xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 02/08/2010 | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

02 agosto 2010

O " GRAVE" crime da faixineira - Postagem: J. Tavares- Fortaleza-CE.


Não dá para acreditar que a faxineira Adnalva Maurício de Souza continua presa em Salvador, sob a acusação de tentativa de subornar funcionário público, porque levou R$ 490 para uma delegacia de polícia acreditando que, com aquele valor, poderia conseguir a liberdade do seu filho, acusado de tráfico de drogas. A pobre mulher diz ter obedecido ao pedido de alguém da própria delegacia e, como não tinha os R$ 500 solicitados, teve que fazer uma “vaquinha” na vizinhança, mas ainda assim conseguiu reunir comente R$ 490.

Diarista, Adnalva foi detida ao chegar à delegacia e dizer, ingenuamente, que estava levando o dinheiro para libertar o filho. Pela letra fria da lei, ela realmente cometeu um crime. Mas, quando se examina as circunstâncias que envolvem o caso salta aos olhos a injustiça da prisão de uma mulher semianalfabeta que apenas achou que estaria ajudando o filho a sair da prisão. Enquando isto acontece num País onde grandes corruptores sequer são acusados do crime – quando muito se punem os funcionários corrompidos – esta injustiça ganha contornos de grande absurdo.

Fonte: Blog do Noblat e blog de Paixão Barbosa, em A TARDE

Postagem: J. Tavares- Fortaleza-CE.

Em busca da felicidade – Por Magali e Carlos

* Magali de Figueiredo Esmeraldo
* Carlos Eduardo Esmeraldo

A data de 12 de dezembro de 1972 foi um dia de muitos afazeres para Magali. Para começo de conversa, neste dia ela estava aniversariando. Mas acredito que poucos se lembraram disso, pois ela tinha algo mais importante para fazer: nós dois celebraríamos nosso casamento às nove horas da manhã, pois à noite ela tinha outro evento marcante na vida de qualquer pessoa. Era a colação de grau do seu curso de História. Foi tanta emoção que eu senti quando ouvi Monsenhor Montenegro dizendo: “Carlos, eu te batizei e hoje estou te casando....” As lágrimas molharam minha face. Eram lágrimas de felicidade por estar vivendo aquele momento único na minha vida.

Alguns dos meus parentes gostavam de fazer uns tipos de brincadeiras desagradáveis com os jovens recém casados da nossa família. Para evitar que nós fossemos vitimas, espalhei para todos que iríamos passar os três primeiros dias no Hotel Municipal de Juazeiro, recém inaugurado. Mas um dos meus irmãos cedeu a casa dele, às margens da estrada Crato-Juazeiro. Então passamos três dias maravilhosos, com despesas zero, café, almoço, merenda e jantar enviados por minha mãe. Foi tão bom que até pensei em ficarmos assim para o resto da vida. Mas três dias depois, o trabalho me esperava.

Os laços do amor verdadeiro entre um casal são tão fortes que, como diz a Bíblia “o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher e os dois serão uma só carne”. Foi isso que aconteceu comigo e com Carlos, e logo após os três primeiros dias do nosso casamento, lotamos o bagageiro de um “fuscão branco” e partimos para enfrentar as estradas do Ceará, Piauí, Maranhão e Pará com destino a Tomé-Açu no Pará, onde Carlos estava trabalhando na construção da estrada Tomé Açu – Paragominas.

Eu com vinte e três anos e ele com vinte sete nos sentíamos pronto para o início da construção de nossa família. Apesar de sair do conforto e da proteção da casa de meus pais e também morar numa cidade como o Crato, ótimo lugar para se viver, onde nasci e estava acostumada. Estava, portanto disposta a juntos superarmos as dificuldades que teríamos pela frente. As estradas sem asfalto eram o que iríamos encontrar e todos os perigos que poderiam ocorrer numa viagem longa. A nossa residência seria numa pequena aldeia, de casas construídas com madeira e localizada na floresta amazônica. “Quatro Bocas do Breu” era o nome desse lugarejo próximo da cidade de Tomé-Açu.

