26 maio 2018

Crato: Parque Ecológico Estadual Sítio Fundão inaugura uma trilha acessível

Fonte: “Diário do Nordeste” – por Antônio Rodrigues – Colaborador

    Crato. Com área de 93,52 ha, o Parque Estadual Sítio Fundão está sendo pioneiro no projeto de acessibilidade em suas trilhas. A Unidade de Conservação (UC), que preserva sua mata nativa, representando os biomas da Caatinga e Cerrado, além de conter uma diversidade de animais silvestres dentro da área urbana do Município, agora quer ampliar os visitantes, oferecendo mais facilidade de locomoção e interação para pessoas com algum tipo de limitação motora ou condição especial. Por enquanto, são pouco mais de 250 metros de trecho adaptado, que ainda serão expandidos.

     A ação "Trilha dos sentidos: acessibilidade e interação. Desafio sim, dificuldade não", realizada na manhã dessa sexta-feira (25), reuniu crianças cratenses de escolas públicas com necessidades especiais como cadeirantes, deficientes visuais, surdos e com mobilidade reduzida. O objetivo é que estas pessoas possam usufruir da natureza, bem como possibilitar que o Parque possa trabalhar a inclusão delas em ambientes naturais.

      O Sítio Fundão preparou algumas instalações diferenciadas, como trilha com paletes de madeira, uma réplica do Rio Batateiras e percurso com cordas para cegos. A ação também contou com intérpretes de libras. Além disso, o aplicativo para celular Ecomapss, que funciona na UC fornecendo informações sobre a flora e bens históricos de lá, agora conta com plaquinhas em braile descrevendo o nome popular e o científico das plantas.

      Segundo o professor João Abreu, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) de Crato, um dos desenvolvedores do aplicativo, a adaptação do aplicativo surgiu pela necessidade de passar mais informações do Parque para todas as pessoas. "Nós estamos ampliando o leque de pessoas. O papel dele se torna muito mais importante, pois pessoas que têm essa limitação vão poder ter a autodescrição pelo aplicativo", justifica.

Eleições 2018: candidatos Camilo Santana (PT) e o General Theophilo (PSDB) cumprem agenda no Cariri neste fim de semana

Fonte O POVO, 26-05-2018.
 Presença de lideranças da base e da oposição nos municípios do Cariri neste fim de semana demonstra a força da região no próximo pleito
 General Theophilo também estará hoje no Cariri e amanhã participará da festa de Santo Antônio ALEX GOMES/ ESPECIAL PARA O POVO
    A pouco mais de dois meses do início da campanha eleitoral, as agendas de dois dos pré-candidatos ao Governo do Estado se encontram em municípios da região do Cariri neste fim de semana. Tanto o governador Camilo Santana (PT) quanto o pré-candidato da oposição ao cargo, General Theophilo (PSDB), têm eventos marcados na região a partir de hoje, o que demonstra como a área é estratégica para a definição do próximo pleito.
     Essa será a primeira viagem do tucano pelo Interior após o anúncio oficial da pré-candidatura na última segunda-feira, 21. Acompanhado do padrinho político, o senador Tasso Jereissati, General Theophilo participa hoje de reunião com lideranças de Barbalha, a partir das 18 horas. No mesmo horário, o governador Camilo Santana inaugura Areninha em Juazeiro do Norte, cerca de 18 km de diferença.
      O tucano participa amanhã de manhã dos festejos de Santo Antônio na Igreja Matriz de Barbalha. Camilo não divulgou ainda a agenda de amanhã.
      O deputado federal Capitão Wagner (Pros), que participou ontem de caminhada com o tucano pelas ruas do Centro de Fortaleza, disse que a viagem faz parte do trabalho de apresentação de Theophilo aos eleitores cearenses.

25 maio 2018

Antes e depois da Eternidade - Por: Emerson Monteiro


Ontem e amanhã, antes e depois da Eternidade que mora nos humanos. Linha divisória entre tudo e nada, rompemos as horas mortas quais bólides feitas de meros momentos que transcorrem no tempo enquanto outros seguem apressados rumo ao desconhecido e lá também certo dia chegaremos. Já foram tantos os que vivenciaram essas cólicas de perfeição e deixaram desaparecer as chances da descoberta que, contudo, tornaram presas fáceis de coisas inúteis, fiapos e gravetos. Filhos do agora, porém inconscientes da revelação do mistério, vivem soltos às ilusões do desejo e abandonaram a luz da fertilidade plena em mãos do esquecimento.

Muitos, milhões, centilhões, carregam, pois, o peso de todos os Prometeus atoleimados através do provir das provas, absortos naquilo que deixaram atrás, e padecem nas subidas as quedas, fantasmas das encostas escorregadias. Flertaram na imortalidade, embelezados com a própria sombra, tremeluzindo nos lagos, e acham bonito o verso do espelho que hipnotiza e embriaga os repastos dos abutres, escravos do prazer e da dor, na dor e no prazer, princípio e fim, e recomeço de tantas e quantas vezes.

Eles são os nós, pássaros desta fome e floresta de repastos de deuses mórbidos que eles mesmos criaram luas sem conta. Mergulharam o abismo da ausência nos finais que lhes aguardam, rindo à toa do drama de ignorar, e sonham, e padecem inebriados de fulgor e desencantados pelas gerações sucessivas mundo afora.

Sabem só que há razões de continuar; o que nutrem as feras das paixões,, e amarguram a fome de amar, o apego desesperado de prosseguir vivos e cegos na ignorância de conhecer, falar e não praticar o que disseram. Focos de visão encandeada, assim sobrevivem dentro do Sol e andam em círculo, semelhantes a cavalos de carrossel, a fugir da alma ali jogada no tabuleiro da luminosidade e da paz, rios abertos da Felicidade. No rosto deles, a face de todos nós.

A segunda imagem da Padroeira de Crato

Na próxima 4ª feira, 30 de maio, à noite, a população católica de Crato assistirá – na Praça da Sé – a tradicional solenidade de coroação de Nossa Senhora. Este ano será coroada a imagem histórica de Nossa Senhora da Penha. Abaixo a história desse patrimônio artístico-cultural-religioso da cidade de Crato.
Imagem de Nossa Senhora da Penha, escultura em madeira venerada como padroeira
dos cratenses de 1745 a 1938 (foto: Jackson Bantim)

"Esculpida em madeira, medindo 0,88m de altura, colocada sobre uma penha de 0,14m (figurando uma rocha) tudo talhado num mesmo tronco, a Virgem da Penha se apresenta segurando o Menino-Jesus no braço esquerdo e empunhando na destra um cetro. Sua fisionomia é serena e séria, o que lhe dá um porte majestoso e tranqüilo, de cativante simpatia. Esta imagem não se constitui somente numa valorosa relíquia, é também uma autêntica obra de arte". (LÓSSIO, Rubens Gondim. Artigo “Nossa Senhora da Penha de França, Padroeira do Crato” Revista “Itaytera”, ano VI, nº VI, órgão do Instituto Cultural do Cariri. Tipografia A Ação, Crato (CE) 1961.).

    A descrição acima sintetiza bem a segunda imagem venerada como padroeira dos cratenses, entre 1745 e 1938, durante quase dois séculos. Esta escultura foi doada à humilde capela da Missão do Miranda – origem da cidade de Crato – pelos frades capuchinhos do Convento da Penha de Recife, no ano 1745. Sobre ela existe boa documentação, como veremos a seguir.

      Monsenhor Rubens Gondim Lóssio cita em seu trabalho um artigo da Revista Dom Vital (nº de agosto/setembro de 1955) sob o título “Resumo Histórico”, onde consta às páginas 7/8:

"Em 1733, o Prefeito da Missão (dos Capuchinhos de Recife), Frei Boaventura de Pontremoli, ampliou a antiga capela, resolvendo seu sucessor, Frei Carlos José de Spezia, em 1745, substituir a vetusta imagem dos franceses por uma nova estátua, feita em Gênova pelo escultor Maragnone que a modelou artisticamente sobre a primitiva, logo depois enviada para a Missão do Miranda no Crato". (grifo meu).

