xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 20/12/2009 | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

20 dezembro 2009

Filme "Avatar" rende US$ 73 milhões em final de semana nos EUA


O filme "Avatar", saga de ficção científica sob chancela de James Cameron, abriu o final de semana como líder das bilheterias no mercado interno dos EUA no ano, com um faturamento doméstico de US$ 73 milhões. Trata-se de um forte começo para um filme em dezembro --mas ainda está abaixo do recorde de estreias em um final de semana, cravado há dois anos pelo filme "Eu Sou a Lenda", de Will Smith. Os protagonistas de "Avatar", Sam Worthington e Zoe Saldana, vivem uma história de amor em meio a um conflito humano-alienígena em uma lua distante, no século 22.

da Folha Online


Ex-secretário diz que Arruda elaborou planilha de distribuição de propina a aliados


Em depoimento prestado ao Ministério Público Federal, Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal, sustentou que o governador José Roberto Arruda (sem partido) foi o responsável pela elaboração da planilha que estabelecia a distribuição do suposto esquema de pagamento de propina para parlamentares aliados. O ex-secretário, que é o delator do esquema, não apresentou provas materiais.

Ex-secretário diz que Arruda recebeu R$ 3 milhões de propina de empresas no DF

Durval deixou a situação de Arruda ainda mais delicada ao afirmar que o esquema de corrupção também envolvia o Instituto Fraterna, que é comandado pela primeira-dama, Flávia Péres Arruda. A entidade receberia 10% do dinheiro arrecadado no esquema por ordem de Arruda. Não há referência a participação de Flávia. As denúncias foram publicadas neste domingo pelo portal "iG" com base no depoimento que Durval prestou no início do mês, em São Paulo, no prédio da Procuradoria Regional da República da 3ª Região, em uma sala de reuniões cedida aos membros da Procuradoria-Geral da República. Reportagem da Folha, revelou o depoimento e mostrou que ele foi retirado de Brasília por questão de segurança.

No depoimento, Durval disse que recebeu de Arruda, em 2007, uma planilha com a relação de todas as empresas do setor de informática que mantinham convênios com o GDF (Governo do Distrito Federal). No encontro, segundo Durval, Arruda disse que o material serviria para ele "operar o esquema de arrecadação de propina". Na declaração aos procuradores, Durval aponta que: "Arruda incumbiu o declarante [Durval] de recuperar a arrecadação de propina não recebida até aquela data, incidente aos pagamentos feitos ao GDF desde janeiro de 2007 até a data da reunião". Ao negar-se a buscar propinas atrasadas, por não ser o responsável naquele período, Durval contou ao MP que Arruda teria o indagado: "então e vou ficar no prejuízo?".

Em relação ao envolvimento do instituto presidido pela primeira-dama, o ex-secretário afirma que desde julho aproximadamente o Fraterna "teve as despesas pagas com o dinheiro arrecadado junto às empresas de informática". Segundo Durval, "governador Arruda determinou, por intermédio de Omézio Pontes [ assessor de imprensa], que autorizasse o pagamento com a parte correspondente a 10% da propina". Na sexta-feira, o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Fernando Gonçalves, relatório do inquérito da Caixa de Pandora, determinou uma análise dos contratos feitos pelo DF com empresas do setor de informática entre 2007 e 2009, gestão de Arruda. O ministro ainda pediu a tomada de novos depoimentos e ações de busca e apreensão.

Gonçalves ainda não analisou o pedido do Ministério Público Federal de quebra dos sigilos bancário e fiscal dos investigados na operação da PF.

MÁRCIO FALCÃO
da Folha Online, em Brasília

História que não quer calar - Por: Luiz Domingos de Luna


Q
ual o agente motivador para o Estado Brasileiro em todos os seus segmentos ter feito uma verdadeira cruzada contra a Ordem Santa Cruz – Penitentes – Santa Igreja de Roma – pelo que Consta, o primeiro patriarca - Ceará - Padre José Maria Ibiapina primou pela caridade e pelo bem comum de um contrato social voltado para o bem estar da coletividade como um todo.

