xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 13/01/2010 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

13 janeiro 2010

MARIA ALICE VAI Á ESCOLA por JOÃO MARNI DE FIGUEIRÊDO

Nossa neta Maria Alice, de apenas dois anos e três meses, pela razões habituais - os pais trabalham, os avós também, e boas babás são raras e em extinção, como as ararinhas azuis -, precisa ficar pelo menos um expediente na escola. Já sabemos o que acontecerá: gripes mais frequentes, sarna, varicela, piolhos, conjuntivite... E muitas orações para que não adquira coisas piores! Sim, porque há famílias que levam seus filhos doentes para o colégio,como se não tivessem nada com isso.

Passará a conviver com pessoinhas pequeninas que nem ela, porém com toda a expressividade de seus traços familiares, numa babel de comportamentos e costumes. Terá coleguinhas carinhosos e simpáticos, outros tanto tímidos ou tristonhos, haverá os egoístas que não partilham nada mas querem tudo, e alguns se mostrarão vorazes feitos formigas vermelhas, da roça, "cortadeiras", que deixarão marcas em seu espírito compassivo e em seu corpinho imaculado.

De certa forma, meio a contra gosto, entendo que, a exemplo dos animais que nascem já com o instinto de correr fugindo dos predadores (alguns têm até veneno!), precisamos desde cedo aprender rapidamente os recados e lições da vida.

Maria Alice, esperamos que tenha a sorte de seus colegas tendo você como coleguinha e a felicidade de conviver com uma professora maternal,amiga, que sai de casa alegre e contente pela estrada afora, como Chapeuzinho, que tenha capacidade de amar porque sabe ouvir a todos, de aconselhar, de saber compreender com sabedoria e afeto. Pois é sabido que um único grito pode encher o espaço (a sala) de medo, desfazendo o sorriso e a confiança dos pequeninos. A escuta e o trato com o coração, compôem um bom colo para uma criança se assentar...

Seja feliz, meu amor!

Vô João e Vó Fatima

COMPOSITORES DO BRASIL


"Olha um vazio nas almas
Olha um violeiro de alma vazia”.
SÉRGIO RICARDO

Texto de Zé Nilton

Sérgio Ricardo é um dos maiores nomes da Música Popular Brasileira. No entanto, sua música pouco tocou nos rádios e seus discos tiveram pífias vendagens. Para a grande massa consumidora da MPB parece que Sérgio Ricardo não aconteceu nem quando entrou na bossa nova ou quando adentrou para o Nordeste e se nordestinou musicalmente.
Poucas músicas suas estiveram em paradas musicais. Não que a música desse compositor, nascido em Marília-SP, seja muito rebuscada e de difícil assimilação pelos ouvidos sempre apressados de produtores e ouvintes. Não é isso não. Eu mesmo acho sua música simplesmente bela e de uma timbragem impressionante! É que Sérgio Ricardo – nome artístico de João Mansur Lutfi – nunca se rendeu ao esquema podre dos negociadores de nossa MPB. Pelo contrário, foi sempre um lutador de “faca, rifle e barabelo” na mão, virando “Zé do Cão” contra quem faltasse com respeito aos artistas, de qualquer arte, ou praticasse injustiça com quem quer que fosse. Chegou até a fundar uma empresa arrecadadora de direitos autorais – a SOMBRAS – para proteger os artistas das mãos dos falsários da MPB.

Para mim, Sergio Ricardo é assim como Dihelson Mendonça. Ficcionado na busca da perfeição na arte da música e da fotografia. Em Sérgio, a fotografia é cinema.
Só para informar melhor de quem estamos falando, o homem fora discípulo direto de Glauber Rocha, e não precisa dizer mais nada. Mas não se pense que isto só teria acontecido no cinema, a outra arte de Sérgio Ricardo. De jeito nenhum. O próprio Glauber disse certa vez que na hora da criação eles se confundiam tanto que invertiam os domínios: Glauber direcionava a música e Sérgio o roteiro. Está em quase todos os filmes de Glauber, seja assinando o roteiro, a trilha ou a orquestração das músicas de “Antonio das Mortes”, “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, “Terra em Transe” etc.

Iniciou sua vida musical estudando piano em família, e logo partiu, aos 15 anos, para viver da música, apesar dos pesares. Andou pelo interior de S. Paulo, trabalhando em rádio e chegou ao Rio de Janeiro nos comecinhos da bossa nova.
Como tantos pianistas, foi parar na noite em barzinhos da zona sul. Ali conheceu pessoas como Jonny Alf e Tom Jobim, que se tornariam excelentes músicos e compositores afamados no Brasil e no Mundo. Quando Tom Jobim, no afã de melhorar seus rendimentos financeiros, procurou o ofício de arranjador, numa famosa gravadora, foi Sérgio Ricardo quem ficou no seu lugar, como pianista, numa das boites do posto cinco.

Todo o tempo Sérgio Ricardo viveu entre a música e o cinema, com uma bela passagem pelas telenovelas das emissoras do Rio e de São Paulo. Seu primeiro filme foi “O menino da calça branca”, que com o apoio de Nélson Pereira dos Santos, diretor, e Dib Lutfi, seu irmão, na fotografia, chegou a ganhar o segundo lugar no Festival de Cinema de S. Francisco, Califórnia.
Seguiram-se outros como “Esse mundo é meu” – que obteve uma crítica de duas páginas na famosa “Cahiers du cinema”, “Juliana do amor perdido” e o premiadíssimo “A Noite do Espantalho”rodado inteiramente em Pernambuco, em Nova Jerusalém, tendo como ator e cantor de algumas músicas o iniciante Alceu Valença.

Sérgio Ricardo fora levado para compor o movimento da bossa nova pelas mãos do inquieto e revolucionário João Gilberto. Chegou a fazer um disco famoso de nome “A bossa romântica de Sérgio Ricardo”, e se tornou o primeiro a gravar dentro da nova tendência.

E tem mais: o nosso homenageado no Programa: COMPOSITORES DO BRASIL esteve naquela famosa caravana do Carnegie Hall, em 21 de novembro, de 1962, ao lado de Tom, Menescal, Carlinhos Lyra, João Gilberto, Sérgio Mendes, Luiz Bonfá, Milton Banana e tantos outros...e igualmente a Tom Jobim ficara por oito meses entre shows e montagem de roteiros de cinema, entre a América e a Europa.

Em festivais apareceu muito pouco. Mas as pessoas só lembram sua participação naquele II Festival de Música Popular, da Record-SP, em setembro de 1966, quando a platéia num rasgo de inquietação e intolerância vaiou, nas duas apresentações, a longuíssima música “Beto bom de bola”, e ele quebrou o violão no palco e jogou a carcaça no público. Aliás, foi o festival mais revelador da MPB. De saída, dois primeiros lugares: a Banda, de Chico Buarque e Disparada, de Vandré e Theo de Barros.

Talvez Sérgio Ricardo tenha sido um dos primeiros dissidentes ou questionadores das propostas da bossa nova. A música Zelão, (todo mundo entendeu quando Zelão chorou, ninguém riu, ninguém brincou e era carnaval), tem na batida e nos acordes a flâmula da bossa nova, mas a mensagem é de cunho social, e marca a saída de Sérgio Ricardo do movimento. Logo lhe cansa o formato do barquinho, do cantinho, do amor... e ele encontra outro tema, outra proposta, outra inspiração – o Nordeste e a musicalidade de seu povo.

Deixa, segundo ele, aqueles apelos médio-burgueses e encara a realidade do “Brasil de baixo”.

