xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 10/04/2010 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

10 abril 2010

BlogCuriosidade - De onde vem a Estranha saudação de desejar "Merda" a Alguém.


Vendo aí a avaliação negativa ( 10 contra 3 ) na postagem do Wilson Bernardo parabenizando o Calazans pela passagem do seu aniversário, eu só posso compreender que as pessoas rejeitaram a forma de saudação empregada. Na verdade, o Wilson quis ser diferente, e ao invés de seguir o trivial, o óbvio, de sejar um "Feliz Aniversário", ele desejou "Merda" para o nosso amigo. Para a nossa cultura, isso soa esquisito. Principalmente para os Incautos. Na verdade, desejar "merda" a alguém,significa desejar Sorte. Mas quê ? Como isso é possível? Veja, nesta matéria escrita pela Layla khodair sobre essa tradição Francesa:

DA ONDE VEM a Expressão “MERDA”?

É muito comum no meio artístico atores e bailarinos se desejarem “merda” antes do espetáculo. Depois de muito pesquisar, descobri duas versões interesantes: Diz a lenda que esta expressão surgiu na França e foi um ator quem a introduziu após ter passado por inúmeras provações antes da sua estréia no teatro: deparou-se com um incêndio, perdeu-se no percurso e, para finalizar, pisou na merda! Mesmo com tantas adversidades, fez a sua melhor atuação e foi ovacionado pelos críticos e pelo público.

A outra versão, que eu particularmente achei mais lógica, relata que de fato a expressão é francesa e surgiu no século passado quando as pessoas ainda de locomoviam com charretes. Os artistas se desejavam “merda” porque quanto mais cocô de cavalo na porta do teatro mais charretes haveria. Quanto mais charretes mais público, o que significaria casa cheia! Legal, né? Seja como for, a expressão “merda” significa “boa sorte” e quando alguém desejá-la a você, nunca responda “obrigada”. Fique em silêncio ou diga “merda” também.

http://laylakhodair.wordpress.com

Portanto, em certos casos, e dependendo da colocação, principalmente a utilizada, se uma pessoa te desejar "merda", você tem mais é que Agradecer. Agora, cuidado com as palavras. Uma coisa é desejar "merda", e outra coisa é mandar alguém "à merda". Você sabia disso ?

Abraços,

Dihelson Mendonça

CRATO - 11 de Abril - PREVISÃO DO TEMPO - Choveu a Noite Inteira no Crato

Fonte: Climatempo

Leia a íntegra do discurso do pré-candidato do PSDB José Serra


NE - Começa a corrida...


José Serra - Foto: DIDA SAMPAIO/AGÊNCIA ESTADO/AE

Ex-governador de São Paulo vai concorrer à presidência. Lançamento aconteceu neste sábado em Brasília.

"O BRASIL PODE MAIS

Venho hoje, aqui, falar do meu amor pelo Brasil; falar da minha vida; falar da minha experiência; falar da minha fé; falar das minhas esperanças no Brasil. E mostrar minha disposição de assumir esta caminhada. Uma caminhada que vai ser longa e difícil mas que com a ajuda de Deus e com a força do povo brasileiro será com certeza vitoriosa.

Alguns dias atrás, terminei meu discurso de despedida do Governo de São Paulo afirmando minha convicção de que o Brasil pode mais. Quatro palavras, em meio a muitas outras. Mas que ganharam destaque porque traduzem de maneira simples e direta o sentimento de milhões de brasileiros: o de que o Brasil, de fato, pode mais. E é isto que está em jogo nesta hora crucial!

Nos últimos 25 anos, o povo brasileiro alcançou muitas conquistas: retomamos a Democracia, arrancamos nas ruas o direito de votar para presidente, vivemos hoje num país sem censura e com uma imprensa livre. Somos um Estado de Direito Democrático. Fizemos uma nova Constituição, escrita por representantes do povo. Com o Plano Real, o Brasil transformou sua economia a favor do povo, controlou a inflação, melhorou a renda e a vida dos mais pobres, inaugurou uma nova Era no Brasil. Também conquistamos a responsabilidade fiscal dos governos. Criamos uma agricultura mais forte, uma indústria eficiente e um sistema financeiro sólido. Fizemos o Sistema Único de Saúde, conseguimos colocar as crianças na escola, diminuímos a miséria, ampliamos o consumo e o crédito, principalmente para os brasileiros mais pobres. Tudo isso em 25 anos. Não foram conquistas de um só homem ou de um só Governo, muito menos de um único partido. Todas são resultado de 25 anos de estabilidade democrática, luta e trabalho. E nós somos militantes dessa transformação, protagonistas mesmo, contribuímos para essa história de progresso e de avanços do nosso País. Nós podemos nos orgulhar disso.

Mas, se avançamos, também devemos admitir que ainda falta muito por fazer. E se considerarmos os avanços em outros países e o potencial do Brasil, uma conclusão é inevitável: o Brasil pode ser muito mais do que é hoje.

Mas para isso temos de enfrentar os problemas nacionais e resolvê-los, sem ceder à demagogia, às bravatas ou à politicagem. E esse é um bom momento para reafirmarmos nossos valores. Começando pelo apreço à Democracia Representativa, que foi fundamental para chegarmos aonde chegamos. Devemos respeitá-la, defendê-la, fortalecê-la. Jamais afrontá-la.

Democracia e Estado de Direito são valores universais, permanentes, insubstituíveis e inegociáveis. Mas não são únicos. Honestidade, verdade, caráter, honra, coragem, coerência, brio profissional, perseverança são essenciais ao exercício da política e do Poder. É nisso que eu acredito e é assim que eu ajo e continuarei agindo. Este é o momento de falar claro, para que ninguém se engane sobre as minhas crenças e valores. É com base neles que também reafirmo: o Brasil, meus amigos e amigas, pode mais.

Governos, como as pessoas, têm que ter alma. E a alma que inspira nossas ações é a vontade de melhorar a vida das pessoas que dependem do estudo e do trabalho, da Saúde e da Segurança. Amparar os que estão desamparados.

Sabem quantas pessoas com alguma deficiência física existem no Brasil? Mais de 20 milhões – a esmagadora maioria sem o conforto da acessibilidade aos equipamentos públicos e a um tratamento de reabilitação. Os governos, como as pessoas, têm que ser solidários com todos e principalmente com aqueles que são mais vulneráveis.

Quem governa, deve acreditar no planejamento de suas ações. Cultivar a austeridade fiscal, que significa fazer melhor e mais com os mesmos recursos. Fazer mais do que repetir promessas. O governo deve ouvir a voz dos trabalhadores e dos desamparados, das mulheres e das famílias, dos servidores públicos e dos profissionais de todas as áreas, dos jovens e dos idosos, dos pequenos e dos grandes empresários, do mercado financeiro, mas também do mercado dos que produzem alimentos, matérias-primas, produtos industriais e serviços essenciais, que são o fundamento do nosso desenvolvimento, a máquina de gerar empregos, consumo e riqueza.

O governo deve servir ao povo, não a partidos e a corporações que não representam o interesse público. Um governo deve sempre procurar unir a nação. De mim, ninguém deve esperar que estimule disputas de pobres contra ricos, ou de ricos contra pobres. Eu quero todos, lado a lado, na solidariedade necessária à construção de um país que seja realmente de todos.

Ninguém deve esperar que joguemos estados do Norte contra estados do Sul, cidades grandes contra cidades pequenas, o urbano contra o rural, a indústria contra os serviços, o comércio contra a agricultura, azuis contra vermelhos, amarelos contra verdes. Pode ser engraçado no futebol. Mas não é quando se fala de um País. E é deplorável que haja gente que, em nome da política, tente dividir o nosso Brasil.

Não aceito o raciocínio do nós contra eles. Não cabe na vida de uma Nação. Somos todos irmãos na pátria. Lutamos pela união dos brasileiros e não pela sua divisão. Pode haver uma desavença aqui outra acolá, como em qualquer família. Mas vamos trabalhar somando, agregando. Nunca dividindo. Nunca excluindo. O Brasil tem grandes carências. Não pode perder energia com disputas entre brasileiros. Nunca será um país desenvolvido se não promover um equilíbrio maior entre suas regiões. Entre a nossa Amazônia, o Centro Oeste e o Sudeste. Entre o Sul e o Nordeste. Por isso, conclamo: Vamos juntos. O Brasil pode mais. O desenvolvimento é uma escolha. E faremos essa escolha. Estamos preparados para isso.