Em sua gestão teve a Ordem Santa Cruz, aos irmãos, uma perseguição ferrenha, a nossa cidade modelo foi destroçada pelo estado, ficando a irmão Antonio conselheiro a alcunha de maluco, fanático, agitador e outras que consomem a mente do imaginário popular. A verdadeira história foi apagada e a banalização das idéias foi consumida, inclusive pelos estudiosos e historiadores, Por quê? Já na administração do sucessor Padre Cícero Romão Batista se fez um caldo histórico sobre a igreja secular, o estado e, volta e meia, o caldeirão verdadeiro Monte Sinai do cariri (Crato Ceará) é também dizimado com a mesma tenacidade de canudos.

O Estado até o final de meados do século XX tinha uma sede de sangue tão violenta, que, não fosse à rigidez de nossa regra bulada estaríamos, a exemplo dos pioneiros-Nordeste- sob uma cruz perdida no matagal do esquecimento histórico. A Gestão de Frei Damião de Bozzano foi à luz do pulsar vivo existencial mais serena, em partes, pois, ai do irmão que na realização do culto não tivesse uma autorização judicial expedida pelo delegado de plantão.

Ao rito a humilhação de ter um policial no encalço para, segundo a tradição dar proteção ao colegiado em miseré – É o que diziam, cabendo a nós a peregrinação vigiada por um estado opressor e coativo – porém para a sociedade e para o corpo policial um agente de defesa da causa e do bom cumprimento do nosso culto- O Encalço do policial - Quanta Hipocrisia. Os livros da Ordem Santa Cruz foram tirados de circulação sob a alegativa de que a “a seita é secreta e, portanto nociva a sociedade” e o mais estarrecedor é que a sociedade comprava esta idéia e naturalizava em segundos. Assim fica a ordem, sozinha, abandonada, punida, julgada e condenada pelo sadismo social de um estado que conseguiu repassar para a mediana social que nós somos uma seita de malucos.

Ainda bem que no século XXI – Considerado por nós como o século das luzes – já não somos perseguidos pelo estado, pela sociedade, nem por ninguém, nossos trabalhos são muito bem vindos pela internet como um todo, sendo inclusive esta, uma ferramenta poderosa para a difusão de nossa máxima “todos para o bem estar da Coletividade humana como um todo, desde o aparecimento do homem na era cenozóica, período do pleistoceno aos dias atuais”. Praza Deus encontremos escritores sérios para dar luz aos meatos de nossa história apagada por um estado, que conseguiu exterminar parte do todo, mas não conseguia calar a voz dos que sonham por liberdade, igualdade e fraternidade.

Por: Luiz Domingos de Luna


Amígdala cerebral determinaria se pessoa é individualista ou solidária


Pesquisa é do Instituto de Neurologia da Universidade de Tamagawa. Estudo comparou série de ressonâncias magnéticas funcionais. Um grupo de cientistas mostrou que as pessoas são mais individualistas ou solidárias em função da atividade de sua amígdala cerebral, o que contradiz outras teorias anteriores que sugeriam que a personalidade está relacionada com a atividade do córtex pré-frontal. A pesquisa é liderada por Masahiko Haruno, do Instituto de Neurologia da Universidade de Tamagawa (Japão), que contrastou as ressonâncias magnéticas funcionais de pessoas com orientações "pró-sociais" e as de pessoas individualistas. Por indivíduos "pró-sociais", se entende aqueles que "maximizam a soma de recursos para eles mesmos e os outros, o que permite minimizar as diferenças entre os dois", explica o artigo. O estudo, que foi publicado na revista "Nature", revela que esta tendência pode ser observada verificando a atividade da amígdala cerebral.

"Nossa descoberta ressalta o importante papel do processo de intuição automática na interação social", destaca Haruno em seu artigo. Os indivíduos pró-sociais preferem maximizar os recursos para si mesmos, mas uma vez que os outros tenham os mesmos meios que eles, enquanto os individualistas preferem maximizar seus recursos sem levar em conta a quantidade que os outros dispõem. O modo como as pessoas tomam esse tipo de decisão foi objeto de debate, mas uma das teorias mais difundidas é que existe uma resposta automática que só considera o benefício de si mesmo e que é o córtex pré-frontal, de onde se envia um sinal para controlar esse impulso. Haruno e sua equipe comprovaram a ideia observando como as mentes das pessoas "pró-sociais" e as dos individualistas respondiam ao desejo que lhes despertava a obtenção de dois prêmios, um para eles mesmos e outro para um colega.

