hectares, com rendimento em torno de seiscentos e noventa quilos de grãos por hectare. Os Estados da Bahia, Rio Grande do Norte e Ceará já foram os maiores produtores no Nordeste, chegando a exportar para Holanda e Japão, abrindo boas perspectivas para expansão da cultura. Com a falta de financiamento e ausência de estrutura de comercialização fizeram a lavoura retornar aos fundos de quintais.

Pelos mesmos motivos os produtores rurais do Cariri perderam o interesse pela cultura do gergelim e a produção atualmente é praticamente zero. Gildo Pereira de Araujo, supervisor regional do campo experimental da Embrapa algodão de Barbalha, disse que o plantio do gergelim na região é tão inexpressivo atualmente que não há números de produção, resumindo-se em pequenas áreas de terra que sobram do cultivo de outras lavouras. O agricultor José Augustinho Bezerra, que mora no Sitio Chapada município do Crato , disse que já chegou a colher 100 quilos de grãos de gergelim. Apesar do fracasso na produção, contou ele, o produtor rural do Cariri ainda não perdeu o habito de plantar o gergelim, mesmo dividindo espaços com outras lavouras.

Dados colhidos junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ) e a Companhia Nacional de Abastecimento ( CONAB ) , apesar desses percalços a gergelim-cultura continua sendo de grande importância para o Nordeste brasileiro, haja vista o uso dos grãos na área da culinária, na medicina, na indústria farmacêutica e de cosméticos.

O gergelim é uma das espécies vegetais mais antigas cultivadas pelo homem, desde os tempos dos faraós no Egito, quando se aproveitava os grãos para a obtenção do óleo. Chegou ao Nordeste do Brasil no século XVI trazido pelos portugueses e foi tradicionalmente cultivado como cultura de fundo de quintal e praticamente sem mercado consumidor.

Entre 1990 e 1996 a área plantada de gergelim no mundo girou em torno de seis milhões de hectares. Ásia e África detém cerca de noventa por cento de área cultivada, destacando a índia com trinta e sete por cento e China com trinta por cento como os maiores plantadores. Em 1995 a produção de grãos de gergelim no mundo foi de 2,738 mil toneladas.

Reportagem: Wilson Rodrigues - Colaborador
Blog do Crato e Chapada do Araripe Internet

O leitor Giulliano Wagner comenta a Poluição Sonora na Zona Rural do Crato


"Caro Dihelson, sou mais um daqueles que logo pela manhã dou uma passada por seu blog. Já me tornei "viciado". Vejo que aqui acolá tem-se abordado a tão irritante poluição sonora, ou melhor, a falta de respeito pelos direitos alheios. Não pense que só as pessoas das cidades sofrem com o barulho, ele também de há muito já vem maltratando quem mora nos distritos de Crato, e com mais intensidade no distrito Dom quintino. Aqui a zoeira é fora do limite.

Já não bastasse o local onde todos os finais de semana ocorrem festas não ter um mínimo de isolamento acústico, diga-se de passagem, pousam aqui com seus paredões pessoas da mais baixa estirpe Cratense e formam um verdadeiro inferno sonoro, onde se percebe portas e janelas de nossas casas tremerem frente a tão forte batuque. Que órgãos administrativos (SEMAC) são estes que autorizam essas festas noite adentro sem ao menos indagarem se o local da festa tem estrutura adequada para isolar o som emitido? Amigo, e steja livre para postar esse desabafo em seu blog. E finalizo: meu Deus, a que ponto retornamos!"

Giulliano Wagner.

UMA RESPOSTA:

Prezado Giulliano,

Coincidentemente, nessa semana, após aquela reunião na prefeitura que você deve ter visto as fotos aí no Blog do Crato, estavam 3 pessoas indignadas com esse problema aí: O Pres. da Fundação J. de Figueiredo, George Macário, o Secretário Érico Felício, que acabou de comprar um sítio na Zona Rural e já está decepcionado com a poluição, e estava de passagem o Joatan do Demutran. George reclamava que construiu um ateliê lá na serra para ficar em paz e produzir seus trabalhos de artes plásticas, e o barulho já chegou por lá, enquanto o Prof. Érico disse que alguma providência teria de ser tomada, porque segundo ele, a maior poluição sonora se deslocou da cidade e foi para os distritos e para a Serra. Ele falou que em muitos lugares quando ligam o som com forró eletrônico, os pássaros já batem asas e voam em bando. Dr. Nivaldo já havia saído da reunião.