Mesmo enfrentando a falta de conforto, eu estava confiante e decidida a fazer Carlos feliz e, tinha certeza que também ele iria me fazer feliz.

Antes do nosso casamento Carlos já deixou nossa casa alugada. Era uma construção de paredes, piso e telhado de madeira que foi caiada de branco por iniciativa dele, para que se tornasse mais acolhedora. Delicadeza e sensibilidade de quem ama e quer agradar a pessoa amada. A confiança era grande tanto minha quanto dele que estávamos dando os passos acertados para nossa felicidade.

Eu já vivia longe de casa há mais de oito anos e, portanto estava acostumado a uma vida de dificuldades, agravada pelo desconforto e a falta dos entes queridos. Para Magali seria a primeira vez que sairia de casa, agora definitivamente para sempre e, isso me fez vislumbrar uma enorme responsabilidade. Então procurava tratá-la com todo carinho, não ferir sua sensibilidade, atitude mantida até os dias de hoje, quase trinta e oito anos depois.

Partimos do Crato para Tomé-Açu no dia quinze de dezembro, pois Carlos deveria estar em Belém no dia vinte. A despedida foi dolorosa, pois saí chorando, deixei minha mãe também chorando e meu pai e irmãos com saudades. Logo enxuguei as lágrimas, confiante seguimos viagem com a certeza de que facilmente me adaptaria a minha nova vida.

A falta de conforto começava no transporte: um fuscão apertado, repleto de bagagens, sem som e sem ar condicionado, mas nada disso nos afetava, pois a alegria e a confiança nos acompanhavam.

Como não havia som no carro, suprimos essa falta com um toca-fitas portátil. “E haja Paulinho da Viola cantando: “minha viola vai pro fundo do baú”; Paul Mauriat com “L’amour est blue”. Ainda hoje, quando ouço a música “Mamy Blue”, sinto-me rasgando aquelas estradas ora poeirentas, ora lamacentas. Horríveis as estradas, inesquecíveis as músicas.

Saímos do Crato à uma hora da tarde, subimos a Serra do Araripe até o “Posto do Exu”, um posto de gasolina localizado antes de se descer a serra para Exu à esquerda e Araripe à direita. Na ladeira, próximo de Araripe uma pedra enorme bateu na barriga do carro e travou a caixa de marcha, de modo que tivemos de andar na terceira até Picos. Lá os mecânicos afirmaram que havia danificado a tampa seletora da caixa de marcha e só no Crato ou Teresina haveria conserto. A sorte é que de Picos até Teresina, a estrada já estava asfaltada, e eu havia trabalhado um ano antes no projeto dessa estrada, de modo que por conhecê-la bem, pudemos trafegar devagar e chegar à capital do Piauí, à uma hora da madrugada. Passamos a manhã do sábado em Teresina e às onze horas o carro já estava consertado. Almoçamos e continuamos a viagem. A estrada estava asfaltada até Peritoró, no Maranhão. De lá entramos numa rodovia sem pavimentação que nos levaria até Porto Franco na Belém – Brasília. Passamos por Presidente Dutra, uma cidade mais ou menos do porte do Crato. Como era ainda dia claro, resolvemos ir mais adiante, até Dom Pedro. Uma cidade velha, sem luz elétrica, cujo hotel era um casarão com banheiro e privada no fundo do quintal. O quarto em que nos colocaram tinha uma cama de casal da marca patente, colchão de estofo de algodão e era separado por uma meia parede dos demais cômodos da casa. Como vocês devem observar, aposento muito adequado para um casal em “lua de mel”...

No domingo viajamos o dia todo, e dormimos em Imperatriz, às margens da Belém-Brasília. No dia seguinte seguimos viagem até Paragominas. Lá almoçamos. Continuamos o restante da nossa viagem pela estrada de serviços da futura rodovia que estávamos construindo. Cem quilômetros nos separavam de “Quatro Bocas do Breu”, nosso ponto final, uma vilazinha de pouco mais de 10 casas de madeira e o acampamento da construtora.