      A imagem doada à Missão do Miranda em Crato havia chegado à cidade de Recife, no ano de 1641, tendo ali permanecido durante 104 anos. Monsenhor Rubens Lóssio reproduziu, ainda, textos de Frei Fidelis Maria de Primério (autor do livro Capuchinhos em Terra de Santa Cruz, nos séculos XVII, XVIII e XIX, editado em 1940). Infelizmente, Mons. Rubens não citou a editora, nem cidade onde este livro foi publicado. Abaixo, os dois textos transcritos:

"A versão geral acerca dessa prodigiosa imagem, é que ela foi trazida para Pernambuco por cinco missionários capuchinhos, que se dirigiam para a Guiné e foram, no litoral africano em 1641, atacados e presos pelos corsários holandeses, calvinistas que infestavam aquelas águas. Os missionários foram mui maltratados pelos corsários e, por fim, entregues aos holandeses que dominavam Pernambuco. Esta tradição geral, que bem desposa a história dos novos missionários, apresados nos galeões espanhóis, quando rumavam para a Guiné, explica-se facilmente porque os missionários puderam conservar consigo o precioso tesouro, que intentavam levar às tribos africanas, qual estrela de salvação, e ao invés veio para terras pernambucanas. Os corsários holandeses apresavam para levar à sede, Pernambuco: o interesse exigia-lhes que respeitassem a presa, ainda que não condissesse com suas crenças".

"A preciosa imagem de Nossa Senhora da Penha, que fora respeitada pelos próprios hereges, tornou-se a santa de preferência do povo pernambucano, que lhe ergueu um majestoso templo. O culto da mesma Senhora fez com que se obliterasse o título da Capela que a acolheu em 1641, a qual estava dedicada ao Divino Espírito Santo, e que passou a chamar-se “capela” e depois “igreja da Penha”. A pequena imagem dos franceses foi em 1745, por Frei Carlos de Spezia substituída pela atual, feita em Gênova, modelada pela antiga”. (...). “ Ora, esta substituição, como ficou demonstrada acima, deu-se com a remessa da imagem para a Missão do Miranda".

Texto e postagem de Armando Lopes Rafael

“Brasil, filho da ocidental Praia Lusitana” – pelo Prof. Sidney Silveira (*)

“A vanguarda hoje é ser ‘reacionário’; é olhar para o passado com a coragem de afirmar valores que não são os que, contemporaneamente, predominam.” -- Sidney Silveira.

    A segunda palestra do 27º Encontro Monárquico, realizado no Rio de Janeiro, em junho do ano passado, foi ministrada pelo jovem Prof. Sidney Silveira, que abordou o tema “Brasil, filho da Ocidental Praia Lusitana”, sobre como o Brasil é herdeiro e continuador da história de Portugal, e que nós, brasileiros, devemos olhar para trás em busca da solução para os problemas que atualmente afligem o nosso País, para que assim tenhamos um futuro construído em consonância com as melhores tradições e costumes da cultura luso-brasileira, somadas às boas características dos demais povos que ajudaram a compor a brasilidade.

    Nesse sentido, dizia   o jovem Prof. Sidney Silveira: “A restauração da Monarquia Constitucional se torna essencial, pois os Imperadores do Brasil também eram descendentes e continuadores da obra dos Reis de Portugal; logo, o Brasil não nasceu em 1500, mas sim em 1139, junto com Portugal”.

(*) Sidney Silveira, filósofo tomista, escritor e jornalista.

Assista à gravação da palestra do Prof. Sidney no YouTube:
https://www.youtube.com/watch?v=VrOlpFIOpU8

Crônica do fim-de-semana -- por Armando Lopes Rafael

O colorido tapete formado pelas pétalas dos pés de jambos   

   Antigamente, e lá se vão muitos anos, a Prefeitura Municipal e os habitantes desta cidade plantavam mudas de uma árvore conhecida como jambeiro. Esta árvore frutífera produz um bonito fruto, chamado jambo-rosa. Antecedendo ao fruto, ocorre um período de floração – muito curto, pois dura de sete a quinze dias – do jambeiro, o que acontece duas vezes ao ano.

     Como era bonito percorrer ruas e praças de Crato onde existiam pés de jambeiros!     
     Como era bonito contemplar o tapete formado no chão pela floração daquelas árvores! 
     Esse tapete podia ser visto entre a fase da abertura dos botões e a queda das pétalas não polinizadas, quando a flor solta com o vento mais tênue fiapos de um intenso rosa, colorindo o chão ao seu redor.

       Infelizmente, há muito tempo, a Prefeitura de Crato não promove mais campanhas de arborização neste Mui Nobre e Heráldica Cidade de Frei Carlos Maria de Ferrara. O que nos resta dos jambeiros foi plantada por iniciativa dos habitantes de Crato. Existem muitos deles nos jardins e quintais das residências. No Clube Recreativo Granjeiro também podemos ver belos jambeiros, remanescentes da época que se plantava esta árvore nesta cidade.

          Segundo o jornalista carioca Fred Coelho: “O Jambeiro-vermelho é uma espécie originária da Malásia, país invadido pelos portugueses em 1511. Eles partiram de Goa e conquistaram a região de Malaca, transformando o estado em uma cidade importante para a história da navegação ibérica durante sua fenomenal expansão pelos mares. Ou seja, na mesma época em que pingavam desterrados pela costa de Pindorama, as frotas portuguesas construíam igrejas e fortalezas sob as sombras do Jambeiro-vermelho. (...) Provavelmente o Jambo veio parar entre nós nesse momento de ligação transversal do Brasil com a Malásia, via portugueses e holandeses. Será daí, dessa origem transatlântica, seu cheiro leve de memória do tempo mordido? ”

              Que saudade sinto hoje daqueles tapetes, formados no chão, à sombra dos jambeiros que contribuíam para embelezar a paisagem de Crato...

24 maio 2018

Comemorações pelo centenário de nascimento de Dom Vicente Matos começarão no próximo 1º de junho

   Algumas das instituições e segmentos mais importantes da Região do Cariri – Diocese de Crato/ Prefeitura Municipal de Crato/Câmara de Vereadores de Crato/Universidade Regional do Cariri/Fundação Padre Ibiapina/ Instituto Cultural do Cariri/ Academia de Cordelistas de Crato, Sindicato dos Trabalhadores de Crato/ Seminário São José de Crato, mídia escrita, radiofônica e televisiva, colégios e escolas, dentre outros–  organizaram uma programação de festejos para comemoração do centenário de nascimento de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, terceiro Bispo Diocesano de Crato, a ocorrer no próximo dia 11 de junho de 2018.

URCA poderá conceder, post mortem,  Medalha Martins Filho a Dom Vicente
       A Comissão organizadora dos eventos e festejos – compostas por representantes das instituições acima sugeriu à Universidade Regional do Cariri–URCA, a possibilidade de conceder a Medalha Martins Filho a Dom Vicente de Paulo Araújo Matos (post mortem).
       Para justificar a concessão, a Comissão entregou pedido à URCA onde diz que  bastaria citar que o ensino superior, na cidade de Crato e na Região do Cariri, só se tornou realidade graças ao pioneirismo de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos. Com efeito, se temos hoje temos a Universidade Regional do Cariri, devemos reconhecer que esta instituição  adveio da criação do Instituto de Ensino Superior do Cariri, mantenedor da Faculdade de Filosofia de Crato, criada em 1959, por Dom Vicente Matos, e que este Instituto foi o embrião da atual Universidade Regional do Cariri.


Projeto republicano da Constituição de 1988 "caducou" em apenas 30 anos


   Greve dos caminhoneiros. Grandes contingentes das populações das capitais de estado sem transporte público. Alta do dólar. Estatais como os Correios e Petrobrás reconhecem sua impotência e entram na lista das privatizações. Deputados e senadores chegam ao píncaro da falta de credibilidade. Segurança Pública do Rio de Janeiro sob intervenção militar... e tantos outros fatos, atestam a falência da república brasileira.

    Em encontro no Rio de Janeiro, em junho do ano passado, o analista político português radicado no Brasil, o Sr. José Carlos Sepúlveda da Fonseca iniciou o ciclo de palestras com o tema “Ao cabo de três décadas, o fracasso de um projeto político de Nação”, já demonstrava como a Nova República, resultado da Constituinte de 1987-88, está “velha”, “caduca” mesmo! E que as suas instituições não servem mais à população e seus homens e mulheres públicos vivem completamente descolados da atual realidade dos brasileiros.