Ninguém deve esperar que joguemos o governo contra a oposição, porque não o faremos. Jamais rotularemos os adversários como inimigos da pátria ou do povo. Em meio século de militância política nunca fiz isso. E não vou fazer. Eu quero todos juntos, cada um com sua identidade, em nome do bem comum.

Na Constituinte fiz a emenda que permitiu criar o FAT, financiar e fortalecer o BNDES e tirar do papel o seguro-desemprego – que hoje beneficia 10 milhões de trabalhadores. Todos os partidos e blocos a apoiaram. No ministério da Saúde do governo Fernando Henrique tomei a iniciativa de enviar ou refazer e impulsionar seis projetos de lei e uma emenda constitucional – a criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Saúde, a implantação dos genéricos, a proibição do fumo nos aviões e da propaganda de cigarros, a regulamentação dos planos de saúde, o combate à falsificação de remédios e a PEC 29, que vinculou recursos à Saúde nas três esferas da Federação - todos, sem exceção, aprovados pelos parlamentares do governo e da oposição. É assim que eu trabalho: somando e unindo, visando ao bem comum. Os membros do Congresso que estão me ouvindo, podem testemunhar: suas emendas ao orçamento da Saúde eram acolhidas pela qualidade, nunca devido à sua filiação partidária.



Se o povo assim decidir, vamos governar com todas e com todos, sem discriminar ninguém. Juntar pessoas em vez de separá-las; convidá-las ao diálogo, em vez de segregá-las; explicar os nossos propósitos, em vez de hostilizá-las. Vamos valorizar o talento, a honestidade e o patriotismo em vez de indagar a filiação partidária.

Minha história de vida e minhas convicções pessoais sempre estiveram comprometidas com a unidade do país e com a unidade do seu povo. Sou filho de imigrantes, morei e cresci num bairro de trabalhadores que vinham de todas as partes, da Europa, do Nordeste, do Sul. Todos em busca de oportunidade e de esperança.

A liderança no movimento estudantil me fez conhecer e conviver com todo o Brasil logo ao final da minha adolescência. Aliás, na época, aprendi mesmo a fazer política no Rio, em Minas, na Bahia e em Pernambuco, aos 21 anos de idade. O longo exílio me levou sempre a enxergar e refletir sobre o nosso país como um todo.

Minha história pessoal está diretamente vinculada à valorização do trabalho, à valorização do esforço, à valorização da dedicação. Lembro-me do meu pai, um modesto comerciante de frutas no mercado municipal: doze horas de jornada de trabalho nos dias úteis, dez horas no sábado, cinco horas aos domingos. Só não trabalhava no dia 1 de janeiro. Férias? Um luxo, pois deixava de ganhar o dinheiro da nossa subsistência. Um homem austero, severo, digno. Seu exemplo me marcou na vida e na compreensão do que significa o amor familiar de um trabalhador: ele carregava caixas de frutas para que um dia eu pudesse carregar caixas de livros.

E eu me esforço para tornar digno o trabalho de todo homem e mulher, do ser humano como ele foi. Porque vejo a imagem de meu pai em cada trabalhador. Eu a vi outro dia, na inauguração do Rodoanel, quando um dos operários fez questão de me mostrar com orgulho seu nome no mural que eu mandei fazer para exibir a identidade de todos os trabalhadores que fizeram aquela obra espetacular. Por que o mural? Por justo reconhecimento e porque eu sabia que despertaria neles o orgulho de quem sabe exercer a profissão. Um momento de revelação a si mesmos de que eles são os verdadeiros construtores nesta nação.

Eu vejo em cada criança na escola o menino que eu fui, cheio de esperanças, com o peito cheio de crença no futuro. Quando prefeito e quando governador, passei anos indo às escolas para dar aula (de verdade) à criançada da quarta série. Ia reencontrar-me comigo mesmo. Porque tudo o que eu sou aprendi em duas escolas: a escola pública e a escola da vida pública. Aliás, e isto é um perigo dizer, com freqüência uso senhas de computador baseadas no nome de minhas professoras no curso primário. E toda vez que escrevo lembro da sua fisionomia, da sua voz, do seu esforço, e até das broncas, de um puxão de orelhas, quando eu fazia alguma bagunça.


Mas é por isso tudo que sempre lutei e luto tanto pela educação dos milhões de filhos do Brasil. No país com que sonho para os meus netos, o melhor caminho para o sucesso e a prosperidade será a matrícula numa boa escola, e não a carteirinha de um partido político. E estou convencido de uma coisa: bons prédios, serviços adequados de merenda, transporte escolar, atividades esportivas e culturais, tudo é muito importante e deve ser aperfeiçoado. Mas a condição fundamental é a melhora do aprendizado na sala de aula, propósito bem declarado pelo governo, mas que praticamente não saiu do papel. Serão necessários mais recursos. Mas pensemos no custo para o Brasil de não ter essa nova Educação em que o filho do pobre freqüente uma escola tão boa quanto a do filho do rico. Esse é um compromisso.

É preciso prestar atenção num retrocesso grave dos últimos anos: a estagnação da escolaridade entre os adolescentes. Para essa faixa de idade, embora não exclusivamente para ela, vamos turbinar o ensino técnico e profissional, aquele que vira emprego. Emprego para a juventude, que é castigada pela falta de oportunidades de subir na vida. E vamos fazer de forma descentralizada, em parcerias com estados e municípios, o que garante uma vinculação entre as escolas técnicas e os mercados locais, onde os empregos são gerados. Ensino de qualidade e de custos moderados, que nos permitirá multiplicar por dois ou três o número de alunos no país inteiro, num período de governo. Sim, meus amigos e amigas, o Brasil pode mais.

Podemos e devemos fazer mais pela saúde do nosso povo. O SUS foi um filho da Constituinte que nós consolidamos no governo passado, fortalecendo a integração entre União, Estados e Municípios; carreando mais recursos para o setor; reduzindo custos de medicamentos; enfrentando com sucesso a barreira das patentes, no Brasil e na Organização Mundial do Comércio; ampliando o sistema de atenção básica e o Programa Saúde da Família em todo o Brasil; prestigiando o setor filantrópico sério, com quem fizemos grandes parcerias, dos hospitais até a prevenção e promoção da Saúde, como a Pastoral da Criança; fazendo a melhor campanha contra a AIDS do mundo em desenvolvimento; organizando os mutirões; fazendo mais vacinações; ampliando a assistência às pessoas com deficiência; cerceando o abuso do incentivo ao cigarro e ao tabaco em geral. E muitas outras coisas mais. De fato, e mais pelo que aconteceu na primeira metade do governo, a Saúde estagnou ou avançou pouco. Mas a Saúde pode avançar muito mais. E nós sabemos como fazer isso acontecer.

Saúde é vida, Segurança também. Por isso, o governo federal deve assumir mais responsabilidades face à gravidade da situação. E não tirar o corpo fora porque a Constituição atribui aos governos estaduais a competência principal nessa área. Tenho visto gente criticar o Estado Mínimo, o Estado Omisso. Concordo. Por isso mesmo, se tem área em que o Estado não tem o direito de ser mínimo, de se omitir, é a segurança pública. As bases do crime organizado estão no contrabando de armas e de drogas, cujo combate efetivo cabe às autoridades federais . Ou o governo federal assume de vez, na prática, a coordenação efetiva dos esforços nacionalmente, ou o Brasil não tem como ganhar a guerra contra o crime e proteger nossa juventude.

Qual pai ou mãe de família não se sente ameaçado pela violência, pelo tráfico e pela difusão do uso das drogas? As drogas são hoje uma praga nacional. E aqui também o Governo tem de investir em clínicas e programas de recuperação para quem precisa e não pode ser tolerante com traficantes da morte. Mais ainda se o narcotráfico se esconde atrás da ideologia ou da política. Os jovens são as grandes vítimas. Por isso mesmo, ações preventivas, educativas, repressivas e de assistência precisam ser combinadas com a expansão da qualificação profissional e a oferta de empregos.