Quando avistamos a pequena casinha de madeira com os raios solares do cair da tarde deixando-a mais branquinha do que era, senti a emoção de saber que este seria o nosso lar. Mas nós moramos nela pouco mais de um mês e Carlos foi transferido para Goiás. Outra viagem de Belém até Brasília em estrada de terra.

Anos mais tarde, quando já morávamos no Crato, ao ouvir pelas rádios o cantor Gilson cantando: “Eu queria ter na vida simplesmente. Um lugar de mato verde. Pra plantar e pra colher. Ter uma casinha branca de varanda. Um quintal e uma janela. Para ver o sol nascer.” Lembrávamos dessa casinha de nossos primeiros anos.


Por Magali de Figueiredo Esmeraldo e Carlos Eduardo Esmeraldo

CONTRA-CULTURA: UM CARIRI AUTÊNTICO E ALTERNATIVO - Por Wilson Bernardo.


CARIRI GERAÇÃO BEAT...On The Road...Três personagens marcantes na cultura do Crato Pós-60 e começo dos anos 70. A liberdade em ritmo Sincopado, na liberdade de Jazz piquizado ao som místico das lendas e encantos de uma chapada sincronizada ao tempo dos deuses e batuques de imburanas e chás de ervas primitivas, da flora dos chapadões da floresta santificada. Minha homenagem a esses três senhores da musica cariri, MANEL D'JARDIM, JOÃO do CRATO e ABIDORAL JAMACARU...Gracias!

CONTRA-CULTURA SEM IDADES.

Revoluções!
Existencialismo
Tantra
Jazz
Rock'n Roll
Freud
Marx
Teorias & Práxis
Satre
Matrix
Burroughs bufão
Entre o tempo e a decadência
LSD
É como Cu mplice
Dar ou não LSD.

UM ALIVIO...
Fazer fezes
É um momento
Único de encontrar
A paz
Do ser humano...
Los irmanos!

Wilson Bernardo(Texto & Poemas)

Cintos e capacetes - Por Emerson Monteiro


A legislação brasileira de trânsito impõe condições de multa à não utilização do cinto, nos automóveis, e do capacete, nas motos, determinação que visa a proteção de condutores e passageiros, sob a ótica de estudos técnicos abalizados. Em países desenvolvidos, criou-se o hábito desse uso por meio da constante fiscalização, o que também se pretende no Brasil. Entre maio e dezembro de 2002, através de avaliação das 183 vítimas de acidentes com motos atendidos no IJF, em Fortaleza, 57,9% não faziam uso de capacete, equipamento de uso obrigatório no trânsito. Das vítimas, 98,4% tratavam-se de pessoas do sexo masculino, sendo 45,4% da faixa etária entre 21 e 30 anos, observando-se que a maioria dos acidentes ocorreu no Interior do Estado.

Quanto aos acidentes com automóveis, de 153 casos de colisão, entre abril e novembro de 2002, 50,9% não adotavam o cinto de segurança, numa quantidade correspondente a 86,9%, sendo 46,9% entre 21 e 30 anos. Sabe-se, hoje, da calamidade representada pelo manuseio irresponsável do automóvel e da severidade dos acidentes de trânsito, em termos de prejuízos pessoais, numa grave ameaça à saúde pública global. No início da busca exacerbada de motocicletas para transporte de massa, na primeira metade da década de 90, houve campanha sistemática do então senador, pelo Rio de Janeiro Artur, da Távola a que houvesse maiores preocupações das autoridades quanto à segurança correta de quem adotasse o veículo causador de milhares de mortes e mutilações, sobretudo entre jovens.

De lá até hoje, pouco mudou. A superpopulação dos veículos de duas e quatros rodas, nas cidades e estradas, indicam razões de uma calamidade sem medida, vulgarizando os acidentes e as perdas de vida. Cruzamentos de ruas e avenidas, entroncamentos das rodovias de alta velocidade e horas de intensa movimentação, servem de palco a mais esse desafio da civilização do petróleo, num alerta aos que se aventuram no asfalto na intenção de abreviar as distâncias e economizar o tempo. O máximo de cuidado torna-se, pois, condição indispensável de sobrevivência aos que utilizam o tráfego selvagem, sob pena de crescerem as rotinas hospitalares, tantas vezes com vítimas fatais.