O estudo conclui que a escolha dos individualistas não foi influenciada pela capacidade de controlar nenhum impulso, mas resultava de maior ou menor atividade na amígdala cerebral.

Da EFE - Via Folha OnLine

Parabéns, José Flávio Vieira !

ze flavio e criança



José
José Flávio
José Flávio Vieira
José Flávio Vieira Médico
José Flávio Vieira Médico, Poeta
José Flávio Vieira Médico, Poeta, Escritor
José Flávio Vieira Médico, Poeta, Escritor, Gênio
José Flávio Vieira Médico, Poeta, Escritor, Gênio, Amigo
José Flávio Vieira Médico, Poeta, Escritor, Gênio, Amigo... Ser Humano - Ser Criança!

Meus Parabéns a esse grande Ser Humano chamado José Flávio pela passagem do seu aniversário, hoje, 20 de Dezembro de 2009. Amigo Zé, você mora em meu coração.

Dihelson Mendonça

Vice-Prefeito do Crato convida o Presidente da FUNARTE para Apoiar Projetos Culturais


Nota do Editor:
O Vice-Prefeito Raimundo Bezerra Filho convida o Presidente da FUNARTE, Sérgio Mamberti para visitar o Crato, a fim de conhecer a região do Cariri, que é um verdadeiro celeiro de artistas no Nordeste. Raimundo ressalta a importância do Crato e do Cariri para a cultura nordestina através da Arte e da Cultura, e convida a Funarte para conhecer e apoiar os inúmeros projetos culturais que se tem desenvolvido aqui na cidade do Crato. É da nossa opinião do Blog do Crato, que esse convite é muito expressivo, muito importante, uma vez que nossa cidade, que é histórica no cenário cultural, passa por um período de renascimento, em que nos últimos tempos, as várias realizações no setor de Arte e Cultura se tem feito notar. Seria muito interessante que o Sérgio Mamberti pudesse atender a essa solicitação, porque ela é o desejo não só do Vice-Prefeito, que como sabemos, muito se preocupa com o desenvolvimento da nossa região, mas representa os anseios de todo um povo sedento de mais apoio às Artes e à Cultura, meios esses que balizaram sempre a nossa história, nossa vocação e a nossa personalidade.

Sérgio Mamberti, presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte) foi recebido pelo Presidente do Sistema Fecomércio, Luiz Gastão Bittencourt em café da manhã ocorrido no Sesc nesta ultima sexta-feira, dia 18. Na ocasião a Diretora Regional do Sesc, Regina Leitão, a Diretora de Programação Social, Gorett Nogueira e a gerente de cultura Dane de Jade, apresentaram uma visão geral do trabalho desenvolvido pela instituição na área cultural. O encontro também teve a participação vice-prefeito do Crato, Raimundo Bezerra Filho, que relatou a importância da ação do Sesc naquela cidade mais precisamente em relação à Mostra Cariri, evento anual promovido pelo Sesc com o apoio da Funarte e que nasceu na cidade do Crato há uma década.



Acima: Raimundo Bezerra Filho, vice-prefeito do Crato e Luiz Gastão Bittencourt, presidente do Sistema Fecomércio.


Acima: Dane de Jade, Regina Leitão, Sérgio Mamberti, Luiz Gastão e Raimundo Bezerra Filho.


Acima: Sérgio Mamberti, Luiz Gastão Bittencourt, Regina Leitão, Gorett Nogueira, Raimundo Bezerra Filho e a equipe de cultura do Sesc.