Certa vez eu presenciei coisa semelhante: Numa das primeiras vezes em que fui para desfrutar da paz e da harmonia da natureza, fui até o Picoto, um ponto tradicional de visitas na Chapada do Araripe. Depois de muita caminhada, chegamos ao local, apenas para ter a tristeza de ouvir um som altíssimo que vinha lá do Clube Recreativo Grangeiro ( imagina só a distância ), e mesmo assim o som era alto demais. Incrível. Foi exatamente no dia 07 de setembro de 2007, pois eu filmei e a data ficou registrada na câmera.

Dr. Nivaldo Soares me abordou lá na reunião da prefeitura nessa semana, me chamou à parte e pediu desculpas pelo ocorrido no parque de exposição durante a EXPROAF. Segundo ele, no primeiro dia ( aquele que gerou a reclamação ), realmente, a SEMAC contou com a boa vontade dos realizadores, e nunca pensou que eles iriam fazer aquilo. Quando publicamos aqui no Blog do Crato as inúmeras reclamaçõe no dia seguinte, ele deslocou uma equipe para ficar lá e ficaram vigiando a noite inteira nos dias seguintes, tanto é que até elogiamos aqui e haviam tomado alguma providência, pois não escutamos mais barulho. No último dia, Com SEMAC e tudo, criou-se lá no parque um celeuma, as bandas que iam se apresentar começaram um bate-boca por causa do som ( que acharam baixo para os padrões deles ), e pelo que eu entendi, eles acabaram driblando a fiscalização.

Dr. Nivaldo Soares me disse que vai se reunir novamente com o promotor Dr. Pedro e ver o que mais podem fazer no sentido de tentar acabar com a poluição sonora na cidade. É bom que o Nivaldo esteja lendo esse texto aí do Giulliano pra ele saber que além da cidade, vão ter mais trabalho ainda para combater a poluição na Zona Rural ( mas eu creio que ele já sabe ).

Eu acho que mais interessante, Nivaldo, seria começar uma campanha de conscientizaçao do povo nas estações de Rádio. Nivaldo discorda, e acha que para esses desordeiros a única coisa que eles entendem, é o peso da multa. Quando afeta o bolso, os caras começam a ficar dentro da lei.

Dihelson Mendonça

ESTÁ DE LUTO A TURMA 337 DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UVA - Por: Eder Moreira

Nesta segunda- feira, dia 13 de junho de 2011, a nossa turma nº 337, do Curso de Educação Física da UVA sentirá a falta de dois colegas muitos queridos: Robério e Leonardo. Eles partiram prematuramente para viver em outro plano. São muitas as afirmações, justificativas, indagações porque os jovens são imprevisíveis... Preferimos não buscar respostas , mas acreditar que nada acontece por acaso. Como dizem os filósofos, os bons morrem mais cedo.

A nossa turma 337, no último semestre do Curso de Educação Física, fica de luto junto as famílias dos nossos colegas Robério e Leonardo, da cidade de Araripe -CE. Aqui neste blog ,deixamos a nossa mensagem:


Canção Da América
Milton Nascimento
Amigo é coisa para se guardar
Debaixo de sete chaves
Dentro do coração
Assim falava a canção que na América ouvi
Mas quem cantava chorou
Ao ver o seu amigo partir
Mas quem ficou, no pensamento voou
Com seu canto que o outro lembrou
E quem voou, no pensamento ficou
Com a lembrança que o outro cantou
Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito
Mesmo que o tempo e a distância digam "não"
Mesmo esquecendo a canção
O que importa é ouvir
A voz que vem do coração
Pois seja o que vier, venha o que vier
Qualquer dia, amigo, eu volto
A te encontrar
Qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar
.


Postado por Maria Otilia
Foto extraída do site miséria

ARQUITETA CRATENSE DESENVOLVE PESQUISA SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI


A
arquiteta e urbanista cratense, Ana Paula Campos Gurgel, vem desenvolvendo pesquisa sobre a Região Metropolitana do Cariri com enfoque em sua formação ao longo do tempo e as transformações, pelas quais, as cidades vêm passando através de produção de grandes investimentos em empreendimentos por parte do poder publico que resulta, segundo ela, em modificações nos espaços urbanísticos em nome do desenvolvimento. A preocupação dela é com a preservação do patrimônio edificado em varias cidades do Cariri, no qual está escrita toda a historia da região, construída ao longo dos séculos. “E preciso que os nossos gestores públicos promovam o desenvolvimento sem cometer deletérios contra a identidade histórica de um povo. Faz-se necessária a implantação de políticas publicas que venham a atender esse setor sem apagar os fatos ou indivíduos memoráveis “, disse Ana Paula.