Descobre o sertão, lugar de Deus e do Diabo, da Perseguição (...se entrega Corisco, eu não me entrego não”), da Sina de Lampião, de Zé do Cão, dos “Bichos da Noite”, da “Briga de Faca” da Tocaia, do Coronel, das assombrações, dos violeiros e dos cantadores. Daí em diante sua música muda de ritmo, de dissonância, de mensagem, e ele solta a voz no mundo, cunhada na música “Ponto de Partida”:

“Não tenho para minha mão
Somente acenos e palmas
Tenho gatilhos e tambores
Teclados, cordas e calos
.........................................
“Tenho para a minha vida
A busca como medida
O encontro como chegada
E como ponto de partida”.

Sérgio Ricardo é a atração dessa quinta-feira no Programa: COMPOSITORES DO BRASIL. Falaremos um pouco de sua vida e de sua obra ao som de:

Buquê de Isabel, de Sérgio Ricardo, com Maysa
Pernas, de Sérgio Ricardo, com Sérgio Ricardo
Zelão, de Sérgio Ricardo, com Sergio Ricardo
Esse mundo é meu, de Sérgio Ricardo, com Sérgio Ricardo
Folha de papel, de Sérgio Ricardo, com Sergio Ricardo
Ponto de Partida, de Sérgio Ricardo, com Sergio Ricardo
Sina de Lampião, de Sérgio Ricardo, com Sérgio Ricardo
Semente, de Sérgio Ricardo, com Sérgio Ricardo
Calabouço, de Sérgio Ricardo, com Sergio Ricardo
Vou renovar, de Sérgio Ricardo, com Sergio Ricardo
Tocaia, de Sérgio Ricardo, com Sérgio Ricardo

Quem ouvir, verá !

Programa: Compositores do Brasil
Pesquisa, produção e apresentação de Zé Nilton
Todas às quintas-feiras, às 14 horas
Rádio Educadora do Cariri – 1020 Khz
Apoio. CCBN

Exame de câncer de próstata dá falso positivo para 12,5%, afirma pesquisa


NE
- PSA pode confundir...

Estudo finlandês indica que um em oito homens testam positivo para câncer da próstata sem sofrer da doença. Um em oito homens submetidos a testes para câncer da próstata apresentam resultados positivos quando na verdade não estão sofrendo da doença, segundo um estudo europeu publicado na revista científica britânica British Journal of Cancer. O falso resultado positivo leva a procedimentos invasivos, como biópsias, e também, possivelmente, a tratamentos desnecessários. O teste usado é o PSA, sigla inglesa para Antígeno Prostático Específico. Ele mede a presença do antígeno, uma proteína secretada pela próstata. Grandes quantidades da proteína podem estar associadas ao câncer da próstata.

Falso positivo leva a procedimentos invasivos e a tratamentos desnecessários

A entidade beneficente britânica Câncer Research UK, que promove pesquisas sobre o câncer, disse que os pacientes deveriam discutir os aspectos positivos e negativos do teste com o médico.

Estudo

Em março de 2009, resultados iniciais do European Randomised Study of Screening for Prostate Cancer - um estudo sobre programas para detecção do câncer da próstata que está sendo realizado em sete países europeus - mostraram que o número de mortes provocadas pela doença poderia ser reduzido em 20%. Porém, resultados mais recentes lançaram dúvidas sobre os benefícios dos testes a longo prazo, indicando que alguns homens podem acabar sendo "supertratados", ou seja, recebendo tratamento para um câncer que se desenvolve tão lentamente que jamais causaria problemas durante a vida do paciente.

Agora, dados da parte finlandesa do estudo europeu mostram que para cada oito homens testados, um acabou obtendo um falso positivo, mesmo quando seu teste acusou índices altos de PSA. Os homens que tiveram testes positivos e depois descobriram que não tinham câncer se mostraram duas vezes mais inclinados a não aceitar testes futuros, mesmo correndo riscos de desenvolver a doença mais tarde.

'Efeito adverso'

Os pesquisadores disseram que são necessárias mais pesquisas para tornar os testes mais precisos e auxiliar na identificação daqueles que têm mais chances de apresentar um resultado positivo verdadeiro. "Não acho que testes rotineiros devam ser recomendados até que se saiba mais sobre os efeitos adversos e os custos dos testes", avaliou o responsável pelo estudo, Tuomas Kilpelainen. "Se um homem tem sintomas no trato urinário e se preocupa se tem câncer na próstata, a coisa mais importante é consultar um clínico-geral ou um urologista."

A diretora dos programas de testes para câncer do NHS - o sistema nacional de saúde britânico - Julietta Patnick disse que se por um lado o estudo europeu revelou, pela primeira vez, que os testes PSA podem salvar vidas, o estudo também mostrou que"48 homens precisam ser tratados para que uma vida seja salva". "Falsos positivos são um problema para qualquer programa de testes e o estudo finlandês é muito útil no entendimento do seu desempenho no contexto do câncer da próstata".

O médico Peter Johnson, da Cancer Research UK, disse que os testes têm aspectos positivos e negativos. "Por essa razão, é importante que homens com idades acima dos 50 e 60 anos conversem com seus médicos sobre os prós e contras do teste PSA e só façam o teste se sentirem que é a coisa certa para eles."

Da BBC via G1

O CRACK que não é um vivo CRAQUE. (Archimedes Marques)


Estamos em aguda e profunda crise urbana e social relacionada ao crack, essa droga avassaladora, aniquiladora e mortal que vem fazendo vítimas e mais vítimas diariamente em todo canto do nosso País. O crack trás a morte em vida do seu usuário, arruína a vida dos seus familiares, aumenta a criminalidade onde se instala, degrada e mata mais do que todas as outras drogas juntas. De poder sobrenatural o crack pode viciar o usuário já na sua primeira ou segunda experiência e o que vem depois é a tragédia certa. Crack e desgraça são indissociáveis e quase palavras sinônimas. Relatos dos seus usuários e familiares, fatos policias diários e opiniões de especialistas sobre os efeitos e as conseqüências nefastas da droga podem ser resumidos em três palavras tão básicas quanto contundentes: sofrimento, degradação e morte.

A composição química do crack é simplesmente horripilante e estarrecedora. A partir da pasta base das folhas da coca acrescentam-se outros produtos altamente nocivos a qualquer ser vivo, tais como: ácido sulfúrico, querosene ou solvente e a cal virgem, que ao serem processados e misturados se transformam numa pasta endurecida homogênea de cor branco caramelizada onde se concentra mais ou menos 50% de cocaína, ou seja, meio à meio cocaína com os outros produtos altamente nocivos citados. A droga é fumada pura, misturada num cigarro comum ou num cigarro de maconha que recebe a denominação de “bazuca”.

A fumaça altamente tóxica do crack é rapidamente absorvida pela mucosa pulmonar excitando o sistema nervoso, causando inicialmente euforia e aumento de energia ao usuário, com isso advém, a diminuição do sono e do apetite com a conseqüente perda de peso bastante rápida e expressiva. Logo os efeitos nefastos biológicos aparecem para os seus usuários, tais como: aceleração ou diminuição do ritmo cardíaco, dilação da pupila, elevação ou diminuição da pressão sanguínea, calafrios, náuseas, vômitos, convulsão, parada respiratória, coma ou parada cardíaca, infarto, doença hepática e pulmonar, hipertensão, acidente vascular cerebral (AVC).