Por: Emerson Monteiro

Um Panorama das Estações de Rádio do Cariri - Por: Dihelson Mendonça


DE LUIZ GONZAGA a LOUIS ARMSTRONG

- Não toca no Rádio

- Não Sai na TV
- Não tocam em Shows
- As novas gerações estão se esquecendo quem foi Luiz Gonzaga, O Rei do Baião.


Hoje é o aniversário de morte do maior ícone cultural do Nordeste, o grande Luiz Gonzaga, compositor, sanfoneiro e acima de tudo, uma voz que está para o Nordeste assim como Louis Armstrong está para os Estados Unidos. A grande pena, é que as novas gerações não irão tomar conhecimento de quem foi LUIZ GONZAGA, porque a música deste não toca mais na grande "Máfia" ( ou Panelinha ) que se formou nas Rádios, que está quase toda vendida ao Cartel do Forró Eletrônico. Se nós entrevistarmos qualquer desses garotos de escola pública, chegaremos à triste constatação de que quase nenhum deles saberá quem foi o Rei do Baião.

Prova disso, é que outro dia, minha namorada, que é professora numa escola pública, esteve numa excursão com seus alunos, e durante o trajeto, com uma finalidade até "cultural", tentou colocar um disco do não menos conhecido Gilberto Gil, para eles escutarem ( e vejam que é um cantor costumeiramente bastante aceito e apreciado ), quando muitos dos presentes disseram:


"Tira isso aí, Professora! - Quem é esse cara ?"
"Alunos, esse é o Gilberto Gil, um grande cantor e compositor que vocês precisam conhecer"

E AGORA, A VERDADE, DITA PELA BOCA DOS ALUNOS:

"Professora, bota aviões do Forró, porque esse cara aí não toca "nem" na Rádio, ninguém sabe nem quem é..."


Amigos, a que ponto chegamos! O Cartel do Forró Eletrônico se apoderou por completo da mídia radiofônica e impede que qualquer outro estilo musical seja tocado. As novas gerações crescem ouvindo porcaria e sendo privadas de qualquer conhecimento sobre a grande variedade de música existente no planeta, e os grandes mestres. Estamos formando uma geração sem qualquer juízo crítico, manipulados por meia dúzia de canalhas da mídia radiofônica que controlam o que a plebe rude deve ouvir ou não, privando-os do acesso às artes e à cultura. Ora, um povo que é conduzido como massa de manobra, é um prato cheio para os políticos e o controle social.

Estamos vivendo uma verdadeira DITADURA das estações de Rádio, um pleno MONOPÓLIO, onde as estações, sustentadas por uma estrutura perversa e milionária das Bandas de Forró Eletrônico, cortaram todas as outras opções para o povo. Só tocam mesmo o que ELES quiserem. É uma questão de massificação mesmo, como nunca houve. No cariri, você liga o rádio, e pode acontecer de pegar até 3 estações tocando uma única música. Seria isso de Graça ? Quanto vocês acham que as estações recebem para fazer isso ? Eles não tocam mais músicas de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Djavan, Paulinho da Viola, nem Rock, nem Reggae, nem praticamente qualquer autor nacional da MPB. Que dirá os pobres compositores e cantores do Cariri, relegados ao centésimo plano...

Outro dia, o artista caririense Pachelly Jamacaru foi a uma estação de Rádio local para divulgar o seu novo disco, e foi muito maltratado. Deram-lhe as costas. O apresentador do programa da hora, disse textualmente: "Olha se vocês quiserem botar no programa de vocês, podem tocar. No meu...Tô Fora!"

Essa é a Realidade da maioria das Rádios Caririenses. Não se enganem. É com muita má vontade, se eles tocarem algo diferente do que o cartel lhes dita. Por isso, brindamos à nossa própria estação, a Rádio CHAPADA DO ARARIPE - INTERNET - 24 Horas. Ela mostra a diversidade da música. Lá, a música de qualidade é sempre o prato do dia. Lá, os artistas do Cariri tem prioridade.