    Ao fim de sua palestra, o Sr. Sepúlveda havia exposto de forma clara que apenas o retorno à Monarquia Constitucional, orgânica, em plena conformidade com as tradições e a mentalidade brasileiras, poderá devolver nosso País ao rumo certo, interrompido com o golpe republicano de 15 de novembro de 1889. “A Monarquia cuida do País e do público, com uma sensação de ‘coisa própria’, disse ele. Imaginem uma família bem grande, em que há bens de uns e de outros. O que acontece em uma família bem grande? As pessoas todas cuidam daquelas coisas como se todas fossem delas, quando, muitas vezes, não são... São de um outro irmão, são de um primo... Mas elas têm o senso daquele conjunto. Ora, a República é o que? A República é anônima; a República cuida do público anonimamente; a República assalta o público. Por quê? Porque ela tem uma estrutura de poder totalmente artificial. ”
      Sábia reflexão.
Postado por Armando Lopes Rafael

23 maio 2018

4ª feira, 30 de maio de 2018: Crato vai coroar imagem histórica de Nossa Senhora da Penha – por Armando Lopes Rafael



   Em 2014, há quatro anos, a emoção tomou conta dos milhares de pessoas presentes à Praça da Sé, quando o cardeal Dom João Braz de Aviz coroou, em nome do Papa Francisco, a imagem histórica da Virgem da Penha (Foto Patrícia Silva)

    É uma tradição centenária. Este ano será repetida pela 118 (centésima décima oitava) vez. Na Catedral de Nossa Senhora da Penha, à noite, a imagem da Virgem Maria será coroada como Rainha e Padroeira dos cratenses. A tradição de coroar a imagem da Virgem Maria foi introduzida na Cidade de Frei Carlos, em 1900, pelo então vigário Padre Quintino Rodrigues, depois primeiro bispo de Crato.
    Segundo Olga Gomes de Paiva, ex-Chefe da Divisão Técnica do Iphan-Ceará: "A Coroação de Nossa Senhora, na Catedral de Crato, é uma das mais belas celebrações católicas no Ceará! A participação das crianças, com suas famílias, é a constatação do repasse de importante tradição cultural que, sem nenhuma dúvida, representa o fortalecimento dos laços familiares, nos quais se destaca o respeito pela figura materna e o enaltecimento para nós, mães de família. O patrimônio imaterial do Cariri não poderia ser mais bem representado do que nessa solenidade de coroação da Virgem Maria na cidade de Crato!". 

Em 2018
      Este ano a temática da coroação está dentro das  comemorações pelos 250 anos de criação da Paróquia de Nossa Senhora da Penha, fato acontecido em 1768. No próximo dia 30 de maio  a imagem a ser coroada é a histórica escultura de Nossa Senhora da Penha, que chegou a Crato em 1745, antes que esta cidade tivesse sua primeira paróquia. A solenidade promete muitas surpresas para a massa humana de católicos que acorrerão à Praça da Sé para o evento.

ONU rejeita pedido de medidas cautelares de Lula para ser solto



Fonte: Estadão
   Genebra - O Comitê de Direitos Humanos da ONU rejeitou o pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que seja solto no Brasil, como parte de medidas cautelares solicitadas por seus advogados. O caso nas Nações Unidas, porém, não está encerrado e uma avaliação completa de sua situação, iniciada desde meados de 2016, continua a ser realizada.
     O governo brasileiro terá mais seis meses para responder a uma série de perguntas formuladas pela ONU. Mas uma decisão, segundo a entidade, ficará apenas para 2019. "O Comitê de Direitos Humanos não concederá medidas cautelares no caso de Lula da Silva", declarou a porta-voz de Direitos Humanos da ONU, Julia Gronnevet.
      Uma resposta positiva por parte da ONU significaria, na avaliação da entidade, apertar o botão de "pausa" num processo em andamento para que eventuais violações de direitos humanos fossem avaliadas. Nesse caso, os riscos de um dano irreparável não foram constatados. A queixa de Lula foi levada ao Comitê de Direitos Humanos Nações Unidas em julho de 2016, pelo advogado Geoffrey Robertson. A denúncia central era de que Moro estaria sendo parcial no julgamento do ex-presidente. Em outubro daquele ano, as equipes legais da ONU aceitaram dar início ao exame.

Eleição
Mesmo sem atender ao pedido dos advogados de Lula, a ONU continua a avaliar o caso e juntar em um mesmo processo a questão da admissibilidade e seu mérito. Mas alerta que dificilmente teria uma posição final antes de 2019, depois, portanto, das eleições presidenciais.

22 maio 2018

Tanto a Bandeira, com suas cores verde-amarela, como o Hino Nacional do Brasil são heranças do Imperador Dom Pedro I – por Armando Lopes Rafael


    Dentro de menos de um mês, por ocasião da Copa Mundial de Futebol, a população brasileira divulgará as cores verde-amarela da nossa bandeira. Também o Hino Nacional voltará a ser ouvido com mais intensidade, estimulando – via futebol – o pouco que resta do patriotismo do povo brasileiro. Poucos sabem que devemos esses dois símbolos pátrios à iniciativa do herói da nossa independência: o Imperador Dom Pedro I. Aos fatos.

       A Bandeira do Brasil Império foi criada e oficializada através do Decreto de 18 de setembro de 1822. Foi desenhada por Jean-Baptiste Debret. Era composta de um retângulo verde e um losango amarelo, cores escolhidas por Dom Pedro I, para lembrar o verde da Casa de Bragança (origem do nosso primeiro Imperador) e o amarelo da Casa Real dos Habsburgos, de onde provinha a nossa primeira Imperatriz, Dona Leopoldina. Ou seja, não tem nada a ver com essa mentira republicana de que o “verde significa nossas matas” e o “amarelo do nosso ouro”, como nos ensinaram (e continuam a ensinar) enganosamente nas escolas.

     Também o nosso Hino Nacional (igualmente oriundo dos tempos imperiais) o mesmo que é ouvido, com todo respeito, por milhões de brasileiros, remonta ao Primeiro Reinado de Dom Pedro I.  Na Monarquia, o Hino Nacional Brasileiro era executado sem ter ainda uma letra. Conhecida apenas como “Marcha Imperial”, foi muito tocada nos campos de batalhas da Guerra do Paraguai. Depois desse conflito foi popularizada na cidade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Com o advento do golpe militar que implantou a “República dos Estados Unidos do Brazil” (para quem não sabe: este era o nome oficial do Brasil após o golpe militar que empurrou goela a baixo da população esta república fracassada, em 15 de novembro de 1889). E este nome que prevaleceu até 1967, quando uma das constituições republicanas crismou o país de "República Federativa do Brasil". 

        No chamado “Governo Provisório” – dirigido pelo Marechal Deodoro da Fonseca – foi instituído um concurso para a adoção de um novo hino nacional para o Brasil. A ordem era (tentar) apagar tudo que restasse do Brasil-Império. Viviam-se os novos tempos republicanos, diziam. E a propaganda oficial anunciava que tudo estava melhorando: que a pobreza vinha caindo; que a população estava comendo três refeições por dia; que agora havia justiça social...
        Quantas vezes, nos últimos 128 anos, assistimos a esse filme...

        Pois bem, na noite de 20 de janeiro de 1890, o Teatro Lírico do Rio de Janeiro estava superlotado, reunindo as mais destacadas personalidades da então capital brasileira, para conhecer o novo Hino Nacional. No camarote de honra, o velho Marechal Deodoro, àquela época já bastante decepcionado com alguns “companheiros” do golpe militar de 15 de novembro de 1889. O hino que obteve o primeiro lugar no concurso foi composto pelo maestro Leopoldo Miguez, com letra de Medeiros e Albuquerque. Na verdade, tratava-se até de uma bonita peça (hoje chamada de “Hino da República”), e que começa com o refrão: “Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós”.

        Ao final da execução do novo hino, o Marechal Deodoro bateu com a mão sobre o balcão do camarote e impôs:
          – Prefiro o velho!
        Foi quando ficou preservada para as gerações vindouras, a bela “Marcha Imperial”, o atual Hino Nacional Brasileiro, cujos primeiros acordes (“Ouviram do Ipiranga às margens plácidas/ De um povo heroico o brado retumbante”) nos enchem de orgulho e nos faz reviver o pouco do patriotismo que ainda resta à alardeada “brava gente brasileira”...

Texto e postagem de Armando Lopes Rafael

Sobre a “resistência monárquica” no Cariri cearense – 2ª Parte – por Armando Lopes Rafael (*)

“Nós somos monarquistas, 
não apenas porque a Monarquia é mais bonita, 
porque a Monarquia é mais eficiente, 
mas, sobretudo, porque a Monarquia
 é o regime que melhor corresponde 
à boa ordem posta por Deus na Criação.
Dom Bertrand de Orleans e Bragança 
 (Príncipe Imperial do Brasil)

    A priori, cumpre esclarecer que o renascimento do ideal monárquico, no Brasil, não se restringe apenas ao Cariri cearense. Ele está se espalhando por todos os quadrantes desta nação continental.