Além disso, para os fracos e debilitados usuários sobreviventes, ao longo do uso da droga, há perda dos seus dentes, pois o ácido sulfúrico que faz parte da composição química do produto assim trata de furar, corroer e destruir a sua dentição. O crack também causa a destruição dos neurônios e provoca a degeneração dos músculos do corpo do seu usuário, fenômeno esse conhecido na medicina como rabdomiólise, o que dá aquela aparência esquelética ao indivíduo com ossos da face salientes, pernas e braços finos e costelas aparentes.

O crack é tão perigoso que até o próprio traficante que tem consciência desse perigo, de tal droga não faz uso. Dificilmente e raramente um traficante usa o crack o que não ocorre com os outros tipos de drogas em que muitos deles também as utilizam em consumo próprio. A disseminação do crack é constante e diariamente prende os menos avisados assim como uma teia de aranha para as suas presas, transformando as suas vítimas em verdadeiros mortos-vivos a perambular pelo submundo da sociedade.

Pesquisando junto às opiniões dos médicos e especialistas em tratamento dos drogados conclui-se que realmente estamos perante uma epidemia, porque há um número explosivo de casos nos últimos três anos. Antes era uma raridade, havia nas unidades hospitalares especializadas 90% de outras dependências e 10% de crack. Hoje há o contrário. É unânime o conceito dos especialistas em afirmarem categoricamente que o crack é uma droga diferente das outras, muito mais severa e contundente. Não há outra droga que produza um declínio físico e mental maior para o viciado quanto o crack.

Segundo estudos realizados por especialistas na área, as dificuldades para o tratamento dos viciados em crack também são imensas, por isso, a grande preocupação das autoridades ligadas ao tema da intensa problemática. É preciso de extrema força de vontade do próprio viciado para poder se livrar desse malefício infernal. A conscientização e o investimento em massa na área da educação, na prevenção, com aulas, palestras, seminários e um convívio mais profundo e dialogado no seio da sociedade especialmente entre pais e filhos, poderá livrar-nos dessa epidemia. Não podemos achar que a polícia ou a medicina resolverão os problemas, que, muitas vezes, se iniciam nos lares, escolas e outros lugares de convivência, principalmente dos jovens, mais expostos, por vários motivos, à atração do mundo das drogas. No País do futebol precisamos sempre formar mais e mais competentes e excelentes atletas craques da bola, do esporte e não incompetentes e debilitados cracks desta droga satânica.

Autor: Archimedes Marques (delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS) – Fonte: www.infonet.com.br

Objeto espacial não identificado passará perto da Terra

Nasa acredita que objeto com diâmetro entre 10 e 15 metros passará a cerca de 150 mil km do planeta. Um objeto espacial com diâmetro entre 10 e 15 metros, não identificado, deve passar perto da Terra nas próximas horas. O misterioso objeto, descoberto há apenas dois dias, deve passar a 150 mil quilômetros de distância da Terra - um terço da distância entre a Terra e a Lua - e não deve se chocar contra o planeta. Segundo um porta-voz da Nasa, a agência espacial americana, acredita-se que o objeto seja um asteroide minúsculo. Ele estaria orbitando em volta do Sol, o que torna pouco provável que seja um pedaço de lixo espacial.

Astrônomos batizaram o objeto como Asteroide 2010 AL 30.

O objeto deverá chegar ao ponto mais próximo do planeta por volta das 17h24, hora de Brasília. Ao fim desta semana, outro asteroide maior deverá passar "perto" da Terra, mas desta vez a uma distância mais segura, de aproximadamente 1 milhão de quilômetros.

Isso nos leva a outra notícia de 2009:

Asteroide passa de raspão pela Terra, afirmam astrônomos


Objeto teria feita aproximação máxima do planeta na manhã do dia 2. Astro passou a aproximadamente 70 mil quilômetros da superfície. Um asteroide passou de raspão pela Terra na manhã de segunda-feira (2). Segundo informações dos astrônomos, o rochedo, com diâmetro entre 21 e 47 metros, passou a cerca de 70 mil quilômetros da superfície terrestre -- o equivalente a um quinto da distância entre a Terra e a Lua. A informação foi divulgada pela Planetary Society, uma ONG internacional.

Da BBC - Via G1

Zilda Arns morre no terremoto que atingiu o Haiti


Fundadora da Pastoral da Criança chegou ao país no dia do terremoto para dar palestra. Zilda Arns Neumann, de 75 anos, médica pediatra e sanitarista, fundadora da Pastoral da Criança, morreu no terremoto que atingiu o Haiti na noite da terça-feira (12). A informação foi confirmada pelo gabinete do senador Flávio Arns (PSDB-PR), sobrinho de Zilda. O gabinete foi informado da morte de Zilda Arns pela Presidência da República.

Zilda Arns chegou ao país no dia do terremoto para dar uma palestra nesta quarta-feira (13). Ela caminhava na rua com um militar brasileiro quando os dois foram atingidos por destroços de um prédio que caiu por causa dos tremores. A assessoria do senador informou que ele embarcou em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) junto com o ministro da Defesa, Nelson Jobim. O embaixador do Brasil no Haiti, Igor Kipman, também viaja ao país. O Brasil anunciou o envio de US$ 10 milhões (R$ 17,3 milhões) e 14 toneladas de alimentos aos afetados pelo terremoto.

Segundo a assessora da Pastoral da Criança, Zilda Arns estava no país para ajudar crianças carentes e divulgar os trabalhos da pastoral. Ela estava acompanhada da irmã Rosângela Altoé. Fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns era irmã de dom Paulo Evaristo Arns, Arcebispo Emérito de São Paulo. Os dois nasceram em Forquilhinha, em Santa Catarina. Dom Paulo Evaristo Arns afirmou hoje que a irmã teve "uma morte bonita".

O arcebispo soube da morte da irmã através de uma ligação do gabinete da Presidência da República e recebeu a notícia com serenidade. Arns apenas pediu um momento de recolhimento para meditar e logo mais deverá divulgar uma nota sobre o falecimento. Em 2006, ela foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz junto com outras 999 mulheres de todo o mundo. Nascida em Santa Catarina, ela morava em Curitiba, Zilda criou cinco filhos com o marido, morto em 1978. Uma de suas filhas, Sílvia, morreu em 2003 em um acidente de carro. Ela era avó de dez netos.

Mônica Aquino, do R7

ESPAÇO AGRÁRIO SERÁ TEMA DE ENCONTRO NA URCA - Por: Tarso Araújo


Com o tema ‘Sociedade, Natureza e as relações de produção no Campo’, será realizado de 27 a 30 de janeiro de 2010, o I Colóquio de Geografia Agrária do Cariri. O evento é uma promoção do Grupo de Estudos e Pesquisas em Geografia Agrária – GEA, que desde 2001 reflete sobre o espaço agrário, com enfoque nos debates sobre território Espaço e movimentos sociais e as diversas temáticas referentes à questão agrária. O GEA é composto por pesquisadores e discentes do Departamento de Geociências da Universidade Regional do Cariri (URCAP) e desenvolve desde sua criação atividades de leituras sistematizadas, pesquisas e atividades de extensão. O grupo tem como linhas de pesquisa, sociedade, ensino, gênero e reforma agrária. O encontro visa promover um espaço de debates e reflexões sobre: A questão Agrária, resistência e exploração; Relações Campo-Cidade; Educação do Campo; teorias e métodos da Geografia Agrária; Cultura, Gênero; sexualidade e Impactos Ambientais no Campo.