Acessem:

www.radiochapadadoararipe.com

E Fujam da Máfia das Rádios do Cariri.

Dihelson Mendonça

SAAEC: ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS - Por Wilson Bernardo


M
uitas doenças poderiam ser evitadas, se a população gerenciasse o uso devido da água que consome. A SAAEC e a Prefeitura Municipal do Crato consolidam em um projeto arrojado, a mudança da tubulação de água, que há mais de quarenta anos estava em letargia total. As mudanças se faziam necessárias, para com isso requalificar o sistema de abastecimento hídrico, como também melhorar a qualidade de vida da população.Vejam em que estado se encontravam as antigas tubulações que abasteciam a população cratense, um verdadeiro inimigo invisível, que agora com a nova tubulação, o povo poderá consumir sabendo que sua saúde, é o maior dos bens que se pode constituir.

Velha tubulação corroída pelo tempo e degradante a saúde



Veja os canos que interligam a rede as residências,sendo substituídos por modernos canos da Tigre, que resistem ao tempo e longa vida.

O inimigo invisível, uma massa preta e nosguenta, dentro antiga tubulação levando aos consumidores o perigo eminente

Será tudo substituído por PVC, assegurando a integridade física do cidadão cratense

Antiga tubulação sendo removida,um avanço na prevenção das doenças da população

Compromisso do poder Publico com a saúde, básica, requalificando a qualidade de vida

Os novos canos de PVC, substituindo os antigos,e com isso modernizando o sistema de abastecimento hídrico da cidade do Crato.

Wilson Bernardo (Texto & Fotografia)

BLOGComemora:Parabéns e Feliz Aniversário KK Piancó-Por Wilson Bernardo.

Vinha eu de mais uma caminhada, e eis que encontro na calçada de sua residência, o meu amigo KK comemorando sua intrigante idade. Bebi um copo de cachaça em sua homenagem, a qual te felicito novos projetos de vida que é beber muito mais aos anos seguintes de sua vida.
Obs: Ele tem essa cara de mau, mas na verdade KK é uma flor de pessoa. O Blog do Crato parabeniza uns dos assíduos leitores dessa revista eletrônica.


Wilson Bernardo (Texto & Fotografia)

21 anos da morte do cantor Luiz Gonzaga – postado por Armando Rafael


Os 21 anos da morte do cantor Luiz Gonzaga estão sendo lembrados hoje. Foi no dia 2 de agosto de 1989, que o Brasil perdeu Luiz Gonzaga, um dos maiores artistas do país e o mais legítimo músico do Nordeste.
Luiz Gonzaga nasceu na fazenda Caiçara, no sopé da Serra de Araripe, na zona rural de Exu, sertão de Pernambuco. O lugar seria revivido anos mais tarde em "Pé de Serra", uma de suas primeiras composições. Seu pai, Januário, trabalhava na roça, num latifúndio, e nas horas vagas tocava acordeão (também consertava o instrumento).

Foi com ele que Luiz Gonzaga aprendeu a tocá-lo. Não era nem adolescente ainda, quando passou a se apresentar em bailes, forrós e feiras, de início acompanhando seu pai. Autêntico representante da cultura nordestina, manteve-se fiel às suas origens mesmo seguindo carreira musical no sul do Brasil. O gênero musical que o consagrou foi o baião. A canção emblemática de sua carreira foi Asa Branca, que compôs em 1947, em parceria com o advogado cearense Humberto Teixeira.
(Fonte Wikipedia)
Museu de Gonzagão está quase abandonado
Numa das entradas da cidade de Exu fica localizado o Parque Aza Branca (escreve-se com z, mantendo a grafia original), marco maior do acervo cultural e histórico de Luiz Gonzaga. Lá estão localizados o Museu do Gonzagão com mais de 500 peças pertencentes ao Rei do Baião, as casas de Januário (pai de Luiz Gonzaga) e a de Gonzaga, no tempo em que o cantor voltou a morar no sertão – o destaque dos lugares se dá pela preservação dos móveis e objetos originais usados pelos dois – e o Mausoléu do Gonzagão – onde estão os restos mortais da família.