Uma coisa que precisa acabar é a falsa oposição entre construir escolas e construir presídios. Muitas vezes, essa é a conversa de quem não faz nem uma coisa nem outra. É verdade que nossos jovens necessitam de boas escolas e de bons empregos, mas se o indivíduo comete um crime ele deve ser punido. Existem propostas de impor penas mais duras aos criminosos. Não sou contra, mas talvez mais importante do que isso seja a garantia da punição. O problema principal no Brasil não são as penas supostamente leves. É a quase certeza da impunidade. Um país só tem mais chance de conseguir a paz quando existe a garantia de que a atitude criminosa não vai ficar sem castigo.

Eu quero que meus netos cresçam num país em que as leis sejam aplicadas para todos. Se o trabalhador precisa cumprir a lei, o prefeito, o governador e o presidente da República também tem essa obrigação. Em nosso país, nenhum brasileiro vai estar acima da lei, por mais poderoso que seja. Na Segurança e na Justiça, o Brasil também pode mais.

Lembro que os investimentos governamentais no Brasil, como proporção do PIB, ainda são dos mais baixos do mundo em desenvolvimento. Isso compromete ou encarece a produção, as exportações e o comércio. Há uma quase unanimidade a respeito das carências da infra-estrutura brasileira: no geral, as estradas não estão boas, faltam armazéns, os aeroportos vivem à beira do caos, os portos, por onde passam nossas exportações e importações, há muito deixaram de atender as necessidades. Tem gente que vê essas carências apenas como um desconforto, um incômodo. Mas essa é uma visão errada. O PIB brasileiro poderia crescer bem mais se a infra-estrutura fosse adequada, se funcionasse de acordo com o tamanho do nosso país, da população e da economia.

Um exemplo simples: hoje, custa mais caro transportar uma tonelada de soja do Mato Grosso ao porto de Paranaguá do que levar a mesma soja do porto brasileiro até a China. Um absurdo. A conseqüência é menos dinheiro no bolso do produtor, menos investimento e menos riqueza no interior do Brasil. E sobretudo menos empregos.

Temos inflação baixa, mais crédito e reservas elevadas, o que é bom, mas para que o crescimento seja sustentado nos próximos anos não podemos ter uma combinação perversa de falta de infra-estrutura, inadequações da política macroeconômica, aumento da rigidez fiscal e vertiginoso crescimento do déficit do balanço de pagamentos. Aliás, o valor de nossas exportações cresceu muito nesta década, devido à melhora dos preços e da demanda por nossas matérias primas. Mas vai ter de crescer mais. Temos de romper pontos de estrangulamento e atuar de forma mais agressiva na conquista de mercados. Vejam que dado impressionante: nos últimos anos, mais de 100 acordos de livre comércio foram assinados em todo o mundo. São um instrumento poderoso de abertura de mercados. Pois o Brasil, junto com o MERCOSUL, assinou apenas um novo acordo (com Israel), que ainda não entrou em vigência!

Da mesma forma, precisamos tratar com mais seriedade a preservação do meio-ambiente e o desenvolvimento sustentável. Repito aqui o que venho dizendo há anos: é possível, sim, fazer o país crescer e defender nosso meio ambiente, preservar as florestas, a qualidade do ar a contenção das emissões de gás carbônico. É dever urgente dar a todos os brasileiros saneamento básico, que também é meio ambiente. Água encanada de boa qualidade, esgoto coletado e tratado não são luxo. São essenciais. São Saúde. São cidadania. A economia verde é, ao contrário do que pensam alguns, uma possibilidade promissora para o Brasil. Temos muito por fazer e muito o que progredir, e vamos fazê-lo.

Também não são incompatíveis a proteção do meio ambiente e o dinamismo extraordinário de nossa agricultura, que tem sido a galinha de ovos de ouro do desenvolvimento do país, produzindo as alimentos para nosso povo, salvando nossas contas externas, contribuindo para segurar a inflação e ainda gerar energia! Estou convencido disso e vamos provar o acerto dessa convicção na prática de governo. Sabem por quê? Porque sabemos como fazer e porque o Brasil pode mais!

O Brasil está cada vez maior e mais forte. É uma voz ouvida com respeito e atenção. Vamos usar essa força para defender a autodeterminação dos povos e os direitos humanos, sem vacilações. Eu fui perseguido em dois golpes de estado, tive dois exílios simultâneos, do Brasil e do Chile. Sou sobrevivente do Estádio Nacional de Santiago, onde muitos morreram. Por algum motivo, Deus permitiu que eu saísse de lá com vida. Para mim, direitos humanos não são negociáveis. Não cultivemos ilusões: democracias não têm gente encarcerada ou condenada à forca por pensar diferente de quem está no governo. Democracias não têm operários morrendo por greve de fome quando discordam do regime.

Nossa presença no mundo exige que não descuidemos de nossas Forças Armadas e da defesa de nossas fronteiras. O mundo contemporâneo é desafiador. A existência de Forças Armadas treinadas, disciplinadas, respeitadoras da Constituição e das leis foi uma conquista da Nova República. Precisamos mantê-las bem equipadas, para que cumpram suas funções, na dissuasão de ameaças sem ter de recorrer diretamente ao uso da força e na contribuição ao desenvolvimento tecnológico do país.

Como falei no início, esta será uma caminhada longa e difícil. Mas manteremos nosso comportamento a favor do Brasil. Às provocações, vamos responder com serenidade; às falanges do ódio que insistem em dividir a nação vamos responder com nosso trabalho presente e nossa crença no futuro. Vamos responder sempre dizendo a verdade. Aliás, quanto mais mentiras os adversários disserem sobre nós, mais verdades diremos sobre eles.

O Brasil não tem dono. O Brasil pertence aos brasileiros que trabalham; aos brasileiros que estudam; aos brasileiros que querem subir na vida; aos brasileiros que acreditam no esforço; aos brasileiros que não se deixam corromper; aos brasileiros que não toleram os malfeitos; aos brasileiros que não dispõem de uma “boquinha”; aos brasileiros que exigem ética na vida pública porque são decentes; aos brasileiros que não contam com um partido ou com alguma maracutaia para subir na vida.

Este é o povo que devemos mobilizar para a nossa luta; este é o povo que devemos convocar para a nossa caminhada; este é o povo que quer, porque assim deve ser, conservar as suas conquistas, mas que anseia mais. Porque o Brasil, meus amigos e amigas, pode mais. E, por isso, tem de estar unido. O Brasil é um só.

Pretendo apresentar ao Brasil minha história e minhas idéias. Minha biografia. Minhas crenças e meus valores. Meu entusiasmo e minha confiança. Minha experiência e minha vontade.

Vou lhes contar uma coisa. Desde cedo, quando entrei na vida pública, descobri qual era a motivação maior, a mola propulsora da atividade política. Para mim, a motivação é o prazer. A vida pública não é sacrifício, como tantos a pintam, mas sim um trabalho prazeroso. Só que não é o mero prazer do desfrute. É o prazer da frutificação. Não é um sonho de consumo. É um sonho de produção e de criação. Aprendi desde cedo que servir é bom, nos faz felizes, porque nos dá o sentido maior de nossas existências, porque nos traz uma sensação de bem estar muito mais profunda do que quaisquer confortos ou vantagens propiciados pelas posições de Poder. Aprendi que nada se compara à sensação de construir algo de bom e duradouro para a sociedade em que vivemos, de descobrir soluções para os problemas reais das pessoas, de fazer acontecer.

O grande escritor mineiro Guimarães Rosa, escreveu: O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. Concordo. É da coragem que a vida quer que nós precisamos agora.

Coragem para fazer um projeto de País, com sonhos, convicções e com o apoio da maioria.

Juntos, vamos construir o Brasil que queremos, mais justo e mais generoso. Eleição é uma escolha sobre o futuro. Olhando pra frente, sem picuinhas, sem mesquinharias, eu me coloco diante do Brasil, hoje, com minha biografia, minha história política e com . esperança no nosso futuro. E determinado a fazer a minha parte para construir um Brasil melhor. Quero ser o presidente da união. Vamos juntos, brasileiros e brasileiras, porque o Brasil pode mais."