Fonte: Blog do Tarso Araújo

Banda larga chega a 88% dos municípios no Brasil, diz Anatel


A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) informou que a banda larga chega a 88% dos municípios brasileiros. A informação foi divulgada por meio de um comunicado, nesta quarta-feira (13). De acordo com dados apresentados durante uma reunião ontem, todas as empresas informaram que cumpriram as metas de instalação de infraestrutura de rede de serviços de telecomunicações previstas para dezembro de 2009. Entretanto, a agência aponta que haverá fiscalizações acerca do cumprimento das metas.

Com a confirmação dos dados, mais 2.772 municípios (20 a mais do que o previsto por um decreto estabelecido no ano passado, segundo a agência) passaram a contar com banda larga no Brasil. Com os 2.125 municípios que possuíam estrutura de banda larga em abril de 2008, o Brasil tem, atualmente, 4.897 municípios com infraestrutura de banda larga (sob uma base total de 5.564). A ampliação da capacidade de banda larga no Brasil também tem o objetivo de atender às escolas públicas brasileiras --ao todo, 43.193 escolas foram conectadas à internet em banda larga até 31 de dezembro.

Por operadoras, a Anatel informa que a Oi atendeu, até o último 31 de dezembro, 2.184 dos 2.730 municípios sob sua responsabilidade na Região I do Plano Geral de Outorgas (área da Oi) e 362 do 452 da Região II (área da Brasil Telecom). A Telefônica chegou com a infraestrutura a 226 dos 257 cidades a que está obrigada. CTBC e Sercomtel já disponibilizavam banda larga em toda sua área de atuação, por isso não têm metas a cumprir.

da Folha Online

Número de mortos no terremoto do Haiti pode passar de 100 mil, afirma premiê


O premiê do Haiti, Jean-Max Bellerive, disse nesta quarta-feira (13) à rede CNN que teme que o número de mortos pelo terremoto que atingiu o país na tarde de terça supere 100 mil pessoas. O número equivale a mais de 1% da população do país da América Central. O Comando do Exército confirmou a morte de 11 militares brasileiros no Haiti, vítimas do tremor de magnitude 7. O Brasil comanda uma missão de paz da Organização das Nações Unidas no país. Outra morte confirmada é a da fundadora da Pastoral da Criança, a médica Zilda Arns.

O abalo devastou a capital, Porto Príncipe, e afetou a estrutura de telecomunicações no país. As informações sobre vítimas e danos ainda são desencontradas. Bellerive disse que, apesar de a capital ter ficado devastada, com milhares de prédios destruídos, a população está se comportando "com calma".

"As pessoas estão se ajudando umas às outras, tentando se organizar", disse. Ele insistiu em que o país precisa de ajuda internacional para ajudar as vítimas e resgatar os cadáveres. Ele disse que é necessário recuperar o aeroporto da capital, que precisa voltar a funcionar para receber cargas de ajuda humanitária e pessoal especializado. Cenas de caos tomaram conta das ruas da capital, Porto Príncipe, com pessoas desesperadas caminhando entre os escombros da empobrecida cidade. O palácio presidencial foi reduzido a ruínas, com suas cúpulas derrubadas sobre as paredes. Préval e sua mulher não estavam no prédio no momento do tremor. Os governos do Brasil e de outros países se mobilizaram para enviar ajuda o mais rápido possível.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, já embarcou rumo ao Haiti para monitorar a situação. Ele está acompanhado do comandante da Marinha, Almirante Júlio Soares de Moura Neto, o Comandante do Exército, General Enzo Martins Pery, o secretário executivo da Secretaria Especial de Direitos Humano, Rogério Sotilli, o senador Flávio Arns (PSDB-PR), sobrinho de Zilda Arns, além de representantes do Ministério da Saúde, do Ministério das Relações Exteriores e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O Itamaraty já anunciou que será enviada uma ajuda humanitária de mais de US$ 10 milhões. Além do dinheiro, o governo brasileiro também disponbilizará até sexta-feira (15) 28 toneladas de alimento. Segundo o ministério da Agricultura, serão enviados ao Haiti açúcar, leite em pó, sardinha e fiambre. Os alimentos irão para o Haiti em dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). O primeiro, com 14 toneladas, deve partir ainda nesta quarta-feira (13). O ministério das Relações Exteriores também decidiu reforçar a embaixada brasileira em Santo Domingo, na República Dominicana, país vizinho ao Haiti. Segundo o Itamaraty, há no país 1.310 brasileiros - destes, 1.266 são militares das forças de paz.

Fonte: G1

Isto é Uma Vergonha! - Uma crítica às emissoras de Rádio do Crato - Por: Ricardo Sobreira

"Isto é Uma Vergonha!"

Aquele já não tem mais moral para verbalizar esta frase, mas nós, que formamos a comunidade cratense além fronteiras, sim. Refiro-me ao descaso que os representantes de nossas emissoras de rádios dão a inúmera legião de conterrâneos espalhada por este Brasil e por que não dizer mundo.

A terra da cultura como ficou conhecida a nossa cidade durante muito tempo parece dia após dia perder esse destaque. Todo mundo sabe que a Internet é que comandará toda os meios de comunicação no futuro próximo, no entanto nossas emissoras de rádios nada ou tão pouco fizeram para garantirem seus espaços web. É vergonhoso ver cidades de mesmo porte ou bem menores, principalmente no estado do Ceará, com pouca ou nenhuma expressão no cenário cultural nordestino, ter uma, duas , três, quatro e até cinco rádios funcionando na Internet e o Crato, de um passado cultural tão rico não tem nenhuma das suas rádios tradicionais, no caso a Radio Educadora e Radio Araripe fazendo parte desse que é o futuro de todas as formas de comunicação.

O site www.radios.com.br é o número um em abrigar as melhores emissoras de radio e tv do Brasil e do Mundo. Lá o leitor pode verificar o quanto estou certo. São muitas a cidades cearenses presentes com o melhor de duas emissoras. Há uma única emissora do Crato cadastrada, a S. Francisco, que alivia a saudade daqueles que moram tão longe da terrinha, mas a gente percebe, seja pelo pouco tempo de funcionamento ou sua finalidade, um pouco de amadorismo em alguns programas. É fato que a radio Educadora, em duas ocasiões, tentou permanecer, mas parece que os dirigentes pouco se esforçaram por isso ou não conseguem avaliar o impacto que essa atitude pode dar de retorno à emissora, e o resultado foi ficar fora da rede já faz um tempão. A pioneira foi a Princesa FM , que tentei ouvi-la na semana passada e não consegui nada. Acho que já se passarão mais de três anos e o site da radio continua “em construção”. Há mais ou menos dois anos fiz uma consulta a radio Araripe sobre sua incursão na Internet e a resposta foi “em breve”. Só que esse “breve’ parece nunca chegar.

Merece grandes elogios o administrador deste Blog, por empreender extensos esforços a esta causa.

Gostaríamos muito de ouvir notícias da região através das rádios Araripe e Educadora como também as narrações dos jogos do Crato, agora na primeira divisão. Seria muito bom. Falar em futebol, o Crato Esporte Clube até que merecia um site, pelo menos fixo, com informações sobre seu elenco, agenda, torcida, downloads do hino, imagens etc. Futebol também é cultura e incontestável vitrine para o município. Não adianta só subir para primeira divisão, tem que permanecer. Vejam o exemplo do Icasa.

De Fortaleza aguardo notícias!