Mais adiante, na pequena Vila do Araripe, a 12 quilômetros do centro, está a capela de São João Batista (onde Gonzaga foi batizado), a Casa Grande, a primeira da região e hoje museu de Bárbara de Alencar (a revolucionária de 1817) , e um monumento em pedra, representando a casa de barro onde Gonzagão nasceu.

CRATO - Notícias do dia 02 de Agosto de 2010


Aviso - Garantia Safra 2010/2011

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Recursos Hídricos do Crato e a Comissão do Garantia Safra 2010/2011, convocam os representantes das associações e dos conselhos de base do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Crato. A finalidade é a realização de uma reunião no auditório do Centro Cultural do Araripe (RFFSA), no horário das 8 horas às 11 horas, nas seguintes datas: dia 10 de agosto, com os representantes das localidades do Baixio das Palmeiras e Santa Rosa; no dia 11, Belmonte, Campo Alegre e Dom Quintino; no dia 12, Santa Fé e Monte Alverne; e no dia 13, na Ponta da Serra e Bela vista.

Atividades do Polo Madre Feitosa retornarão hoje, Segunda-Feira, dia 02 de Agosto

O governo municipal, através da secretaria de Ação Social, comunica às comunidades do Bairro Seminário, conjunto Novo Crato e adjacências, que as atividades do Polo Madre Feitosa retornarão à normalidade a partir de hoje, dia 02 de agosto. As crianças e adolescentes que fazem parte do PETI ( Programa de Erradicação do Tabalho Infantil ) da jornada seminário, que funciona no Polo Madre Feitosa, estão sendo convidadas a comparecerem.

AABB Comunidade retorna suas atividades amanhã, terça feira

A Prefeitura Municipal do Crato, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude comunica que as atividades do programa integração AABB Comunidade retornarão amanhã, dia 3. A coordenadora do projeto Aline Rodrigues convida os alunos a comparecerem e alerta para a mudança nos dias das atividades que agora no segundo semestre acontecerão as terças, quartas e quintas. A AABB de Crato que atua com o apoio da Prefeitura do Crato, através da Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude disponibiliza educação e inclusão social, através de educação, artes e esportes, as crianças e adolescentes que estão inseridos no projeto contam com oportunidades que podem gerar mais qualidade de vida e auto-estima.

Secretaria de Cultura do Crato está com inscrições abertas para os Festivais: Cariri da Canção Estudantil e Cariri da Canção Nacional

A Prefeitura Municipal do Crato, através da Secretaria da Cultura, Esporte e Juventude abriu inscrições para o Festival Cariri da Canção Estudantil 2010 a se realizar nos dias 14, 15 e 16 de Outubro de 2010 e o Festival Cariri da Canção Nacional 2010 que acontecerá nos dias e 28, 29. e 30 de outubro de 2010. As fichas de inscrições e o Edital serão disponibilizados no site da Prefeitura do Crato, www.crato.ce.gov.br e na sede da Secretaria da Cultura, Esporte e Juventude a rua Teopisto Abath no Centro Cultural do Araripe, no Largo da RRFSA. Poderão participar do Festival Cariri da Canção Estudantil 2010: estudantes do Ensino Médio, Cursinhos Pré-vestibulares, Cursos Técnicos e Universitários regularmente matriculados na rede de ensino da região Metropolitana do Cariri (Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Caririaçu, Farias Brito, Jardim, Nova Olinda, Missão Velha e Santana do Cariri). Poderão participar do Festival Cariri da Canção Nacional 2010: Todos os compositores e intérpretes de todo território nacional. As inscrições irão até o dia 17 de setembro. Participe! Faça já sua inscrição!Mais informações 88 3523.23.65.

Com informações da ASCOM - PMC
Mais informações:
http://www.crato.ce.gov.br
http://www.prefeituramunicipaldocrato.blogspot.com

Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30