Fonte: G1 - Lançamento da pré-candidatura à presidência do ex-governador de São Paulo José Serra. (Foto: DIDA SAMPAIO/AGÊNCIA ESTADO/AE)

Leia o discurso de Dilma na Íntegra

NE - Começou a disputa....


Companheiros e Companheiras do ABC.

Estou aqui hoje e quero aproveitar este momento para me identificar com maior clareza. Os da oposição precisam dizer quem são. Vocês sabem quem eu sou, e vão saber ainda mais. O que eu fiz, o que planejo fazer e, uma coisa muito importante, o que eu não faço de jeito nenhum. Por isso gostaria de dizer que:

1 Eu não fujo quando a situação fica difícil. Eu não tenho medo da luta. Posso apanhar, sofrer, ser maltratada, mas estou sempre firme com minhas convicções. Em cada época da minha vida, fiz o que fiz por acreditar no que fazia. Só segui o que a minha alma e o meu coração mandavam. Nunca me submeti. Nunca abandonei o barco.

2 Eu não sou de esmorecer. Vocês não me verão entregando os pontos, desistindo, jogando a toalha. Vou lutar até o fim por aquilo em que acredito. Estarei velhinha, ao lado dos meus netos, mas lutando sempre pelos meus princípios. Por um País desenvolvido com oportunidades para todos, com renda e mobilidade social, soberano e democrático;

3 Eu não apelo. Vocês não verão Dilma Rousseff usando métodos desonestos e eticamente condenáveis para ganhar ou vencer. Não me verão usando mercenários para caluniar e difamar adversários. Não me verão fazendo ou permitindo que meus seguidores cometam ataques pessoais a ninguém. Minhas críticas serão duras, mas serão políticas e civilizadas. Mesmo que eu seja alvo de ataques difamantes.

4 Eu não traio o povo brasileiro. Tudo o que eu fiz em política sempre foi em defesa do povo brasileiro. Eu nunca traí os interesses e os direitos do povo. E nunca trairei. Vocês não me verão por aí pedindo que esqueçam o que afirmei ou escrevi. O povo brasleiro é a minha bússola. A eles dedico meu maior esforço. É por eles que qualquer sacrifício vale a pena.

5 Eu não entrego o meu país. Tenham certeza de que nunca, jamais me verão tomando decisões ou assumindo posições que signifiquem a entrega das riquezas nacionais a quem quer que seja. Não vou destruir o estado, diminuindo seu papel a ponto de tornar-se omisso e inexistente. Não permitirei, se tiver forças para isto, que o patrimônio nacional, representado por suas riquezas naturais e suas empresas públicas, seja dilapidado e partido em pedaços . O estado deve estar a serviço do interesse nacional e da emancipação do povo brasileiro.

6 Eu respeito os movimenos sociais. Esteja onde estiver, respeitarei sempre os movimentos sociais, o movimento sindical, as organizações independentes do povo. Farei isso porque entendo que os movimentos sociais são a base de uma sociedade verdadeiramente democrática. Defendo com unhas e dentes a democracia representativa e vejo nela uma das mais importantes conquistas da humanidade. Tendo passado tudo o que passei justamente pela falta de liberdade e por estar lutando pela liberdade, valorizo e defenderei a democracia. Defendo também que democracia é voto, é opinião. Mas democracia é também conquista de direitos e oportunidades. É participação, é distribuição de renda, é divisão de poder. A democracia que desrespeita os movimentos sociais fica comprometida e precisa mudar para não definhar. O que estamos fazendo no governo Lula e continuaremos fazendo é garantir que todos sejam ouvidos.

Democrata que se preza não agride os movimentos sociais. Não trata grevistas como caso de polícia. Não bate em manifestantes que estejam lutando pacificamente pelos seus interesses legítimos.

Companheiras e companheiros,

Aquele país triste, da estagnação e do desemprego, ficou pra trás. O povo brasileiro não quer esse passado de volta.

Acabou o tempo dos exterminadores de emprego, dos exterminadores de futuro. O tempo agora é dos criadores de emprego, dos criadores de futuro.
Porque, hoje, o Brasil é um país que sabe o quer, sabe aonde quer chegar e conhece o caminho. É o caminho que Lula nos mostrou e por ele vamos prosseguir. Avançando.

Com a força do povo e a graça de Deus.

Fonte: Luis Nassif

Lula pede desculpas a Judiciário por declaração

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou seu discurso no evento "Emprego e Qualificação Profissional", organizado pelas centrais sindicais na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, pedindo desculpas ao PT( Partido dos Trabalhadores) e ao Poder Judiciário. Segundo o presidente, os comentários feitos durante a semana levaram à interpretação de que ele havia criticado o Poder Judiciário. Na noite da última quinta-feira (8), em encontro do partido PC do B , Lula comentou sobre as multas aplicadas a ele pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), baseadas no entendimento dos ministros de que teria feito propaganda eleitoral para a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff. No evento, o presidente disse que ninguém pode ficar esperando, a cada eleição, mudança e que "não podemo ficar subordinados ao que um juiz diz que podemos ou não fazer".

Neste sábado (10), em seu discurso, Lula disse que foi mal interpretado e que tentava dizer, na ocasião, que os juízes, às vezes, adotam algumas políticas equivocadas porque os partidos políticos se omitem na proposição de políticas para o país. Lula sugeriu ainda que parte da polêmica teria sido gerada porque a imprensa retirou declarações suas do contexto geral de seu discurso e insistiu que os partidos políticos precisam tomar coragem para fazer o que tem de ser feito.

- É como eu chegar aqui e dizer que encontrei um bandido que me falou que mataria o Marinho (Luis Marinho, prefeito de São Bernardo do Campo) e a imprensa colocar, como se fosse da minha boca, só a parte que fala 'eu vou matar o Marinho'. Fora do contexto, eu sairia daqui preso

O presidente Lula também insinuou que o fato de a organização do evento em São Bernardo ter programado o discurso da pré-candidata Dilma para as 14h poderia ser um pretexto para que os jornais não deem a ela o mesmo espaço que deverá receber o ex-governador paulista. José Serra também lança a sua pré-candidatura à Presidência da República, neste sabádo.

- Nós temos que aprender algumas coisas. Todo mundo sabe que, aos sábados, os jornais fecham às 11h e o nosso oponente começou a falar no evento dos tucanos às 11h. Se os jornais não deixarem espaço para a Dilma, depois não podemos reclamar, porque vamos perder a razão.

Lula, ainda acrescentou que "para falar bem (do governo) o espaço fecha sempre às 11h, mas se for para falar mal, espera-se até as 17 horas". Sobre o encontro da oposição do sábado em Brasília, o presidente criticou a fala do ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves, que, segundo afirmou à plateia em São Bernardo, teria dito que "é preciso reforçar o processo de privatização". O presidente afirmou que "esse foi o momento mais aplaudido da festa deles" e que não queria "esse aplauso". A declaração arrancou risos e aplausos dos presentes. Lula reafirmou que foram instituições financeiras públicas, como o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES, que impediram o país de sucumbir diante da crise. Em Brasília, o ex-governador de Minas, Aécio Neves, reconheceu as privatizações feitas no passado pelo PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira).

- Privatizamos sim, mas setores que precisavam, como o de telefonia e a siderurgia. Eles (PT) negaram a eficiência.

Fonte: Agência Estado

Poloneses ocupam centro de Varsóvia após trágico acidente

VARSÓVIA (AFP) - Milhares de pessoas se concentravam na noite deste sábado diante do Palácio Presidencial de Varsóvia, para homenagear as vítimas do acidente aéreo que matou o presidente Lech Kaczynski. A avenida diante do Palácio, as ruas próximas e a enorme praça Pilsudski foram ocupadas por milhares de pessoas, muitos portando círios para lembrar as vítimas do acidente deste sábado, na Rússia. Jerzy Grabowski, 55 anos, acompanhado da mulher, acendeu uma vela diante do Palácio Presidencial e outra no local onde o Papa João Paulo II celebrou sua grande missa na praça, durante sua primeira peregrinação à Polônia, em 1979. Lech Kaczynski morreu quando o avião em que viajava com outras 95 pessoas, entre elas sua esposa e os principais comandantes das Forças Armadas, um Tupolev-154, caiu perto de Smolensk, no oeste da Rússia.