      Observa-se, e isso está nas mídias e redes sociais, que, no Brasil, voltou-se a reviver, e agora com maior intensidade – principalmente entre os jovens – um anseio, melhor dizendo, uma difusão de um ideal, buscando o retorno à forma de governo, inopinadamente interrompida há 128 anos, quando a nossa Pátria – que era uma grande família com um destino comum e bem definido a cumprir – respirava o ar de uma honrada e respeitada monarquia. O próprio descalabro republicano atual – com os sucessivos escândalos divulgados diariamente nas mídias, contribui para que o povo – sempre perspicaz e observador – faça suas análises e tire suas conclusões.

    Continuam, portanto, bem atuais as palavras proferidas, anos atrás, pelo renomado Prof. Sidney Silveira, num desses muitos “encontros monárquicos” que vêm sendo realizados neste nosso Brasil continental. Afirmou ele:
“A vanguarda, hoje, é ser ‘reacionário’; é olhar para o passado, com a coragem de afirmar valores que não são os que, hoje, contemporaneamente, predominam ”.

     Em plena segunda década do século XXI, em meio à saudade de quando, no nosso país, as coisas davam certo, paira no ar uma pergunta que não quer calar: Valeu a pena o Brasil ter sido transformado numa República?

   A verdade é que o brasileiro comum está cansado dessa instabilidade política que tomou conta do nosso país; está saturado com os sucessivos escândalos e decepções vindas das atuais lideranças políticas e administrativas; está perplexo (para usar um termo suave) com essa crise permanente causada pelos partidos políticos e por parte dos nossos homens públicos; pessoas sem credibilidade e que não representam a maioria da população brasileira.

      Eu, pessoalmente, ao longo dos anos, tive muitas provas de que a causa da restauração da Monarquia no Brasil carrega dentro de si o bem. E quando uma causa carrega a razão, ela tem Deus como advogado. Força humana nenhuma destrói uma causa, quando ela está com a razão. Já quando uma causa não carrega dentro de si uma razão, Deus a vê como juiz, e o maligno a serve como advogado.

     O bem sempre vence o mal. O mal, durante algum tempo, pode até dar a impressão de que foi vencedor. Mas, repito, o bem sempre vence o mal. E um dia, infelizmente não sabemos quando, a causa pela restauração da forma de governo monárquico no Brasil será vitoriosa.


(*) Armando Lopes Rafael, historiador. Sócio do Instituto Cultural do Cariri (ocupa a cadeira José Denizard Macêdo de Alcântara) e Membro Correspondente da Academia de Letras e Artes Mater Salvatoris, de Salvador (BA).

21 maio 2018

Brasil e mais 13 países não reconhecem legitimidade da eleição de Nicolás Maduro e vão convocar embaixadores venezuelanos

Fonte: “Jornal do Brasil”, 21-05-2018.

 O Brasil e mais 13 países ( Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia) que integram o Grupo de Lima, formado com o objetivo de buscar alternativas para a crise na Venezuela, informaram nesta segunda-feira (21) que não reconhecem a legitimidade das eleições venezuelanas. No poder desde 2013, o presidente Nicolás Maduro foi reeleito com 67,7% dos votos para mais 6 anos de mandato. Como protesto, os governos do Brasil e dos demais países vão convocar os embaixadores da Venezuela nas respectivas nações para prestarem esclarecimentos. “O Grupo de Lima continuará a acompanhar o desenvolvimento da situação na Venezuela, com o objetivo de adotar as medidas adicionais que se façam necessárias, de maneira individual ou coletiva, a favor do restabelecimento do Estado de Direito e da ordem democrática naquele país.”
Crítica contundente
Em nota oficial de oito itens, o Grupo de Lima foi categórico. “[Os países que integram o Grupo de Lima] não reconhecem a legitimidade do processo eleitoral que teve lugar na República Bolivariana da Venezuela, concluído em 20 de maio passado, por não estar em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente.”


Por que há uma resistência monárquica no Cariri? (1ª Parte) – por Armando Lopes Rafael (*)


No último 15 de novembro, aniversário do golpe militar que implantou a república no Brasil, monarquistas caririenses fizeram carreata de protesto, com encerramento junto à estátua do Padre Cícero, em Juazeiro do Norte.

     Pessoas perguntam a razão desse crescimento de monarquistas – principalmente entre os jovens –  nos dias atuais, aqui no Cariri. Os alienígenas são os que mais ficam intrigados com esta realidade da caririensidade.  Nascidos noutras regiões deste país continental, para cá esses alienígenas se transportaram, mas resistem em se adaptar à nossa realidade O etnocentrismo continua presidindo suas ações e reações.

     Desde o século XIX, pessoas de diversas camadas sociais do Vale do Cariri, este localizado no Sul do Ceará, tiveram a visão de defender uma forma de governo que se coadunasse com a mentalidade e anseios, tanto de parte da elite, como da maioria da população (chamada à época de “povinho”, denominação hoje rebatizada grosseiramente -- pela esquerda festiva -- de “povão). Essa visão de vida teve seu apogeu entre 1822 e 1889, época que nossa pátria era o Império do Brasil. E era respaldada pela mais antiga forma de governo que a humanidade conheceu: a Monarquia. Um regime orgânico, atrelado ao Direito Natural,  ainda hoje em vigor em vários países considerados como dos mais organizados do globo -- o chamado Primeiro Mundo -- aqueles que atendem satisfatoriamente ao bem comum.

    Este anseio e aspirações monárquicas prosseguiram no Cariri cearense, mesmo após o golpe militar que implantou a forma de governo republicana no Brasil. Naquele golpe, feito sem a participação do povo do Rio de Janeiro, por uma minoria militar e por fanáticos da seita Positivista, foi rasgada a Constituição do Império do Brasil (justamente a que mais durou (foram 65 anos dentro do império da lei) já que nestes 128 anos republicanos tivemos 6 (seis) constituições. E já estão pregando a convocação de mais uma, que seria a 8ª (oitava). Monarquistas caririenses, no entanto,  mantiveram acesa uma chama (e não somente   “um reflexo saudoso” de um passado que deu certo). Essa resistência monárquica tornou-se a bem dizer, um estado de espírito de pessoas da elite e do povo. Não se deve confundir o povo com a massa.

        Bem definiu o Papa Pio XII quando escreveu em meados do século XX: "Povo e multidão amorfa ou, como se costuma dizer, massa, são dois conceitos diversos. O povo vive e move-se por vida própria; a massa é em si mesma inerte e não pode mover-se senão por um elemento extrínseco. O povo vive da plenitude da vida dos homens que o compõem, cada um dos quais -- na sua própria situação e do modo que lhe é próprio -- é uma pessoa cônscia de suas próprias responsabilidades e de suas próprias convicções. A massa, pelo contrário, espera o impulso que lhe vem de fora, fácil joguete nas mãos de quem quer que lhe explore os instintos e as impressões, pronta a seguir, sucessivamente, hoje esta, amanhã aquela bandeira".
          Como as palavras de Pio XII são atuais na república brasileira... Voltaremos a falar sobre esta tradição monárquica,  latente e  mantida pelo povo do Cariri, em próximo artigo.

(*) Armando Lopes Rafael é historiador. Sócio do Instituto Cultural do Cariri (ocupante da Cadeira José Denizard Macedo de Alcântara) e Membro-Correspondente da Academia de Letras e Artes Mater Salvatoris, de Salvador (BA).

Parabéns, nobre Cratense Roberto Pessoa - Por: Valdemir Correia de Sousa


Aniversariante ilustre !



Hoje, dia 21 de Maio de 2018, temos a grata satisfação de parabenizar um dos Cratenses mais ilustres, que completa nessa data, 75 anos de vida e de bons serviços prestados à coletividade. Trata-se do eminente Roberto Pessoa, cidadão a quem o Crato acolheu como um dos seu filhos e que este acolheu o Crato como a sua segunda pátria. Roberto Pessoa possui um currículo de vida extenso e invejável, que nem caberia nesta pequena nota, mas vale salientar que dentre outras atividades, foi Deputado Estadual por duas legislaturas, é fã ardoroso e frequentador assíduo da exposição do Crato desde quase o princípio. 