A arquiteta destaca o Crato como o município possuidor do maior patrimônio edificado do Cariri e que, lamentavelmente, grande parte dele já foi destruído, levando a cidade a perder sua herança cultural de forma agressiva e citou como exemplo os prédios da época do império que foram recentemente retalhados, sem falar na casa onde morou a heroína Barbara de Alencar. Por outro lado, Ana Paula destaca Barbalha como a cidade caririense ainda com seu patrimônio estonteante preservado, porem correndo riscos de desaparecer, caso não haja intervenção publica, embora reconheça os esforços do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional IPHAN através de estudos sobre seu tombamento, que deve ser de caráter emergencial.

Já Juazeiro do Norte, por ser a cidade mais jovem entre as três do CRAJUBAR, na opinião da arquiteta, ainda não dar pra se traçar um comparativo do ponto de vista do patrimônio edificado. O que se pode afirmar, segundo Ana Paula, é que Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha possuem vasto patrimônio imaterial constituído de reisados, danças, bandas cabaçais e outras manifestações que diferem de outros povos nordestinos.

Ana Paula Campos Gurgel é cratense. Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, atualmente vinculada ao Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição. Atualmente é responsável pelos projetos de reforma nos prédios da Escola Estado da Paraíba, Colégio Estadual Wilson Gonçalves e do Ginásio do Distrito de Ponta da Serra, em Crato.

Wilson Rodrigues

Turnê do Crato para Portugal


Cacá Araújo e Orleyna Moura integram o grupo de artistas teatrais que levarão dois espetáculos para os palcos lusitanos. Campanha busca apoio de recursos para a viagem - FOTO: ANTÔNIO VICELMO - O talento do Cariri deve encantar novamente os palcos europeus com peças de autor do Crato.

Crato. Depois que a banda cabaçal dos Irmãos Aniceto descobriu os caminhos de Portugal, onde já se apresentaram duas vezes, outro grupo de artistas cratenses está seguindo a mesma rota. A Cia. Cearense de Teatro Brincante do Crato faz campanha de arrecadação de recursos para viagem de turnê em Portugal. Eles vão mostrar os espetáculos "A Comédia da Maldição" e "A Donzela e o Cangaceiro", de autoria do teatrólogo cratense Antônio Carlos Araújo, o "Cacá Araújo".

Trata-se de um intercâmbio com o Grupo Intervalo de Teatro, sediado na cidade de Oeiras, uma vila pertencente ao Distrito de Lisboa, com cerca de 35 mil habitantes, que também estreará no mesmo período o espetáculo "Monólogos das Flores Violadas", dirigido por João Manuel Pinho. A peça tem texto do próprio Cacá Araújo.

Enredo

A "Comédia da Maldição" conta a fantástica e misteriosa história de uma bela jovem que se amancebou com um padre e foi condenada a uma terrível maldição: virar mula-sem-cabeça. A outra peça, "A Donzela e o Cangaceiro", é uma comédia musical escrita em versos inspirados nos cantadores nordestinos. A ambição desmedida do homem rico, a ganância cruel do norte-americano e a trama infernal vinda das trevas ameaçam o Sítio Fundão, importante reserva ecológica brasileira.

Para viabilizar a turnê, a Cia. Cearense de Teatro Brincante está empenhada em conseguir doação de notas e cupons fiscais de compras e serviços realizados no Ceará, a fim de angariar recursos junto à Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz). A campanha inclui também a arrecadação da bilheteria e pagamentos de contratação de seus espetáculos. O diretor Cacá Araújo também entrará em contato com órgãos governamentais, comunidade empresarial e representações parlamentares, ampliando, assim, o leque de possíveis apoiadores à empreitada de representar o Brasil a partir do Crato, Cariri e Ceará, visto que, pela primeira vez, uma companhia teatral genuinamente caririense estará na Europa.

A viagem à Portugal, segundo Cacá, é um reencontro com as raízes artísticas. E também uma oportunidade para formação de plateias, especialmente juvenis, fortalecendo a identidade cultural.