Entre as vítimas estão, também, o presidente do Banco Central polonês, Slawomir Skrzypek, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Franciszek Gagor, assim como os principais comandantes do Exército polonês. O avião teria se chocado com árvores, incendiando em seguida, segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores polonês, Piotr Paszkowski. Todos se dirigiam a Katyn, perto de Smolensk, para assistir a um ato em homenagem a oficiais poloneses executados há 70 anos pela polícia de Stalin.

Fonte: Yahoo Notícias

Sobre a Cassação de Vereadores...

Algumas pessoas têm nos escrito para que possamos publicar informações sobre os rumores que circulam no Crato sobre uma possível cassação de alguns vereadores. Sem citar nomes, quero dizer que a princípio, a cassação de um vereador passa por três instâncias. Mesmo citados, estes poderão recorrer da decisão e somente na última instância, em Brasília é que poderá sair o veredito final. Consultei o repórter Wilson Bernardo sobre o assunto e o mesmo se pronunciou que já está a par destas informações e muitas outras há pelo menos 4 dias, mas não irá fazer nenhuma matéria que possa denegrir ou expor nomes de vários vereadores em Crato, ou ter alguma página do Blog anexada ao processo judicial. Por outro lado, se essa notícia sair em algum "Big Brother" da imprensa, algum jornal de grande circulação tipo o Diário do Nordeste, e óbvio que assim, logo publicaremos. Não podemos publicar especulações, nem atrapalhar o andamento de processos judiciais. Que os leitores possam compreender isso.

Abraços,

Dihelson Mendonça

CRATO - Notícias do dia 11 de Abril de 2010



Secretaria de Cultura do Crato se prepara para o "Abriu Pr'a Juventude"

Foi realizada ontem pela manhã no auditório do Centro Cultural do Araripe, no largo da RFFSA reunião da Secretaria de Cultura Esporte e Juventude onde foram tratados assuntos em relação ao "Abriu Pr'a Juventude" 2010. Estiveram presentes representantes de instituições de ensino e entidades como SESC, SEBRAE, SOAFAMC, VERDE VIDA, NOVA VIDA< style="font-weight: bold; color: rgb(0, 0, 153);">Atividades do ProJovem Adolescente reiniciarão nesta segunda-feira

O Governo Municipal do Crato, por meio da Secretaria de Ação Social reiniciará as aulas do ProJovem Adolescente, na próxima segunda-feira, dia 12. A Coordenação do projeto solicita à todos os adolescentes que estão escritos à se fazerem presentes no Centro de Referencia em Assistência Social - CRAS da sua comunidade ou na localidade indicada, no horário de 8 as 14 horas. Sendo importante lembrar que o jovem interessado em participar do Projeto e que ainda não fez a sua inscrição ainda tem até o dia 30 para se inscrever e acompanhar. O ProJovem Adolescente é um dos quatro eixos do Programa Nacional de Inclusão de Jovens, integrando serviço e transferência de renda, exigindo esforço de todos os gestores (municipais, estaduais e federal). Os objetivos são fortalecer a família, os vínculos familiares e sociais.

Hoje nos postos de saúde vacina contra a gripe Influenza A para população de 20 a 29 anos

A Secretaria de Saúde do Crato disponibiliza durante o dia de hoje, nas unidades de saúde do município, a vacinação para a população da faixa etária de 20 a 29 anos, contra a Influenza A H1N1 (gripe suína). Estarão abertas para receber os usuários da saúde, os seguintes postos: Posto de Saúde da Santa Fé, Posto de Saúde de Dom Quintino, Posto de Saúde da Ponta da Serra, Centro de Especialidades do Crato, Posto de Saúde Padre Cícero e São Bento, Posto de Saúde Fábio Pinheiro Esmeraldo, Posto de Saúde do Cemic, Posto de Saúde Gisélia Pinheiro (Batateira), Posto de Saúde da Vila Alta, Posto de Saúde Teodorico Teles, Posto de Saúde Muriti I, posto de Saúde Muriti II, Creche São Miguel, Posto de Saúde Alcides Peixoto, Posto de Saúde da Cica, Centro de Nutrição, Posto de Saúde do Pantanal e Posto de Saúde do Belmonte.

Ação Social abre inscrições para o Projeto Primeiro Passo

A Secretaria de Ação Social comunica que as inscrições para o Projeto Primeiro Passo, na Modalidade JOVEM APRENDIZ , na categoria de Auxiliar Administrativo, serão realizadas na respectiva Secretaria no endereço: Av. Perimetral Dom Francisco,S/N- Bairro: São Miguel -Crato-Ce,no período de 13 a 15 deste mês, no horário de 8 horas às 13 horas, munidos dos seguintes documentos (ORIGINAIS):
- Identidade;
-Cadastro de Pessoa Física(CPF);
-Carteira de Trabalho(CTPs);
-Comprovante de Residência;
-Certificado de Conclusão do Ensino Médio.

Maiores informações ligar para: (88) 3521-6425 . Falar com: Amanda Bizerra e Luiza Maria.

Governo Municipal do Crato

Psicologia no Cotidiano Ψ Travesti Ψ Por João César Mousinho De Queiroz.

NE - O Travestismo

Travesti tem origem na língua francesa como uma variante da Burlesque (um gênero artístico) fortemente associada ao erotismo, onde mulheres se apresentavam com roupas pequenas e provocantes a partir do século XV. Outro termo semelhante, transvestite, de origem alemã, foi cunhado a partir dos estudos do sexologista alemão, Magnus Hirschfeld, que publicou a obra Die Transvestiten em 1925. Essa obra o termo transvestite descreve pessoas que se vestiam voluntariamente com roupas do sexo oposto. Modernamente, consultando dicionários, o termo travesti pode ser referir a artistas que se vestem com roupas do sexo oposto (incluindo mas não se limitando a transformistas e drag queens), pessoas que se vestem voluntariamente com roupas do sexo oposto (crossdressers, travestis, transexuais, eonistas) e mesmo pessoas que usam roupas do sexo oposto como disfarce. No jargão popular brasileiro, contudo, o termo travesti é amplamente associado a pessoas do sexo masculino que se vestem com roupas femininas e modificam o seu corpo para ter seios e glúteo femininos. Esses travestis são muitas vezes empurrados à prostituição por falta de oportunidades no mercado de trabalho formal, devido ao preconceito.
Termo eonismo ou eonista tem origem no agente secreto francês Chevalier d’Eon que durante muitos anos se fez passar por mulher. O sentido de disfarçar-se associado ao travestismo e eonismo (Éon+ismo) provavelmente deve-se a esse agente secreto. O termo travesti hoje em dia se refere principalmente à pessoa que apresenta sua identidade de gênero oposta ao sexo designado no nascimento, mas que não almeja se submeter à Cirurgia de Redesignação Sexual - CRS. Travestilidade, enquanto transgeneridade, é uma condição identitária e não uma orientação sexual. Portanto, as pessoas que se autodenominam travestis podem se identificar como homossexuais, heterossexuais, bissexuais ou assexuais.

A palavra travesti é também utilizada (embora mais raramente) para identificar pessoas que vivem o seu género de forma oposta ao sexo designado no nascimento apenas em alguns períodos do seu dia-a-dia por diversas razões, algumas das quais não directamente relacionadas com identidade de género no seu sentido mais restrito, mas às suas profissões (como drag queens e transformistas). Apesar de no senso comum muitas vezes se considerar que as travestis pertencem a um contexto da sociedade moderna, amparada pela visilibidade recente, incluindo o início dos estudos pela sociedade ocidental no século XX, considera-se informações sobre culturas milenares onde há relatos de pessoas vivendo uma identidade de gênero diferente do sexo biológico. O Kama Sutra, escrito em datas que apontam para um período entre 1500 a.C. e 600 d.C., mencionam relações masculinas e femininas de pessoas do "terceiro sexo" (tritiya prakriti). Hijras, Eunucos e uma variedade de termos podem se referir a pessoas de outras culturas milenares que viveram e vivem entre a travestibilidade e transexualidade de acordo com os termos ocidentais.