Cidadão ficha-limpa, e querido do povo, exerceu por dois mandatos o cargo de prefeito da cidade de  Maracanaú, que também o tem em alta conta. Com sua personalidade, Roberto sabe cativar, e aqui em Crato possui uma legião de fãs dos mais ardorosos, tanto pela sua simplicidade, quanto pela sua dedicação às pessoas, pelo seu altruísmo de sempre que possível ajudar os outros pela simples bondade do seu coração. Assim é que espalha alegria por onde anda, e entre os muitos Cratenses seus amigos, especialmente. A sua atenção abnegada aos colegas se faz sentir, pois da minha parte, posso dizer que nunca precisei do Roberto Pessoa para este dar as costas ou apresentar qualquer dificuldade, muito pelo contrário, com ele não existem problemas, existem soluções e isso o torna uma pessoa muito diferente das demais que vemos no dia-a-dia. 

É meu sincero desejo nesta data, prestar uma pequena homenagem a este grande Cearense, a este grande Cratense, que com a força do seu trabalho, a sua luta, a sua dedicação, segue avançando em sua carreia política, e neste mesmo ano, pleiteará uma vaga na câmara dos Deputados, em Brasília, e que os bons ventos o conduzam em seus propósitos, para que este logre êxito, pois de fato, o merece. 

Caríssimo amigo Roberto, por tudo que tens feito pelo Ceará ao longo de todos esses anos, por tudo que certamente ainda hás de fazer pelo Crato, esta que também é tua terra, e por essa constante dedicação e solidariedade aos teus amigos, é que nesta data querida te desejo, e creio que posso falar em nome de todos aqueles que assim como eu te admiram, que você obtenha sucesso nos teus empreendimentos; Que sua luz brilhe cada vez mais alto. Desejo-lhe como a um irmão, votos de muita saúde, paz, alegrias, sucesso e prosperidade. Um Feliz Aniversário !

Do seu amigo de sempre,

Valdemir Correia de Sousa
Colaborador do Blog do Crato ( Desde 2005 registrando a história do Crato para a posteridade )
Crato, 21/05/2018




20 maio 2018

Verdade interior - Por: Emerson Monteiro


Luz nos abismos da consciência da gente, ou na verdade interior e sentido de tudo quanto existe, e existirá, aqui assim nos situamos em espécie, diante dos altares da Natureza perfeita. Querer construir em si, e construir. Edificar os túneis que conduzirão à libertação das limitações que a história impõe a homens e a séculos. Pura vontade de poder, harmonia, melodia e ritmo, desde mínimos detalhes da película em produção nas pálpebras do Universo virá este nascer de sol.

Mecanismo imortal da Criação, conduzimos em nós os barcos através dos mares desta vida feitos heróis, protagonistas, expectadores das cenas reais de revelar o mistério dos seres, autores, atores que somos dos papéis que desempenhamos. Músicos hábeis da improvisação e dos amores, semeamos saudade mil no solo dos personagens que amam, se amam e nos amam. Cá deste lado vamos a chorar, a sorrir; vacilar, prosseguir; dormir e sonhar os velhos roteiros de outras histórias, no palco de largas aspirações; conformações já evoluídas, no entanto, ao som das condições de cativos dos prazeres, choramos a despedida da condição atual e insistiremos continuar sobrevivendo no chão da felicidade que imaginamos agora.

Vozes de vontades que o tempo esqueceu numa estante qualquer, ao léu da sorte, ao sabor do vento, o brilho dos firmamentos mais distantes insiste alimentar lá dentro os dois personagens que se analisam e aguardam o momento certo de saltar sobre o abismo dos infinitos, olhos que brilham iguais à razão que lhes foge. Enquanto isto, a orquestra executa peças inesquecíveis; músicos fervem no desejo de mergulhar na inspiração e abraçar a beleza dos sentimentos soltos no ar.

No dedilhar dos violões, fagulhas imensas da fogueira do espírito viajam na distância das notas da imaginação. Todos apegos em um único ser, tela dos mínimos detalhes aos sóis da plenitude, das fibras íntimas deste instrumento de maravilhas advirá a resposta definitiva das virtudes e dos compositores. Um quadro disto resultará, do quanto fomos, somos e haveremos de ser, nesse dia que cresce no horizonte das criaturas humanas.

Seminário São José de Crato restaura Capela dedicada a Nossa Senhora da Confiança

Construída no pastoreio de Dom Fernando Panico, a Capela Nossa Senhora da Confiança, localizada no interior do Seminário São, em Crato, após passar por limpeza e restauração, foi reativada, no último dia  16,  com bênção do Sacrário e entronização do Santíssimo Sacramento. Foi apenas uma semana da restauração, do teto às paredes, passando pela mesa do altar. Além de celebração de Santa Missa e da Liturgia das Horas, a Capela também servirá para os momentos de formação ministrados pelo Bispo Diocesano de Crato.

Fonte: Site da Diocese de Crato.

19 maio 2018

A felicidade não se compra - Por: Emerson Monteiro


Este o título de um filme realizado na década de 40 do século passado, isso logo depois da Segunda Grande Guerra (1946). Película por demais festejada, durante longa data foi considerada a maior bilheteria da história do cinema, lógico que hoje superada por conta do aumento da população e dos outros meios de comunicação, o que impede das estatísticas funcionarem com a mesma precisão. No entanto ora pode ser localizada com facilidade através desses meios de tevê e internet, a fim de ser vista pelos que interessarem.

É a história de um espírito desencarnado, candidato a anjo que, para ganhar suas asas, recebeu a missão de ajudar um valoroso empresário que, em virtude de grave problema financeiro, provocado por desonesto banqueiro, tinha a intenção de se suicidar.

O aspirante a anjo foi encontrá-lo na véspera do Natal, à noite, prestes a saltar de uma ponte nas águas geladas que corriam embaixo. Fazendo-se visível e identificando-se, falou de sua missão e, sem nenhuma pretensão de demovê-lo da ideia, comentou que seria um desperdício, porque ele vinha sendo importante para muita gente. Ante o ceticismo de seu protegido, que se sentia um fracassado, o amigo espiritual mostrou-lhe várias situações que teriam acontecido se não fosse sua interferência. A morte do irmão, a tristeza da esposa, a situação lastimável de sua cidade entre outras. (Wikipédia)

Uma produção cinematográfica dirigida por Frank Capra e estrelada por James Stewart, dentre outros, ainda em preto e branco, que bem merece ser conhecida pelos que apreciam o que vale a pena ser apreciado.

Mas o que me deteve a considerar tal obra de arte leva em conta exatamente o título que recebeu, A felicidade não se compra (It’s a Wonderful life). Isto no tempo dagora quando tudo, ou quase tudo, custa o vil metal, ou os olhos da cara, qual dizem. Enquanto isto, a Humanidade arrasta a barriga no chão das almas e praticamente desconhece valores. Vou mais longe, não, pois o espaço esgotou, desta vez. Queira ver o filme e tire a própria conclusão. Abraço.

18 maio 2018

Em VEJA desta semana: Polícia Federal conclui que Gleisi Hoffmann recebeu dinheiro da Consist


Esquema de corrupção que desviou 100 milhões de reais nasceu na gestão do marido da senadora, Paulo Bernardo, no Ministério do Planejamento
(Por Hugo Marques)
 Rebaixamento - Gleisi Hoffmann: eleita senadora em 2010, ela agora tentará uma cadeira na Câmara dos Deputados (Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo)

     Após dois anos e seis meses de investigação, a Polícia Federal concluiu que a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, se beneficiou de dinheiro desviado em contratos do Ministério do Planejamento, que era ocupado por seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo. VEJA teve acesso ao relatório final do inquérito, que tramita sob segredo de justiça no Supremo Tribunal Federal. Segundo a PF, as condutas da senadora paranaense podem configurar corrupção passiva, lavagem de dinheiro e crime eleitoral.

“Existem indicativos de que Gleisi Helena Hoffmann de alguma forma colaborou para ocultar ou a dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores oriundos do esquema criminoso Consist, pois foram identificados diversos registros de pagamentos feitos em benefício da senadora Gleisi Helena Hoffmann ou pessoas relacionadas a ela e/ou ao marido Paulo Bernardo entre os anos de 2010 e 2015”, conclui o a PF.