Antonio Vicelmo
Repórter do Diário do Nordeste

Colaborador do Blog do Crato e Chapada do Araripe Internet


MAIS INFORMAÇÕES

Cia. Cearense de Teatro Brincante do Crato
Telefones: (88) 8801.0897 /
(88) 9960.4466 / 3523.7430

Governadores do NE fecham proposta para Reforma Tributária


Os nove governadores dos Estados do Nordeste se reuniram nesta sexta-feira (10), no Palácio da Abolição, sede do Governo do Ceará, durante o II Fórum dos Governadores do NE para discutir uma proposta única de Reforma Tributária para a Região. O principal ponto fechado foi o de redução nas alíquotas interestaduais a 0% (zero por cento), ou seja que 100% do ICMS tenha recolhimento no seu destino (destino puro), condicionando-se tal medida à aprovação concomitante de um fundo vinculado constitucionalmente, destinado a manter na Região Nordeste as empresas que perdem seus benefícios fiscais, bem como a atrair novos investimentos e compensar possíveis perdas dos Estados com aquela redução. A proposta será apresentada ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, na próxima terça-feira, dia 14, em Brasília.

Os demais pontos formatados na proposta para Reforma Tributária foram a convalidação dos benefícios fiscais existentes, na forma da legislação de cada Estado, até que aprovada uma reforma tributária ampla ou fatiada; Adoção de uma política de desenvolvimento com tributos federais, de forma que empresas instaladas em localidades menos desenvolvidas, notadamente na Região Nordeste, sejam incentivadas com alíquotas reduzidas do IPI, IR, PIS e COFINS; Modificação da tributação das operações interestaduais não presenciais, inclusive aquelas realizadas na modalidade de comércio eletrônico, destinadas ao consumidor final – pessoa física ou jurídica – igualando-se ao tratamento dado às operações entre contribuintes do imposto; Normatização do Fundo de Participação dos Estados (FPE) imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em recente decisão que julgou inconstitucionais dispositivos da LC 62/89, de forma que não haja redução nas receitas hoje existentes, preservando-se a reserva de 85% (oitenta e cinco por cento) historicamente destinada aos Estados menos desenvolvidos; Alteração do atual indexador da dívida dos Estados, passando-se a adotar o Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 2% (dois por cento) ao ano.

De acordo com o governador do Ceará, Cid Gomes, é importante que todos os governadores do Nordeste tenham uma posição consensual sobre a política fiscal da região para se somar a um movimento que envolverá também governos do Norte do País. Cid Gomes disse ainda que está articulando uma discussão com os governos dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo para tentar um entendimento sobre a partilha dos royalties do pré-sal. Além disso, o governador cearense adiantou que será feita uma mobilização com a bancada de senadores do Nordeste e uma articulação com o Supremo Tribunal Federal para que a corte compreendam a guerra fiscal que acontece entre os estados.

Nas discussões referentes ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), Cid Gomes explicou que para que os governadores nordestinos prossigam no entedimento com o Governo Federal, foram sugeridos alguns condicinantes: implantação de um Fundo Nacional de Desenvolvimento do Nordeste; revisão de indexadores à financimantos de estados, que hoje está em 18%, enquanto a taxa Selic está 12%; repartição do tributo pago no comércio elêtronico; e que 100% do ICMS seja cobrado no destino. As atribuições serão divididas entre os gestores estaduais.

Para o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, esses ajustes são necessários para que o Brasil não se perpetue com as diferenças entre regiões. “Estados que fizeram a tarefa de casa, obedeceram a Lei de Responsabilidade Fiscal, estabeleceram controladorias, estão pagando um juro real de 11% e isso não é razoável”, reclama, referindo-se a revisão do indexador. Já o governador de Alagoas, Teotônio Vilela, lamenta a guerra fiscal, mas lembra que há mais de quatro anos o governadores do Nordeste estão unidos em defesa de princípios que assegurem o desenvolvimento da Região. Ele cita que há uma queda significativa no gráfico de partilha de recursos da federação em relação ao Nordeste e a luta dos gestores é para devolver à região a capacidade de investimento. “Atrás desses números tem pessoas que estão pagando um preço alto”, diz, justificando a necessidade dos ajustes.