Travesti - no sentido fisiológico o travesti é um homem, mas se relaciona com o mundo como se fosse uma mulher: seu corpo é moldado com formas femininas, socialmente exerce o papel da mulher, mas na intimidade usa às vezes seu pênis em suas relações sexuais, masturbando-se quando passiva o que é mais comum ou quando o mesmo exerce o papel sexual ativo. Também a casos de travestis que sentem prazer apenas com a penetração anal, sendo assim não necessitando masturbar-se. A principal característica que permeia esse universo é abrigar num corpo masculino, o espírito e a mente femininos e possuir ainda genitália masculina, que não lhe traz nenhum constrangimento. As travestis podem viver sua sexualidade, incorporando em um mesmo corpo físico e mental, o masculino e o feminino, forma dúbia que pode estar expressa na sua própria aparência.

Transexual - o indivíduo transexual tem como característica principal o desejo constante e intenso de modificar seu sexo genital. Entende-se que uma pessoa transexual possui a genitália de determinado sexo (masculino ou feminino), porém, sua psique (mente) é oposta a ele. Sendo assim, o transexual de homem para mulher é aquele que nasceu com a genitália masculina (pênis), mas sua psique é feminina. Ou seja, se de mulher para homem,temos uma pessoa que nasceu com a genitália feminina (vagina), mas sua psique é masculina, determinando que ela se perceba interna e externamente como um homem. As pessoas transexuais vivem grande parte de suas vidas (quando não toda ela) numa grande angústia interna, uma vez que têm a sensação de possuírem uma alma feminina ou masculina encarcerada num corpo físico oposto a tal realidade interna. Isso se traduz também numa angústia extrema, não compreendida cultural e socialmente, sendo muitas vezes até mesmo banalizada.

Portanto, a diferença entre travesti e transexual é identificada pelo fato de travesti não possuir a identidade sexual feminina, apesar de poder desempenhar papel sexual feminino. Um travesti se sente confortável com seu sexo genital e não expressa o desejo de alterá-lo. Por outro lado, uma mulher transexual possui a identidade sexual feminina, assim como a identidade de gênero e, portanto, na maioria dos casos, seu maior desejo é realizar a cirurgia de redesignação sexual, garantindo para si uma vida mais adequada, com maior conforto e felicidade. A travestilidade é interessante discorrer sobre a transexualidade. Esse termo surgiu na década de 1950 para designar uma pessoa que aspirasse realmente a viver no gênero anatomicamente contrário ao seu sexo biológico, independente do uso de hormônios e de mudanças cirúrgicas. Durante as décadas de 1960 e 1970, o termo "transexual" começou a seu usado para pessoas que, se acreditava então, viveriam melhor após uma cirurgia de redesignação de sexo, ao passo que o termo travesti passou a designar as pessoas que se identificam no sexo oposto, mas que não desejam a cirurgia. O termo "Síndrome de Disforia de Gênero" foi introduzido nessa época para designar a presença de um distúrbio de gênero; nessa linha foi introduzido o diagnóstico de transexualismo no DSM-III (Manual Diagnóstico e estatístico das Desordens Mentais) em 1980.
Em 1992, a Organização Mundial da Saúde removeu a homossexualidade da CID-10 (Classificação Internacional de Doenças), acontecendo o mesmo com o DSM-IV.

No entendimento das teorias psicológicas modernas, travestis e transexuais, assim como os homossexuais, são dissociados dos distúrbios de desordem mental. Nesse ententimento, a travestibilidade e a transexualidade só podem ser entendidas como um transtorno mental se ela ocasionar um enorme sofrimento mental a essa pessoa. A travestibilidade (e também a transexualidade) permanece classficada na CID-10 pois em alguns casos são recomendados procedimentos médicos como tratamento hormonal e cirurgias plásticas estéticas que somente devem ser realizadas com acompanhamento médico.A prostituição entra no cotidiano de muitos transgêneros em virtude do preconceito e do estigma imputado pela sociedade, que não lhes abre as portas, em virtude da incompreensão à sua condição, e os marginaliza, restringindo-os a guetos e ignorando que eles têm as mesmas necessidades sociais dos outros cidadãos. Defensores dos direitos GLBT do Brasil estão sensíveis às dificuldades enfrentadas pelas travestis tanto na construção de uma cidadania que as aceite como no estudo e aconselhamento sobre os tratamentos hormonais e estéticos que elas almejam. Em audiência com o Ministro da Saúde José Gomes Temporão, realizada em 29 de janeiro de 2008, Dia da Visibilidade Travesti, foi entregue uma carta de reivindicações: entre elas estão a humanização do atendimento às travestis nos serviços de saúde públicos e a ampliação de pesquisas sobre uso de hormônios femininos nas travestis e as conseqüências para a saúde delas.

Fontes: Livros, Artigos, Jornais. não as olimpíadas, não a copa do mundo.
SIM A UMA POLITICA HABITACIONAL DIGNA
.
São Paulo /10 Artigo XVI – Psicólogo Clínico Forense. www.sosdrogasealcool.org

Geopark, no Diario do Nordeste. por Elmano Rodrigues Pìnheiro

O Selo do Geopark Araripe será reavaliado pela Unesco. Critérios de preservação dos fósseis são examinados

Juazeiro do Norte. A preservação dos fósseis na área do Geopark Araripe, com ações contra o possível contrabando do acervo, é um dos critérios relevantes para a renovação de chancela por parte Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), do projeto, depois de quatro anos de reconhecimento internacional. Único nas Américas, o Geopark passa por diversas frentes de atuação, no âmbito das ações a serem avaliadas nos próximos meses, por parte de uma comissão composta por membros da Rede Global do setor. Para um dos membros da Rede Global de Geoparks, Arthur Agostinho de Sá, que também é presidente do Geopark Arouca, em Portugal, a infraestrutura não terá tão grande peso na avaliação, quanto o envolvimento das comunidades e os projetos educacionais desenvolvidos na área caririense.

Arthur esteve em março no Cariri e conheceu mais a fundo os trabalhos que estão sendo desenvolvidos. Ele poderá ser um dos apontados pelo Conselho da Rede para fazer essa análise de renovação da chancela. Isso deverá ocorrer em agosto deste ano. Os integrantes serão definidos, segundo ele, na Conferência da Rede Global de Geoparks, prevista para este mês, na Malásia.

Ele disse que não encontrou nada relacionado à venda de fósseis nos dias de março que esteve na região, e sim, um trabalho de conscientização que chamou sua atenção, bem como informações a respeito da legislação concernente ao setor nas próprias minas. "Ao chegar com um paleontólogo numa pedreira, trabalhadores vieram entregar fósseis recolhidos para o museu", observou. Isso é fruto de um trabalho de anos, conforme o paleontólogo Álamo Feitosa, diretor do Museu de Paleontologia de Santana do Cariri, que hoje tem funcionado muito bem no Estado do Ceará, onde há algum tempo não se tem registro de contrabando de peças.

No seu retorno à Europa, Arthur afirma que irá fazer um pequeno relatório sobre o que viu no Cariri. Ele destaca o Geopark Araripe como um projeto de relevância dentro da Rede Global. "A esta altura, em que tenho uma ideia completamente distinta e mais profunda, o que me parece é que o potencial do Geopark Araripe é enorme. Um local de relevância dentro da Rede Global de Geoparks".

O estudioso vê o projeto como estratégico por se tratar do único das Américas e referência para os que serão criados. Por isto ressalta a importância da renovação do selo. Tanto que em várias regiões do País e na América do Sul estão sendo projetados trabalhos de novos aspirantes. Ele cita, fora o Brasil, a Argentina. Ele não descarta a continuação do reconhecimento, em que serão avaliados vários pontos. O apoio político governamental é visto de forma positiva, além do envolvimento da equipe que ele considera extremamente competente por incorporar a lógica do que é um geopark. A visão política deve ser vista não dentro de um plano que vise interesses partidários, mas de projeto para as gerações futuras.