Material enviado por: Sávio Carvalho


Uns imortais fetichistas - Por: Emerson Monteiro


Fetichismo, essa mania corrosiva que se tem de juntar coisas das margens dos rios, sejam pequenas ou grandes. Culto de objetos materiais ou apego a eles. E fazemos isso vida a fora, vida a dentro. Aonde se vai, junta troço. Viaja-se e a bagagem vale pelas lembranças que se transporta, para si ou para os outros. Morre-se e ficam relíquias, botijas, testamentos recheados de bens materiais; os baús, as recordações dos amigos, nas rodas; as histórias infalíveis, resgates insistentes.
Fetiche: objeto animado ou inanimado, feito pelo homem, ao que se atribui culto. Enquanto o tempo consome a matéria, apegamo-nos aos garranchos das ribanceiras, no afã de perpetuar o imperpetuável que escoa das vertentes abertas nas elevadas cordilheiras. Nisso de contrapeso seremos hábeis em reunir motivos de fixação que nada fixam, desfeitos na paisagem móvel da existência, dias aquecidos de impermanências graves, lições infindas, perenes em tudo, por tudo, portanto.
Anéis e dedos que também não ficam. Caravanas que passam aos cães que ladram e passam no mesmíssimo formato da pauta dessa ópera insólita, estridente, agônica, permeada de silêncios agudos.
Sonha-se no esquecimento das horas, companheiras constantes de pêndulos que se movem impávidos. Nuvens suaves de outono, inverno, primavera, verão. Sol que vem e vai e fica, e nós é que vamos.
O esforço de cristalizar as coisas se transforma em rochas fósseis, rochas cristais, marcas de espécies extintas no aço, no petróleo, nas enciclopédias, na lama dos guetos. Na história de bichos-alimária, cães de palha. Todos, todas esfoladas, esfolados vivos, felizes bonecos de papelão.
Energia infinda, essa, sim, que permanece no fluir universal, na busca de Deus das criaturas. O rugir dos ventos nas folhas que se balançam e caem. O som de eras milenares em muralhas que se desmoronam dos monumentos carcomidos e reconstruídos de suor e impulsos desconectados. As imaginações de lideranças retocando civilizações que se debatem na busca de permanecer nas páginas esvoaçantes dos reinos ilusórios. Tropas armadas em conquistas estéreis, incógnitas dramas de quem padece as derrotas. Guardadas as lanças e proporções no terço dos armamentos enferrujados nas praças cheias de gente vaidosa, nos festins descompassados... Castelos vazios, horas calmas, madrugadas espasmódicas desses faustos de angústia.
Nos bolsos, a imunidade, seixos frios se misturam nas contas do rosário de lágrimas que se fizera saudade solta, croaxando no peito, e malas pesadas nos braços mortais da infinita espera. Olhos fixos na miragem desses invernos desconhecidos. Firmeza na voz e pigarro na garganta seca. Fora, cantam os pardais, efetivos a formar outra vez seus velhos ninhos teimosos, nos beirais de construções; a paisagem fantasmagórica do extático, testemunha imbatível do definitivo encontro; repulsão e expectativas.
Nesse dia e desse jeito de cenário, os artesões do depois vêm elaborando fios e tecerão longas auroras, nos cabos de luzes multicolores, em volta das marcas erguidas no seio das catedrais de pedra. Notas harmônicas envolvem as palmas abertas de um tempo que deposita nas estrelas seus filhos diletos. Aqueles velhos fetiches guardados se somam em muitos nós, apegos desfeitos nas pessoas. Serão almas livres aladas que pairam no além, aonde Deus espera de braços abertos.
Antes, éramos todos fetichistas contumazes e mudamos o sentido daquilo que nos alimentava. Nos lábios, favos de mel. Lindos laços envolveram os seres e nisso vem o dia raiar nos páramos suaves dos vínculos eternos, bloco útil das emoções permanentes.

Por: Emerson Monteiro


Escritores, usem a senha para escrever comentários !

Amigos escritores,

Tenho notado uma coisa estranha: Vários escritores escrevendo comentários que não são publicados na hora porque não estão utilizando a sua senha de postagem. Isso faz com que os comentários escritos por essas pessoas tenham que passar por mim para liberação, o que demora algum tempo. Minha gente, essa senha e Login que vocês possuem para postar textos, também serve para postar comentários diretamente. É só utilizar!