Ricardo Sobreira

OS ASTECAS - Por: Antonio paiva Rodrigues


Nota do Editor:
Um excelente texto do Antonio Paiva Rodrigues


Cristovão Colombo o grande navegado espanhol ao pisar em solo ou terras americanas teve uma tremenda decepção. Voltou de imediato para a Europa procurando saber de todas as maneiras onde estava o Grão-Cã descrito também pelo menos importante Marco Polo. Perguntava decepcionado e com certa raiva, Cadê o ouro e a prata? Quando Colombo se encontrava doente e no leito de morte, afirmaram-no que descobrira um novo continente. Mesmo assim, ele respondeu ironizando: “Não creio. Aqueles pelados são índios, pois lá são as Índias”. Um fato marcante mais ou menos parecido com a descoberta do Brasil por Cabral. Vinte e sete se passaram e no México desembarcou um conquistador espanhol, Hernán Cortés, que vinha de Cuba que conforme a história já era colônia espanhola, e tinha na cartola informações importantes da existência de um país fabuloso no interir. É bem verdade, que na época Hernán Cortés desembarcou em terra firme, mas ainda não tinha o nome de México. No desenrolar dos fatos foi conhecendo e conquistando cidade e aqui citamos a de Painala, onde fez amizade com o cacique e sua filha. Como já sabemos pelo que estudamos era costume ou hábito da terra agradar os visitantes oferecendo suas filhas. A filha oferecida a Cortés tinha um nome difícil de pronunciar, pois a língua era complicada (nauatl), então o navegador disse que, a partir de hoje serás Dona Marina. Esse nome era nome de cristão afirmou o mesmo. Com o passar do tempo o navegador chegou a conclusão de que aqueles silvícolas eram desunidos, Tepanecas, tlaxcaltecas, chalcas e outras de nomes estranhos para ele.

Essas tribos já eram os astecas que tiravam o couro em tributos e olhavam-nos com desprezo. Isso porque Cortés já os intimidara com cavalos e espingardas. Cortés tinha na sua expedição: 600 soldados, 16 cavalos e 100 canhões, teve que matar dois marinheiros que queriam retornar a Cuba e decepou os pés de um terceiro. Quando tomavam uma decisão em definitivo, Os espanhóis diziam: “Queimei os meus navios”. Como se sabe a Civilização Asteca foi o berço de civilização composta por um povo guerreiro, os astecas habitaram a região do atual México entre os séculos XIV e XVI. Eles fundaram no século XIV a importante cidade de Tenochtitlán (atual Cidade do México), numa região de pântanos, próxima do lago Texcoco. A sociedade era hierarquizada e comandada por um imperador, chefe do exército.

A nobreza era também formada por sacerdotes e chefes militares. Os camponeses, artesãos e trabalhadores urbanos compunham grande parte da população. Esta camada mais baixa da sociedade era obrigada a exercer um trabalho compulsório para o imperador, quando este os convocava para trabalhos em obras públicas (canais de irrigação, estradas, templos, pirâmides). Durante o governo do imperador Montezuma II (início do século XVI), o império asteca chegou a ser formado por aproximadamente 500 cidades, que pagavam altos impostos para o imperador. O império começou a ser destruído em 1519 com as invasões espanholas. Os espanhóis dominaram os astecas e tomaram grande parte dos objetos de ouro desta civilização. Não satisfeitos, ainda escravizaram os astecas, forçando-os a trabalharem nas minas de ouro e prata da região. Demos uma ligeira passagem no tempo, mas é preciso salientar que em novembro de 1519, nove meses depois, entrou finalmente em Tenochtitlán, a capital dos astecas. Cortés ficou boquiaberto, pois era mais bonita e maior do que Granada, rica cidade da Espanha.

Na realidade uma das maiores cidades do mundo com 300 mil habitantes, ruas direitas, pontes, prédios enormes, lojas, barqueiros e um mercado lembrando um formigueiro de gente, a cidade ficava no meio de um vasto lago. Na entrada da cidade, o Imperador Montezuma e duzentos nobres o esperavam, príncipes o carregavam numa liteira incrustada de ouro e sob um guarda sol de plumas verdes. Além do mais, os mesmos calçavam sandálias com cadarço de ouro e cobertas por pedras preciosas. Era o ouro que Colombo disse não ter encontrado. Deslumbrado Cortés partiu para o abraço, mas foi impedido. O imperador colocou em Cortés um colar de contas com pepitas de ouro do tamanho de nozes e lhe deu um arranjo floral de plumas de quetzal e de papagaio. Uma recepção e tanto que Cortés jamais esperava. A arte asteca e a arquitetura começam com a pirâmide da civilização asteca. Os astecas desenvolveram muito as técnicas agrícolas, construindo obras de drenagem e as chinampas (ilhas de cultivo), onde plantavam colhiam milho, pimenta, tomate, cacau etc. As sementes de cacau, por exemplo, eram usadas como moedas por este povo. O artesanato a época era riquíssimo, destacando-se a confecção de tecidos, objetos de ouro e prata e artigos com pinturas. A religião era politeísta, pois cultuavam diversos deuses da natureza (deus Sol, Lua, Trovão, Chuva) e uma deusa representada por uma Serpente Emplumada. A escrita era representada por desenhos e símbolos. O calendário maia foi utilizado com modificações pelos astecas. Desenvolveram diversos conceitos matemáticos e de astronomia. Na arquitetura, construíram enormes pirâmides utilizadas para cultos religiosos e sacrifícios humanos.


Estes eram realizados em datas específicas em homenagem aos deuses. Acreditavam que com os sacrifícios, poderiam deixar os deuses mais calmos e felizes. Cortés retribuiu com um colar de pedras margarida. Para os astecas, céu e inferno não funcionavam como premio ou castigo. A saudação que fizeram a Cortés: “Vos saúdo em nome dos deuses de meu país, Huitzilopochtli e Quetzalcoátl. Ele respondeu: “Eu vos saúdo em nome do rei da Espanha, dono de boa parte do mundo”. E do Deus Único e verdadeiro que está no céu”. Afirma a história que um cometa teria caído dez anos antes de Cortés - pisar por lá. Pequenas gotas luminosas choviam dele. O santuário da deusa Toci pegou fogo, as águas lago formaram grandes ondas sem estar ventando. Uma pedra enorme começou a falar e a profetizar a queda de Montezuma executou quinze patrícios por ousarem conspirar contra Cortés. Numa festa em Huitzilopochtli, os espanhóis dizimaram mais de dois mil astecas. Houve uma revolta e Montezuma morreu vítima de uma pedrada. Cortés foi expulso, ele perdeu um terço de seus homens e deixou cair no lago o tesouro roubado de Montezuma. Cortés se reorganizou com um exército de 200 mil tlaxcalas, com índios amigos, invadiu de novo a capital que estava no comando de Gualtemoc. No circo de horrores Cortés conseguiu o que queria levar quase tudo. Quando Cortés chegou, havia no México 25 milhões de seres humanos e cem anos depois apenas um milhão.

É certo de que a história conta muito mais e com mais nuances, aqui fizemos um pequeno arrazoado da vida dos astecas. Com certeza Joel Rufino dos Santos em seu talentoso trabalho deve contar muito mais e com mais detalhe do que nós, mas esperamos ter cumprido o que pretendemos levar ao conhecimento dos leitores algumas nuanças a respeito desse povo maravilhoso, mas ainda quase que desconhecido. O México hoje é uma nação de muitas tradições, mas no passado muitos fatos contribuíram para que o México fosse a grande nação de hoje. Dizem que se Montezuma não tivesse sofrido a intervenção de Cortés seria um país mais desenvolvido. Afirmam também que em princípio, Cortés aproveitou-se da insegurança do rei. O espanhol ofereceu-lhe a conversão ao cristianismo. Montezuma recusou, mas concordou com a construção de uma capela.