          Com base em planilhas apreendidas, depoimentos de testemunhas, acesso a dados bancários e mensagens eletrônicas, os policiais conseguiram rastrear todo o caminho de grande parte do dinheiro entregue a Gleisi, Paulo Bernardo e pessoas ligadas ao casal, que receberam recursos desviados no esquema de corrupção. Gleisi, o marido, seus assessores e o escritório do advogado Guilherme de Salles Gonçalves, que representava o casal, receberam 7 milhões de reais do Fundo Consist em cinco anos. “Tais pagamentos aparecem como tendo sido feitos regularmente pelo escritório de Guilherme Gonçalves, mas na realidade tratavam-se de valores de corrupção recebidos pelo escritório de Guilherme Gonçalves”, diz a PF.
        A documentação mostra que a quadrilha ligada à empresa Consist, que desviou 100 milhões de reais no Ministério do Planejamento, queria desviar outros 100 milhões no Ministério da Previdência. Em uma das mensagens interceptadas pela polícia, um dos investigados, o empresário Washington Vianna, descreve, em 2011, no início do primeiro mandato de Dilma Rousseff, um plano para implantar o sistema no Ministério da Previdência: “Teríamos R$ 3,750 milhões/mês para fazer os acordos políticos necessários. Eu até diria que na Casa Civil, um apoio direto na próxima campanha presidencial durante 3 anos no total de R$ 100 milhões”.

17 maio 2018

Ainda haverei de ver!? - Por: Jorge Carvalho


Concluído e revitalizado o Estádio Virgílio Távora (O Mirandão). As ruas da minha cidade limpas, calçadas arborizadas, depósitos para a coleta seletiva do lixo. Praças revitalizadas e propícias ao lazer de crianças, jovens e idosos. As serestas retornarem à Praça da Sé. Ainda haverei de ver! Os bairros do meu sofrido Crato sendo respeitados, seus moradores com direito fundamental de andar por ruas limpas, saneamento básico presente. Ainda haverei de ver o Sport Club do Crato, o querido rubro-negro da cidade, sendo o nosso representante no Campeonato Cearense (1ª ou 2ª divisão). Ainda haverei de ver (ouvir) em uma emissora de rádio educativa ou universitária, instalada em minha cidade, a música de Abidoral, Pachelly, Salatiel, Leninha, João do Crato, Correinha, Eduardo Júnior, Aécio Ramos, Dihelson Mendonça, Tiago Araripe; Reisado do Mestre Aldenir, Coco das Mulheres da Batateira, Reisado Dedé de Luna, Maneiro Pau do Mestre Cirilo; a poesia de Luciano Carneiro, Olival Honor, Bastinha Job, Josenir Lacerda; as crônicas de Emerson Monteiro, Dr. José Flávio, Roberto Jamacaru; os artigos educativos de Alexandre Lucas e professor Carlos Rafael. Ainda haverei de ver minha cidade possuir um sistema de transporte coletivo que atenda dignamente às crianças, aos adolescentes e trabalhadores que, confortavelmente, se desloquem ao seu ambiente de trabalho ou seu local de estudo. Retornando da mesma maneira aos seus lares. Ainda haverei de ver as nossas escolas de samba retornarem à avenida iluminada (Dr. João Pessoa, Praça da Sé) num trabalho sério de resgate desta manifestação popular (o Carnaval). Ainda haverei de ver as nossas festas tradicionais, cívicas, comemorativas (Dia de Reis, Carnaval, Dia do Município, festas juninas, Festa da Padroeira, Semana do Folclore, malhação do Judas, Natal...) calendarizadas, discutidas com a população. Ainda haverei de ver o(a) secretário(a) de Cultura sendo eleito pelo voto popular. Ainda haverei de ver os nomes do saudoso Elói Teles e do inesquecível e injustiçado Correinha sendo lembrados para darem denominação a alguns futuros logradouros que por casualidade a atual administração venha a construir (ainda haverei de ver?). Ainda haverei de ver na entrada da minha cidade, via Bairro São Miguel, uma bela placa, bem iluminada com a frase: BEM VINDO, AQUI NASCEU CEGO ADERALDO. Outra, no bairro Batateira, com a frase: BEM VINDO, AQUI NASCEU SÁ RORIZ - HERÓI DA SEGUNDA GRANDE GUERRA. Ainda haverei de ver?

Crato: prossegue o mapeamento do Parque Ecológico do Sítio Fundão

O Parque Estadual do Sítio Fundão completa dez anos em 2018. A iniciativa do mapeamento  é resultado de uma parceria entre o campus do IFCE e a Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Ceará. 
 Um app de olho na conservação da natureza. Aplicativo, criado por professores e estudantes do campus de Crato do IFCE-Instituto Federal do Ceará, mapeia a flora e os bens históricos tombados do Parque Estadual Sítio Fundão, uma unidade de conservação (UC) localizada no município de Crato.
A iniciativa, chamada de Ecomapss, já vem funcionando desde o mês de janeiro/2018, com uma trilha interpretativa pelo parque, que identifica e fornece informações sobre plantas nativas, fósseis e pontos históricos da região.
Resultado de uma parceria entre o campus e a Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Ceará (Sema), o projeto foi desenvolvido pelos professores Gauberto Barros (Zootecnia) e João Alberto Abreu (Sistemas de Informação) e pelos estudantes João Willamy e Matheus Soares, do curso de Sistemas de Informação.

Expocrato promete ser o maior festival do Norte e Nordeste

Fonte: "Diario do Nordeste" -por Antonio Rodrigues - Colaborador

Além da entrega do novo Parque Pedro Felicio Cavalcante, a Expocrato terá muitos atrativos
Maquete do novo Parque de Exposição Pedro Felício
      Com a promessa de ser "o maior do Norte/Nordeste", foi lançado, ontem, o Festival Expocrato 2018, que será de 14 a 22 de julho. Com mais de 40 atrações, o evento ganha o reforço do Parque Pedro Felício Cavalcanti, que está sendo reformado. A mudança criou a expectativa de que o público aumente consideravelmente, assim como a feira de animais e as vendas.
       A Expocrato chega à 67ª edição, ao longo de 74 anos, trazendo, em sua abertura, após 16 anos, o cantor cearense Raimundo Fagner. Além dele, outros grandes artistas nacionais, como Luan Santana, Skank, Simone e Simaria, Jorge e Mateus, Marília Mendoça e Xand Avião estarão se apresentando. O passaporte para todos os dias, em seu primeiro lote, custa de R$ 110 a R$ 900, até segunda-feira (21). A partir daí, os preços serão reajustados.
       A Multi Entretenimento, Social Music, Arte Produções e Mega Som serão as responsáveis pelo festival e prometem uma mega estrutura com algumas novidades. Algumas delas são a roda gigante de 20m de altura, camarotes ampliados, lounge com palco, apresentações nos intervalos dos shows, praça de alimentação e um super palco. A área de shows contará com setores de preços específicos: Arena, Área Vip, Camarote Premium e Camarotes Corporativos.
        "A gente promete fazer o melhor possível. Estamos há bastante tempo lutando para isso. Começamos a nos reunir com autoridades para traçar projetos de trânsito, segurança, saúde. Um evento desses tem que envolver todo mundo", conta o diretor do grupo Arte Produções, João Carlos Diógenes.
       Outra novidade, neste ano, é a participação mínima de 30% de artistas da região do Cariri. A iniciativa partiu do prefeito de Crato, José Ailton Brasil, que, pela Câmara Municipal, criou Lei com um novo código tributário de desconto de 40% no imposto sobre serviço (ISS) para estes grupos.

Feira estruturada
       Um dos organizadores do evento, Francisco Leitão, presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos da Bio-Região de Araripe (Accoa), espera que a agropecuária tenha um aumento. "Já contatamos com amigos criadores e colegas de outras exposições, teremos um número superior", garante. Dez dias antes do evento dá para ter o número de animais expostos, mas Leitão acredita que haverá um terço a mais de caprinos, ovinos e bovinos, e crescimento de quatro vezes em equinos.
     "Isso é resultado do engrandecimento da exposição de 2007 para cá. Passamos a ter exposições ranqueadas. Esse trabalho e a credibilidade é o que fortalece a cada ano", explica. Além do aumento, os criadores poderão encontrar melhor estrutura ao fim da reforma do Parque. Os armazéns terão banheiros e está sendo construído um alojamento para os tratadores, que terão mais conforto.
       Os lojistas estão aguardando um aumento no número de visitantes na edição deste ano, a partir da ampliação do Parque de Eventos. O empresário Geraldo Pinheiro, um dos diretores da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL), conta que o comércio espera um aumento de 15% nas vendas durante os nove dias. "A nossa expectativa, como empresário, é a melhor possível. O comércio da Expocrato só perde para o Natal. Com a ampliação, terá condições de receber mais pessoas. Ela crescendo, tudo que fica no entorno crescerá", afirma.