Abraços,

Dihelson Mendonça



A reunião sobre mudança climática das Nações Unidas, concluída no sábado, resultou em uma "Carta de Intenções", de acordo com o secretário-executivo do encontro, Yvo de Boer. Ele admitiu que agora é preciso trabalhar para transformá-la em "algo real, mensurável e verificável.

Agora temos um pacote para trabalhar e começar a agir imediatamente. Entretanto, é preciso ficar claro que é uma carta de intenções e não é precisa sobre o que precisa ser feito em termos legais", disse de Boer. "O desafio agora é transformar o que concordamos em Copenhagen em algo real, mensurável e verificável." O chamado "Acordo de Copenhagen" foi aprovado no sábado com relutância e sem unanimidade, como exige o procedimento das Nações Unidas. O mesmo prevê ações para a manutenção do aumento da temperatura global a 2ºC. Por outro lado, o acordo não prevê qualquer redução de emissões dos gases que provocam o efeito estufa para que isso seja possível.

O documento, no entanto, prevê a criação de um fundo emergencial de US$ 30 bilhões pelos próximos três anos, para ajudar países pobres a combater causas e efeitos das mudanças do clima; além de angariar fundos para financiamentos de longo prazo de até US$ 100 bilhões até 2020. No entanto, por ter sido fruto de um encontro entre os Estados Unidos e os chamados países BASIC - Brasil, África do Sul, Índia e China -, o acordo não foi reconhecido por representantes de diversas nações, como Sudão, Bolívia, Venezuela, Nicarágua e outras.

Isso levou ativistas ambientais a classificarem o encontro de Copenhagen de fracasso. "Nas últimas duas semanas, testemunhamos um fracasso abjeto e um sucesso retumbante. O fracasso obviamente foi a COP 15, que não só deixou de apresentar as reduções drásticas e justas necessárias, como não apresentou absolutamente nada", criticou Tadzio Müller, da ONG Climate Justice. "O sucesso é o do movimento global por justiça climática, que organizou ações espetaculares, grandes e inspiradoras." Em uma mostra de como o processo em Copenhagen foi conturbado, Weech foi o terceiro presidente da COP 15, substituindo o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Loekke Rasmussen, que há poucos dias assumira no lugar da ministra da Energia e do Meio Ambiente, Connie Hedegaard.

O Acordo de Copenhagen foi selado na sexta-feira, entre o presidente americano, Barack Obama, e os presidentes de China, Brasil, Índia e África do Sul, depois de uma reunião de mais de duas horas, mas não foi ratificado por todos os paises presentes ao conclave.

Fonte Portal G1.

Imagem das esculturas os "Refugiados do Clima", do escultor dinamarques Jens Galschiot e seu trabalho - AIDOH/ Art in Defence of Humanism - colocadas junto a entrada do Bella Center, inspiradas na saga de refugidos sudaneses através do deserto. Elas simbolizam as 200 milhões de pessoas que serão refugiadas do clima nos próximos 40 anos, segundo o IPCC ONU.

Fotografia de Robert vanWaarden .
Postado por José Sales


19/12/09 – 25 anos de Casamento – Bodas de Prata – Por César Mousinho.


Eu e minha esposa Helenice estamos comemorando nossas Bodas de Prata, dividindo essa alegria ímpar com todos os nossos familiares e amigos, e parabenizando todos aqueles casais que já vivenciaram essa dádiva e os que irão.A palavra boda vem do latim vota (plural de votum -promessa) referida ao fato de fazer os votos matrimoniais, com a confusão do neutro em latim vulgar perdeu seu sentido e confundiu v por b.
Uma lenda atribui uma falsa etimologia a que na antiga Judéia tinha-se o costume de matar um cabrito para o churrasco nas comemorações de casamento ou aniversário de casamento. Com o tempo, o cabrito foi substituído pela fêmea do bode, cuja carne era muito mais macia. Matar a fêmea do bode, a "boda", era sinal de que haveria festa. Devido a isto o nome "boda" passou a ser sinônimo de festa, hoje em dia mais falada para casamentos.Para cada ano, existe um material que representa uma nova etapa. É tradicional na cultura ocidental, se comemorar com bodas o evento relativo ao casamento, e com o jubileu, outros fatos marcantes da vida social.
Para marcar cada um desses eventos se associa a cada data das bodas algum material que o represente. Na joalheria, tradicionalmente são produzidas as alianças de bodas de prata e bodas de ouro. Para as demais, geralmente são confeccionados anéis utilizando-se os materiais ou a pedra correspondente, conforme a lista abaixo:

01º - Bodas de Papel
02º - Bodas de Algodão
03º - Bodas de Couro ou Trigo
04º - Bodas de Flores, Frutas ou Cera
05º - Bodas de Madeira ou Ferro
06º - Bodas de Açúcar ou Perfume
07º - Bodas de Latão ou Lã
08º - Bodas de Barro ou Papoula
09º - Bodas de Cerâmica ou Vime
10º - Bodas de Estanho ou Zinco
11º - Bodas de Aço
12º - Bodas de Seda ou Ônix
13º - Bodas de Linho ou Renda
14º - Bodas de Marfim
15º - Bodas de Cristal
16º - Bodas de Safira ou Turmalina
17º - Bodas de Rosa
18º - Bodas de Turquesa
19º - Bodas de Cretone ou Água Marinha
20º - Bodas de Porcelana
21º - Bodas de Zircão
22º - Bodas de Louça
23º - Bodas de Palha
24º - Bodas de Opala

25º - Bodas de Prata

26º - Bodas de Alexandrita
27º - Bodas de Crisoprásio
28º - Bodas de Hematita
29º - Bodas de Erva
30º - Bodas de Pérola
31º - Bodas de Nácar
32º - Bodas de Pinho
33º - Bodas de Crizopala
34º - Bodas de Oliveira
35º - Bodas de Coral
36º - Bodas de Cedro
37º - Bodas de Aventurina
38º - Bodas de Carvalho
39º - Bodas de Mármore
40º - Bodas de Esmeralda
41º - Bodas de Seda
42º - Bodas de Prata dourada
43º - Bodas de Azeviche
44º - Bodas de Carbonato

45º - Bodas de Rubi

46º - Bodas de Alabastro
47º - Bodas de Jaspe
48º - Bodas de Granito
49º - Bodas de Heliotrópio

50º - Bodas de Ouro

51º - Bodas de Bronze
52º - Bodas de Argila
53º - Bodas de Antimônio
54º - Bodas de Níquel
55º - Bodas de Ametista
56º - Bodas de Malaquita
57º - Bodas de Lápis-lazúli
58º - Bodas de Vidro
59º - Bodas de Cereja

60º - Bodas de Diamante

61º - Bodas de Cobre
62º - Bodas de Telurita
63º - Bodas de Sândalo
64º - Bodas de Fabulita
65º - Bodas de Platina

Boda
é a celebração, civil ou religiosa, que celebra o casamento. São Paulo/SP- Helenicésar

Fonte-Wikipédia


Dois fatos... - por Armando Lopes Rafael


1 – O tempo

Sed fugit interea fugit irreparabile tempus”, escreveu o poeta romano Virgilio. (traduzindo: “mas ele foge, irreversivelmente o tempo foge”)

Não só isso! O tempo também é implacável.
Hoje – 20 de dezembro – é dia da tradicional Missa do Padre Cícero. Esta celebração mensal surgiu há muitos anos em Juazeiro do Norte. Segundo dizem, incentivada por Padre Murilo de Sá Barreto.
O que já virou tradição foi-se espalhando por outras cidades. Até chegar ao maior valhacouto “anti-Padre Cícero”, ou seja, ao Cratinho-de-açúcar, a cidade-natal do controvertido sacerdote. Não disse Jesus Cristo: “Um profeta só não é honrado em sua terra e na sua casa”? – Mateus 13, 54-58.
Pois isso começou a mudar. Pelo menos em Crato. Na Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, no bairro do Seminário, centenas de pessoas – muitas vestidas de preto – estavam assistindo neste domingo, bem cedinho, a missa pela memória do “Padim-conselheiro”...
E os presentes não eram só o “povinho”, como se dizia antigamente (Hoje a “esquerdona” popularizou o termo “povão”). Tinha também gente “graúda”, como se dizia antigamente e continuam dizendo hoje.
Meu velho e competente professor, Padre Antônio Gomes de Araújo, deve estar se revirando no túmulo...