O asteca tornou-se o porta-voz do conquistador. Em 14 de novembro de 1519, exatamente uma semana após a saudação na entrada de Tenochtitlán, Cortés mandou prender Montezuma. A partir de então, o conquistador passou a ditar as ordens, alegando serem desejos do asteca supremo. O ex-todo-poderoso e orgulhoso Montezuma acabou por trair seu povo ao assinar um documento no qual transferia todos os direitos do soberano do Império Asteca ao rei Carlos 5º, da Espanha. No entanto, foi só quando os soldados destruíram e arrasaram os templos e locais sagrados dos astecas que se acabou a tolerância do povo indígena. Após um massacre dos espanhóis, os astecas reagiram e obrigaram os conquistadores a abandonar Tenochtitlán. Mas o fim dos outrora ricos e poderosos astecas já estava determinado. Pouco mais de dois anos depois da chegada de Cortés, Tenochtitlán foi quase riscada do mapa pelas tropas espanholas em agosto de 1521, após um cerco que durou três meses. O propalado tesouro de Montezuma jamais foi encontrado. O prenúncio que os feiticeiros não souberam interpretar, porém, confirmara-se cruelmente.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI- DA ALOMERCE E DA AOUVIRCE.

Ensino de artes: vai qualquer um(a)? - Por: Alexandre Lucas


O ensino das artes tem que assumir um caráter vivencial, acoplado a sistematização dos conteúdos, como forma de aproximação e apropriação da realidade. É dicotômico postular um ensino de artes separado do seu objeto de estudo, da sua contextualização histórico-social, bem como desconsiderar a formação docente na área. Entretanto, ainda é reinante concepções de ensino de artes a serviço da técnica e do Ctrl - C e Ctrl – V, ou da livre expressão sem direção ou ainda da teorização estereotipada da arte que só serve para reforçar a distância entre a arte e o grande público. Além de persistir uma institucionalização da política “do vai qualquer um (a)” para o ensino de artes.

Pensar a educação em artes nas escolas de Ensino Básico pressupõe formação específica nas áreas de artes ou de arte-educação e ainda se exigi domínio de linguagens artísticas, no que concerne a compreensão teórica pelo menos. Temos que pensar na polivalência das artes e não no docente polivalente para o ensino de artes. Isso significa dizer, por exemplo, que a música, o teatro, as artes visuais e o cinema têm características e formações peculiares. Refletir sobre esse processo é considerar a igualdade do ensino das artes comparadas às demais disciplinas curriculares, como o ensino da Matemática e da Língua Portuguesa. Pois essa tentativa de diferenciação valorativa é de cunho histórico e de classe. Na visão da classe dominante, o trabalhador deve de se apropriar do mínimo necessário exercer as suas funções de mero operacionalizador neste sistema, saber ler e escrever, somar, dividir, subtrair e multiplicar são algumas das exigências. Por isso a tentativa de desvalorização e desqualificação das demais disciplinas ligadas à reflexão social e política, como a literatura, a filosofia, a sociologia e as artes.

É necessário apontar para uma perspectiva político-pedagógico que possa reconhecer a arte, enquanto, elemento de emancipação humana, de desenvolvimento cognitivo, interação e de criação. Para tanto é imperativo pautar a relação entre teórica/pratica como alimento dialético capaz de romper com as compreensões reacionárias, atrasadas e conservadoras para o ensino das artes.

É inadmissível, irresponsável e antipedagógico, permanecer com modelos e praticas acometida de tempos remotos e de pouca abertura aos cursos de graduação no país. A conjuntura é outra, ampliou-se de forma considerável nas ultimas décadas, as graduações e cursos de especializações nas áreas de artes, portanto as práticas pedagógicas e as formas de gerir o sistema público de ensino também devem assumir outras características.

Enquanto não for desalojada a política do “vai qualquer um(a)”, nos resta contestar a continuidade do modelo de lotação de professores (as), que em muitos casos é desconsiderada as formações específicas e na maioria dos casos o professor(a) de artes acaba sendo o que tem formação em outra área do conhecimento e isso acarreta sérios prejuízos para o processo de ensino-aprendizagem, pois não podemos pensar a educação sistematizada sem um arcabouço teórico que possa subsidiar a prática político-pedagógica. Por bem, num vale qualquer um (a) não!

Por Alexandre Lucas*
*Coordenador do Coletivo Camaradas, pedagogo e artista/educador
Foto: http://arvoresvivas.files.wordpress.com/2007/10/mostra-de-artes-010.jpg

Participante do 'BBB10' pode ser Presa !

NE - Pra não dizer que nunca falei sobre o BBB...

Nem bem o "Big Brother Brasil 10" (TV Globo) começou e uma participante já arrumou problemas com a lei. Segundo o jornal carioca "O Dia", a policial militar Anamara não comunicou à corporação que participaria do reality show e pode ser considerada desertora.

De acordo com a publicação, Anamara está de férias da Polícia Militar até 2 de fevereiro e deve voltar ao trabalho em até dez dias. Caso contrário, pode ser presa e processada.

"A polícia não vai atrás dela, é ela que tem que se apresentar", diz Luiz Augusto Santana, promotor de Justiça Militar da Bahia.

Fonte: Yahoo Notícias

Ensino de artes: vai qualquer um(a)?



Por Alexandre Lucas*
O ensino das artes tem que assumir um caráter vivencial, acoplado a sistematização dos conteúdos, como forma de aproximação e apropriação da realidade. É dicotômico postular um ensino de artes separado do seu objeto de estudo, da sua contextualização histórico-social, bem como desconsiderar a formação docente na área.

Entretanto, ainda é reinante concepções de ensino de artes a serviço da técnica e do Ctrl - C e Ctrl – V, ou da livre expressão sem direção ou ainda da teorização estereotipada da arte que só serve para reforçar a distância entre a arte e o grande público. Além de persistir uma institucionalização da política “do vai qualquer um (a)” para o ensino de artes.

Pensar a educação em artes nas escolas de Ensino Básico pressupõe formação específica nas áreas de artes ou de arte-educação e ainda se exigi domínio de linguagens artísticas, no que concerne a compreensão teórica pelo menos. Temos que pensar na polivalência das artes e não no docente polivalente para o ensino de artes. Isso significa dizer, por exemplo, que a música, o teatro, as artes visuais e o cinema têm características e formações peculiares.

Refletir sobre esse processo é considerar a igualdade do ensino das artes comparadas às demais disciplinas curriculares, como o ensino da Matemática e da Língua Portuguesa. Pois essa tentativa de diferenciação valorativa é de cunho histórico e de classe. Na visão da classe dominante, o trabalhador deve de se apropriar do mínimo necessário exercer as suas funções de mero operacionalizador neste sistema, saber ler e escrever, somar, dividir, subtrair e multiplicar são algumas das exigências. Por isso a tentativa de desvalorização e desqualificação das demais disciplinas ligadas à reflexão social e política, como a literatura, a filosofia, a sociologia e as artes.

É necessário apontar para uma perspectiva político-pedagógico que possa reconhecer a arte, enquanto, elemento de emancipação humana, de desenvolvimento cognitivo, interação e de criação. Para tanto é imperativo pautar a relação entre teórica/pratica como alimento dialético capaz de romper com as compreensões reacionárias, atrasadas e conservadoras para o ensino das artes.