Plano Nacional de Educação

Durante a coletiva, Cid Gomes reconheceu os avanços na educação pública mas afirmou que a União tem que aportar mais recursos para elevar o desempenho a números ainda mais satisfatórios. Na última quarta-feira (8), Cid apresentou na Câmara dos Deputados, em Brasília, os projetos desenvolvidos pelo Estado na Educação. Entre as ações apresentadas pelo Governador foram destacadas as experiências do ensino profissional e do programa Alfabetização na Idade Certa (Paic). O governador Eduardo Campos defendeu a universalização do ensino integral no Brasil e também cobrou maior repasse por parte do Governo Federal. Ainda na reunião os governadores foram apresentados ao novo presidente do Banco do Nordeste do Brasil, Jurandir Santiago.

Participaram do fórum de Governadores do Nordeste, em Fortaleza, os governadores Jacques Vagner (Bahia), Marcelo Déda (Sergipe), Wilson Martins (Piauí), Ricardo Coutinho (Paraíba), Eduardo Campos (Pernambuco), Teotonio Vilela (Alagoas) e as governadoras Roseana Sarney (Maranhão) e Rosalba Cialirni (Rio Grande do Norte).

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

Prefeitura adquire 5 motos e 2 carros para Guarda Municipal do Crato


A Prefeitura do Crato acaba de comprar cinco motos Yamaha 125, cor preta, uma Kombi e um carro FIAT para a guarda municipal. As motos foram entregues na manhã desta quinta feira dia 9 e estão na sala de recepção da prefeitura. Os dois veículos serão entregues antes do início da semana do município. A frota estará desfilando no dia 21 de junho, dia do município. Com isso, o prefeito do Crato possibilita melhores condições de trabalho dos agentes da Guarda Municipal, que também tem passado por capacitações. O objetivo é levar á população um serviço cada vez mais qualificado em prol de todos.

Fonte: PMC

NOVA TECNOLOGIA PROMETE AVANÇOS NA PRODUÇÃO DE LEITE BOVINO NO CARIRI


O Cariri tem a menor bacia leiteira do Ceará, com apenas 9 % da produção estadual, perdendo até para a região de Crateús, hoje detentora de 11 % da oferta. Com o objetivo de incrementar a produção, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural EMATERCE, e o Banco do Nordeste, estão trabalhando a elaboração de projetos para a implantação de unidades produtivas de bovinocultura de leite no Cariri, utilizando tecnologia como o pastejo verde rotacionado, melhoramento genético do rebanho através de inseminação artificial, ordenhadeira mecânica e introdução de matrizes selecionadas. Esse sistema já funciona com bastante sucesso nos municípios localizados na micro região leste do Cariri como Porteiras, Brejo Santo e Mauriti, segundo declararam os engenheiros agrônomos, Luiz Teixeira Batista e Junival Saraiva Alencar.

A intenção é importar essa tecnologia para o Cariri central e torná-la acessiva aos criadores de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha. O trabalho já vem sendo feito em fase experimental junto aos produtores da Associação patrona da mini usina de Pasteurização do Sitio Malhada localizada no Distrito de Ponta da Serra, em Crato. Essa unidade tem capacidade de pasteurizar 600 litros de leite/hora e por falta do produto está trabalhando com apenas 700 litros de leite/dia, informou a gerente do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural, Maria Elcileide Nogueira Mendonça. Ela acredita que, com a nova tecnologia, alem de estimular os pecuaristas e com isto ampliar os resultados atuais da bacia leiteira do Cariri, haverá um acréscimo significativo na oferta da produção de leite bovino capaz de atender suficientemente a capacidade produtiva da mini usina.

O agente de desenvolvimento do Banco do Nordeste, Esly Almeida Melo Filho informou que a instituição dispõe de linha de credito destinada ao setor leiteiro, atendendo a produtores de grande, médio e pequeno portes. Ele disse que é preciso se criar programas para desenvolver a pecuária leiteira regional com assistência de qualidade e sistemática. Segundo informou, a região tem cenário propicio abundante como clima, solo, água e pastagem, bastando tão somente adotarmos a tecnologia necessária.

Por: Wilson Rodrigues - Repórter - Colaborador
Blog do Crato e Chapada do Araripe Internet

O CRATO QUE DÁ CERTO e o CRATO QUE NÃO DÁ CERTO - Dedicado a Régis - por: Dihelson Mendonça


A VERDADE TEM MUITAS FACES


Bom Domingo, Crato!