2 – Novo golpe

Foi instalado em Barbalha, no último dia 10, pela Universidade Federal do Ceará o Centro de Pesquisa e Pós-Graduação do Semi-Árido. Lembro-me de que foi anunciado pelo ex-reitor René Barreira – em 2005 – que esse centro seria instalado em Crato, juntamente com o curso de Agronomia.
Segundo o atual reitor da UFC, Jesualdo Farias, esse centro tem como objetivo trazer os doutores e pesquisadores da universidade, baseados numa temática multidisciplinar, para estudar e atender às demandas da região do Cariri. Já a partir de março de 2010, funcionarão, em Barbalha, dois cursos de especialização da UFC-Cariri: um na gestão pública e outro voltado para a área de paleontologia.
Bom lembrar que – até o momento – de todas as iniciativas concretizadas no Campus-Cariri da UFC, o Crato só foi contemplado com um curso: Agronomia. Mesmo assim, no momento, este vem funcionando (provisoriamente?) em Juazeiro do Norte. Resumindo: ainda não tem nada da UFC instalada em Crato. Verdade que o curso de Agronomia iniciou suas atividades em 18 de setembro de 2006 nas dependências da Urca-Crato, graças a boa vontade e gestão do ex-reitor André Herzog. Mas, depois, o curso foi levado para o Campus de Juazeiro do Norte. Um dado positivo: este curso começou com uma concorrência de apenas 1,28 candidatos por vaga. Mas hoje, depois de cinco vestibulares, a procura por agronomia cresceu 500%. No último vestibular alcançou 7,3 inscritos por vaga.

Texto e postagem de Armando Lopes Rafael


O Show na Terra - Por Luiz Domingos de Luna*

É muito fácil observar
A presilha dos seres humanos
Sentidos, prazeres, desenganos.
Uma paisagem a embelezar

Tudo parece um sonho
Emoções sentimentos
Um corpo lançado ao vento
Na busca de um mundo risonho

Cada um num carrossel a girar
O filme da vida pontuando
O Futuro ao presente ocupando
A Câmera a história registrar

A máquina humana em movimento
Os líquidos internos em plena ação
Uma desordem que vai parar- Pena!
Deixar a cadeira, para outro ocupar.
É um show com tempo determinado
É Viver plenamente a emoção?
É A razão e emoção conjuntamente
Ou o grande parque da Ilusão?

(*) Poesia de Luiz Domingos de Luna, professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Aurora (CE)

A anistia ao desmatamento junto com o COP 15


Enquanto o Governo Federal aprova internamente aprova lei que anistia aos desmatadores, suspendo inclusive multas a quem desmatou e ao mesmo tempo restringe o papel da fiscalização dos órgão federais, impedindo até que se apliquem novos autos de infração por crimes cometidos nessa área, na Conferência do Clima em Copenhagen a confiança depositada nos compromissos ambientais do país continua inabalável, apesar da gafes cometidas pela nossa Ministra Chefe da Casa Civil Dilma Roussef, como a bombástica declaração de que: "o Meio Ambiente e sem dúvida nenhuma, uma ameça ao desenvolvimento sustentável".
Segundo os pesquisadores e estudiosos o desmatamento para conversão de florestas em pastagens no Brasil é responsável por metade das emissões de gases estufa nacionais – a medida federal de perdoar quem o desmatou, sabendo que isto contrariava a lei, isto leva a uma maior escalada da impunidade.
E em reação isto, funcionários do Ibama organizaram uma manifestação para esta sexta-feira na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em repúdio ao decreto que, segundo os servidores, deixa a fiscalização federal de mãos atadas. Isso depois dos cofres públicos terem bancado investimentos de cerca de 500 milhões de reais nos últimos cinco anos para manter o sistema de fiscalização, de acordo com o órgão.
Postado por José Sales

Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30