É inadmissível, irresponsável e antipedagógico, permanecer com modelos e praticas acometida de tempos remotos e de pouca abertura aos cursos de graduação no país. A conjuntura é outra, ampliou-se de forma considerável nas ultimas décadas, as graduações e cursos de especializações nas áreas de artes, portanto as práticas pedagógicas e as formas de gerir o sistema público de ensino também devem assumir outras características.

Enquanto não for desalojada a política do “vai qualquer um(a)”, nos resta contestar a continuidade do modelo de lotação de professores (as), que em muitos casos é desconsiderada as formações específicas e na maioria dos casos o professor(a) de artes acaba sendo o que tem formação em outra área do conhecimento e isso acarreta sérios prejuízos para o processo de ensino-aprendizagem, pois não podemos pensar a educação sistematizada sem um arcabouço teórico que possa subsidiar a prática político-pedagógica. Por bem, num vale qualquer um (a) não!

*Coordenador do Coletivo Camaradas, pedagogo e artista/educador

URCA e a catequese dos ditadores.

Quando entrei na faculdade sempre achei estranho essa história de todo mundo que “pensa criticamente” ser de esquerda. Essa idéia me foi passada desde o ensino médio. O sujeito para ser crítico tinha que deixar de crer em tudo que liam nos jornais e passar a analisar a história de fato, como ela é, distinguindo as falsificações históricas que eles sempre diziam aparecer. Engraçado que por ficar desconfiado e por já estar abusado daquele verdade unida do discurso socialista resolvi pesquisar um pouco mais a fundo o outro lado da moeda. Foi com espanto e desgosto que nomes como von Mises, Hayek, Rothbard, Kirk, Muggeridge, Horowitz, Sowell, Babbit, Scruton, Peyrefitte, Jouvenel, Voegelin, Guénon, Nasr, Schuon, Lindblom, Rosenstock-Huessy, Rosenzweig, Kristol entre tantos outros. A cada livro que lia recebia referências de outros com demonstrações cabais da falta de ética socialista, das suas falsificações histórias, dos erros do marxismo, do desenvolvimento do gramscinismo na América latina, dos genocídios, das relações entre políticos e bandidos da pior espécie.
Na disciplina de história econômica não se pode ler um só livro dos autores mencionados acima, seja pela genialidade deles (onde muitos ganharam o Nobel em economia, mas isso não basta para os gênios da Urca). Percorri os departamentos onde se leciona a presente disciplina e o que se lê é uma agressão a mente do aluno que chega a universidade. Não há nenhuma possibilidade dele confrontar seus mestres socialistas uma vez que há uma paredão que isola a possibilidade de uma discussão democrática, seja em sala de aula, em seminários, palestras ou congressos. A tomada da cultura de uma forma geral (jornais, universidades, escolas, partidos políticos, ONG’s etc) é tática do senhor Gramsci, muito bem aprendida pela esquerda que a usa para sufocar qualquer outra Idea que venha a aparecer e que não esteja dentro deste bojo. Lá não se fala em Pol Pot, nem na relação de financiamento da Rússia ao Nazismo de Hitler, não se fala no Paredón de Cuba, nem no trabalho escravo da atual China.
Estive recentemente no Crato e em contato com alunos dos cursos de história, ciências sociais e geografia perguntei o que achavam da obra de Hayec e Von Mises por exemplo. Literalmente nenhum deles, nem mesmo os do curso de economia, onde se poderia ver isso de modo mais imediato, nunca ouviram falar. Perguntei novamente como eles poderiam rebater um fato histórico, sendo que eles são sabiam ele por completo, ou pior, não sabiam nem a metade dele? A maioria ficou calada e outra parte rebateu-me com respostas fugazes já solucionadas algumas deles desde o início do século XX. Ora, por que achamos um absurdo que algumas escolas usem aparelhos obsoletos que podem comprometer a qualidade do ensino dos alunos, podemos reclamar da falta de estrutura da maioria delas e ainda assim achar normal a desonestidade, a falsificação histórica, a falta de conhecimento e o palpite em vez de um profissional a frente da sala de aula? Não quero aqui vetar a possibilidade de que quem quer que seja tenha suas preferências políticas e seu direito de escolhê-las, mas sim a obrigação para com a verdade histórica antes de suas preferências.
O aluno que desconhece essa outra realidade poderia informar-se mais nos sites que em uma outra postagem já forneci, mas que agora mais uma vez disponibilizo: www.mises.org.br/, www.ubirataniorio.org/, www.institutoliberal.org.br/, http://www.puggina.org/, http://www.midiasemmascara.org/, http://www.oindividuo.com, http://www.icones.com.br/astra/filo/filo.html, http://www.meirapenna.org/, http://www.zubiri.org/, http://www.cottet.org/girard/index.en.htm, http://www.marioferreira.com.br/, http://www.geocities.com/Athens/Delphi/3380/rguenon.htm, http://www.artsci.lsu.edu/voegelin/l, http://mises.com, http://www.cubdest.org/, http://www.infolink.com.br/~paulofrancis/index.htm, http://www.geocities.com/edaydos/ . Aí está uma pequena lista que seria capaz de desmantelar i sono da maioria dos catequizadores socialistas que o governo paga do bolso do contribuinte para lecionar nas universidades brasileiras. Ficaria muito grato se um dia os alunos tivesse a oportunidade de estudar em uma universidade democrática de fato, já que na URCA, democracia...só a das esquerdas.

Prevaleceu o bom senso - postado por Armando Lopes Rafael


Fonte: Veja Online
Lula vai retirar apoio a Plano de Direitos Humanos
13 de janeiro de 2010
O presidente Luiz Inácio Lula espera resolver nesta quarta-feira a crise envolvendo as Forças Armadas, o Ministério da Defesa e a Secretaria de Direitos Humanos. Para isso, Lula pretende "enquadrar" os ministros Nelson Jobim (Defesa) e Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) em uma reunião pela manhã. O objetivo é que ambos cheguem a um acordo a respeito do decreto do 3° Plano Nacional de Direitos Humanos. O presidente ainda estuda outra medida para sanar a crise: retirar seu apoio formal ao programa.

A estratégia consiste em fazer uma pequena alteração no texto, que poria fim ao aval do governo ao documento. No trecho reeditado, a expressão “aprova" será substituída por "torna público o programa". Segundo reportagem desta quarta-feira do jornal O Estado de S. Paulo, assessores diretos de Lula acreditam que, com isso, o governo apenas daria publicidade ao plano, deixando de encampar suas partes consideradas radicais ou polêmicas.

De acordo com o jornal O Globo, a estratégia de Lula não é consenso no governo, nem mesmo entre petistas. O líder do PT, deputado Cândido Vaccarezza já disse que o recuo seria um desgaste para o governo. A mudança faria com que o governo deixasse de se comprometer e, portanto, as propostas precisariam passar por uma conferência.

Lula também estuda retirar do texto os pontos polêmicos criticados pelos militares, pela Igreja Católica, pela sociedade civil e até mesmo por membros do governo. O presidente cogita, inclusive, nem enviar ao Congresso propostas como a descriminalização do aborto, já que o apoio ao tema prejudicaria o governo em ano eleitoral. O presidente ainda pretende pôr fim ao impasse com as Forças Armadas, ao desatar o nó da Comissão da Verdade, que prevê a investigação dos crimes de tortura durante a ditadura militar (1964-1985). Para tanto, Lula vai retirar do texto a referência à "repressão política".