Outro aspecto ressaltado por Arthur é a própria estrutura já existente, com uma sede atual, que ele considera de bom nível, além do lançamento da obra de uma sede própria, no Crato, já planejada para atender às necessidades do projeto.

A decisão a ser tomada agora em abril, na Malásia, definirá a comissão e o calendário de visita da equipe, a ser acompanhada pela Comissão Gestora do Geopark, da Universidade Regional do Cariri (Urca). O Geopark passou a ser um projeto de governo. Só este ano começaram a ser liberados os recursos para início das obras de infraestrutura. Um plano emergencial é feito para atender às principais exigências.

No Cariri, Arthur se reuniu com a Comissão Gestora, representantes de instituições, o reitor da Urca, Plácido Cidade Nuvens, e apresentou suas impressões e também sugeriu pontos que podem ser trabalhados de forma imediata. Veio como um membro visitante da Rede, a convite do Ministério da Integração e Governo do Ceará.

Até o momento, o trabalho desenvolvido no território, o que ele chama de "mais valias", costuma ter avaliação positiva. Ele não descarta a possibilidade de reconhecimento e renovação do selo. "Existe uma equipe muito empenhada. Houve pequenos atrasos em alguns medidas. Aquilo que é visível pode não ser o que a comissão de avaliação possa considerar", diz.

Referência

O Geopark Araripe vai servir como referencial. É estratégico. A avaliação terá sua importância"
Arthur Agostinho de Sá
Integrante da Rede Global de Geoparks

MAIS INFORMAÇÕES
Escritório do Geopark Araripe - Crato
Rua Teófilo Siqueira, 754, Centro
(88) 3102.1237

PERÍODO CRETÁCEO

Fósseis destacam local no mundo

Juazeiro do Norte. As ocorrências em uma região com fósseis do Período Cretáceo, com até 110 milhões de anos, colocam o Geopark Araripe no topo mundial, conforme Arthur de Sá. "Na Geologia é singular. É um dos melhores do mundo. Os fósseis de peixes, de pterossauros, as florestas petrificadas são relevantes", diz.

Das peças fossilizadas, de onde podem ser traduzidos capítulos importantes da história da evolução da vida na terra, deverão estar o passo importante de reconhecimento das atividades que vem sendo desencadeadas por uma equipe de trabalho. O projeto deve ter um maior envolvimento da sociedade, conforme ele. Também deve funcionar como um forte atrativo de turistas e visitantes, da própria região e de fora, com o desenvolvimento de atividades educativas. "Nesse momento, o que se nota é que isso não existe no terreno. Já está sendo feito um trabalho e ainda há tempo para essas coisas", avalia.

Arthur volta a dar ênfase no problema que considera mais grave: o possível contrabando de fósseis. "O Geopark perde o reconhecimento. A Unesco imediatamente retira. Vender fósseis é crime pela lei brasileira e não só estabelecida pelas diretivas internacionais. A lei brasileira nisso é muito boa".

Segundo o coordenador geral do Geopark Araripe, Patrício Melo, existe uma distinção que precisa ser feita na área do Geopark, por ser pequena, de 6 mil quilômetros quadrados, e envolve o complexo da Bacia Sedimentar do Araripe e em particular da Chapada do Araripe. "Tudo que se produz em termos de fósseis pode vir ou não da área do Geopark. Quando se fala em tráfico de fósseis, poderá vir também de uma área fora do Geopark, mas se banalizou associar tudo a área do Geopark".

O coordenador ressalta que o foco de responsabilidade, dentro da área de geopark, onde também existe área de exploração mineral, é um trabalho de educação e informação ambiental. As atividades estão voltadas para eliminar questões relacionadas ao tráfico, com alternativas de renda e trabalhando com as entidades que têm o poder de fiscalizar e de polícia.

Pequeno Paleontólogo

"Não há registro de tráfico de fósseis recente, diretamente ligado à área do Geopark. Estamos buscando parcerias com os donos de pedreiras, no compromisso de sair material apenas para o Museu", explica Melo. O Projeto Pequeno Paleontólogo deverá ser reanimado, com alunos do Ensino Médio que vão passar determinado tempo da sua pesquisa nas pedreiras. Esse projeto é desenvolvido por meio de Secretaria de Educação do Estado, em parceria com a Urca, para ter alunos identificando presença de fósseis e recolhendo para fins de pesquisas. Uma forma, segundo ele, de apoiar e incentivar o que também educa o estudante e constrange os aproveitadores.

Patrício explica que são muitas frentes que estão sendo desenvolvidas ao mesmo tempo no espaço do Geopark. Alguns desses trabalhos devem ser desenvolvidos de forma urgente. A infraestrutura nos sítios deve ser feita a médio e longo prazos, assim como mais ações de educação ambiental, mapeamento e divulgação de trilhas.

Elizângela Santos
Repórter

BLOGPAPARAZZI:RODRIGO FARO EM SET DE GRAVAÇÃO-Por Wilson Bernardo.

Passando por Fortaleza,estive no set de gravação do programa ÍDOLOS da TV Record,onde fiz um ensaio fotográfico com Rodrigo Faro,inúmeras fotos do mesmo e algumas inusitadas que posteriomente as publicarei...
meio bichoca
e tomando o coco pra si...
Wilson Bernardo-Fotografia

CRATO - Previsão do Tempo - 10 de Abril de 2010

"Chuvoso durante o dia e a noite"

Bom Dia, amigos do Blog do Crato!

Hoje é o dia 10 de Abril de 2010. Ontem foi mesmo um dia de chuva e sol. Conforme anunciamos, começou de madrugada, vindo a parar apenas pela manhã. Mas HOJE, a madrugada foi de Céu limpo, embora a previsão do tempo segundo as fontes meteorológicas seja de "Chuvoso durante o dia e a noite". Vamos ver o que acontecerá aqui nas próximas horas. Temperatura local caiu bastante, e nessa madrugada, 24 graus na Vilalta.

Dihelson Mendonça
( com informações do Site Climatempo, especializado em meteorologia. )

Caminhões com areia são apreendidos - Reportagem: Antonio Vicelmo


NE - A coisa está ficando feia pra quem pretende burlar as leis ambientais no Cariri.
Os caminhões ficaram no pátio do escritório regional da Semace, no município do Crato.

Barbalha. Funcionários do escritório regional da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), em trabalho conjunto com a Companhia de Polícia Militar Ambiental (CPMA), sob o comando do capitão Rabelo, apreenderam, ontem, quatro caminhões carregados de areia, a chamada área lavada. O flagrante foi feito no Rio Salamanca, no Sítio Cabeceiras, a 3km da cidade de Barbalha, uma área de proteção ambiental que, segundo os técnicos, está sofrendo uma grande degradação na área. Os responsáveis pela retirada ilegal de areia foram conduzidos para a Delegacia de Polícia de Barbalha, onde foi registrado o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Eles foram inclusos na Lei 9.605/1998, que determina uma pena de seis meses a um ano de detenção e multa. Em seguida, foram levados para o escritório da Semace, no Crato, onde foi instaurado procedimento administrativo.

Motoristas e ajudantes passaram a manhã de ontem na calçada da Semace do Crato, aguardando a liberação dos caminhões. Eles argumentaram que o transporte de material para construção é o seu principal meio de sobrevivência. O técnico ambiental da Semace, André Wirtzbiki, esclarece que a retirada da areia do leito do rio não é crime ambiental. O problema, segundo ele, é a falta de licença. A lei 6.567, de 24 de setembro de 1978, permite a exploração de areias, cascalhos e saibros para utilização imediata na construção civil, no preparo de agregados e argamassas, desde que não sejam submetidos a processo industrial de beneficiamento, nem se destinem como matéria-prima à indústria de transformação. Entre as condições exigidas estão cumprimento rigoroso da legislação ambiental vigente, sobretudo a Lei de Uso e Ocupação do Solo.