Encontrei meu grande amigo Régis ( sem dúvida um dos maiores especialistas em som e construtor de caixas acústicas do Ceará, além de trabalhos em madeira e outros materiais. Um verdadeiro artista que o Crato deveria valorizar mais ). Encontramo-nos de passagem ontem ( Sábado ), na pizzaria Sabor D´itália, quando ao sair, este fez uma crítica ao Blog do Crato, comparando o trabalho aqui mostrado à potência sonora. Disse ele:

"Dihelson, quero lhe parabenizar pelo Blog do Crato. Agora, quando você falar no Crato, mostre a cidade em RMS, não em PMPO".

Fiquei espantado com a sutileza e inteligência do comentário, que poucos entenderiam. Vou traduzir:

Em matéria de som, mede-se a potência acústica através de várias unidades, sendo a mais verdadeira o valor em RMS. Existem outras escalas como a IHF e a PMPO ( que mede potências de pico ). Nenhuma dessas outras escalas representa o valor real do som, apenas a escala RMS, que é a mais científica e adotada pelas empresa idôneas. Sendo que o Blog do Crato expressa ao mundo a realidade da nossa cidade, e portanto é um tipo de caixa de ressonância ou de sistema de projeção virtual, ao se referir a que deveríamos mostrar o Crato em RMS, o Régis faz uma crítica, querendo dizer que divulgamos muito em PMPO, ou seja fora da realidade, fictício, ou expressa o seu desejo de que possamos mostrar o outro lado da moeda: O lado do Crato que não dá certo, o lado podre do Crato, o lado das pessoas infelizes, o lado negativo da cidade.

Eu ri da comparação, embora leve em consideração, porque na verdade, O Blog do Crato mostra muitos lados da cidade. A verdade tem muitas faces. Nem só está certo quem mostra só o que há de bom, nem está somente certo se mostrarmos a miséria, as desgraças, etc. Inclusive, já há um site na região que trata de sobreviver às custas da miséria alheia... Nosso projeto é de projetar a cidade do Crato para o mundo, mostrando o que aqui temos de melhor. Mostrando nossa história, nossas tradições, o nosso pioneirismo em tudo no interior do Ceará, o trabalho dos nossos artistas, como o do próprio Régis, a quem estamos devendo uma visita para divulgar algo que constrói, que é útil para quem reside fora e vai se orgulhar da nossa cidade.

Se nós construíssemos um site apenas para mostrar as ruas enlameadas, os buracos, os problemas, não estaríamos fazendo nada de bom para nossa cidade, porque problemas assim, toda cidade Brasileira tem. Qualquer cidade por melhor que seja, tem lama, tem miséria, tem bairros pobres, tem mendigos, tem gente dormindo debaixo das pontes, tem drogas, tem crimes, tem roubos, tem estupros, latrocínios, falta de vontade política em resolver certos problemas, etc. E tem gente que ganha dinheiro mostrando isso, que só derrubaria mais ainda a nossa cidade. Creio que enquanto escreveríamos algo negativo e revelássemos um lado podre da nossa cidade para o mundo, que existe até na Suíça e Estados Unidos, estraríamos afugentando os nossos turistas, e afastando qualquer investimento para o Crato. Cadê que o Rio de Janeiro faz publicidade do Narcotráfico nos guias turísticos ???

Nem só de mar de rosas vive a nossa cidade, é verdade. Mas também, meu caro Régis, mostrar a desgraça e falar mal do Crato não são formas de contribuir para que aqui seja vitrine em lugar nenhum do Brasil. Queremos o bem da nossa cidade, não o mal. E falando de bem sem INVENTAR, mostrando a realidade boa, estamos falando em RMS também. A verdade RMS do Crato não é apenas a parte ruim. Muita coisa boa acontece aqui, e para efeito de VITRINE, traz muito mais pontos para uma cidade mostrar o que ela tem de bom, do que o que ela tem de ruim, porque a parte ruim, a gente deve reivindicar e protestar dentro de casa, para que se resolva aos órgãos competentes. E a parte boa, deve ir para as revistas, para o mundo. O crato já tem perdido demais com gente falando mal da nossa cidade.

Vamos falar a verdade, mostrando a parte boa, criticando as ruins, e assim, estaremos falando em RMS.

Um forte abraço, Régis,

Bom Dia, Crato!
Por: Dihelson Mendonça

Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30