Com a intervenção de Lula, as medidas não terão chances de serem aprovadas pelo Congresso ainda neste ano. "Dos temas polêmicos, provavelmente só ficará o item que trata da proibição para que os programas de TV e os meios de comunicação façam propaganda racista ou preconceituosa", afirmou Vaccarezza. A manobra é uma tentativa do governo de "abafar" a polêmica em torno do Plano de Direitos Humanos, o que evitaria um desgaste na campanha da ministra da Casa Civil Dilma Rousseff à presidência.

Madrugada de chuva intensa no Crato !

Madrugada de chuva intensa na cidade de Crato. Aproximadamente à meia-noite, uma chuva intensa começou a cair na cidade do Crato acompanhada de trovões e relâmpagos. Em alguns momentos, foi de tal intensidade que assustou muita gente. Ruas ficaram alagadas com impossibilidade de tráfego em certos trechos. A chuva continuou até o amanhecer do dia, alternando períodos de chuva fina e forte. Ainda é cedo para fazer qualquer levantamento acerca de de estragos causados pelo temporal, que assim, inaugura a estação chuvosa no cariri.

Dihelson Mendonça

Olha o papagaio aí, gente!!! - Por: Roberto Jamacaru de Aquino


O status social que atribui ao indivíduo uma condição de distinção, prestígio ou situação de hierarquia em meio a um grupo de pessoas, sempre foi objeto de ambição do sonho humano. Essa questão torna-se saudável quando o usufruto dela gera no indivíduo comportamento altivo onde a posição atingida venha a produzir ações respeitosas e produtivas cujo resultado satisfaça aos anseios de todos. Para tanto o homem precisa conhecer seus limites a fim de que possa controlar os impulsos do ego evitando tornar-se uma referência de pura vaidade. E isso é necessário para que seja evitado o estado do abuso, do ridículo e do constrangimento tão comuns nas pessoas de personalidades inseguras.

Somos mais felizes quando convivemos em um grupo de pessoas onde temos, de forma igualitária, poder de opinião e participação. Onde também temos condição de bancar os custos e as consequências dessa convivência. Desconhecendo essa lógica, muitos se arvoram em se projetar em determinados circuitos fechados da sociedade aonde, para tanto, chegam ao estado da humilhação exacerbada a fim de serem aceitos. A essas pessoas a coletividade, numa atitude um tanto desprezível e humorada, tem atribuído o nome patético, ridículo e risível de papagaio!
E tem papagaio para tudo que é condição social. Um deles é o papagaio político que, numa ânsia de projetar-se entre os poderosos, faz de tudo para estar sempre aos seus lados, principalmente nos clichês fotográficos. Nos palanques das solenidades públicas, a figura proeminente, sempre atrás da autoridade maior, é a dele.

Papagaios de cinema... São aqueles que, nas salas de projeções, estão sempre a dizer, em voz alta, piadas medíocres a fim de chamarem atenção para si. Papagaios fúnebres... Esses, com o intuito de fazerem uma média com a família do falecido (Os políticos são mestres nisso), não perdem uma cerimônia de enterro. Muitos chegam até a discursar e a chorar, copiosamente! Papagaio de reunião... Seus apartes são tantos que atrapalham e irritam qualquer orador que esteja falando no momento da solenidade. Com essa postura ele visa tornar-se o centro das tensões deixando o discursador em segundo plano. Papagaio de TV... Basta uma câmera ligada que ele se posiciona automaticamente ao lado do entrevistado. Mas, o limite do ridículo, fica mesmo como o Papagaio Social. Na busca desesperada da elevação de seu status, ele não pode ouvir um “click” de uma máquina fotográfica que rapidamente se posiciona ao lado dos famosos e donos das festas com o intuito de aparecer nas colunas sociais. Enlouquece quando não é convidado para um evento repleto de personalidades, mas, com ou sem convite, está sempre presente em todas as festas da alta sociedade. Temendo o ostracismo, chega até a pagar matérias em revistas e jornais para que todos vejam sua imagem em evidência marcando presença nos ritos sociais. Nesses enfoques, em sincronia com o brilho excessivo de seus olhos, destaca-se o seu sorriso, sempre mais aberto do que o da personalidade posicionada ao seu lado. Para bancar essas suas investidas, ele chega a dever a agiotas, a passar necessidades em casa, a estourar os limites de seus cartões de créditos e cheques especiais, pois, o importante, é estar chique, é ser chique e viver sempre chique!
Nada contra o estilo de vida de cada pessoa, mas um ditado popular sinaliza para que sejamos apenas aquilo que na realidade somos e não aquele sujeito caricato vítima da gozação, do burlesco e do escárnio dos outros.

Cada macaco no seu galho!

Por: Roberto Jamacaru de Aquino

CRATO - Notícias para o Dia 13 de Janeiro de 2010



Prefeito classifica 2009 como ano positivo para o Crato, mesmo com crise financeira das administrações


Mesmo com a crise que se abateu sobre as administrações públicas em todo o País, o prefeito do Crato, Samuel Araripe, admite que 2009 foi um ano positivo, no sentido de melhorias na arrecadação municipal, que chegou a 65 por cento. Em entrevista ao Jornal do Cariri, última edição, o prefeito destaca o momento em que tomou decisões difíceis, no ano passado, quando teve de equilibrar financeiramente a administração, tendo que demitir cerca de 200 funcionários comissionados. Essa, segundo ele, foi a parte amarga, no sentido de não deixar pendências na administração. Samuel Araripe, que recentemente esteve de férias na Europa, vem lutando por investimentos internacionais para projetos no município Cratense.

Comunicado da Secretaria de Agricultura

Comunicamos aos produtores rurais do município do Crato, que fizeram cadastro no PROGRAMA GARANTIA SAFRA 2009-2010, que ainda não compareceram para receber seus boletos, que venham buscar na Secretaria de Agricultura, pois o ultimo prazo será até o dia 15 de janeiro de 2010.

Agradece

Vicente Lucio
Coordenador Geral

Cultura pretende equipar melhor biblioteca pública

A Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude do Crato vem atuando no sentido de equipar os espaços direcionados ao desenvolvimento e formação cultural do povo cratense. Dentro dessa visão, vem buscando garantir mais livros para a Biblioteca Pública Municipal, que hoje se encontra em espaço privilegiado, no Centro Cultural do Araripe. Essa perspectiva de desenvolvimento inclui os espaços culturais e os museus da cidade. O projeto de reestruturação da Biblioteca Pública do Crato foi entregue ao Ministério da Cultura e já foram repassados 3.500 livros para a Biblioteca, do total de 10 mil que deverão ser repassados. Ao todo, a biblioteca deverá ficar com cerca de 15 mil títulos, favorecendo a formação da juventude e ampliando ainda mais esse espaço de pesquisa no município.

Cadastro Único volta a atender no próximo dia 20

O Governo Municipal do Crato, através da Secretaria de Ação Social, juntamente com a Coordenação Cadastro Único do Bolsa Família, comunica a todos os usuários do Programa, que devido a necessidade de reforma na sala de atendimento à comunidade cratense, os atendimentos serão retomados a partir do próximo dia 20. Já para os casos dos benefícios que estão bloqueados ou cancelados, para atualização de cadastros e outros fins, o funcionamento normal será a partir do dia 01 de fevereiro.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Governo Municipal do Crato
Fone/Fax - (88) 3521.9960
Mais informações:

http://www.crato.ce.gov.br
http://www.prefeituramunicipaldocrato.blogspot.com

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30