A partir de hoje será intensificada a campanha contra a extração ilegal de areia. André afirma que esta atividade clandestina se espalha em todo o Cariri. A Semace, em conjunto com a CPMA, vai vasculhar toda a área na tentativa de flagrar os infratores. O registro da extração de areia é feito pelo regime de licenciamento, disciplinado pela Lei Federal no 6.567, de 24 de setembro de 1978, que dispõe sobre o aproveitamento das substâncias minerais.

MAIS INFORMAÇÕES:
Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace)
Rua Coronel Secundo, 255 - Crato
(88) 3102.1288

Antônio Vicelmo
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaborador do Blog do Crato

Frente fria provoca chuvas no Ceará - Reportagem: Elizângela Santos


AS CHUVAS DE ONTEM provocaram preocupação em Juazeiro do Norte. Alguns bueiros ficaram entupidos causando alagamentos em ruas e avenidas. O trânsito ficou lento. ELIZÂNGELA SANTOS - Moradores de áreas de encosta devem ficar em alerta diante da ocorrências de mais chuvas no Cariri.

Juazeiro do Norte. A instabilidade na atmosfera provocada pela frente fria, que chegou com intensidade no Rio de Janeiro, acabou trazendo chuvas de até 163 milímetros em municípios do Cariri, a exemplo de Mauriti. No Sul do Estado e região dos Inhamuns foram registradas fortes precipitações. Em quase toda a região do Cariri choveu por toda noite de quinta-feira e até a manhã de ontem. A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) afirma que continua a chover, com menos intensidade, até amanhã.

A Funceme registrou precipitações acima de 100 milímetros, ontem, em oito municípios cearenses. A chuva mais intensa foi em Mauriti, com 163mm. Em todo o Estado, houve precipitação em mais de 83 cidades. Em Barro, também no Cariri, aconteceu a segunda maior chuva, de 147 mm. O meteorologista da Funceme, Paulo Barbieri, alerta que, já que as chuvas têm durado algumas horas, os moradores de áreas de encostas nessas cidades devem ficar prevenidos. Há possibilidades de deslizamentos, em virtude dessas áreas ficarem encharcadas e com maior peso. Além do Cariri e Inhamuns, as chuvas devem atingir o Baixo Jaguaribe e parte do Sertão Central. De acordo com fotos acima reproduzidas das imagens de satélite monitorado pela Funceme, na última terça-feira, a frente fria ficou sobre o Rio de Janeiro até a noite de quarta-feira, provocando catástrofes. Chegou ao norte da Bahia na quinta-feira, se deslocando para o Oceano Atlântico. Somente entre a quinta e sexta-feira é que o fenômeno passou a provocar instabilidade e chuvas no Ceará. Desde ontem pela manhã, permanece no Oceano Atlântico. O meteorologista da Funceme, Paulo Barbieri, explica que a frente fria se deslocou do Sul da América do Sul, pela Argentina, subindo pelo Brasil. Normalmente isso ocorre no mês de dezembro ou no início do mês seguinte, em janeiro.

Desde que foram iniciadas as fases de chuvas na região, poucas vezes se viu precipitações durar tanto tempo. Na maioria dos municípios da região começou a chover por volta da meia-noite e continuou por toda a madrugada até às 8 horas. Mesmo não sendo com tanta intensidade, chegou até os Inhamuns. As chuvas de ontem causaram preocupação a moradores de alguns bairros de Juazeiro, como Parque Antônio Vieira e Timbaúbas, por conta dos problemas de drenagem na área. Alguns bueiros ficaram entupidos por conta da quantidade de lixo nas ruas, a exemplo dos da Avenida Ailton Gomes. No município de Nova Olinda, uma árvore desabou no Centro, prejudicando o tráfego de veículos. Este período coincide com o início da fase invernosa na região, que este ano foi prejudicada com as longas fases de estiagem, minimizando consideravelmente a produtividade agrícola. O resultado tem sido uma das piores safras dos últimos anos, praticamente com inexistência de produção. Segundo o coordenador regional da Ematerce, Adonias Sobreira, um laudo técnico sobre essa realidade será divulgado nos próximos dias, com os números relacionados às perdas. Os levantamentos estão sendo realizados nas localidades junto aos produtores e com a presença dos sindicatos de trabalhadores rurais. Nesse período do ano, normalmente, a fase de colheita já está em estágio bem adiantado.

Tábua de chuvas

Mauriti163mm
Campos sales145mm
Potengi140mm
Aurora 122mm
Araripe 117,2mm
Aiuaba114mm
Barro111,4mm Fonte: Funceme

MAIS INFORMAÇÕES
FundaçÃo Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos
(85) 3101.1102
(85) 8814.4194

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter do Jornal Diário do Nordeste

Colaboradora do Blog do Crato

CRAJUBATUR - Levando você onde o sonho pode chegar !



crajubatur

A Crajubatur leva você onde o sonho pode chegar !

Miami ( USA )

Miami


Londres ( Inglaterra )

Londres_para_Turistas

CRAJUBATUR - Venda de passagens aéreas. No Shopping RESIDENCE, Loja 9B. Crato - CE.

Dsc03972


Shopping Residence - Loja 9B - Crato - CE
Patrocinador oficial do Blog do Crato

Almanaque - Dia 10 de Abril de 2010

Eventos históricos

847 - É eleito o Papa Leão IV.
1241 - Batalha de Mohi, o exército húngaro esmagado pelo exército mongol, liderado por Batu e Subedei.
1741 - Frederico II, da Prússia, derrota os austríacos e conquista a Silésia, na Polônia.
1808 - Napoleão oferece a coroa da Espanha a seu irmão, José.
1815 - Erupção vulcânica do Monte Tambora, na ilha indonésia de Sumbawa, sendo a maior registada até a actualidade, matando mais de 100 000 pessoas.
1861 - Inicia a Guerra da Secessão entre os Estados do Norte e do Sul, nos Estados Unidos.
1912 - O RMS Titanic deixa o porto de Southampton, Inglaterra, com destino à cidade de Nova Iorque (EUA).
1921 - Sun Yat-sen é eleito presidente da República da China.
1993 - Emancipação do Município de Areal, no Estado do Rio de Janeiro.
1998 - Assinatura do Acordo de Belfast.


Nascimentos

1583 - Hugo Grócio, jurista e filósofo holandês (m. 1645).
1670 - Edward Montagu, 3.º Conde de Sandwich (m. 1729).
1873 - Kyösti Kallio, 4° presidente da Finlândia (m. 1940).
1910 - Helenio Herrera, treinador de futebol argentino (m. 1997).
1918 - Cornell Capa, fotógrafo norte-americano (m.2008).
1932 - Omar Sharif, ator egípcio.
1950 - Tessy Callado, atriz e escritora brasileira.
1959 Gugu Liberato, apresentador de TV e empresário brasileiro.
1972 Sami Yli-Sirniö, guitarrista finlandês.
1979 - Sophie Ellis-Bextor, cantora inglesa.
1985 - Juan Carlos Arce, futebolista boliviano.
1988 - Haley Joel Osment, ator estadunidense.

Falecimentos

Papa Gregório XIII.
1585 - Papa Gregório XIII (n. 1502).
1599 - Gabrielle d'Estrées, Duquesa de Beaufort e amante de Henrique IV de França (n. 1571)
1813 - Joseph-Louis Lagrange, matemático (n. 1736).
1882 - Dante Gabriel Rossetti, um dos fundadores da Irmandade Pré-Rafaelita (n. 1828).
1907 - Teixeira de Melo, escritor brasileiro (n. 1833).
1911 - Mikalojus Konstantinas Čiurlionis, pintor e compositor lituano (n. 1875)
1919 - Emiliano Zapata, revolucionário (n. 1879)
1931 - Khalil Gibran, ensaísta, filósofo, prosador, poeta, conferencista libanês (n. 1883)
1955 - Teilhard de Chardin, padre, arqueólogo e filósofo francês (n. 1881)
1962 - Stuart Sutcliffe, baixista e membro dos Beatles (n. 1940)
1967 - Viriato Correia, jornalista e escritor membro da Academia Brasileira de Letras (n. 1884)
1985 - Cora Coralina, poetisa e contista brasileira (n. 1889)

Fonte: Wikipédia
Colaboração: Alessandra Bandeira

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30