Dom Gilberto convida governador Camilo Santana para solenidade do centenário de Dom Vicente Matos

    O Bispo Diocesano de Crato, Dom Gilberto Pastana de Oliveira, enviou correspondência ao Governador do Ceará, Camilo Santana, convidando-o para participar da solenidade de encerramento das comemorações alusivas ao centenário de nascimento de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos. O evento final deverá ocorrer no próximo dia 11 de junho. O último evento constará da Sessão Especial da Câmara de Vereadores de Crato em homenagem a Dom Vicente Matos – tendo como local o auditório da URCA, às 19:00 h – quando será sancionada a lei que denominou de “Avenida Dom Vicente de Paulo Araújo Matos”, a avenida que se inicia no bairro Mirandão e termina no monumento a Nossa Senhora de Fátima, localizado no bairro do mesmo nome. Nesta sessão serão outorgadas duas Medalhas Post-Mortem a Dom Vicente Matos, as quais serão guardadas no memorial do 3º Bispo de Crato a ser instalado num anexo da Catedral de Crato.

         Na carta enviada ao Governador Camilo Santana, Dom Gilberto inseriu os seguintes parágrafos:
 “  Ocioso explicar para V. Excia. a importância e o que representou Dom Vicente Matos para a promoção social do Cariri.  V.Excia. – filho de pais católicos e atuantes nas atividades da Igreja Católica na nossa região –, tendo vivido toda a sua infância e adolescência entre nós, conhece bem o relevante papel exercido pelo 3º Bispo de Crato.
        Para que esta data fosse devidamente festejada, a Diocese de Crato, em parceria com a Prefeitura Municipal de Crato/Câmara de Vereadores de Crato/Universidade Regional do Cariri/Fundação Padre Ibiapina/ Instituto Cultural do Cariri/ Academia de Cordelistas de Crato/Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Crato e Seminário São José de Crato organizaram uma programação que será cumprida entre os dias 08 a 11 de junho vindouro”.

15 maio 2018

A consistência da Verdade - Por: Emerson Monteiro


Nessa viagem de dentro, nas circunstâncias do eu invisível de que somos dotados, única que guarda possibilidades infinitas de chegar a destino certo, existem sonhos, flores, amores, dores, esperança e muita fé. É ela essa força descomunal que arrasta as gerações mundos afora, a cada madrugada, todo dia, horas vivas, pelas malhas do espaço e dos céus intocados pela visão. Vontade, entretanto, insiste no dispor das criaturas humanas a que busquem chegar cada vez na real libertação de si. Grandes aventuras advirão nesse percurso que lhes reservam os tempos através das tantas chances de construir outra vez os castelos da própria existência imortal que todos decerto anseiam diariamente obter.

A realidade, contudo, desvela àqueles que elegem o conceito das palavras ao bel-prazer, que fugiram da disposição do Verbo que se fez carne e habitou entre nós, fechando o ciclo só das experimentações individuais.

...

Necessários se fizeram, em face disto, milhões de séculos a nos aperceber, e talvez até esquecer, de outras tantas vezes dos passados infernos e paraísos que vagaram acesos na Consciência das pessoas que nós somos. Responsáveis, pois, pela criação de verdades particulares incertas por demais, os humanos carregam consigo, sob esse manto ainda escuro da dúvida, o devir de regressar ao local do crime e refazer lendas que lhe alimentaram os corações embrutecidos de tanto pensar que soubéssemos de tudo, e quase de nada saber.

Porém nalgum lugar secreto do mistério ali persistirá a Verdade sempiterna que organiza o Universo e salvará os heróis envilecidos no drama das gerações. Planos estabelecidos deste Ser definitivo, lá belo dia a Perfeição envolverá de verdade o efeito desejado, revertendo em festa as verdades parciais, no fim de reconhecermos a árvore essencial onde mora Felicidade, no Céu grandioso da realização dos seres menores.

(Ilustração: Maurice de Vlaminck).

14 maio 2018

O Crato como eu quero – por Pedro Esmeraldo

    
  Estava no Crato Tênis Clube, conversando amigavelmente a fim de espairecer das canseiras diárias, mas as opiniões escutadas me deixaram aborrecido. A maioria dos políticos andam um tanto insensata! E não cumprem promessas feitas durante a campanha eleitoral. Qual o Crato que quero? Um Crato dinâmico com o progresso equilibrado.  Um Crato com políticos arrojados, honestos, decididos a levarem minha cidade natal ao píncaro do progresso e sadio desenvolvimento.

     Não gostei dos pensamentos negativos que ouvi. Irritado, retirei-me do local. Não gosto de ouvir palavras desconexas, ou que ninguém fale mal do meu Crato. Crato não está parado: apenas estamos vivendo uma fase negativa da sua história. Notem bem que apareceu uma horda de políticos semianalfabetos, que não soube comandar o barco na área política-administrativa. Por isso, observa-se que a Câmara de Vereadores é constituída (salvo algumas exceções) por políticos medíocres e com pouco conhecimento.

      A meu ver, assim penso, quem deveria comandar o destino da cidade seriam pessoas preparadas, com visão de futuro, evoluídas, que saibam promover o bom desempenho e evitar as ações que trazem estagnação a nossa querida cidade. Crato é detentor de grande patrimônio histórico-patrimonial e cultural. Agora mesmo, assim penso, nosso povo ainda não fez valer uma proposta séria e objetiva. O que vemos são as ações dos invejosos, que levaram daqui o que conseguimos com dificuldades, com o intuito de desestimular o desenvolvimento do nosso município.


        Às vezes, fico pensando: porque esses indivíduos que andam renegando o Crato não se calam, ou então, deixam o Crato em paz, pois vivemos um tempo favorável, e o Crato poderá progredir. Desejo que haja boas opções para facilitar–  com medidas alternativas – um projeto de desenvolvimento constante, visto que se tem a confiança em Deus e este município é dotado de recursos naturais e de uma gente pacífica e trabalhadora.

      Senhores políticos do Crato: peço então que não falem mal do meu torrão natal. Se os senhores não gostam do Crato mudem de lugar. Ou então trabalhem com afinco, votem nas verdadeiras lideranças de Crato e não deixem se influenciar pelas conversas destoantes, aquelas que vêm do povo do outro município cujo único objetivo é destruir o Crato. De fato, aquele povo de comportamento desequilibrado em relação ao Crato, não tem amor à sua terra nem a esta região.

      Poucos ficam sabendo que esses gritos ensurdecedores não enaltecem o Crato, mas tudo que ele tinha foi levado daqui, tirado na marra, devido a fraqueza de alguns políticos mambembes que se deixam esmorecer, sem nenhuma reação, leva o Crato a perder o seu desenvolvimento estrutural, visto que têm-se perdido grandes melhoramentos destinados à Princesa do Cariri. Esquecem esses políticos que devem tudo ao Crato, inclusive os atos e efeitos de crescer, pois desprezam o Crato, retiram os principais acertos que poderiam acelerar nosso desenvolvimento com equilíbrio, pois foi quem deu o sustento desses ditos políticos e permanecem na lama do desequilíbrio moral.

       O povo tem memória curta e esquece o bom bocado que recebeu com dignidade. Hoje, vive afastado deste município, querendo destruí-lo, provocando dissabores, submergindo este município nas profundezas das águas enlameadas, provavelmente caiu do mal comportamento, da desordem, do desequilíbrio. Povo cratense, não se deixe levar por essa onda de malfeitores, desses “espíritos malignos que só vêm aqui atanazar’’. Não esmoreçamos. Lutemos, trabalhemos.  Com luta e amor de todos ao nosso ao município, o Crato progredirá.

Procisão Luminosa para Nossa Senhora de Fátima reúne milhares de fiéis no entorno da imagem, em Crato

Fonte: Comunidade Missão Resgate

    Milhares de fiéis católicos participaram da 2ª Caminhada com Maria, no entorno do monumento a  Nossa Senhora de Fátima, em Crato. A procissão luminosa teve início por volta das 17h30 e os participantes caminharam pelas ruas do bairro de Fátima (antigo Barro Branco) juntamente com Pe. Acúrcio Barros, Missionário da Misericórdia e Geraldinho Correia, fundador da Comunidade Missão Resgate.
         O cortejo superou a expectativa dos organizadores, "Estou surpresa por se tratar da primeira vez que celebramos o Tríduo e a Festa de Fátima aqui na Estátua", comentou Tatiana Oliveira, da organização da caminhada.  Mesmo sob uma leve chuva, os fiéis caminharam protegendo suas velas nas mãos acompanhados da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, considerada como uma das invocações marianas atribuídas à Virgem Maria.

     Após pouco mais de uma hora de caminhada,  o cortejo foi encerrado  na Capela das Aparições (uma réplica da que existe em Fátima-Portugal) com uma celebração eucarística e a coroação da imagem da Virgem de Fátima.

    A Comunidade Missão Resgate tem fortalecido a acolhida e os momentos de oração no local que abriga o monumento a Nossa Senhora de Fátima. E está se consolidando como um importante espaço de peregrinação na região do Cariri cearense. O Demutran estima o número de participantes -- na caminhada deste dia 13 de maio  -- em pelo menos 10 mil pessoas.

Já está funcionando o Shopping Popular de Crato (antigo camelódromo)

       Erguido no mesmo local onde abrigava o antigo e apertado Camelódromo, o Shopping Popular de Crato tem 179 boxes, para a comercialização de diversos produtos nos setores de confecção, plantas medicinais, variedades, temperos, frutas e verduras, artesanato, chaveiros, ferragem e calçados, dentre outros.   
     Embora ainda não tenha sido oficialmente inaugurado pelo Governador Camilo Santana (idealizador e construtor da obra) o Shopping Popular de Crato (antigo camelódromo) já está funcionando.
          Possui também uma área com praça de alimentação, quatro banheiros, sendo dois masculinos e dois femininos, adaptados para deficientes e uma área administrativa. Um valioso equipamento para alavancar o comércio de microempresários da Cidade de Frei Carlos.

Fazendo justiça a Dom Vicente Matos – por Armando Lopes Rafael



       Poucos habitantes de Crato vibraram tanto quanto eu, quando se divulgou que a Câmara de Vereadores aprovou a denominação de “Dom Vicente Matos” para a nova avenida (com início no bairro Mirandão, e término no novo bairro de Fátima) outro acesso ao monumento de Nossa Senhora de Fátima.
     Era uma dívida imensa que a Cidade de Frei Carlos tinha para com a memória de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, o maior benfeitor de Crato.
      Lembrei-me de que, tempos atrás publiquei um articuleto do qual transcrevo trechos abaixo:
***   ***   ***
       “Consta no imaginário popular da cidade de Sobral, que o maior benfeitor daquela importante urbe cearense – o bispo Dom José Tupinambá da Frota – um dia, amargurado com as ingratidões que sofria dos seus conterrâneos, teria desabafado: “Em breve morrerei, e Sobral vai passar 40 anos estagnada para dar valor a quem somente trouxe benefícios para esta cidade”. Dom José morreu em 1959, e Sobral ficou estagnada até 1999, quando o sobralense Ciro Gomes foi eleito governador do Ceará e aquela cidade voltou a crescer. Foram 40 anos de quase estagnação. Comparando o alardeado fato com esta Nobre e Heráldica Cidade de Crato: Será que coisa análoga não acontece aqui? O maior benfeitor de Crato, seu 3º bispo, Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, foi um gigante em reivindicar e trazer melhoramentos para a Princesa do Cariri. Também ele recebeu muita ingratidão por parte de uma minoria de “linguarudos”. Era chamado de “Dom Ratão”, uma injustiça que clamava aos céus!
        Pois com “fama” de ladrão, Dom Vicente morreu paupérrimo, em 1998, quando há seis anos, vivia de um mísero salário do INSS. Quem sabe não estejamos nós (todos os que aqui moramos) pagando pela injustiça cometida que essa minoria desalmada fez contra Dom Vicente, um Sucessor dos Apóstolos, um homem bom, profundamente caluniado e injustiçado. Na dúvida, já passou do tempo para os homens e as mulheres de bem desta cidade façam uma reparação pública à memória do 3º bispo de Crato! O leitor sabe que não existe sequer uma ruela, ou até mesmo até um beco como o nome de Dom Vicente Matos, na cidade onde ele continua sendo o maior benfeitor? ”
***   ***   ***
           Graças a Deus essa fase de ingratidão começa a desaparecer. No próximo dia 1° de junho a população cratense vai festejar o centenário de nascimento de Dom Vicente Matos. É o início da reparação à memória deste grande homem. Quem sabe novos e abençoados tempos voltem a cair sobre esta terra que tem Nossa Senhora da Penha como Rainha e Padroeira?
Ilustração abaixo:
Há 63 anos o jornal O POVO publicou:

13 maio 2018

Poder da Sabedoria - Por: Emerson Monteiro


Esta luz que vem de dentro, do auge da Consciência. Portal de todos os sois, que ilumina a si e alumia o caminho dos demais. Vitória sobre o demônio da ignorância, o que permeia inteiro os filamentos do Universo sem fim. Luz, pura luz, a luz pura e inigualável. Nas palavras de Buda, estas são as três paixões mais graves: sede de amor, apego à existência, cegueira da ignorância.

Luz que cura os males humanos, o brilho do Conhecimento que apaga abismos de maldades, esclarece as interrogações e acalma oceanos de perquirições, no decorrer das jornadas de tantas e tantas culturas.

Ora, da ignorância é que nascem todas as paixões; com a destruição da ignorância, todas as paixões serão igualmente destruídas. (Buda).

A distância, pois, que permeia pensar que sabe e saber propriamente significa ânsia dos desejos sem a concretude das realizações plenas. E resta em todo ser agir no sentido justo de equacionar o enigma de pensar, e cuidar de saber propriamente.

Esforço contínuo das raças, a luz da verdadeira ciência norteia os tempos pelas vidas afora. Quando não souber como agir, ouça a voz da Consciência, o que exige o mínimo de humildade e sabedoria. Nisso, claudicam os aventureiros do espírito e padecem as histórias dos equívocos, contradições e desesperos. Porém existe o que bem demonstram místicos e sábios nas civilizações. Eis a função primordial de tudo, desvendar a efetiva transformação das limitações e reverter os quadros da miséria que enoda um passado estéril.

Isto, no entanto, compete só aos indivíduos, conquanto os caminhos perpassam o mistério da existência pessoal, a identificar respostas consistentes. Tais, com isso, o transe que se abre de dentro, e outra razão não existirá senão reconhecer os limites e superá-los, no transcorrer das gerações. A ti, o pomo do Ser, caberá, portanto, decifrar a que viemos e brilhar a própria Luz, esteio da salvação dos Céus.

12 maio 2018

Compadre Hipólito - Por: Emerson Monteiro


Debaixo das sete capas da memória sobrevivem outros você que quase nunca há de findar. Quando contam que depois disso tudo daqui do Chão nem lembrança existirá do que ficou na estrada, imagino aonde sumirão as recordações dessas vidas cheias de novidade. Aonde desfar-se-ão os momentos e os personagens que marcaram as histórias, que tantos são fortes por demais, entranhados nas carnes da ausência feitos dentes molares e caráter definitivo.

Em meio dos viventes do Tatu, ele marcou a intermitência dessas memórias feito grude. Compadre Hipólito. Dos derradeiros a largar o sítio, ainda hoje dele persistem herdeiros, filhos que escolheram permanecer no lugar diante da derrocada dos tempos. Manoel, por exemplo, que mora numa das casas de taipa que restaram, lá em cima da represa do Açude Velho, com Zuca, um dos irmãos que ficou assim meio alheio do mundo, e talvez por isso resista à voragem dos desaparecimentos-lembrança.

Hipólito era compadre de meus avós. Dos moradores, o melhor ligado à casa grande, espécie de imediato em tudo. Ele mergulhava para abrir a bomba que deixava passar a água de abastecer fruteiras do brejo, logo abaixo da parede. Fôlego admirável. Os meninos sentavam só a olhar e acompanhar quanto tempo levaria debaixo d’água, gigante mergulhador que era. A gente estava quase desistindo, daí ele saltava na flor da água feito peixe grande.

Tirava leite das vacas bem cedo no curral, aonde bebíamos dos copos com canela o líquido espumante e morno, determinação de nossa mãe. Arriava os bezerros, tangia o gado no rumo da manga, cortava pasto e acompanhava os carneiros e cuidava de serviços no eito. Sempre na indumentária surrada, camisa de mescla e bermuda rota, escurecida de manchas das nódoas do trabalho; um facão embainhado pendendo da cintura; chapéu de palha encardido de sol e poeira; vozeirão manso, ritmado, cauteloso e fiel.

Bem depois, isto já longe de hoje, conversávamos numa de minhas idas ao antigo torrão natal, e ele observava meu interesse pela política. Daí me contou que nosso bisavô, Gustavo Augusto, insistia com meu avô a que entrasse na sucessão em Lavras, daí 12km. E vô respondia reticente:

- Gustavo, deixe eu aqui na calma do Tatu. Isso é assunto dos outros parentes, feitos nessas procuras.